Ferramenta de reinserção social, educação prisional cresce em 15% de reeducandos matriculados no ensino regular

Divulgação

Compartilhe:

Dados apresentados pela Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) demonstram resultados significativos referentes à educação prisional em 2023. O balanço anual aponta que, 4.660 reeducandos de Mato Grosso do Sul estavam matriculados no ensino regular, contemplando Fundamental, Médio, Superior e Pós-graduação.

Do total de matriculados em 2023, 3.327 cursaram o ensino fundamental; enquanto 1.257, o ensino médio. Além disso, por meio de parcerias da Agepen com universidades, 76 reeducandos participaram de cursos de graduação e pós-graduação à distância dentro de estabelecimentos penais.

Os números revelam que houve um aumento de quase 15% em relação a 2022, que era de 4.057 internos matriculados. “É consequência do empenho das equipes de servidores, bem como, das parcerias firmadas com a Secretaria Estadual de Educação e universidades que proporcionam um ambiente educacional propício dentro das unidades penais, contribuindo para a transformação de homens e mulheres durante o cumprimento de pena”, destaca o diretor-presidente da Agepen, Rodrigo Rossi Maiorchini.

Dados apresentados pela Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) demonstram resultados significativos referentes à educação prisional em 2023. O balanço anual aponta que, 4.660 reeducandos de Mato Grosso do Sul estavam matriculados no ensino regular, contemplando Fundamental, Médio, Superior e Pós-graduação.

Do total de matriculados em 2023, 3.327 cursaram o ensino fundamental; enquanto 1.257, o ensino médio. Além disso, por meio de parcerias da Agepen com universidades, 76 reeducandos participaram de cursos de graduação e pós-graduação à distância dentro de estabelecimentos penais.

Os números revelam que houve um aumento de quase 15% em relação a 2022, que era de 4.057 internos matriculados. “É consequência do empenho das equipes de servidores, bem como, das parcerias firmadas com a Secretaria Estadual de Educação e universidades que proporcionam um ambiente educacional propício dentro das unidades penais, contribuindo para a transformação de homens e mulheres durante o cumprimento de pena”, destaca o diretor-presidente da Agepen, Rodrigo Rossi Maiorchini.

Exames nacionais

Em 2023, o Enem PPL (Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade) foi aplicado a 1.836 custodiados pela agência penitenciária de Mato Grosso do Sul, representando 15% a mais que o ano anterior, com a participação de 1.589 inscritos.

A prova é aplicada desde 2010 pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), em parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Senappen (Secretaria Nacional de Políticas Penais).

Já em relação ao Encceja PPL (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para pessoas privadas de liberdade), somam-se 2.910 custodiados participantes, em 2023, que realizaram as provas em 38 unidades prisionais do estado; destes, 1.040 foram aprovados.

O Encceja PPL visa aferir habilidades e saberes em nível de conclusão do Ensino Fundamental ou do Ensino Médio para fins de correção do fluxo escolar, além de possibilitar remição de pena aos custodiados.

Todas as ações educacionais realizadas em presídios do estado são coordenadas pela Diretoria de Assistência Penitenciária da Agepen.

Tatyane Santinoni, Comunicação Agepen