Servidores alvos de operação do Gaeco são afastados pelo Governo do Estado

Midiamax

Compartilhe:

Depois da operação Tur Off, deflagrada nesta quarta-feira (29), pelo Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção) com apoio do Gaeco (Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado), envolvendo servidores estaduais, o Governo de Mato Grosso do Sul informou, por meio de nota, que os alvos serão afastados de suas funções.

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul informa que os servidores sob investigação, no âmbito da operação do Gaeco/Gecoc, realizada na manhã de hoje, quarta-feira (29), resultante de inquérito sobre contratos firmados em anos anteriores, serão imediatamente afastados de suas funções.

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul informa que a medida visa garantir total transparência sobre contratos e procedimentos adotados pela gestão pública.

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul esclarece ainda que a operação não se estendeu a órgãos do Governo do Estado e que a Controladoria-Geral e a Procuradoria-Geral acompanharão as novas etapas da investigação.

A ação de hoje resultou na prisão do secretário-adjunto estadual de Educação, Édio Antônio Resende de Castro, do ex-secretário estadual de Saúde, Flávio Brito, do ex-superintendente de Comunicação, Thiago Haruo Mishima, a ex-integrante da comissão de licitação, Simone de Oliveira Ramires Castro, a coordenadora de contratos da Secretaria de Educação, Andrea Cristina Souza Lima, o coordenador da CER/Apae, Paulo Henrique Muleta Andrade, Victor Leite de Andrade e o diretor da Maiorca Soluções em Saúde, Sérgio Duarte Coutinho Junior. O oitavo alvo segue foragido.

Segundo o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), os oito envolvidos na operação desta quarta, são acusados de integrar uma organização criminosa voltada para as práticas dos crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, fraude em licitações, contratos públicos e lavagem de dinheiro.

A investigação envolve contratos que somam R$ 68 milhões pagos pelo poder público durante a gestão do então governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Ele não é alvo da operação.

Foram executados oito mandados de prisão e 35 de busca e apreensão em Campo Grande, Maracaju, Itaporã, Rochedo e Corguinho.

“Em resumo, a organização criminosa atua fraudando licitações públicas que possuem como objeto a aquisição de bens e serviços em geral, destacando-se a aquisição de aparelhos de ar-condicionado pela Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul (SED/MS), a locação de equipamentos médicos hospitalares e elaboração de laudos pela Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul (SES/MS), materiais e produtos hospitalares para pacientes da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Campo Grande, dentre outros, havendo, nesse contexto, o pagamento de vantagens financeiras indevidas (propina) a vários agentes públicos”, informou o Ministério Público por meio de nota divulgada à imprensa.

A investigação contou com provas emprestadas pela Operação Parasita, que apurou desvios milionários no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul Rosa Pedrossian e na Secretaria Estadual de Saúde. A Justiça autorizou o compartilhamento das provas que levou à deflagração da nova operação.

Saiba mais

O nome da operação Turn Off, significa na tradução do inglês para o português, ‘desligar’, e foi originado do primeiro grande esquema descoberto na investigação, relativo à aquisição de aparelhos de ar-condicionado, e decorre da ideia de ‘desligar’ (fazer cessar) as atividades ilícitas da organização criminosa investigada, explicou.