Dourados-MS,
CMD-2

Simone, Sérgio Harfouche e Reinaldo - Foto Divulgação

A um dia do fim do prazo dado pela Justiça Eleitoral, os nomes de pelo menos três candidatos ao governo de Mato Grosso do Sul serão divulgados pelos seus partidos. MDB, PSDB e PSC apontam neste sábado (4/8) os representantes ao Executivo estadual. 

No domingo, último dia para a realização de convenções, será a vez do Psol.

A ‘maratona’ partidária começa as 7h30 com o PSC lançando o promotor de justiça, Sérgio Harfouche. Após iniciar a pré-campanha pensando em concorrer ao Senado, houve mudança de planos na sigla, que decidiu lançar candidatura própria. 

Já as 8h, o MDB deve confirmar Simone Tebet ao governo. Com o ex-governador e pré-candidato ao cargo, André Puccinelli, preso, o partido vê na senadora o melhor nome para se manter na disputa. 

A dúvida fica em quem ficará com a vaga de vice e se o partido caminhará em chapa pura ou aliados. 

No mesmo horário o PSDB fará o lançamento da candidatura do atual governador Reinaldo Azambuja. Nos últimos dias os tucanos confirmaram alguns aliados para o projeto de reeleição. 

A expectativa é quanto a presença do DEM na chapa majoritária. O ex-prefeito de Dourados e atual presidente do partido em Mato Grosso do Sul, Murilo Zauith, é cotado para vice do atual chefe do Executivo. Os Democratas realizam convenção também às 8h. 

Todos os encontros ocorrem na Capital. 

Domingo

No dia seguinte, data em que se encerra o prazo para as convenções será a vez do PSol oficializar o nome na corrida eleitoral. José Alfredo Daniezi entrará na disputa. 

Confirmados

O PT confirmou no dia 28 de julho o nome de Humberto Amaducci ao governo. Já o PDT lançou o juiz aposentado Odilon de Oliveira ao governo no dia 21, enquanto o outro candidato na disputa, Marcelo Bluma, teve o nome aprovado durante convenção do PV na quarta-feira.

 

 

Dourados News

Ministro Marun, pré-candidata do Governo, Simone Tebet, e senador Waldemir Moka, avaliaram o tamanho do “estrago” na véspera da convenção - Foto: Valdenir Rezende e Gerson Oliveira / Correio

O MDB perdeu aliados com a prisão do ex-governador André Puccinelli, indicado para concorrer à sucessão estadual. Sexta-feira (3) à noite, os principais líderes do partido se reuniram para avaliar o tamanho do “estrago” na aliança do partido. O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, admitiu grandes dificuldades para tocar a campanha da senadora Simone Tebet, escolhida para substituir André.

Para Marun, os “prejuízos são irreversíveis” com a retirada de alguns aliados políticos. “O André coordenava a própria campanha, como é do feitio dele. E se há alguns dias da convenção você é afastado do processo, o candidato e coordenador da campanha, é evidente que os prejuízos já são irreversíveis”, afirmou. 

Marun, no entanto, diante das dificuldades, ainda aposta na vitória de Simone nas urnas. “Nós vamos tentar diminuí-los (os prejuízos), chegar ao segundo turno e conquistar a vitória nessas eleições”, afirmou. 

“Nesse momento estão sendo estabelecidos diálogos entre a nossa candidata e alguns outros partidos no sentido de agregarmos mais forças políticas a esse projeto”, comentou o ministro. Algumas das lideranças do MDB se reuniram, também, na sexta-feira pela manhã com André na prisão para avaliar a perda de apoio político.

 

 

Correio do  Estado

Foto - Divulgação

Após divulgar a troca de vice na chapa do juiz federal aposentado Odilon de Oliveira para governador, o PDT voltou atrás e decidiu manter o empresário Hebert Assunção como o vice, até o sábado (4), quando será decidido quem caminhará ao lado de Odilon na campanha. A radialista Keliana Fernandes havia sido anunciada hoje como a vice.

O coordenador da campanha de Odilon, João Leite Schmidt, declarou, na manhã de hoje, que a troca de Hebert por Keiliana havia sido feita por conta do partido precisar de tempo de televisão. “Conversamos com o vice (Hebert) e temos uma mulher na chapa. Ele entendeu a situação”, afirmou.

No entanto, no fim da tarde, o presidente do PDT-MS, deputado federal Dagoberto Nogueira, afirmou que a candidatura do vice na disputa pelo governo junto com Odilon será definida apenas no sábado, após reunião da Executiva Estadual, agendada para às 9h.

Seundo Dagoberto, o PROS indicou a radialista Keliana Fernandes, de Dourados, para a vice, e o Podemos apresentou o nome do pecuarista Chico Maia, que desistiu da candidatura ao Senado recentemente, porém o PDT continua com o nome do empresário Herbert Assunção .

“Vamos nos reunir no próximo sábado para fechar as chapas, conforme ficou deliberado na convenção do último dia 21 de julho. Os três nomes estão indicados e vamos tomar uma decisão em conjunto”, comentou o presidente do Dagoberto.

Sobre a divulgação da informação confirmando a mudança do nome do vice, Dagoberto ressaltou que foi precipitada e que as conversas ainda não estavam concluídas neste sentido.

 

Correio do Estado

A Radialista Keliana é a nova vice de Odilon Foto: Divulgação

Em reunião ocorrida na tarde desta quarta-feira (1/8) em Campo Grande selou como candidata a vice na chapa do juiz aposentado e candidato ao governo, Odilon de Oliveira (PDT), a radialista Keliana Fernandes (Pros), de Dourados. 

Antes, o PDT havia anunciado o empresário Herbert Assunção para o cargo, porém, após tratativas entre os dois partidos, ocorreu a mudança. 

A princípio, ela disputaria uma vaga na Câmara dos Deputados, mas acabou mudando de ideia após receber o convite. A oficialização da ata do encontro deve ocorrer até a próxima sexta-feira.

Para a radialista, a proposta para encarar o desafio no Executivo fez com que mudasse os planos. 

“A proposta é de ser uma vice de direito e não apenas de gabinete. Essas são as palavras do Odilon e vejo nela a oportunidade de mudar a política”. 

Keliana diz que o momento agora é de sentar com a equipe de campanha e definir estratégias e as propostas de governo. 

Os dois partidos já realizaram as suas convenções, porém, ainda não registraram as candidaturas. 

Em material encaminhado pela assessoria do PDT, o juiz Odilon afirma que a chegada de Keliana fortalece o projeto com mais força na região de Dourados. 

“A aliança nos coloca lado a lado com uma mulher forte e que também busca renovação na política sul-mato-grossense. Nossa candidatura ganha mais brilho com a chegada da Keliana. Temos o mesmo objetivo que é fazer da política um instrumento para transformar a vida das pessoas”, pontuou.

Keliana Fernandes disputou as eleições municipais de Dourados em 2012 e ficou na segunda colocação, perdendo para o ex-prefeito Murilo Zauith (DEM). Na época ela alcançou 33.637 votos.

Já em 2014 tentou uma vaga na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, porém, não conseguiu a eleição, apesar de somar 11.072 votos. Dois anos depois ela entrou na disputa pela Câmara de Dourados e conquistou 959 votos, não conseguindo ficar entre os 19 vereadores do município. 

 

 

 

Dourados News

Mais Artigos...