Fé e tradição marcam as celebrações no Dia da Padroeira de Dourados

Eduardo Marin/Facebook

Compartilhe:

Nesta sexta-feira, 8 de dezembro, a comunidade católica celebra o Dia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, padroeira de Dourados. Com o feriado municipal em virtude da data, várias diversas celebrações religiosas serão realizadas em honra à Santa.

A programação oficial tem início às 17h30, na Praça Antônio João, em frente a Catedral de Dourados, com a oração do Santo Terço. Logo em seguida, às 18h30 haverá a Missa Campal, presidida pelo bispo diocesano, Dom Henrique Aparecido Lima.

A expectativa é de reunir milhares de fiéis para celebrar a padroeira. Logo após a Missa, será iniciada a Procissão Luminosa pelas ruas da área central da cidade, com a imagem de Nossa Senhora Imaculada Conceição.

Para encerrar a programação, o Dourados Brilha comemora a data e os 18 anos da Rádio Coração, com o show católico da Banda Redenção.

ORIGEM DA DEVOÇÃO
A origem da festa litúrgica tem ligação direta com a história de salvação e celebra o dogma de a Mãe de Jesus ser isenta de pecado. O fato foi comprovado por estudos teológicos e aparições milagrosas de Maria.

No Brasil a devoção à Imaculada Conceição de Maria foi propagada pelo Padre José de Anchieta, ainda na época da colonização. A Primeira imagem da santa no país foi trazida nas viagens de Pedro Álvares Cabral e durante muito tempo ela foi tida como padroeira do Brasil, até que no início do Século XX o título foi transferido à nomenclatura Nossa Senhora Aparecida, que é uma antiga imagem de Nossa Senhora Imaculada Conceição, encontrada no Rio Paraíba do Sul, no interior de São Paulo.

NOSSA SENHORA DE CAACUPÉ
Um dos vários títulos atribuídos à Maria, mãe de Jesus, é o de Nossa Senhora de Caacupé, padroeira do Paraguai, e que também é celebrada no dia 8 de dezembro.

A comunidade paraguaia presente em Dourados vai celebrar uma Missa em honra à santa, com início previsto às 9h da manhã, na Praça Paraguaia, região do Jardim Independência. 

A celebração será realizada em Guarani, um dos idiomas oficiais do país vizinho, e presidida pelo Padre Teodoro Benítez e o Frei Silvio.

Por Jhonatan Xavier