Dourados-MS,
ALMS

Grid List

Júnior Dias de Alcântara, 34 anos, conhecido como "Jennifer" foi morto na madrugada de hoje (31) com sete facadas no pescoço. O crime aconteceu por volta das 2h30, no bairro Canaã I, em Dourados. O próprio autor do homicídio, um homem de 26 anos, foi quem acinou a polícia. Segundo ele, a discussão começou quando a travesti disse que era pai de santo e 'incorporou' o espírito da pomba gira, ameaçando a mãe dele de morte.

De acordo com boletim de ocorrência, o autor relatou que comprou pinga e crack e desde às 18h estavam consumindo bebida e droga. Segundo o autor, depois de ter 'incorporado' e dito que iria matar a mãe dele, 'Jeniffer' teria o agredido no pescoço.

O acusado pegou uma faca e desferiu mais de 7 golpes no pescoço da vítima. Após o crime, Fábio ligou para Polícia Militar e contou que havia matado "Jennifer".Polícia Militar e Civil estiveram no local. Fábio acabou se entregando e foi conduzido à Delegacia.

Por volta das 15h40 desta segunda-feira (31), na Rua Uirapuru com a General Osório, no BNH 4º Plano, casal foi preso após furtar uma mercearia.

De acordo com informações registradas no boletim de ocorrência, uma mulher de 65 anos estava no local quando os dois chegaram e começaram a conversar sobre os produtos.

Em seguida atravessaram a rua e ficaram olhando para o comércio. Após isso, o homem, identificado como Junior Cesar, retornou e se aproximou do balcão.

Ele pegou a bolsa da mulher de 65 anos, contendo documentos, cartões, talões de cheque e R$ 310 em dinheiro.

O casal fugiu e a vítima acionou uma equipe da Polícia Militar, que deteve os dois distante alguns quarteirões do local.

Foram detidos e autuados por furto, Julio Cesar e a sua esposa grávida, Ana Claudia, 20 anos.

Por volta da 1h da madrugada deste domingo (29), em Três Lagoas, Oli Francisco de Paula, de 54 anos, morreu em um acidente com sua moto Honda Titan 150 de placa HSR-0327 de cor azul.

Conforme informações do site Rádio Caçula, além da morte do homem, policiais militares que foram ao local para atender a ocorrência ficaram feridos e ainda tiveram que abater um touro à tiros.

Uma equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi até a estrada rural para atender o motociclista que encontrava-se caído, já sem vida, após ter batido em um touro que estava solto naquela via.

Após a constatação da morte, a Polícia Científica (Perícia), foi comunicada sobre o incidente e após os trabalhos de praxe, "Oli" foi levado pela funerária Fune-prev para o Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal).

Os Jogos Olímpicos de Tóquio, adiados em razão da pandemia de coronavírus, serão realizados entre os dias 23 de julho e oito de agosto de 2021.

Também têm nova data confirmada: de 24 de agosto de 2021 a 5 de setembro de 2021.

 A TV japonesa NHK informou que a data foi definida hoje pelos organizadores locais em parceria com o Comitê Olímpico Internacional.

 De acordo com o Portal Uol, as partes chegaram a uma decisão após uma conversa telefônica com membros do governo do Japão. 

Neymar publicou uma nota oficial, neste domingo, em que nega ter desrespeitado as regras da quarentena impostas pelo PSG, como havia publicado o jornal catalão "Mundo Deportivo" na última sexta-feira. A situação começou após o jogador postar uma foto jogando futevôlei com os 'parças' em suas redes sociais.

Na nota, a equipe do jogador afirma que a foto que motivou a matéria mostra Neymar ao lado de pessoas com quem ele vive e viajou junto ao Brasil, e ofereceu sua casa para que eles ficassem por 14 dias antes de se juntar às respectivas famílias. O local seria completamente isolado. Da mesma forma, o jogador não visitou parentes como a mãe, a irmã e a avó, tendo recebido apenas o filho, Davi Lucca, que esteve em Paris poucos dias antes da quarentena para visitá-lo. Além disso, Neymar também estaria treinando para manter a forma física e prevenir lesões.

