Subsecretaria da Juventude leva curso de manutenção de motor de popa para comunidades ribeirinhas

Divulgação

Compartilhe:

Levar cidadania e empregabilidade para as comunidades ribeirinhas foi o objetivo do primeiro curso de manutenção de motor de popa oferecido aos jovens e adultos das comunidades ribeirinhas da região do Pantanal. 

Durante os dias 17 a 20 de janeiro, a Subsecretaria de Políticas Públicas para a Juventude, pasta ligada à SEC (Secretaria de Estado da Cidadania) levou formação profissional à população em parceria com o Senai, Prefeitura e Coordenadoria de Juventude e Qualificação Profissional de Corumbá, Pesqueiro Dona Odila e Programa Povo das Águas.

Foram mais de 50 alunos aprendendo na teoria e na prática como identificar e resolver problemas que estão no dia a dia da comunidade que vive não só do turismo de pesca como também veem nos barcos o único meio de transporte para algumas regiões. 

Mãe e filha, Cecília e Alanis Mendes participaram juntas da formação, e descrevem como agora se sentem mais seguras para realizar a manutenção no motor. “É muito importante ter um curso como este na nossa vida até mesmo por conta do turismo. A grande maioria das pessoas aqui vivem da pilotagem, e quando tem que consertar alguma coisa, que às vezes é básica, a gente precisa levar para Corumbá”, relata Alanis. 

As duas moram do outro lado da margem e usam diariamente o barco como meio de transporte. “Se acontecer alguma avaria no motor, a gente já sabe como consertar. Além de ser muito importante para a juventude aprender, porque esta é a nova geração que vai ficar aqui e vai precisar saber resolver os problemas”, completa a mãe. 

O curso foi realizado no Pesqueiro da dona Odila, e contou com a presença da empresária que ressalta nunca ter visto uma capacitação assim. “É uma grande oportunidade junto ao Governo e a Prefeitura para nós ribeirinhos. Este momento é único, eu estou com 30 anos aqui e nunca vi um curso de manutenção de motor sendo realizado aqui, e essa é a nossa condução principal, então é de grande valia”, comenta. Só no pesqueiro de Odila, é uma frota de 50 motores à espera de novos profissionais. 

“De repente vocês se abrem e veem que é uma boa oportunidade de profissão, ser mecânico. Para todo mundo que mora aqui é essencial, sem barco, sem motor não vivemos”.