Dourados-MS,
Audiencia_Câmara1

Veículo ficou completamente destruído - Foto: Sidrolândia News

Uma idosa de 74 anos morreu ao ser arremessada do Gol preto onde estava e que capotou na manhã desta sexta-feira (7), na MS-162, em Sidrolândia.

Segundo a Polícia Militar, Rosalva Vilhalva Martins poderia estar sem cinto de segurança e acabou sendo arremessadapor cerca de 50 metros com a força do capotamento.

Além da idosa, uma criança de 2 anos que estava no veículo sofreu traumatismo craniano e seguiu para a Santa Casa de Campo Grande de ambulância. 

Outras três pessoas, dois passageiros e o motorista, também sofreram ferimentos leves. Não há informações sobre os seus estados de saúde. O Gol ficou completamente destruído.

 

Correio do Estado

Foto - Divulgação

Na madrugada desta quinta-feira (6) a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu duas submetralhadoras, maconha e recuperou um veículo roubado no km 403 da BR-060, próximo a Sidrolândia. 

Durante fiscalização de rotina, a equipe abordou um veículo Fiat/Uno Mille com placas de Ponta Porã, conduzido por um homem de 38 anos.

Os policiais ouviram um chiado característico de rádio amador e solicitou a outra equipe que estava logo à frente para que ficassem atentos a algum veículo suspeito tentando burlar a fiscalização. Em seguida, observaram uma caminhonete Toyota/Hilux com placas aparentes de Campo Grande, estacionada no acostamento.

Na tentativa de abordar a caminhonete, o condutor abandonou o veículo e fugiu para um barranco às margens da rodovia, não sendo possível localizá-lo.

No Uno a equipe encontrou além do rádio transmissor oculto no painel um tambor com óleo diesel, provavelmente usado para abastecer a caminhonete com os ilícitos.

No compartimento de carga do utilitário foram encontrados vários tabletes de maconha que somaram 1.721 kg da droga, duas submetralhadoras de origem militar cal .9mm, 3 carregadores cal. 9mm e 2 placas veiculares paraguaias.

O motorista do Uno declarou que estava realizando serviço de batedor para a Hilux avisando das barreiras policiais.

Em verificação veicular, foi constatado que a caminhonete tinha sinais de adulteração com placas originais de Alto Paraná (PR), onde tinha registro de roubo/furto.

Ocorrência encaminhada à Polícia Federal em Campo Grande.

 

Dourados News

Alguns dos objetos de luxo apreendidos com o casal ontem. - Foto: Divulgação

Operação da Polícia Federal desarticulou ontem esquema do tráfico internacional de cocaína operado na fronteira com o Paraguai, por um casal de Ponta Porã. Marido e mulher dispunham de aparato logístico que contava com veículos como carretas e caminhões, além de um entreposto em Dourados, usado para armazenavar carregamentos. A dupla, que desfrutava de vida luxuosa, foi presa em Rondonópolis (MT), após negócios na Bolívia.

De acordo com nota da PF, os presos são donos de mais de 400 quilos de cocaína apreendida, bem como de produtos químicos e maquinários utilizados no refino de entorpecentes, aproximadamente R$ 110 mil em espécie, além de armas de fogo e munições, que estavam com eles em uma mansão, na cidade de Itapetininga (SP), em março de 2017. 

Segundo as investigações, os detidos lideravam um complexo esquema de tráfico internacional na fronteira entre Brasil e Paraguai, sendo que a droga era obtida no território paraguaio e encaminhada, por via terrestre, até o município de Dourados. De lá, seguia em fundos falsos de caminhões até Itapetininga e Americana (SP), de onde era redistribuída.

O casal costumava se exibir em redes sociais portando joias e frequentando restaurantes e hotéis de alto valor. Estima-se que uma festa patrocinada por ambos, realizada no início de 2017, tenha custado mais de R$ 50 mil. Este alto padrão de vida e aparente inexistência de origem lícita de patrimônio chamou a atenção dos policiais que iniciaram investigações.

LAVAGEM DE DINHEIRO

 Além do tráfico, eles lavavam dinheiro com a compra de imóveis de alto padrão, principalmente em Dourados, registrando as propriedades em nome de “laranjas”. Também eram movimentadas quantias significativas em contas bancárias abertas em nome de terceiros. Para dificultar a atuação dos órgãos públicos de segurança, utilizavam documentos falsos e passaram a tentar justificar a origem das riquezas alegando ser empresários do ramo de transportes. 

Recentemente, os investigados passaram a negociar carregamentos de cocaína na cidade de Corumbá, fronteira do Brasil com a Bolívia, sendo que Policiais Federais descobriram que teriam alugado um imóvel em Rondonópolis. Também pretendiam alugar um galpão, onde seria montada uma transportadora. Desta forma, ontem, foi dado cumprimento aos mandados no imóvel onde residiam.

 Foram encontrados jóias e outros itens luxuosos, tais como relógios e óculos, bem como documentos falsos e uma arma calibre 380. Além da prisão em flagrante, os detidos responderão pelos crimes de tráfico internacional de tráfico de drogas, lei de lavagem, uso de documento falso e posse irregular de arma de fogo, cujas somas das penas máximas é de 33 anos de prisão.

 
 
Correio do Estado

Bilhete dizia “Não roubar mais nos bairros Terrassa e Cidade Nova” - Foto: Porã News

O corpo de um jovem de 20 anos foi encontrado com vários tiros e um bilhete alertando ladrões para que não roubassem nos bairros Terrassa e Cidade Nova, em Ponta Porã. Identificado como Willian David Villalba Espinosa, tinha passagem por roubo e era procurado pela polícia. Quatro homens o sequestraram e executaram em seguida.