Na matéria, o Mundo Deportivo afirmou que Neymar não respeitou o distanciamento social recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de um metro entre as pessoas, nem atendeu o pedido do PSG para que ficasse em Paris - o jogador está no Brasil, em local não divulgado. A publicação espanhola comparou a atitude do brasileiro com a de Lautaro Martínez, outro jogador que estaria na mira do Barcelona para se tornar reforço na próxima temporada: o argentino da Inter de Milão se isolou em casa apenas ao lado da noiva.

Neymar vivia grande fase no Paris Saint-Germain antes da pandemia do novo coronavírus atingir a Europa e paralisar os campeonatos. O brasileiro havia sido decisivo para a classificação do PSG nas oitavas de final da Liga dos Campeões contra o Borussia Dortmund.

Confira a nota oficial divulgada por Neymar.

"Em matéria publicada na Espanha e reproduzida no Brasil, Neymar Jr. é acusado de não respeitar a regra de distanciamento social recomendado pela Organização Mundial de Saúde.

A foto que motivou tal matéria, publicada em sua conta de Instagram, mostra Neymar Jr. ao lado de outras pessoas que estão de quarentena com ele, pessoas que moram e viajaram juntos de Paris para o Brasil. Neymar Jr. ofereceu a sua casa para que todos passassem lá estes primeiros 14 dias antes de encontrarem suas respectivas famílias.

A casa onde o atleta cumpre a quarentena é completamente isolada, permite paz e serenidade para seguir treinando e cuidando dos seus, nesse momento de dor mundial e confinamento.

Não há visitas ou reunião de negócios na casa, até porque o próprio condomínio só permite acesso a moradores. A exceção nas visitas foi seu filho, Davi Lucca, que veio ficar com o pai. Davi, sua mãe, padrasto e irmão estavam em Paris dias antes para visitá-lo.

Neymar Jr. mantém distanciamento de outros familiares, como sua mãe, irmã e avó, por exemplo, por entender ser este um momento que exige esforço para o bem comum.

O atleta segue fazendo seu trabalho diário de prevenção de lesões e manutenção de sua forma física, com seu preparador físico Ricardo Rosa, aguardando ansiosamente o fim desse triste momento da humanidade e a consequente retomada da atividade profissional.

Nossa assessoria sempre esteve à disposição da imprensa, para informações e dúvidas sobre o atleta, e assim seguirá, justamente para que não tenhamos informações distorcidas como essa."

Os clubes brasileiros aguardam a resposta da segunda rodada de negociações salariais para definir como ficará o acerto com os atletas durante a paralisação do calendário pela pandemia do novo coronavírus. Nesta segunda-feira, os jogadores e a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) solicitaram ajustes na primeira proposta feita pela Comissão Nacional de Clubes (CNC) e agora terão mais dois dias de prazo para dizerem se aceitam a nova oferta.

A CNC, que representa times das Séries A até a D do futebol nacional, pretende implementar mudanças para diminuir os impactos financeiros causados pela falta de jogos. Após a entidade ter uma primeira reunião na sexta-feira, nesta segunda houve uma videoconferência com representantes de 46 times para reformular uma nova proposta aos jogadores e à Fenapaf após a primeira ter sido recusada.

As novas diretrizes trazem como principais pontos as férias coletivas de 20 dias em vez de 30, como proposto anteriormente pelos clubes, e a manutenção de 10 dias de férias na virada para o ano de 2021. A principal novidade da última proposta está na redução salarial. Em vez de as equipes pagarem 50% a menos caso a suspensão do calendário durar mais de um mês, agora foi oferecido aos jogadores uma diminuição de 25% (inclui direitos de imagem e contrato CLT).

Porta-voz da Comissão Nacional de Clubes, o presidente do Fluminense, Mario Bittencourt, afirmou que as medidas são necessárias para evitar problemas financeiros. "O Fluminense já está sofrendo as consequências, como outros clubes. Tivemos patrocinadores cancelando contratos, estamos sem as receitas, obviamente, de bilheteria, venda de camisas, atrasamos o lançamento da nova camisa que seria hoje (segunda-feira) até. Estamos reduzindo muitas receitas, não tem como vender atletas", disse ao canal SporTV.

