Dourados-MS,
CMD-DROGAS
Grid List

Foto - Divulgação

Dourados

Um homem, que ainda não teve a identidade divulgada pela polícia, foi morto na noite de ontem (20) após invadir uma chácara no município de Ivinhema e sequestrar duas vítimas para roubar o carro delas. Ele estava na companhia de outros quatro criminosos que acabaram detidos pelas forças de segurança. 
 
De acordo com informações, por volta das 21h20, a quadrilha teria invadido a propriedade e rendido dois homens, os fazendo reféns em assalto. 
 
Os bandidos então tomaram das vítimas dois veículos, um Jeep Renegade e uma Toyota Hilux. A Polícia Militar recebeu a denúncia do sequestro e mobilizou forças de segurança.
 
Agentes do DOF (Departamento de Operações na Fronteira) e Getam (Grupamento Especial Tático de Motos) da Polícia Militar localizaram os criminosos na região de Naviraí e conseguiram interceptar a quadrilha. Na ação houve troca de tiros e um dos bandidos acabou baleado. 
 
Ele foi socorridos, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Outros quatro integrantes da quadrilha foram presos, três deles já foram trazidos para o Defron (Delegacia de Repressão aos Crimes de Fronteira) em Dourados. O outro criminoso está a caminho da delegacia.
 
Com a ação exitosa, as vítimas foram resgatadas e os veículos recuperados. Além do criminoso baleado, ninguém mais ficou ferido. 

 

 

Dourados News

Foto - Osvaldo Duarte

Dourados

Discussão entre casal na tarde de sábado (19), em Dourados, terminou com a mulher baleada. O caso ocorreu na Aldeia Jaguapiru, Reserva Indígena. Eloiza Souza, 25, foi levada ao Hospital da Vida.

O principal suspeito, o marido dela, Denildo Martins Jucá, ainda não foi localizado.

Conforme familiares, a relação  de ambos é conturbada e marcada por várias brigas. Hoje, em mais uma confusão, o rapaz teria atirado nela e posteriormente fugido. 

Populares ao perceberem a vítima, chamaram a mãe dela. O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar se deslocaram à região, porém Eloiza acabou levada por uma ambulância da Sesai.

Ela possui ferimento na perna.

A polícia investiga o caso e procura pelo suspeito.

 

Dourados News

Foto - Adilson Domingos

Dourados

Renan Vinícius Ribeiro Nantes, de 19 anos, foi baleado no ombro durante tentativa de assalto na região do BNH I Plano em Dourados. 
 
Segundo a polícia, por volta das 20h ele seguia a bordo de uma motocicleta Honda Biz na companhia de um amigo, 20, quando no cruzamento das ruas Olinda Pires e Benjamin Constant foram abordados por dois homens desconhecido em outra moto. 
 
A dupla anunciou o assalto e um dos criminosos sacou revólver e disparou contra Renan, atingindo-o no ombro. Rapidamente a dupla fugiu do local sem levar nada das vítimas. A moto que os criminosos estavam era semelhante a uma Biz.
 
Socorristas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foram acionados e encaminharam o rapaz ao Hospital da Vida. 
 
OUTRO ASSALTO
 
Cerca de 20 minutos após a tentativa de assalto que vitimou Renan, um rapaz, 20, a bordo de uma moto chegava na casa da namorada, na rua Pedro Celestino de Oliveira, no Jardim Clímax, quando dois homens se aproximaram em uma motocicleta Shineray anunciando assalto. 
 
Eles teriam dado ordem de parada à vítima, mandando descer da moto e entregar tudo o que estivesse portando. O rapaz obedeceu e deu a carteira. 
 
Um dos criminosos, o garupa, tentou levar a moto da vítima, mas não conseguiu deixar o local. Consta no boletim de ocorrência que na tentativa de sair com o veículo o criminoso até teria caído. Ele abandonou a moto e fugiu com o comparsa levando apenas a carteira da vítima. 
 
A polícia acredita que os dois crimes tenham sido cometidos pelas mesmas pessoas. Os casos foram registrados na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) de Dourados e serão investigados.

 

Dourados News

Vários equipamentos foram destruídos pelas chamas - Foto: Bruno Henrique / Correio do Estado

Campo Grande

Uma conveniência foi parcialmente destruída por incêndio, na manhã de hoje, no Aero Rancho, em Campo Grande. Prejuízo foi estimado em R$ 30 mil.

