Dourados-MS,
Semestre- Camara

Foto - Divulgação

Mundo

Os 12 adolescentes e o treinador de um time de futebol resgatados do interior de uma caverna no norte da Tailândia, onde permaneceram presos por mais de 15 dias, deixarão o hospital na próxima quinta-feira (18), informaram as autoridades locais.

Equipes trabalham para operacionalizar resgate de crianças em caverna na Tailândia
Operação de resgate mobilizou diversas equipes de militares e voluntários (Rungroj Yongrot/EPA/EFE/Direitos Reservados)

O ministro da Saúde da Tailândia, Piyasakol Sakolsatayadorn, disse que os 12 rapazes entre 11 e 16 anos e o treinador, de 25, sairão do hospital de Chiang Rai no mesmo dia.

Os médicos que estão atendendo o grupo disseram anteriormente que os quatro primeiros resgatados poderiam deixar o hospital neste domingo (15).

O anúncio de quando receberão alta foi feito no mesmo dia em que foram divulgados dois novos vídeos em que cada um dos resgatados agradece pelo resgate. Eles dizem que estão bem, alguns falam do que gostaria de comer e um até agradece em inglês.

Os meninos aparecem sentados em suas camas de hospital e usam máscaras brancas. Na parede da cabeceira da cama, há um número que os identifica.

 

Agencia Brasil

Foto - Divulgação

Mundo

Todas as 13 pessoas que estavam na caverna Tham Luang, no norte da Tailândia, foram retiradas com apoio de dezenas de mergulhadores. Os últimos quatro meninos e o técnico do time de futebol saíram do local nesta terça-feira (10), o terceiro dia de resgate e o mais desafiador, porque chovia e havia mais pessoas a serem resgatadas.

 

G1

O juiz Brett Kavanaugh discursa na cerimônia em que foi indicado pelo presidente Donald Trump à Suprema Corte dos EUA (Leah Millis/Reuters/Direitos reservados)

Mundo

O presidente Donald Trump indicou ontem (9) o juiz Brett M. Kavanaugh, de 53 anos, para ocupar a vaga que ficará em aberto com a aposentadoria do juiz Anthony M. Kennedy na Suprema Corte dos Estados Unidos.  Kavanaugh era um dos quatro nomes mais fortes para substituir Kennedy, e embora reconhecidamente conservador, ele era considerado o mais moderado das opções que Trump avaliava.

Antes da indicação, que ainda terá de ser confirmada pelo Senado, Kavanaugh atuava como juiz federal do Tribunal de Apelações do Distrito de Columbia.  Ele também atuou como assessor do ex-presidente George W. Bush e investigou o presidente Bill Clinton.

Durante o anúncio, Trump disse que Kavanaugh é bastante qualificado.  "Não há ninguém nos Estados Unidos mais qualificado e que mereça mais do que Kavanaugh", afirmou.

O juiz Brett Kavanaugh discursa na cerimônia em que foi indicado pelo presidente Donald Trump à Suprema Corte dos EUA.
O juiz Brett Kavanaugh discursa na cerimônia em que foi indicado pelo presidente Donald Trump à Suprema Corte dos EUA (Leah Millis/Reuters/Direitos reservados)

Em breves palavras, Kavanaugh disse que a lei deverá ser interpretada, "e não escrita". Ele também comentou que é preciso manter "a mente aberta" para defender a Constituição do país.

O juiz deverá unir forças ao grupo conservador da Suprema Corte, que passará a ter cinco magistrados, com sua confirmação, contra quatro liberais.

A escolha de Kavanaugh foi bastante analisada por Trump, porque vai substituir um juiz que, apesar de conservador, em algumas decisões atuou com voto de equilíbrio, de maneira moderada, como por exemplo, em decisões sobre aborto, ações afirmativas e direitos dos homossexuais.

Católico praticante, casado e pai de duas filhas, ele é bastante respeitado entre republicanos moderados, mas não era a primeira opção dos conservadores mais religiosos do Partido Republicano, que já discordaram dele em decisões sobre Obamacare e alguns casos relacionados ao aborto.

A quatro meses de eleições que podem redefinir o Congresso, sua confirmação pode custar trabalho à base republicana para convencer senadores democratas.

Analistas entrevistados pela imprensa americana avaliam que, ao escolher Kavanaugh, Trump escolheu um veterano que foi assessor na presidência de George W. Bush e que agrada aos republicanos tradicionais. Uma aposta que poderia ajudá-lo a confirmar sua escolha no Senado.