De acordo com o site Porã News, no início noite de ontem (10) Willian foi cercado por quatro homens armados. Algumas horas depois foi encontrado com vários disparos no rosto e cabeça, no Jardim Ivone.

Junto ao corpo da vitima foi encontrado um bilhete escrito em espanhol “Não roubar mais nos bairros Terrassa e Cidade Nova”. Este recado seria para os outros ladrões que estariam atuando nos bairros.

Ainda conforme o site Porã News, os autores teriam ainda passado à polícia falsas ocorrências em regiões opostas da cidade a que foi encontrado o corpo.

Crimes como estes dos chamados “justiceiros da fronteira” têm sido registrado na região de fronteira, onde devido ao grande número de roubos e assaltos, algumas pessoas teriam optado por fazer justiça com as próprias mãos.

 

 

Correio do Estado

Veículo estava carregado com quase 2 duas toneladas de maconha - Foto: Camapuã Mais

Polícia Militar apreendeu 1,7 tonelada de maconha, arma de grosso calibre e várias munições de pistola e fuzil, que eram transportadas em uma caminhonete roubada. O flagrante aconteceu sabado (25), na MS-436, em Camapuã.

De acordo com informações do boletim de ocorrência, caminhonete S10 era conduzida por Paulo Anderson Capistrano Silveira, 31 anos. Ao passar por um quebra-molas na rodovia, tabletes de maconha caíram do veículo e outros motoristas que passavam pela via acionaram a polícia.

Policiais militares constatam que os tabletes de fato eram de maconha e se deslocaram para abordar o veículo. A caminhonete foi encontrada estacionada atrás de um supermercado, abandonada, sem a chave de ignicação, e com a carroceria e o interior carregados com vários tabletes de maconha e porções de skunk.

O motorista foi encontrado no quintal de uma casa nas proximidades. Ele estava com a chave do veículo e recebeu voz de prisão, sendo encaminhado à Delegacia de Polícia Civil.

Durante a retirada da droga da caminhonete, foram encontrados dois celulares, espingarda calibre .12, grande quantidade de munições, porta carregadores e um extensor de coronha.

Em checagem ao chassi do veículo, foi constatado que ele tinha placas originais de Castanhal (PA), e era produto de roubo ocorrido no dia 13 de julho deste ano.

Silveira já tem passagens na polícia, tendo sido preso no fim de julho de 2018, pelo Departamento de Operações de Fronteira (DOF), por posse ilegal de arma de fogo. Ele negou ser proprietário da droga e disse que receberia uma quantia em dinheiro pelo transporta, mas não informou qual o destino do carregamento. 

 

 

Correio do Estado

 

 

Dupla foi contratada para levar maconha até Ribeirão Preto (SP) - Foto: DOF / Divulgação

Uma equipe do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) surpreendeu dois homens em um veículo GM Chevrolet Classic, com placa de São Paulo (SP), transportando cerca de 120 kg de maconha no porta-malas do carro. 

Durante a abordagem, chamou atenção que o motorista foi identificado como militar do Exército Brasileiro, considerado desertor. A prisão aconteceu durante abordagem do bloqueio policial, na sexta-feira (17), por volta das 17h30, em fiscalização na região rural de Maracaju.

Inicialmente, os homens disseram que transportavam produtos de descaminho. Durante a vistoria no porta-malas foram localizados vários volumes prensados do entorpecente.

A dupla informou que foi contratada para transportar a droga até a cidade de Ribeirão Preto (SP) e a ocorrência foi registrada e entregue na Delegacia de Polícia Federal de Dourados para os procedimentos legais.

 

Correio do Estado

Um dos depósitos estava lotado de droga na fronteira. - Foto: Senad

Depois de um ano de investigações, a Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai, com apoio do Ministério Público e da Polícia Nacional, desarticulou estrutura responsável pelo envio de grandes carregamentos de maconha ao Brasil por terra e água, pelos estados de Mato Grosso do Sul e Paraná. 

Foram apreendidas 16 toneladas de maconha, 16 veículos, duas embarcações, submetralhadoras e fuzis. Dez pessoas, incluindo a cúpula do grupo, foram presas. Conforme divulgado nesta quinta-feira pela Senad, a ação foi realizada na cidade de Salto Del Guairá, perto de Mundo Novo, extremo sul do estado, e de Guaíra (PR). 

A organização criminosa dispunha de estrutura financeira e logística que incluía depósitos, portos clandestinos e veículos que possibilitavam tanto transporte terrestre quanto fluvial, criando alternativas "seguras" de acordo com a presença de fiscalização na fronteira e destino da carga.

Eles contavam ainda com apoio de policiais corruptos. "Os mesmo tinham um esquema de portos clandestinos para passagem de droga ao território brasileiro e contavam, inclusive, com a proteção de membros das instituições de segurança, segundo as investigações", afirma a Senad em nota.

Entre os presos estão Flaviano Giménez, principal financiador e chefe da organização, Flávio Júnior Giménez Spaini, filho e braço direito do chefe, Jorge Daniel Zorrila Vera, encarregado pelo gerenciamento das drogas, e Wilson Gauto Campuzano, assistente fiscal da Unidade Especializada de Combate ao Tráfico de Salto del Guairá.

Abaixo na hierarquia estavam Orlando dos Santos Fernández, Miguel Angel Torres, Cristian Mancuello Ferreira, Derlis Nicolas Arguello Ramirez, Wilberto Fariña e Ramón Giménez. Foram apreendidas os 16 mil, uma frota com 16 veículos incluindo caminhões, caminhonetes e carros de luxo, dois barcos, duas submetralhadores, um fuzil 5.56, vários carregadores, cartuchos e silenciadores. Somente o carregamento apreendido ao longo das investigações foram avaliados em oito milhões de dólares.

Correio do Estado

Mais Artigos...