All for Joomla The Word of Web Design
Dourados-MS,
Câmara_sessão solene

Entre janeiro e novembro deste ano, o saldo da balança comercial de Mato Grosso do Sul atingiu US$ 2,7 bilhões, com destaque para o crescimento de 401% nas exportações de milho em relação ao mesmo período do ano passado. Outro produto que aumentou, em relação as exportações do ano passado, foi a carne bovina com crescimento de 24%. As informações estão na Carta de Conjuntura do Setor Externo do mês de dezembro, publicada na terça-feira (3) pela Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro). 

Com relação aos principais produtos exportados, a celulose apareceu como primeiro produto na pauta de exportações, com 37,83% do total exportado em termos do valor (R$ 1,83 bilhão), e com aumento de 5,08% em relação ao mesmo período no ano passado. Seguido da soja em grão com 22,33% de participação, que registrou R$ 1,08 bi e as carnes que registraram R$ 713 milhões, com 14,71%. Mato Grosso do Sul segue expandindo mercado de outros produtos tradicionais como o milho, com alta de 401% em relação ao mesmo período em 2018. “O Estado deve fechar com recorde nas exportações de milho em função da supersafra que tivemos neste ano”, informa o titular da Semagro, Jaime Verruck.

O principal destino das commodities sul-mato-grossenses continua sendo a China, com 41,84% do total da pauta. Também houve crescimento de 68,13% de participação dos Estados Unidos, relacionado principalmente à compra de celulose, representando 91,64% das operações do país. Com relação ao Japão, houve 270,84% de expansão nas exportações, com destaque para o milho, produto responsável por 73,46% da pauta daquele país. No âmbito regional, Três Lagoas segue como principal município exportador com 50,56% da pauta, crescimento de 5,56% em relação ao mesmo período em 2018.

De acordo com o secretário Jaime Verruck, o mercado japonês surge como uma nova oportunidade para o milho e os EUA avançam na compra de celulose. “Tivemos uma ligeira queda nas exportações para a China e um recuo significativo da participação da Argentina. O país era essencialmente um comprador de soja, mas nossa expectativa é uma recomposição em 2020, em função de contratos já realizados por empresas argentinas”, diz.

IMPORTAÇÕES
Houve diminuição nas importações de cerca de 15,84% nos 11 meses  de 2019 comparado ao mesmo período em 2018. Essa queda deve-se sobretudo a menor importação de Petróleo, gás natural e serviços de apoio. 

O Estado continuou com uma pauta concentrada na importação de gás boliviano. Esse item representou 54,24% da pauta de importações nos meses de janeiro a novembro de 2019, mas com valores 23,96% abaixo dos verificados no mesmo período de 2018. “A importação ainda está abaixo do ano passado. Mesmo com a melhora do bombeamento, ocorrida em outubro, estamos muito aquém do que seria adequado em termos de importação de gás natural”, finalizou Verruck.

Em novembro, a venda de veículos novos no Brasil, considerando-se apenas os automóveis e comerciais leves (picapes e furgões), cresceu 4,38% sobre novembro de 2018, mas com retração de 4,24% ante outubro, com o emplacamento de 230.923 unidades.

O dado foi divulgado pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Considerando o emplacamento de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos), houve crescimento de 7,81% em comparação ao mesmo mês do ano passado e queda de 6,05% em relação a outubro, com a venda de 345.386 unidades.

Segundo a Fenabrave, a queda em relação a outubro se explica pelo menor número de dias úteis.

"Faltando apenas um mês para o fechamento do ano notamos a estabilidade do mercado. Isso é positivo, pois não houve grandes oscilações durante o ano, o que confirma as nossas expectativas para 2019, que deve crescer 10,76% sobre 2018", disse Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave.

Acumulado do ano

Entre janeiro e novembro deste ano, a venda de todos os segmentos registrou alta de 10,3%, com o total de 3.665.370 veículos novos emplacados.

Considerando-se apenas os emplacamentos de automóveis e comerciais leves no acumulado do ano, houve alta de 7,21% sobre o mesmo período do ano anterior, com 2.406.984 unidades licenciadas.

 

Um apostador de São Gonçalo (RJ) acertou as seis dezenas sorteadas no concurso 2.213 da Mega-Sena nesta quarta-feira (4) em São Paulo. Os números sorteados foram 05 - 07 - 10 - 32 - 46 - 60. No próximo concurso, cujo sorteio ocorre no sábado (7), a estimativa é que o prêmio seja de R$ 3 milhões.

A quina teve 96 apostas ganhadoras; cada uma receberá R$ 39.952,83. A quadra teve 7.360 bilhetes premiados; cada um ganhará R$ 744,46.

Mega da Virada

A estimativa de prêmio para quem acertar as seis dezenas da Mega da Virada (concurso 2.220 da Mega-Sena) é R$ 300 milhões. O sorteio será realizado no dia 31 de dezembro de 2019. As apostas podem ser feitas nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa.

Como nos demais concursos especiais, o prêmio principal da Mega da Virada não acumula. Não havendo apostas premiadas com seis números, o prêmio será rateado entre os acertadores de cinco números – e assim sucessivamente.

