Dourados-MS,
Assembléia - Vem participar

Tenente-coronel Admilson Cristaldo Barbosa, preso na operação, chegando na Corregedoria da PM - Foto: Leandro Abreu/Correio do Estado

Militares presos por corrupção em operação do Grupo de Apoio Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), quarta-feira (16), eram comandantes de batalhões da Polícia Militar no interior de Mato Grosso do Sul. Segundo o jornal Correio do estado, um deles chegou a receber a mais alta honraria da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul,  a Medalha do Mérito, além de outras condecorações.

Entre os presos estão o tenente-coronel  Admilson Cristaldo Barbosa - comandante do 11º Batalhão da PM de Jardim; tenente-coronel Luciano Espindola da Silva - comandante da 1ª Companhia Independente da PM de Bonito; 1º sargento Jhondnei Aguilera - comandante do 1º Grupamento de Boqueirão; sargento Angelucio Ricalde Paniagua - comandante do 2º grupamento da PM de Guia Lopes da Laguna; além do major Oscar Leite Ribeiro - Comandante da 2ª Companhia de Polícia Militar de Bela Vista; e do cabo Ivan da Silva - que atuava em Maracaju.

Barbosa já foi homenageado com a Medalha Tiradentes – concedida pela PMMS; Medalha Mérito Santos Dumont – concedida pela Força Aérea Brasileira em Julho/2005; Medalha Insígnia do Mérito Policial Militar – concedida pela PMMS em setembro/2010; Medalha de Bronze – 10 anos de bons serviços prestados à Ordem, segurança e Tranquilidade do Estado – PMMS; Medalha de Prata – 20  anos de bons serviços prestados à Ordem, segurança e Tranquilidade do Estado – PMMS; Título de Herói do Sindicato Rural do MS; Medalha Ordem do Mérito Aeronáutico (A Mais Alta Distinção Honorífica do Comando da Aeronáutica) – Concedida pela Força Aérea Brasileira em outubro/2013.

Já o cabo Ivan da Silva chegou a receber a medalha Tiradentes, por prestar relevantes serviços à sociedade, em 21 de abril de 2016.

A ação comandada pelo Gaeco tem relação com flagrante realizado em dezembro do ano passado, quando sete policiais militares tornaram-se réus pela prática dos crimes de concussão e sequestro.

Eles teriam sequestrado contrabandistas de cigarro paraguaio e cobrado R$ 150 mil para liberar o veículo. Na ocasião, dois policiais militares foram presos pelo Gaeco e interromperam a extorsão que os PMs praticavam.

RÉUS

Foram denunciados, na ocasião, o terceiro sargento Alex Duarte Aguir, os cabos Rafael Marques da Costa, Eduardo Torres de Arruda, João Nilson Cavanha Vilalva e Felipe Fernandes Alves, além dos soldados Lucas Silva de Moraes e Walgnei Pereira Garcia.

Conforme o Ministério Público Estadual, cientes da reprovabilidade de suas condutas, eles exigiram para si vantagem indevida, e, em consequência desta vantagem, deixaram de praticar ato de seus ofícios. Os denunciados ainda sequestraram a vítima Rogério Fernandes Mesquita.

 

 

Correio do Estado

Foto - Divulgação

O Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Corregedoria da Polícia Militar deflagraram, na manhã desta quarta-feira (16), uma operação de combate à corrupção no âmbito policial. Ao todo serão cumpridos, 66 mandados em 14 cidades do Estado.

Conforme as informações preliminares divulgadas pela assessoria do Gaeco, serão cumpridos 45 mandados de busca e apreensão e outros  21 de prisão no decorrer do dia. Outros detalhes sobre a ação ainda não foram divulgados.

Oiketikus é uma praga conhecida como "bicho-do-cesto", que ataca plantações quando está na fase de larva, antes de se transformar em uma mariposa.

 

 

Correio do Estado

Caminhonete roubada bateu em uma árvore. - Foto: Divulgação

Ladrão de caminhonete ainda não identificado morreu em confronto com o Batalhão de Choque da Polícia Militar na noite de ontem, em Campo Grande. Com ajuda de um comparsa, o autor tomou uma GM S-10 em uma sobaria no Bairro Taquarussu e, durante tentativa de fuga, iniciou troca de tiros com os policiais na saída para Sidrolândia.

Conforme relatado, dois assaltantes chegaram de moto ao estabelecimento na Rua Brigadeiro Tobias, renderam os clientes e fugiram levando o veículo de um homem de 55 anos, bem como celulares e outros objetos. O Choque foi informado e conseguiu avistar a S-10 transitando com os faróis apagados na saída para Sidrolândia. A suspeita é de que o motorista estive seguindo rumo à fronteira.

Foi dada ordem de parada, mas o suspeito, de 20 anos, não obedece e fugiu em alta velocidade pela BR-060, tendo início perseguição com apoio de outras viaturas. Perto de uma curva, o motorista teria atirado contra os policiais que revidaram. Ele saiu da pista, bateu em uma árvore e desembarcou armado, continuando os disparos. 

Os policiais então revidaram, deixando-o gravemente ferido. Foi acionado socorro, mas como o estado de saúde era delicado, os próprios policiais colocaram o baleado na viatura e o levaram ao Hospital Regional, onde ele morreu minutos mais tarde. A caminhonete foi apreendida e encaminhada à Polícia Civil.

Com o autor foi encontrado uma pistola Taurus calibre .40 com brasão da Polícia Civil de Mato Grosso, um carregador com três munições. O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) da Vila Piratininga.