Além do Fluminense, representam a Série A nesta comissão o Palmeiras, o Bahia e o Atlético-MG. Presidente do time alvinegro, Sérgio Sette Câmara disse em transmissão ao vivo no YouTube nesta segunda-feira que os clubes estão unidos para renegociar os salários dos jogadores. "Nós todos sabemos que a maioria esmagadora dos clubes no Brasil passa por dificuldades financeiras. Deixar de ter receita e continuando a ter a despesa que é gerada todo mês acaba de inviabilizar tudo. Temos que nos unir para tentar salvar o futebol brasileiro, que corre risco", afirmou.

No comunicado enviado à Fenapaf, a CNC afirma que não se houver resposta dentro do prazo de dois dias, todos os jogadores terão o início das férias coletivas declarada, como autorizado nesta segunda-feira por Medida Provisória (MP) do governo federal.

Desde a última semana, todos os times da Série A dispensaram os jogadores dos treinos para evitar o contágio pelo novo coronavírus. Outra medida formulada pelos clubes para diminuir os gastos nesse período de quarentena foi de acionar o Ministério da Economia para pedir a interrupção do pagamento das parcelas do Profut, programa de refinanciamento de dívidas fiscais do futebol.

POUCO EFETIVO - Para o presidente do Sindicato de Atletas se São Paulo (Sapesp), Rinaldo Martorelli, a negociação é precoce, pois se deve considerar que não há uma estimativa concreta para quando o calendário das competições será restabelecido nem como poderá ser resolvido o problema nos Estaduais, torneios em que boa parte dos jogadores disputam sob contratos temporários e de curta duração. "Não se pode discutir as Séries A e B antes de resolver os Estaduais", disse.

Na opinião dele, criar um pacote nacional de medidas é complexo. "Dentro do clube, um mesmo tipo de negociação talvez você consiga estender para dois ou três jogadores. Nem no próprio elenco você consegue fazer uma negociação única, porque as condições são heterogênias. Agora, no cenário brasileiro é ainda mais difícil", comentou.

CONFIRA AS PROPOSTAS:

SOBRE FÉRIAS

Primeira versão: Conceder imediatamente a todos os atletas o gozo de 30 (trinta) dias de férias coletivas com início em 23/03 e término em 21/04, antecipando qualquer período de férias proporcionais que os atletas venham a adquirir durante o restante de 2020, em qualquer clube que venha a jogar ainda em 2020. Todavia apesar de antecipar para agora os 30 dias de gozo, o pagamento das férias seria diferido, sendo 50% do valor agora, a ser pago pelo atual empregador e os outros 50%, com o 1/3 integral, a ser pago até 31/12/2020.

Segunda versão: Férias Coletivas de 20 dias a todos os atletas, no período compreendido entre os dias 1 de abril e 20 de abril de 2020, com pagamento integral no quinto dia útil do mês subsequente ao gozo das férias e o 1/3 constitucional a ser pago no mês de dezembro de 2020, de modo que os clubes - e somente eles - arcarão integralmente com a manutenção das atividades futebolísticas durante tal período.

SOBRE FIM DE ANO

Primeira versão: Férias de final de ano de 24/12 a 02/01/2021.

Segunda versão: Garantia aos atletas do período de 10 dias restantes de férias no final do ano de 2020 ou no início de 2021, adequadas ao calendário que se desenhará após o retorno da paralisação.

SOBRE REDUÇÃO SALARIAL

Primeira versão: Após férias coletivas não sendo possível volta campeonatos, redução da remuneração (CLT e imagem) em 50% por 30 dias, com treinamento em casa.

Segunda versão: Redução da remuneração dos atletas em 25% durante o período da paralisação, como preceitua o artigo 503 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) em casos extremos e de força maior.

O pagamento integral de servidores estaduais que ganham até R$ 2 mil está disponível para saque. Essa é a primeira, de três etapas do cronograma divulgado Governo do Estado, como forma de diminuir a aglomeração de pessoas em bancos e estabelecimentos comerciais.

A medida visa reduzir o contágio por Coronavírus em Mato Grosso do Sul, e vai injetar R$ 482,1 milhões na economia do Estado nos próximos três dias. A folha salarial referente ao mês de março abrange 77,9 mil servidores públicos, sendo 47.21 ativos e 30.973 inativos.

Nesta quarta-feira, dia 1º de abril, poderão sacar seus vencimentos servidores que ganham entre R$ 2 e R$ 4 mil, e na quinta-feira, dia 02, servidores que ganham acima de R$ 4 mil.

