Terremoto e Tsunami no Japão: Alerta de Evacuação Emitido após Série de Fortes Abalos Sísmicos

Yusuke FukuharaThe Yomiuri Shimbun/Reuters

Compartilhe:

O Japão foi atingido por uma série de terremotos de grande magnitude, resultando em um alerta de tsunami e a ordem de evacuação de quase 100.000 residentes. Os abalos sísmicos atingiram Ishikawa e áreas próximas, sendo que um deles teve magnitude preliminar de 7.6, de acordo com a Agência Meteorológica do Japão. Infelizmente, quatro pessoas já perderam suas vidas devido aos terremotos ocorridos hoje, como relatado pela Kyodo News, citando a equipe de gerenciamento de crises em Ishikawa.

Riscos e Consequências

Existem relatos de pessoas presas nos escombros de edifícios colapsados e dezenas de milhares de residências estão sem energia elétrica. A população está sendo instada a buscar terrenos mais altos devido à ameaça de tsunami. Segundo a emissora japonesa NHK, ondas de até 3 metros de altura foram previstas, e a população foi orientada a procurar áreas mais altas ou se abrigar no topo de prédios próximos o mais rápido possível. Há também a advertência de que as ondas de tsunami podem continuar chegando e que novos terremotos fortes podem ocorrer na região nos próximos dias.

O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, instou os moradores a evacuarem imediatamente diante da ameaça de tsunami, ressaltando a importância de se manterem alertas para possíveis abalos sísmicos adicionais. O porta-voz do governo, Yoshimasa Hayashi, destacou a necessidade das pessoas nas áreas costeiras se afastarem do tsunami iminente, afirmando que “cada minuto conta” e pedindo que elas se dirijam imediatamente para uma área segura.

Riscos de Tsunami no Japão

O Japão é extremamente propenso a terremotos, e a história recente do país é marcada por tragédias causadas por tsunamis. Em 2011, um terremoto na costa leste do Japão gerou ondas de até 40 metros de altura, resultando na perda de quase 20.000 vidas e no deslocamento de 200.000 pessoas. Embora o terremoto atual e o tsunami resultante não sejam comparáveis em escala àqueles eventos devastadores, as autoridades japonesas estão tomando medidas precaucionais para garantir a segurança da população.

De acordo com cientistas, o terremoto atual, com magnitude de 7.6, liberou cerca de 250 vezes menos energia do que o terremoto de 2011. No entanto, devido à sua profundidade rasa de apenas 10 quilômetros e à sua proximidade com a costa, o risco de tsunami é considerado significativo. Por esse motivo, as autoridades japonesas emitiram um “alerta de tsunami major” – um risco de ondas de 3 metros ou mais – algo que não ocorria desde 2011. Posteriormente, o alerta foi rebaixado para um “alerta de tsunami”.

Riscos de Tsunami no Mar do Japão

Os terremotos de grande magnitude na costa oeste do Japão são mais raros, mas não são inéditos. O terremoto de Okushiri em 1993 teve tamanho e profundidade semelhantes ao terremoto atual e causou um tsunami significativo que matou 230 pessoas. A localização desses terremotos também torna o risco de tsunami menos previsível. O Mar do Japão é um oceano fechado em comparação com o vasto Oceano Pacífico a oeste do Japão. As ondas de tsunami podem ricochetear, refletindo-se nas costas e ilhas circundantes, o que às vezes resulta em ondas maiores do que as causadas pelo terremoto inicial.

No entanto, devido ao fato de que esse terremoto é significativamente menos poderoso do que o ocorrido em 2011 ou do tsunami catastrófico do dia de Natal de 2004, é improvável que ocorram interrupções além da costa leste do Japão.

Impacto e Medidas de Segurança

O terremoto e o tsunami resultante já causaram danos significativos na região de Ishikawa. Segundo o Departamento de Bombeiros local da cidade de Wajima, pelo menos 30 edifícios entraram em colapso até o momento. Além disso, mais de 36.000 residências ficaram sem energia elétrica nas províncias de Ishikawa e Toyama, de acordo com a fornecedora de serviços públicos Hokuriku Electric Power.

Os serviços de trem de alta velocidade para Ishikawa foram suspensos e várias companhias aéreas cancelaram voos para a região de Toyama e Ishikawa. As usinas nucleares na área não relataram irregularidades, segundo a Agência de Regulação Nuclear do Japão. No entanto, a situação está sendo monitorada de perto para garantir a segurança.

Alertas Internacionais

O terremoto e o alerta de tsunami no Japão também geraram preocupações em outros países da região. A Rússia emitiu um alerta de tsunami para partes da costa oeste da ilha de Sakhalin e para as cidades de Vladivostok e Nakhodka, que estão situadas perto do Japão. A Coreia do Norte também emitiu alertas de tsunami para a costa leste do país. Na Coreia do Sul, ondas de 1 metro de altura atingiram a costa leste, e a agência meteorológica local alertou para a possibilidade de mais ondas e de ondas maiores nas próximas horas.

Conclusão

Embora o terremoto e o tsunami no Japão tenham causado danos significativos e gerado preocupações em países vizinhos, as autoridades estão tomando medidas rápidas e precaucionais para garantir a segurança da população. O Japão, com sua experiência em lidar com desastres naturais, está mobilizando recursos e orientando os cidadãos a tomar as medidas necessárias para se protegerem.

É importante que as pessoas que vivem nas áreas costeiras estejam atentas às orientações das autoridades e evacuem quando for instruído. A segurança da população é a prioridade máxima nessas situações, e o Japão está preparado para enfrentar e superar os desafios que esse desastre natural trouxe.