Dourados-MS,
CMD-2

Maior desafio de Azambuja será enxugar folha do Estado; alvo são comissionados

núncio foi feito hoje pela manhã, durante agenda no Detran-MS - Foto: Bruno Henrique

Campo Grande
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) reforçou que será ainda mais econômico no seu próximo mandato. Já considerado o Estado com menor número de secretarias ele pretende enxugar a máquina com redução dos cargos de confiança.

“Esse é o grande desafio agora do governo para 2019 até 2022 é diminuir o gasto com folha de pessoal”, reforçou.

Segundo ele, hoje o maior impacto no orçamento do Estado é com o pagamento dos servidores. A situação já está no limite prudencial permitido. “Não temos espaço para ampliar gasto com a folha de pagamento, salvo se a receita crescer muito”, acrescentou.

Por isso tecnologia e inovação são ferramentas que devem começar a ser inseridas cada vez mais na administração.

“Muito difícil reduzir de tamanho. Quando você usa Tecnologia e inovação dá espaço para encolher gastos com pessoal, principalmente de cargos em comissão”.

A equipe de Azambuja já fez o reordenamento dos comissionados. “A gente não é obrigado a renovar com todos . Nós vamos ter que ser mais econômicos, principalmente com cargos de confiança para poder adequar o espaço dentro do limite de responsabilidade fiscal”.

No entanto ele não quis divulgar o número estimado de redução. “Tem um equação entre despesa e receita. Se a sua receita crescer, como cresceu em 2018, pelo menos você consegue melhorar o percentual. Mas a obrigação de todo governo é enxugar e o maior gasto é com pessoal, para ter com o que investir nas áreas prioritárias da população”

PREVISÃO

De acordo com a Lei Orçamentária Anual (LOA), publicada ontem no Diário Oficial do Estado, o governo de Mato Grosso do Sul vai destinar R$ 8,466 bilhões em recursos para pagar despesas com pessoal e encargos sociais em 2019.

O montante equivale a 56,2% da receita total prevista para o Estado no próximo ano, de R$ 15,048 bilhões. Desse valor, 70,2% da receita total estimada é do tesouro estadual (R$ 10,565 bilhões) e 29,8% é de outras fontes (R$ 4,482 bilhões).

 

Correio do Estado