O secretário de governo e gestão estratégica, Eduardo Riedel destaca que o servidor público compõe uma massa importante de consumidor, e que o Governo do Estado tem essa preocupação de manter os pagamentos em dia ao mesmo tempo que garante as medidas de segurança para conter a pandemia. “Impacto muito positivo para nossa economia”.

O número de pessoas com coronavírus (Covid-19) em Mato Grosso do Sul chegou a 36, de acordo com informações do Boletim Epidemiológico publicado neste domingo (29) pela SES (Secretaria de Estado de Saúde). O Governo aguarda o resultado de 44 casos suspeitos. 

Em Dourados, os casos se mantiveram em apenas dois testes positivos para o vírus, além de uma moradora de Batayporã internada na Cassems (Caixa Servidor Público Estadual) desde o dia 26 de março. A cidade segue com sete casos sendo tratados como suspeitos. 

Entre os novos casos que passam a fazer parte das estatísticas do Estado neste domingo (29) está mais uma moradora de Batayporã, ou seja, segundo caso da cidade. A mulher de 59 anos esta na cidade em que reside, em isolamento domiciliar. 

Os outros quatro novos casos são de Campo Grande e também estão isolados em casa.

Entram para lista uma mulher de 44 anos que esteve em contato com pessoa infectada em São Paulo; uma mulher, de 26 anos, que também esteve em São Paulo onde contraiu o vírus; outra uma mulher de 32 anos que esteve em São Paulo; além de uma jovem de 22 anos que esteve nos Estados Unidos, na França e na Suíça. 

A partir deste sábado (28) Dourados inicia um período indeterminado sem voos comerciais. Por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), as três companhias aéreas que atendiam o município com linhas diárias até São Paulo suspenderam suas operações no Aeroporto Regional Francisco de Matos Pereira.

A Gol Linhas Aéreas comunicou que de hoje até o dia 3 de maio manterá apenas 55 voos diários entre o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, e as capitais brasileiras. A rota através do território douradense, inaugurada no dia 2, fica suspensa.

A Voepass, que atende Dourados com a Passaredo, suspendeu no dia 23 de março as duas frequências diárias que atendiam o município com destino ao Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

A Azul incluiu o Aeroporto de Dourados no cancelamento das operações entre 26 de março e 30 de abril. Ela atendia passageiros com embarques na cidade e destino até Viracopos, em Campinas, São Paulo. Seu último voo no município ocorreu em 17 de março.

Conforme o diretor da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Carlos Fabio Selhorst dos Santos, o aeroporto local atenderá voos particulares, militares e possíveis emergências. “Não estarão acontecendo os voos comerciais, mas o aeroporto continuará aberto, atendendo as aeronaves que utilizam Dourados como ponto de apoio”, informou.

Em dezembro de 2019, antes mesmo da Gol iniciar suas operações em Dourados, o diretor do Aeroporto Regional Francisco de Matos Pereira, Juliano de Almeida Domingos, informou ao Dourados News que houve 6.244 embarques de desembarques em janeiro, número que saltou para 9.662 em novembro daquele ano. Na época, a expectativa era movimentar entre 18 e 20 mil passageiros ao mês com as três companhias em operação.

Os jovens que completam 18 anos em 2020 têm até o dia 30 de junho para fazer o alistamento militar obrigatório. Mas, em razão da epidemia do coronavírus (Covid-19), só é possível fazê-lo pela internet.

A medida segue recomendações do Ministério da Saúde para que se evite aglomerações. Desta forma, a Junta Militar mais próxima à residência não receberá mais os candidatos.

O jovem deve acessar gratuitamente a página do Alistamento Militar Online.Também é possível fazer o alistamento por meio do aplicativo Exército Brasileiro, disponível para Android e iOS.

É necessário ter em mãos a certidão de nascimento, um documento oficial com foto, comprovante de residência e CPF.

Para pessoas com deficiência, também é necessário apresentar parecer médico sobre a deficiência (deve constar o CRM do médico).

"É importante enfatizar que é preciso evitar de sair de casa e, por isso, agora, o procedimento somente está disponível no modo virtual", reiterou o coordenador da Seção de Serviço Militar do Ministério da Defesa, coronel Fernando Penasso.

