The current Bet365 opening offer for new customers is market-leading bet365 mobile app You can get a free bet right now when you open an account.

Aécio Neves destitui Tasso Jereissati da presidência do PSDB

Aécio Neves destitui Tasso Jereissati da presidência do PSDB

O senador Aécio Neves (MG) destituiu, nesta quinta-feira, o senador Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do PSDB. Afastado do comando da sigla desde maio, quando foi atingido pela delação premiada do empresário Joesley Batista, Aécio alega que, com a decisão, garante a “isonomia” do processo que escolherá o novo comandante do partido. Tasso lançou oficialmente sua candidatura nesta quarta-feira e terá como adversário na disputa o governador de Goiás, Marconi Perillo, apoiado por Aécio Neves.

O senador mineiro, no entanto, não voltará à presidência do partido. Aécio indicou o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman para comandar interinamente a legenda até o dia 9 de dezembro, quando a convenção nacional do PSDB escolherá o novo presidente.

A destituição de Tasso é mais um capítulo do conflito interno entre tucanos favoráveis e contrários à permanência do partido no governo do presidente Michel Temer (PMDB). Embora debilitado politicamente, Aécio Neves é o principal fiador da permanência do partido na base aliada. O PSDB ocupa quatro ministérios (Cidades, Relações Exteriores, Direitos Humanos e Secretaria de Governo). Já Tasso capitaneia a ala que defende a saída do partido do governo Temer.

Ao lançar sua candidatura à presidência do partido, ontem, o senador cearense defendeu que o PSDB adote um código de ética “mais rigoroso” e um estatuto que contemple a adoção de um conjunto de boas práticas.

Aécio Neves foi afastado duas vezes do mandato no Senado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) depois de ser gravado por Joesley Batista em uma conversa em que pediu 2 milhões de reais para custear sua defesa na Operação Lava Jato. A JBS pagou o valor em quatro parcelas de 500.000 reais em dinheiro vivo, entregues pelo ex-diretor de relações institucionais da empresa, Ricardo Saud, a Frederico Pacheco de Medeiros, primo do tucano.

Veja