O Siga-MS (Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio) apurou que o plantio da soja já passa de 90% da área estimada para essa safra em Mato Grosso do Sul. No mais recente levantamento, informa que a situação geral na última semana de novembro teve clima favorável e os produtores aumentaram o ritmo do cultivo, já na reta final.

Até dia 29 passado, o acompanhamento feito pelo projeto da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária) e da Aprosoja-MS (Associação dos Produtores de Soja) identificou 94,9% de semeadura. A região centro está com o plantio mais avançado, em média 96,9%, enquanto a norte tem 96,8% e a sul com 93,8%.

“A área plantada até o momento, conforme estimativa do Projeto SIGA, é de aproximadamente 3,002 milhões de hectares”, detalha. Segue mantida a estimativa de 3,163 milhões de hectares a serem cultivados, com produção aproximada de 9,906 milhões de toneladas e produtividade média de 52,19 sacas por hectare.

De acordo com o Siga-MS, na região sul já concluíram o plantio os municípios de Antônio João, Aral Moreira, Coronel Sapucaia, Fátima do Sul, Laguna Carapã, Maracaju, Tacuru e Vicentina. Dourados está abaixo de 90%.

Na região centro, o município de Sidrolândia lidera, acima de 96%, seguido por Campo Grande, Nova Alvorada do Sul e Rio Brilhante, com mais de 94%.

Alcinópolis, Chapadão do Sul, Coxim, Pedro Gome e Sonora concluíram os trabalhos na região norte, que tem Paraíso das Águas com o menor percentual, 85%.

O boletim Casa Rural detalha ainda que o preço médio da saca de 60 quilos de soja, no Estado, teve desvalorização no período do dia 21 de novembro a 2 dezembro, encerrando o período cotado a R$ 80,19. “Dentre as praças pesquisadas, São Gabriel do Oeste registrou a maior desvalorização no período, onde a saca foi cotada em R$ 78,50”, pontua.

O Conselho Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor autorizou o aporte de R$ 2,3 milhões para compra de materiais e execução das obras de adequação da Feira Livre João Totó Câmara, em Dourados. As melhorias estruturais incluem cobertura da área e segundo a prefeitura, devem ser concluídas ainda neste mês.

Publicada na edição desta quarta-feira (4) do Diário Oficial do Município, a ata da mais recente reunião dos conselheiros, ocorrida ontem, revela que foram apresentados esclarecimentos em relação ao balancete do mês de julho de 2019, através da CI nº 1106/2019, enviada pela Secretaria Municipal de Obras Públicas.

Conforme a publicação, para atender a execução da 2ª fase da Feira Livre Central o Conselho Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor autorizou o valor total de R$ 2.316.999,00. Desse montante, R$ 1.925.484,85 foram empenhados.

Pelo Contrato nº 307/2016/DL/PMD, o empenho totalizou R$ 885.899,97 para atender despesas com a aquisição de estrutura metálica com cobertura do tipo toldo. No Contrato nº 403/2016/DL/PMD, a cifra empenhada totalizou R$ 26.800,00 para aquisição de tenda piramidal. Já o Contrato nº 306/2016/DL/PMD, firmado com a empresa HS Engenharia Ltda-EPP, garantiu o empenho de R$ 1.012.784,88 para despesas nas obras de construção que ainda estão em andamento.

No dia 14 de novembro, a prefeita Délia Razuk divulgou nas redes sociais vídeo para mostrar as obras e destacou que a Feira Central é um patrimônio cultural de Dourados e precisa ser uma referência para toda a população.

“Estamos preparando readequações para melhorar a vida dos feirantes na comercialização dos seus produtos e mais comodidade para os frequentadores, e está prevista para dezembro a inauguração da área coberta e das demais obras que estão sendo desenvolvidas no local”, disse a gestora.

De acordo com os registros da prefeitura, a Feira Livre Central de Dourados foi construída na antiga Chácara Rigotti, na Rua Cafelândia, no Jardim São Pedro, região sul de Dourados, numa área de 56,3 hectares. Inaugurada em novembro de 2016, teve as obras executadas pela H. S. Engenharia LTDA-ME, com investimento de R$ 5,5 milhões.

Ainda na ata da reunião do Comdecom, é detalhado que a conta corrente onde são depositadas as multas aplicadas pelo Procon tinha, até 29 de novembro, saldo de R$ 3.443.986,28. Em outra, para depósitos das taxas para expedição de Certidão Negativa de Violação dos Direitos dos Consumidores – CNVDC, havia R$ 465,02.

A Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira (4) prêmio acumulado de R$ 50 milhões. O sorteio das seis dezenas do concurso 2.213 será realizado a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário Tietê, na cidade de São Paulo. O sorteio é aberto ao público.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa em todo o país. O bilhete simples, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50.

Mega da Virada

Além de concorrer às modalidades regulares, os apostadores já podem adquirir bilhetes para a Mega da Virada. O sorteio será realizado em 31 de dezembro.

O prêmio está estimado em R$ 300 milhões não acumuláveis; não havendo apostas premiadas com seis números, o prêmio será rateado entre os acertadores de cinco números e assim sucessivamente.