Dourados-MS,
 Camara municipal
Grid List

Foto - Adilson Domingos

Dourados

Jovem foi espancada até a morte no Pelicano
Mayara Freitas Matoso, 21, foi espancada e depois estrangulada até a morte. O caso ocorreu no início da tarde deste sábado (22/9), no Jardim Pelicano.

Ela foi encontrada por uma amiga sobre a cama da casa onde mora, na rua Francisco Luiz Viegas. 

Ao lado do corpo havia manchas de sangue. O caso é investigado.

Foto - Divulgação

Dourados

Homem de 58 anos foi encontrado caído por volta de 3h desta quinta-feira (20/9) na avenida Hayel Bon Faker, próximo ao Trevo da Bandeira, em Dourados. Horas depois, ele não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo no Hospital da Vida. 

De acordo com a família de Luiz Laurindo da Silva, morador na Vila Cachoeirinha, próximo a ele havia carenagens de uma motocicleta. Porém, a polícia ainda trabalha para saber se o atropelamento ocorreu. 

Luiz chegou a ser socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e encaminhado ao HV, porém, não resistiu aos ferimentos e morreu por volta de 6h.

O caso é investigado. 

Morreu na madrugada desta quarta-feira (19/9) em Dourados, Juliano Cardoso Sampaio, 35, morador no bairro Estrela Hori. No dia 13 de setembro ele acabou ferido ao ser esfaqueado pelo filho, adolescente de 16 anos.

Conforme a ocorrência, o rapaz sofreu complicações e não resistiu. O óbito foi registrado por volta de 2h no Hospital da Vida. 

O caso 

No dia 13, Juliano acabou esfaqueado pelo próprio filho, adolescente de 16 anos. Na casa estavam a esposa, de 38 anos, a vítima e o menor. 

Após bebedeira, o casal começou a discutir e a vítima pegou uma faca, ameaçando a mulher. 

Ao observar a cena e para defender a mãe, o jovem também se apossou do objeto e desferiu golpe no abdômen do pai.

 

Dourados News

Carro em que o médico estava

Campo Grande

O médico envolvido no acidente que matou Márcia Martins Honório, na madrugada de domingo (2), é sócio de uma empresa médica que presta serviço ao Detran (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul). Edson de Arruda Alves, de 69 anos, acabou preso por embriaguez após colidir no carro em que a vítima estava na BR-163.

Especialista em ginecologia, Edson aparece no Diário Oficial de Mato Grosso do Sul como sócio da clínica Medtrans, empresa prestadora de serviços para a realização de exames de aptidão física e mental do Detran há cerca de 10 anos. 

Em maio, uma nova portaria, também publicada no Diário Oficial, credenciou a Medtrans por mais um ano como prestadora de serviço ao Detran. Na publicação, o nome de Edson está entre a lista de médicos autorizados ao serviço até o dia 30 de setembro de 2019.

O médico acabou preso em flagrante por embriaguez logo depois do acidente. O teste do bafômetro foi feita e contatou 0,71 miligramas de álcool por litro de ar, valor muito acima do permitido para que o caso não seja crime. Na delegacia, Edson confessou ter bebido “duas cervejas na casa de um amigo”.

Segundo a defesa do médico, composta pelos advogados Andrea Flores e o Luiz Henrique Camargo, apesar da embriaguez confirmada, o acidente aconteceu pela falta de visibilidade do motorista, já que no momento da colisão chovia.

Para a reportagem, Flores explicou que o cliente voltava da casa de um amigo, e resolveu ultrapassar uma carreta bitrem. Ao terminar a manobra e voltar para a pista de sentido a saída de Três Lagoas, atingiu o Fiat Punto, onde a vítima estava. “Ele não viu o carro, quando terminou a manobra e voltou para a pista encostou no Punto”, afirmou a advogada.

Segundo a versão do médico, a Mercedes C230 que conduzia também rodou na pista e atingiu uma carreta que seguia na frente das vítimas. Ainda conforme a defesa, Edson está prestando toda assistência a família da vítima.

Ainda conforme a advogada, o médico vai esperar pela audiência de custódia, que acontece na manhã desta segunda-feira (3).

Caso - De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), o médico conduzia uma Mercedes Benz Sedan em sentido a saída de Três Lagoas quando atingiu a traseira do Fiat Punto, onde estavam a vítima e o namorado, de 37 anos. Com a colisão o veículo rodou e saiu da pista, parando às margens da rodovia.

Ainda conforme os policiais que atenderam a ocorrência, a velocidade da Mercedes era tanta, que mesmo com o acidente o médico não conseguiu parar e atingiu uma carreta que seguia na frente do carro das vítimas.

O motorista da Punto - que não teve no nome divulgado - foi socorrido com ferimentos leves, mas Márcia, que era passageira, morreu no local do acidente.

 

 

Campo Grande News

O benefício não vale para outros servidores - Foto: DIVULGAÇÃO

Campo Grande

Seis meses após tentativa de criar mais um benefício para juízes e desembargadores de Mato Grosso do Sul, o “auxílio transporte”, o Tribunal de Justiça do Estado (TJMS) decidiu conceder “benefício de assistência médico-social” para todos os magistrados, ativos e inativos. O aumento de 200% no auxílio saúde vai representar acréscimo de 9,99% no salário inicial do magistrado, que varia de R$ 26.734,73 a R$ 30.471,11.