Além disso, as atividades de seleção para o Serviço Militar foram suspensas por 60 dias na Comissão de Seleção Permanente das Forças Armadas (CSPFA).

Dessa forma, aqueles que já se alistaram estão sendo reagendados.

Em 2020, a expectativa do Ministério da Defesa é que quase 2 milhões de jovens realizem o alistamento em todo Brasil.

Destes, 90 mil devem ser incorporados às Forças Armadas, sendo 3 mil para a Marinha, 7 mil para a Aeronáutica e 80 mil para o Exército.

Com informações do Ministério da Defesa

O Senado vota hoje (30) o pagamento de um auxílio emergencial por três meses, no valor de R$ 600, destinado aos trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa. O presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), havia confirmado a data da votação em postagem no Twitter, na última sexta-feira (27).

Alcolumbre continua se recuperando após ser diagnosticado com o novo coronavírus. Quem tem comandado as sessões remotas é o vice-presidente, senador Antonio Anastasia (PSD-MG). A sessão está prevista para ocorrer às 16h. Antes, às 10h, os líderes se reunirão, também remotamente, para discutir outras votações prioritárias da semana.

Pelas manifestações de senadores nas redes sociais, a expectativa é que a medida seja aprovada sem objeções. Inicialmente, na primeira versão do relatório, o valor proposto era de R$ 500. Após negociações com o líder do governo, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), o Executivo decidiu aumentar para R$ 600 e a proposta foi aprovada na Câmara dos Deputados na última quinta-feira (26).

O auxílio é voltado aos trabalhadores informais (sem carteira assinada), às pessoas sem assistência social e à população que desistiu de procurar emprego. A medida é uma forma de amparar as camadas mais vulneráveis à crise econômica causada pela disseminação da covid-19 no Brasil, e o auxílio será distribuído por meio de vouchers (cupons).

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira, dia 26 de março, auxílio emergencial por três meses, no valor de R$ 600,00, destinados aos trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa durante a crise provocada pela pandemia de coronavírus. A matéria segue para análise do Senado. 

Pelo texto do relator, deputado Marcelo Aro (PP-MG), o auxílio pode chegar a R$ 1.200 por família. O valor final, superior aos R$ 200 anunciados pelo Executivo no início da crise em virtude da pandemia, foi possível após articulação de parlamentares com membros do governo federal. O projeto prevê ainda que a mãe provedora de família “uniparental” receba duas cotas. 

Os trabalhadores deverão cumprir alguns critérios, em conjunto, para ter direito ao auxílio:

- ser maior de 18 anos de idade;

- não ter emprego formal;

- não receber benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família;

- renda familiar mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total (tudo o que a família recebe) de até três salários mínimos (R$ 3.135,00); e

- não ter recebido rendimentos tributáveis, no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70.

Pelo texto, o beneficiário deverá ainda cumprir uma dessas condições:

- exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI);

- ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS);

- ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico); ou

- ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.

Pelas regras, o trabalhador não pode ter vínculo formal, ou seja, não poderão receber o benefício trabalhadores formalizados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e servidores públicos. 

Pela proposta, também será permitido a duas pessoas de uma mesma família acumularem benefícios: um do auxílio emergencial e um do Bolsa Família. Se o auxílio for maior que a bolsa, a pessoa poderá fazer a opção pelo auxílio. O pagamento será realizado por meio de bancos públicos federais via conta do tipo poupança social digital. Essa conta pode ser a mesma já usada para pagar recursos de programas sociais governamentais, como PIS/Pasep e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), mas não pode permitir a emissão de cartão físico ou cheques.

Impacto fiscal

No início da tarde, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu o auxílio de R$ 500 durante o período de crise. Segundo ele, o valor referente a meio salário-mínimo (atualmente em R$ 1.039) deveria ser pago por três meses e teria um impacto fiscal estimado entre R$ 10 bilhões e R$ 12 bilhões. Com a mudança, a perspectiva fiscal é de um impacto de R$ 14 bilhões. Maia argumentou que o valor pago aos profissionais informais deve ser mantido caso ainda haja necessidade após os três meses previstos no texto. 

