Dourados-MS,
 Camara municipal

Foto: Arte: Correio do Estado

A pesquisa do Instituto de Pesquisas de Mato Grosso do Sul (Ipems) contratada pelo Correio do Estado e realizada em Campo Grande, maior colégio eleitoral do Estado, com 591.374 eleitores – de acordo com levantamento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS) –, aponta queda na preferência pela pré-candidatura do juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (PDT) e crescimento do ex-governador André Puccinelli (MDB) e do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). O resultado final mostra todos os três “embolados” na corrida pela disputa do voto do eleitor da Capital.

O levantamento do Ipems indica a queda de 5,73 pontos porcentuais do apoio dos campo-grandenses a Odilon em comparação entre a amostragem de abril e a de julho. Hoje, o juiz tem 30,74% das intenções de voto. Antes, era de 36,47%. Diante deste novo cenário, André encostou em Odilon. Em abril, a diferença entre os dois era de 9,23 pontos porcentuais. Agora, com 29,39% das intenções de voto do ex-governador, essa margem caiu para 1,35 ponto.

Na esteira, aparece Azambuja, com 25,77% das intenções de voto, aproximando-se de André e Odilon. Em abril, a diferença do líder juiz para o governador (que tinha 21,81%) era de 14,66 pontos porcentuais. Hoje, está a 4,97 pontos. Com esse índice, o governador reduziu a distância de André para 3,62 pontos.

 

 

Correio do Estado

Matéria foi votada pela segunda vez na sessão de hoje - Foto: Victor Chileno/ALMS

Aprovada em segunda votação na sessão de hoje (11), da Assembleia Legislativa, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que prevê o valor de R$ 15,04 bilhões para o ano que vem. Uma emenda que dá autonomia à Defensoria Pública para gratificações e contratações também foi aprovada pelos deputados estaduais.

Em aprovação por unanimidade dos 20 deputados que estavam na sessão de hoje, a LDO do ano que vem será 3,6% maior que a deste ano, que ficou no valor de R$ 14,4 bilhões orçados.

Para os três próximos anos, o projeto pretende receitas de R$ 15,048 bilhões (2019), confirmado hoje, R$ 15,624 bilhões (2020) e R$ 16,333 bilhões (2021). Para 2019, o governo espera resultado primário positivo de R$ 484,89 milhões, com receita primária de R$ 14,971 bilhões e despesa primária de R$ 14,486 bilhões.

De acordo com o projeto, os valores previstos às instituições e órgãos são os seguintes: R$ 298,027 milhões (Assembleia Legislativa), R$ 282,612 milhões (Tribunal de Contas), R$ 901,789 milhões (Tribunal de Justiça), R$ 417,032 milhões (Ministério Público) e R$ 190,12 milhões (Defensoria Pública do Estado).

 

 

Correio do Estado

Foto - Divulgação

Buscando mais uma vez ocupar o cargo de governador do Estado, o pré-candidato André Puccinelli (MDB) já teria definido quem será seu vice na chapa majoritária de sucessão estadual. O partido ainda não confirma o nome, mas nos bastidores as informações são de que o cargo está sendo disputado pelo ex-prefeito de Dourados Murilo Zauith (DEM) e pela professora Lori Gressler. 

Ontem, o deputado estadual Paulo Siufi disse que, na convenção do partido, marcada para 21 de julho, haverá o lançamento de candidatos e a concretização de aliados para as eleições de 2018. “Já temos um hall de partidos e já decidimos quem será o vice dele [André Puccinelli]”, disse o deputado estadual, que está como um dos pré-candidatos à reeleição pela sigla.

Ao ser indagado sobre o nome do candidato a vice-governador do Estado, o deputado disse que será um ser humano e que “não vai adiantar nem o gênero sexual da pessoa”. O presidente municipal do MDB Campo Grande, Ulisses Rocha, adiantou que o partido está esperando a resposta de Zauith e conta com ele para a sucessão estadual. 

 

 

Correio do Estado

Dirigentes do PDT se reuniram na tarde de hoje - Foto: Divulgação

O PDT de MS realizou coletiva de imprensa nesta tarde, para afastar boatos de crise dentro do partido, depois de João Leite Schmidt deixar a presidência estadual, para o deputado federal Dagoberto Nogueira. Estavam presentes o pré-candidato ao Governo Odilon de Oliveira, Dagoberto, Schmidt  e o coordenador do programa de governo, Herbert Assunção. 

Os dirigentes confirmaram a convenção para o dia 21 e a vinda do pré-candidato à presidência Ciro Gomes no lançamento oficial da candidatura do juiz   entres os dias 20 e 25 de agosto.

Eles se recusaram a dizer qual partido farão aliança durante as eleições. 

Schmidt afirmou ser "normal" esse suspense. "E um ritual, um protocolo para deixar até o último dia antes da convenção para poder divulgar ".

Dagoberto informou ter de 4 a 5 aliados. "Estamos fechando essa semana com alguns ainda. Também não temos ainda o nome fechado do vice-governador ".

Odilon disse priorizar aliados ficha limpa. "Não queremos nos aliar com gente envolvida em corrupção, tem que ser ficha limpa, se não tiver ficha nenhuma, melhor ainda"

 

 

Agencia Brasil

Mais Artigos...