 

 

Correio do Estado

Antes, foram gastos quase R$ 4 mil em conserto - Foto: Bruno Henrique/Correio do Estado

Um veículo do modelo Uno pegou fogo por volta das 8h de sabado (28), na Avenida Marechal Deodoro, próximo ao cruzamento com a Rua Iracema, no Bairro Guanandi, em Campo Grande. Segundo o proprietário, Eder Paniago, o veículo tinha acabado de sair de uma oficina mecânica.

Dentro do carro estavam a esposa e o enteado de Eder. “Eu estava em um outro veículo, que nos trouxe até a oficina. Ela pegou o carro e íamos nos encontrar. Já do outro lado da rua, vi o fogo”, afirmou. 

Foram gastos quase R$ 4 mil no conserto do carro em estalecimento do Bairro Copharádio, segundo o proprietário, que mora no Bairro Tiradentes. “Ele estava há dois dias na oficina. Apagou e eu levei lá. Teve um problema, depois outro, e o mecânico teve que fazer uns ajustes e refazer todo o motor'. O Uno é de 2013. 

A família saiu ilesa. Um comerciante que  presenciou o ocorrido levou extintor de incêndio para conter as chamas. Ainda assim, o motor foi destruído pelo fogo e a parte metálica do carro foi danificada. “Eu nem vou querer o carro mais, quero ser indenizado pelo que aconteceu”, disse Eder.

O dono da oficina mecânica que prestou o serviço estava no local. Ele não quis se identificar, mas declarou ter a intenção de indenizar o cliente após verificadas as causas do incêndio. A Polícia Militar foi chamada para registrar o caso e mediar a conversa entre os dois envolvidos.

 

 

 

 

 

Correio do Estado

Três acusações foram registradas e a possibilidade de totalizarem sete casos de abuso - Foto: Gerson Oliveira / Correio do Estado

O professor de 59 anos,  acusado de assediar sexualmente adolescentes na escola onde ministrava aulas no bairro Piratininga, foi preso nesta segunda-feira (14) e poderá responder por estupro de vulnerável, em três inquéritos registrados na Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA).

O delegado responsável pelo caso, Fábio Sampaio, informou ainda que três vítimas prestaram depoimento, durante atendimento psicosocial e a forma de agir do suspeito é parecida.

"Os abusos aconteciam  dentro de sala de aula, geralmente, os últimos a sair em dias de avaliação. Inclusive teve um menino de 12 anos, com o qual o professor travou amizade fora do ambiente escolar", explicou.

Sampaio acrescentou que a polícia não tem dúvidas sobre o abuso, primeiro em razão da repetição das denúncias. "Não temos dúvida sobre os abusos, visto que os relatórios de depoimento dos adolescentes é semelhante e inclusive eles citaram o nome de mais quatro colegas, que devem ser ouvidos e se for confirmado, o número de vítimas aumentará para sete", pontua.

DEFESA

Segundo o advogado de defesa, Ronaldo Franco, o professor nega as acusações e também não sabe dizer porque os alunos teriam feito as acusações. "Este não é um caso como homicídio que você alega legítima defesa. Ou prova-se a inocência ou então confessa o que aconteceu, mas, posso antecipar que os relatórios feitos até agora apresentam muitas afirmações desencontradas", observa.

Franco ressalta ainda que "ninguém se torna pedófilo do dia para noite. O professor não tem antecedentes criminais e registra mais de 30 anos como docente na rede pública estadual e municipal da Capital. ", conclui.

O suspeito foi encaminhado para Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) e amanhã passará por audiência de custódia. 

 

 

Correio do Estado

Ele foi contido e levado pela Polícia Militar - Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado

Uma confusão entre familiares acabou em um princípio de incêndio no fim da manhã de hoje (6), na região do Jardim Búzios, em Campo Grande. Um homem, que não teve a identidade divulgada, foi preso pela Polícia Militar.

Muito nervosos, os familiares envolvidos na confusão não quiseram falar com a imprensa. As informações preliminares apontam que o homem estaria embriagado e começou a discutir com parentes.

Durante a confusão ele teria tentado colocar fogo nos fundos da casa, que fica na rua Adélia Fraiha. As chamas não avançaram e foram controladas em seguida pelo Corpo de Bombeiros.

 

 

 

Correio do Estado

Os dois carros são de clientes e morador não estava em casa no momento que aconteceu o incêndio - Foto: Daniela Arruda

Veículos de clientes foram queimados em frente a casa de mecânico. Moradores disseram que o incêndio foi criminoso e que dois homens, em uma motocicleta, jogaram gasolina e atearam fogo em uma Pampa e um Del Rey, os dois veículos são de modelo antigo. O crime aconteceu no Jardim Panorama, na tarde deste sábado (28), por volta das 15h.

O morador e dono da oficina não estava no momento e ainda de acordo com testemunhas, a intenção dos criminosos era de queimar a casa do mecânico.

Os próprios moradores conseguiram combater as chamas da Pampa, ele usaram tambores e baldes cheios de água. Porém quando vizinhos estavam tentando apagar o fogo do Del Rey, os bombeiros chegaram e fizeram o trabalho.

De acordo com o tenente, foram usados dois mil litros de água para apagar o fogo do Del Rey. Os dois carros ficaram quase que totalmente destruídos.

Moradores se assustaram e disseram que o risco do fogo se alastrar era muito grande. “Meu filho mora em um desses barracos e eu vim correndo. Meu neto de dois anos de idade e minha nora moram aqui também. Tem geladeira e outras coisas dentro da casa”, disse Elisabeth Santana, uma das moradoras do local.

 

 

Correio do Esatdo

Mais Artigos...

Página 1 de 2