“Não é possível que a gente não possa garantir aos trabalhadores informais uma renda por esse período de três meses e avaliando esse cenário a cada semana, porque isso é um cenário de guerra. É importante que a gente possa aplicar os recursos [públicos] também na sociedade brasileira”, disse o presidente da Câmara.

O líder do governo na Câmara, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), destacou o apoio de presidente Jair Bolsonaro para o auxílio de R$ 600. "O presidente Bolsonaro, muito sensível a esses 25 milhões de brasileiros que são os mais afetados, os mais sofridos, atento às reivindicações dos líderes partidários, decidiu apoiar a medida de R$ 600. Isso vai fazer com que as famílias que têm duas pessoas nessa condição tenham mais do que 1 salário mínimo, serão R$ 1.200."

Para o líder minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), a medida é essencial em tempos de crise. “Nós temos a compreensão de que, em um momento como esse, de grave crise na economia real, que está impactando a saúde pública no Brasil, nós não podemos ter restrições para gastar. Portanto, o gasto com a saúde tem que ser ilimitado”, afirmou.  

O líder do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), afirmou que a proposta garante o “mínimo de esperança” para trabalhadores informais, mas também serão necessárias medidas para micro e pequenas empresas. 

“São os informais que hoje não estão trabalhando, não têm renda. Hoje não têm a mínima esperança de chegar ao final do mês e ter o seu dinheiro para comprar as necessidades mais básicas da sua família’, argumentou o parlamentar”, disse. “Nós aguardamos agora crédito para as pequenas e médias empresas, porque nós sabemos que também elas estão paradas e não têm como se sustentar. É preciso que o governo olhe para as pequenas e médias empresas e possa liberar crédito barato extraordinário para essa finalidade, e também a medida provisória para garantir emprego e o seguro-desemprego para os trabalhadores”.

Hospitais filantrópicos

O plenário também aprovou nesta quinta a suspensão, por 120 dias, a contar de 1º de março, a obrigatoriedade de hospitais filantrópicos de cumprirem metas quantitativas e qualitativas contratadas junto ao Sistema Único de Saúde (SUS). Em troca de isenção de impostos, essas unidades de saúde precisam prestar serviços de saúde como consultas, exames e procedimentos de média e alta complexidade (cirurgias, por exemplo) ao SUS.

No entanto, por causa da crise provocada pela pandemia de coronavírus, esses hospitais não conseguirão atingir as metas de quantidade e qualidade para que as mantenedoras possam contar com a isenção. 

“[A medida] garante aos prestadores de serviço do SUS, especialmente as santas casas, hospitais universitários, a manutenção dos recursos que esses prestadores recebem mensalmente e que, infelizmente, podem ser interrompidos neste momento da pandemia do coronavírus”, disse o deputado Dr Luizinho (PP-RJ). 

“Porque infelizmente, neste momento, nós temos uma situação que suspende as cirurgias eletivas. A maioria desses prestadores de serviço trabalham com as cirurgias eletivas, com procedimentos ambulatoriais e certamente serão afetados. Por isso, a manutenção por 120 dias é fundamental, a fim de que eles possam ter a manutenção das suas atividades, da situação econômica dos seus empregos”, completou o parlamentar.

Adicional de insalubridade

Outra proposta aprovada pelos parlamentares garantiu um adicional de insalubridade para trabalhadores de serviços essenciais ao combate a epidemias em casos de calamidade pública.

O texto prevê que profissionais da área de saúde, segurança pública, vigilância sanitária, corpo de bombeiros e limpeza urbana no combate de epidemias devem receber o pagamento de adicional de insalubridade em grau máximo, o equivalente a 40% do salário mínimo da região (R$ 418).

A bandeira tarifária de energia elétrica para abril permanece verde, sem custo para os consumidores. Este será o terceiro mês consecutivo de bandeira verde.

Em março, os principais reservatórios de hidrelétricas do Sistema Interligado Nacional (SIN) apresentaram recuperação de níveis em razão do volume de chuvas próximo ao padrão histórico do mês. Não obstante abril ser um mês em que tipicamente se inicia a transição entre o período úmido e o seco, a previsão é de manutenção da condição hidrológica favorável nas principais bacias do SIN, indicando cenário de continuidade da elevada participação das hidrelétricas no atendimento à demanda de energia do SIN. Os dados foram divulgados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão federal conveniado com o Estado de Mato Grosso do Sul para execução de atividades descentralizadas de fiscalização dos serviços.