Mas a Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Mato Grosso do Sul (OAB-MS), considera ilegal a Resolução n° 209, de 17 de agosto de 2018, publicada hoje no Diário da Justiça. “Vamos pedir informações para ver se isso realmente vai ser aplicado e aí vamos adotar as medidas cabíveis. Fizeram alteração na Lei Orgânica da Magistratura por meio de Resolução, isso é ilegal. No nosso ponto de vista só poderia ser alterada através de outra lei”, explica o presidente da entidade Mansour Elias Karmouche.

A texto assinado pelo presidente do TJMS, desembargador Divoncir Schreiner Maran, considera os termos da Resolução n° 207, de 15 de outubro de 2015, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cujo o teor dispõe sobre a Política de Atenção Integral à saúde de magistrados e servidores do Poder Judiciário. E também “o congelamento dos subsídios da magistratura pelo Governo Federal há aproximadamente quatro anos”.

Além de “ser notório os constantes reajustes dos planos de saúde e que estes, para a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro de seus contratos, utilizam-se de meios para reajustá-los por mudança de faixa etária, onerando excessivamente os usuários ao longo do tempo”.

Com isso Maran resolveu alterar a redação do art. 1º da Resolução nº 33, de 2 de dezembro de 2009, passando a vigorar nos seguintes termos: “Art. 1º O benefício de assistência médico-social, previsto no artigo 255-A da Lei n. 1.511, de 15 de julho de 1994, será concedido aos magistrados ativos e inativos, bem como aos seus pensionistas, na forma de auxílio pecuniário, de caráter indenizatório, no valor correspondente de até 15% do valor do subsídio ou do provento do magistrado ou da pensão, observada a disponibilidade orçamentária e financeira.” 

A resolução entra em vigor a partir da data de publicação e não é válida para os servidores do TJMS, apesar de nas considerações o presidente ter citado resolução do CNJ que também atinge os trabalhadores do Poder Judiciário.

“A Lei Orgânica prevê o agamento de auxílio saúde, mas no caso de comprovação de uso entre 5% e 15%. Agora estão dando indiscriminadamente, de forma isonômica e linear para todo mundo. Vão receber em dinheiro”, disse Karmouche.

“AUXÍLIO TRANSPORTE”

Em fevereiro deste ano, após repercutir de forma polêmica em todo o Estado, o projeto que criava o “auxílio transporte” para servidores do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) foi retirado da pauta na Assembleia Legislativa. Na época a Casa de Leis informou que a retirada foi feita após pedido informal dos próprios desembargadores, sob justificativa de que farão correção e alteração de informações.

O Tribunal, por sua vez, negou que tenha feito qualquer solicitação.

O presidente da Assembleia Junior Mochi (PMDB)  informou, sem revelar maiores detalhes, que recebeu uma ligação na qual foi solicitada a retirada do projeto da pauta. “Eles ligaram porque tem algumas correções e alterações para fazer. Pediram para sobrestar até ver o que é para fazer”.

Caso aprovado pelos deputados estaduais e depois sancionado pelo governador Reinaldo Azambuja (PMDB), o valor do “auxílio transporte” corresponderá a 20% do subsídio recebido pelos servidores do judiciário, podendo variar de R$ 4.702,53 a R$ 6.094,22. 

Em relatório anexo ao projeto, o Departamento de Orçamento e Contabilidade e a Secretaria de Finanças da Corte Estadual estima que o impacto orçamentário-financeiro desse benefício no orçamento do Fundo Especial para Instalação, Desenvolvimento e o Aperfeiçoamento das Atividades dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais (Funjecc), uma das fontes de recursos do Poder Judiciário, será de R$ 3,6 milhões e R$ 5,5 milhões.

“O projeto do auxílio foi retirado. Tem decisão do Supremo (Tribunal Federal - STF) que não pode ser pago mensalmente, por incorporação ao salários”, explicou o presidente da OAB.

 

Correio do Estado

Corpo foi encontrado em cela da Máxima - Foto: Arquivo/ Correio do Estado

Campo Grande

Detento, de 34 anos, foi encontrado morto na manhã de hoje, dentro da Penitenciária de Segurança Máxima Jair Ferreira de Carvalho, em Campo Grande. Ismael Ferreira Araújo estava preso numa cela com outros 12 internos que tem problemas psiquiátricos.

De acordo com boletim de ocorrência registrado, a vítima estava na cela 102, galeria B, pavilhão 4. O corpo de Ismael foi encontrado por volta das 8h30, quando agentes penitenciários foram até o local, que fica na área de saúde do presídio. Não há detalhes sobre a situação em que o corpo estava.

Ainda segundo o registro, uma equipe da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Piratininga foi chamada, junto com policiais do Grupo de Operações e Investigações (GOI), além de peritos, estiveram no presídio para investigar o caso, registrado como morte a esclarecer.

Advertisement