Dourados-MS,
PRINCIPAL OK

Sogro de narcotraficante é executado a tiros no centro de cidade

Bitterncourt foi atingido por vários tiros ao sair de loja - Foto: Divulgação

Outras Cidades
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Sogro de um narcotraficante conhecido na fronteira, Antônio Adelir Bittencourt, 59 anos, foi executado a tiros de arma .40 e .45, às 11h desta quarta (23), na região central de Paranhos, município que faz fronteira com o Paraguai.

Delegado titular do Município, Edgar Punsky, disse que a vítima mora na cidade paraguaia de Villa Ygatimi, onde tem uma fazenda, e estava em Paranhos para fazer compras. Quando saia de uma loja de produtos agropecuários e entrava em uma caminhonete S10, dois rapazes, que estavam em uma moto, passaram e efetuaram vários disparos contra a vítima.

Bittencourt foi atingido por vários tiros e morreu no local. Polícia Civil esteve no local e recolheu cerca de 25 cápsulas de munições, mas segundo o delegado, apenas a perícia pode precisar quantos tiros atingiram a vítima.

“Ele [vítima] é envolvido com pistolagem na fronteira e tudo indica que foi acerto de contas. Provavelmente os suspeitos são paraguaios e o seguiram, já que ele não mora aqui e foi atingido ao sair do loja”, disse o delegado, acrescentando que a Bittencourt era sogro do narcotraficante Diego Zacaria Alderete Peralta, apontado como um dos chefes do tráfico na região.

Ainda segundo o delegado, Bittencourt não tem passagens pela polícia brasileira como autor, apenas como vítima. Ele já foi alvo de atentados por três vezes, sendo uma ocorrida em Paranhos há sete anos.

Corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal de Ponta Porã e a polícia aguarda os laudos, que devem demorar em torno de 30 dias. Delegado disse que parentes da vítima e testemunhas serão ouvidos, além disso, polícia procura por câmeras de segurança que possam ter registrado o crime, para auxiliar na identificação dos suspeitos.

“A dificuldade maior é que é região fronteiriça e como os suspeitos fugiram para o Paraguai, temos que contar com o apoio da polícia paraguaia, o que nem sempre é fácil”, disse o delegado.

O caso foi registrado como homicídio simples e segue em investigação.

 

Correio do Estado