Kavanaugh é o segundo juiz nomeado por Trump para a Suprema Corte. O atual juiz da ala conservadora, Neil Gorsuch, foi indicado pelo presidente para substituir o juiz Antônio Scalia, falecido em fevereiro de 2016.

 

Agencia Brasil

Equipes de resgate no interior da caverna (Foto: Marinha Real de Tailândia / via AP Photo)

Mundo

 A Tailândia começou na madrugada deste domingo (8) - horário no Brasil, manhã na Tailândia - a operação de resgate dos 12 meninos de 11 a 16 anos e seu treinador de futebol, presos em uma caverna inundada no distrito de Chiang Rai desde o dia 23 de junho.

 

Veja como será a operação: 

  • Operação de resgate começou às 10h (no horário local, madrugada no Brasil).
  • Eles serão retirados em quatro grupos – um com quatro pessoas e os outros com três.
  • Cada menino será acompanhado por dois mergulhadores e usará máscara facial para passar por trechos inundados. Uma corda ajudará a guiar o grupo.
  • percurso do local onde os meninos estão até a entrada da caverna deve levar ao menos cinco horas.
  • Resgate pode durar até quatro dias. 

 

O governador da província de Chiang Rai, Narongsak Osatanakorn, informou que 18 mergulhadores, sendo 13 especialistas internacionais e cinco tailandeses experientes, entraram na caverna Tham Luang e iniciaram a jornada até o grupo, que está isolado a cerca de 4 km da entrada da montanha. Toda a operação, considerada complexa e perigosa, pode durar até 4 dias.

Os 12 meninos, o treinador e suas as famílias foram informados sobre o início da operação de resgate e como ela será realizada. 

A viagem de volta deve iniciar com quatro garotos, informou o "Bangkok Post"'. Depois, segundo a publicação, dois grupos com três meninos vão deixar a galeria. Por último, mais dois garotos e o treinador serão levados para fora.

O primeiro grupo deve sair da caverna até à noite, no horário tailandês.

O governo tailandês publicou um gráfico detalhando como cada criança será resgatada. Dois mergulhadores acompanharão cada menino, que usará máscara facial enquanto são guiados pelas passagens por corda. Nos trechos estreitos, os mergulhadores soltarão o tanque de suas costas enquanto guiam o garoto.

Como são 18 mergulhados no interior da montanha, presume-se que alguns desses especialistas farão mais de uma viagem. O governo não explicou essa ação.

A operação não é só submersa nas águas que inundaram a galeria. Com o bombeamento constante de água para fora da montanha, pontos antes totalmente inundados podem ser feitos caminhando, afirmou o governador Narongsak Osatanakorn.

Equipes médicas estão se preparando há três dias para receber o grupo. 

Ambulâncias estão de prontidão na área da caverna (Foto: Tyrone Siu / Reuters)
Ambulâncias estão de prontidão na área da caverna (Foto: Tyrone Siu / Reuters)

Como o nível da água baixou muito nas últimas horas, o governador da província de Chiang Rai, Narongsak Osatanakorn, está otimista que a operação de resgate de todos os garotos e o treinador pode levar dois dias e não os 4 dias estimados anteriormente. 

Chuva 

Mas uma das maiores preocupações é com as condições climáticas. Chove fraco na região neste domingo, mas há nuvens escuras da época de monções sobre o norte montanhoso do país nesta manhã. Mas uma tempestade se aproxima e deve chegar ao local em até 5 dias. 

Com 18 mergulhadores, resgate de meninos na Tailândia deve durar de 3 a 4 dias
Com 18 mergulhadores, resgate de meninos na Tailândia deve durar de 3 a 4 dias

As equipes começaram a esvaziar a área para a operação de resgate no final da noite deste sábado (7), manhã na Tailândia. A ordem de evacuação foi do comandante da polícia Komsan Sa-ardluan em um alto-falante.

Foram desobstruídas a área no entorno da entrada caverna e também as estradas de acesso à região. Os jornalistas também tiveram que se afastar da caverna. 

Equipes de resgate no interior da caverna (Foto: Marinha Real de Tailândia /  via AP Photo)
Equipes de resgate no interior da caverna (Foto: Marinha Real de Tailândia / via AP Photo) 

Embora as equipes de resgate tenham conseguido retirar uma grande quantidade de água do sistema de cavernas, só é possível percorrer sem grandes perigos 1,5 km dentro da montanha. Mas a maior parte da jornada ainda é muito traiçoeira. Um mergulhador experiente leva até 11 horas para uma viagem de ida e volta.