Conforme o comunicado, foram também consideradas novas previsões de consumo de energia, em face das medidas de combate à propagação da pandemia do Covid-19 no país, com indicativo de redução da carga de energia em abril e maio. Essa perspectiva refletiu-se na redução do preço da energia no mercado de curto prazo (PLD) e dos custos relacionados ao risco hidrológico (GSF). O PLD e o GSF são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada.

Economia

Mesmo com o acionamento da bandeira verde, é importante que o consumidor mantenha ações relacionadas ao uso consciente de energia létrica e evite o desperdício.

Confira abaixo algumas dicas de economia de energia

Chuveiro elétrico

Tomar banhos mais curtos, de até cinco minutos

Selecionar a temperatura morna no verão

verificar as potências no seu chuveiro e calcular o seu consumo

Ar condicionado

Não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado

Manter os filtros limpos

Diminuir ao máximo o tempo de utilização do aparelho de ar condicionado

Colocar cortinas nas janelas que recebem sol direto

Geladeira

Só deixar a porta da geladeira aberta o tempo que for necessário

Regular a temperatura interna de acordo com o manual de instruções

Nunca colocar alimentos quentes dentro da geladeira

Deixar espaço para ventilação na parte de trás da geladeira e não utilizá-la para secar panos

Não forrar as prateleiras

Descongelar a geladeira e verificar as borrachas de vedação regularmente

Iluminação

Utilizar iluminação natural ou lâmpadas econômicas e apagar a luz ao sair de um cômodo; pintar o ambiente com cores claras

Ferro de passar

Juntar roupas para passar de uma só vez

Separar as roupas por tipo e começar por aquelas que exigem menor temperatura

Nunca deixe o ferro ligado enquanto faz outra coisa

Aparelhos em stand-by

Retirar os aparelhos da tomada quando possível ou durante longas ausências

O Projeto de Lei 714/20 autoriza o saque emergencial de valores do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) até o dia 30 de abril deste ano, em razão da pandemia causada pelo Covid-19 – variante do coronavírus que também causa infecções respiratórias em seres humanos.

O texto em análise na Câmara dos Deputados prevê que esse prazo poderá ser prorrogado por 60 dias e que o valor do saque não deverá ultrapassar o teto dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social em 2020 (R$ 6.101,06).

Segundo a deputada Patricia Ferraz (Pode-AP), autora do projeto, a liberação do FGTS será feita pela Caixa Econômica Federal conforme cronograma e critérios estabelecidos em regulamento do Poder Executivo.

"Não podemos deixar de tomar medidas que, ao menos, contenham parte dos efeitos que serão sentidos na vida econômica do País e, principalmente, no dia a dia das famílias brasileiras que dependem de atividades informais, do comércio e do setor de serviços", diz a autora.

"Ao permitir o saque emergencial de valores do FGTS, ajudaremos os trabalhadores e suas famílias a enfrentarem o momento de crise com relação ao coronavírus", completou.

Sem deslocamento

O texto ainda deixa claro que deverão ser adotadas, preferencialmente, medidas que privilegiem o saque de forma eletrônica e que evitem o deslocamento dos titulares das contas vinculadas a agências físicas ou outros estabelecimentos.

Caso seja autorizada ou requerida a transferência dos valores para outra instituição financeira, não serão cobradas tarifas.

A Mega-Sena acumulou mais uma vez no sorteio realizado neste sábado (28). Os números sorteados no concurso 2247 foram 01-42-44-47-48-53.

O prêmio em jogo hoje era de R$ 2.834.266,13, mas agora está estimado em R$ 4,8 milhões na próxima edição.

Segundo a Caixa, 10 apostas saíram vencedoras na faixa da quina. Cada uma delas vai ganhar R$ 86.553,24.

A quadra contemplou outros 908 bilhetes com R$ 1.361,75 cada. A arrecadação total foi de R$ 15 milhões. 

O próximo sorteio da Mega-Sena está marcado para quarta-feira (1º).

360x310 (2) Imobiliaria
360x310 (3) Comercial Oshiro
Urban
Publicidade