O estabelecimento é de propriedade do casal Ana Cláudia Monteiro Mussi, 30 anos, e Murilo Plínio de Oliveira Rosa, 23. Segundo ela, a conveniência foi fechada às 4h e, às 10h30, eles receberam ligações de vizinhos, informando que o local estava pegando fogo.

Corpo de Bombeiros foi acionado e, segundo os comerciantes, demorou uma hora para chegar e as chamas foram apagadas pelos próprios vizinhos, com uso de uma mangueira.

Dentro da conveniência estavam uma moto Biz, três freezers, computador, home theather e uma televisão.

Segundo Ana Cláudia, a suspeita é que o incêndio tenha sido causado por uma instalação elétrica mal feita. “Nós desligamos tudo, deixamos apenas um freezer ligado”, disse, acrescentando que apesar disso, o eletrodoméstico não foi atingido.

No momento do incêndio, não havia ninguém dentro do comércio. O estabelecimento abriu há seis meses e ficará fechado até a reconstrução dos estados.

 

Correio do Estado

PF cumpre mandados em Mato Grosso do Sul

Campo Grande

A Polícia Federal deflagrou hoje (11) a Operação Ross, que tem como objetivo investigar o recebimento de vantagens indevidas por parte de três  senadores da República e três deputados federais, entre os anos de 2014 e 2017. 

Aproximadamente 200 policiais federais cumprem 24 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal, e realizam 48 intimações para oitivas.  Os alvos estão no Distrito Federal e nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Tocantins, e Amapá. Ainda não há detalhes sobre os locais de cumprimento em território sul-mato-grossense.

De acordo com o Globo, imóveis do senador Aécio Neves e de Andréa Neves, irmã dele, foram alvos de mandados de busca e apreensão em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. O deputados federais Paulinho da Força (SD-SP), Benito da Gama (PTB-BA) e Cristiane Brasil (PTB-RJ), bem como os senadores Agripino Maia (DEM-RN) e Antonio Anastasia (PSDB-MG) também são investigados.

As vantagens ilícitas recebidas pelos políticos teriam sido solicitadas ao grupo JBS, que teria efetuado o pagamento, inclusive para fins da campanha presidencial de 2014. A ação de hoje é um desdobramento da Operação Patmos, deflagrada pela PF em maio de 2017. 

Os valores investigados, que teriam sido utilizados também para a obtenção de apoio político, ultrapassam os  R$ 100 milhões.  Suspeita-se que os valores eram recebidos  através da simulação de serviços que não eram efetivamente prestados e para os quais eram emitidas notas fiscais frias.

São investigados os crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.    Ross faz referência a um explorador britânico que dá nome à maior plataforma de gelo do mundo localizada na Antártida fazendo alusão às notas fiscais frias que estão sob investigação.     

 

Correio do Estado

Policiais estão na superintendência da PF em Campo Grande - Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado

Campo Grande

A Polícia Federal, a Controladoria Geral da União (CUG) e a Receita Federal deflagraram hoje (27) a sexta fase da Operação Lama Asfáltica, intitulada Computadores de Lama. As investigações foram baseadas, em especial, nas remessas clandestinas de valores para o exterior realizadas por proprietários de empresas de informática investigadas nas fases anteriores.

São cumpridos quatro mandados de prisão preventiva, 25 de busca e apreensão, além do sequestro de valores nas contas bancárias de pessoas físicas e empresas. As ações ocorrem em Campo Grande, Jaraguari, Dourados e Paranhos, com a participação de mais de 100 policiais, 17 servidores da CGU e 33 servidores da Receita Federal. 

A Computadores de Lama decorreu da análise dos materiais já apreendidos, com resultados de fiscalizações e exames periciais. As investigações também têm como objetivo apurar desvios de recursos públicos por meio do direcionamento de licitações em contratações de serviços de informática, aquisição fictícia ou ilícita de produtos, simulação de contratos para o repasse de recursos ilícitos e utilização de “laranjas” para ocultação patrimonial.

Os prejuízos causados ao erário, somando-se todas as seis fases da Operação lama Asfáltica, consideradas as fraudes, valores concedidos irregularmente como benefícios fiscais e as propinas pagas a integrantes da Organização Criminosa passam dos R$ 432 milhões.

 

Correio do Estado

Advertisement