 

G1

Casas submersas em Kurashiki (Foto: Shingo Nishizume / Kyodo News / via AP Photo)

Mundo

Pelo menos 21 pessoas morreram e 47 estão desaparecidas no Japão, por conta das intensas chuvas que atingem a metade sul do país e que mantêm quatro províncias em alerta máximo por inundações e deslizamentos de terra.

A Agência Meteorológica de Japão (JMA) mantém, neste sábado (7), o alerta máximo nas províncias de Kyoto, Hyogo, Okayama e Gifu.

A região oeste do país é onde foram registradas as 21 vítimas, entre 40 e 90 anos, segundo os últimos números da polícia e corpos de bombeiros divulgados pela emissora pública "NHK". 

Vista aérea mostra moradores sobre telhado da casa submersa em uma área inundada em Kurashiki, sul do Japão (Foto: Kyodo / via Reuters)
Vista aérea mostra moradores sobre telhado da casa submersa em uma área inundada em Kurashiki, sul do Japão (Foto: Kyodo / via Reuters)

A maioria dos mortos foi arrastada pelas enchentes dos rios, embora alguns, como uma mulher nonagenária da cidade de Kinnoyama, em Hiroshima, morreu depois que sua casa desabou devido a um deslizamento de terra.

Além das mortes, outras 47 pessoas estão desaparecidas, principalmente nas províncias de Okayama, Hiroshima e Ehime, onde equipes de resgate ampliaram as buscas. 

Deslizamento de terra faz trem descarrilar em Karastu (Foto: Kyodo / via Reuters)
Deslizamento de terra faz trem descarrilar em Karastu (Foto: Kyodo / via Reuters) 

Cerca de 650 membros das Forças de Autodefesa estão participando dos trabalhos de resgate, e outros 21 mil estão preparados para serem deslocados, disse o ministro da Defesa, Itsunori Onodera.

A "NHK" transmite ao vivo imagens de localidades inundadas pelos transbordamentos dos rios, casas em encostas montanhosas parcialmente enterradas pela terra e pontes caídas.

Além de Kyoto, Hyogo, Okayama e Gifu, em estado de emergência, outras 28 das 47 províncias do Japão estão em alerta e as autoridades ordenaram evacuação de aproximadamente 4 milhões de pessoas.

A agência meteorológica japonesa advertiu que "existe risco de acidentes relacionados com deslizamentos de terra, mesmo que a chuva pare" e pediu que a vigilância seja mantida em áreas montanhosas ou perto de rio.

 

G1

Foto - Divulgação

Mundo

O Parlamento Europeu aprovou hoje (5), por ampla maioria, um novo sistema de controle para a entrada de turistas na Europa. A partir de 2021, os turistas isentos de visto, como os brasileiros, deverão solicitar uma autorização online para visitar os países europeus, a um custo individual de 7 euros.

A partir de agora, o procedimento deverá ser formalmente adotado pelo Conselho Europeu e vai estar operacional até 2021. Os eurodeputados aprovaram o Sistema Europeu de Informação e Autorização de Viagem (Etias - European Travel Information and Authorisation System, em inglês) por 494 votos a favor e 115 contra, além de 30 abstenções.

Completamente eletrônico, o sistema é destinado a visitantes de países que não precisam de visto para a zona Schengen. Atualmente, cidadãos de 62 países podem entrar na UE sem visto por até 90 dias.

O sistema eletrônico vai recolher dados pessoais como o nome, o tipo de documento de viagem, os dados biométricos (uma combinação de quatro impressões digitais e a imagem facial) e data e local de entrada e de saída e possíveis recusas de entrada. Serão também feitas uma série de perguntas básicas relacionadas com os antecedentes criminais e a presença em zonas de conflito.

A autorização custará sete euros e será válida durante três anos, sendo gratuita para os menores de 18 e para os maiores de 70 anos. Além do uso para fins comerciais e de turismo, o novo sistema também será utilizado por motivos médicos e de trânsito.

O objetivo é a segurança interna e o reforço das fronteiras externas da UE. O sistema vai contribuir para identificar e reduzir crimes e atos terroristas, além de impedir a migração irregular, diminuir tempos de procedimento de entrada nos países e melhorar a gestão das fronteiras.

De acordo com o Parlamento Europeu, atualmente não há informação suficiente sobre os cidadãos de outros países que não precisam de visto para entrar na Europa, ficando o controle sob a responsabilidade de guardas de fronteiras, que muitas vezes não têm conhecimento sobre riscos de segurança, migratórios ou sanitários.

 

Agencia Brasil