Reunião na Sudeco reforça importância da União para o desenvolvimento do Centro-Oeste

Divulgação

Compartilhe:

A Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) tem cumprido um papel importante no desenvolvimento da região centro-oeste. Na tarde desta quarta-feira (6), o Governo de Mato Grosso do Sul participou da 19ª reunião deliberativa da superintendência em Brasília.

De acordo com o vice-governador José Carlos Barbosa, o Barbosinha, que representou a gestão estadual na reunião, durante o encontro foram tratadas a programação dos fundos Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) e de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO) para o exercício de 2024, bem como apresentação do relatório das atividades desenvolvidas e os resultados obtidos pelo Fundo em 2022.

“A Sudeco, ao longo dos anos, tem cumprido um papel proeminente no desenvolvimento da região centro-oeste e de uma forma muito especial no Mato Grosso do Sul. Quando vemos o balanço de operações contratadas com recursos do FCO em valor superior a R$ 10 milhões, percebemos o quão importante é esse investimento para o desenvolvimento do setor empresarial, comercio, indústria, agricultura, suinocultura, entre outros. São valores financeiros que vem equalizar o desenvolvimento e que a região centro oeste, ainda em pleno desenvolvimento e expansão, irá precisar muito”, avaliou.

Presidida pela sul-mato-grossense, Rose Modesto, a Sudeco tem como objetivo promover o desenvolvimento regional, de forma includente e sustentável, e a integração competitiva da base produtiva regional na economia nacional e internacional.

Entre as principais ações da superintendência está definir objetivos e metas econômicas e sociais que levem ao desenvolvimento sustentável da Região Centro-Oeste; elaborar o Plano Regional de Desenvolvimento do Centro-Oeste (PRDCO), articulado com políticas e planos de desenvolvimento nacional, estaduais e municipais e, em especial, com a Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR); formular programas e ações com os ministérios para o desenvolvimento regional; articular a ação dos órgãos e entidades públicos e fomentar a cooperação dos entes econômicos e sociais representativos da região.

Condel

Mato Grosso do Sul faz parte do Conselho Deliberativo do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Condel), ao lado Governadores do Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso; Ministro da Fazenda; Ministro do Planejamento e Orçamento; Ministro da Integração e Desenvolvimento Regional; Ministro da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos; Ministros de Estado das demais áreas de atuação do Poder Executivo; Representantes dos municípios, da classe empresarial, da classe dos trabalhadores e de organizações não-governamentais da área de atuação da Sudeco; da Superintendente da Sudeco; e do Presidente do Banco do Brasil S.A.

O órgão aprova planos e propostas que favoreçam setores importantes da economia regional, além de acompanhar seus trabalhos, diretamente ou por meio de comitês temáticos, desempenhando um papel fundamental na promoção do desenvolvimento econômico e social da região Centro-Oeste.

“Os conselhos regionais são muito importantes, porque são quem conhece as demandas, aquilo que é prioritário para o desenvolvimento local e principalmente na elaboração do plano de investimentos, haja vista o papel importante de direcionar o planejamento. Hoje o centro-oeste é o celeiro da produção nacional e esperamos que o Governo Federal continue a ter olhar especial para a nossa região”, finalizou Barbosinha.

Sudeco

Criada em 1º de dezembro de 1967, no governo Costa e Silva, para estimular o desenvolvimento regional, tal como a Sudene (criada em 1959) e a Sudam (em 1966). A superintendência substituiu a Fundação Brasil Central, instituída em 6 de outubro de 1943, no governo Getúlio Vargas, cuja finalidade era desbravar e colonizar as zonas compreendidas entre os rios Araguaia e Xingu.

Ao contrário da Sudene e da Sudam, porém, a Sudeco não dispunha de incentivos fiscais, bancados pelo Finor (Fundo de Investimento do Nordeste) e pelo Finam (Fundo de Investimento da Amazônia). Por essa razão, ela não teve a mesma importância que as demais. Mesmo assim, colaborou com a implantação do Programa de Desenvolvimento dos Cerrados e do Programa Especial de Desenvolvimento do Pantanal, entre outros.

Extinta em 1990, na gestão de Fernando Collor, a Sudeco foi recriada em 2009, vinculada ao Ministério da Integração Nacional, com a finalidade de promover o desenvolvimento regional, de forma includente e sustentável, e a integração competitiva da base produtiva regional na economia nacional e internacional.

Diana Gaúna, Comunicação Vice-governadoria