Dourados-MS,
 Camara municipal-principal

STJ ressuscita Coffe Break; Siufi, Rocha e Romero serão julgados

Paulo Siufi, João Rocha e Eduardo Romero viraram réus - Foto: Arquivo/Correio do Estado

Campo Grande
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Superior Tribunal de Justiça (STJ) ressuscitou a Coffe Break e os parlamentares deputado Paulo Siufi (MDB), presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, João Rocha (PSDB) e vereador Eduardo Romero (Rede) voltam a ser réus. O STJ aceitou recurso do Ministério Público Estadual (MPE) para que processos voltem a ser julgados. O caso está na responsabilidade da ministra Assusete Magalhães e o MPE recorreu por meio do procurador-geral de Justiça Paulo Passos.

De acordo com o advogado André Borges, um de seus clientes, o vereador Otávio Trad (PTB) também deverá ser julgado. “Todos respondem ao mesmo processo e a expectativa é da mesma decisão em todos os outros casos”, explicou Borges.

O advogado disse também que vai apresentar petição quando o processo chegar à ministra. “Vou tentar convencer ela que o meu cliente (Otávio Trad) merece continuar no arquivo”, adiantou ele.

COFFEE BREAK

Foram, ao todo, 24 denunciados na ação de improbidade administrativa em que o Ministério Público Estadual (MPE) pede na ação o ressarcimento de R$ 25 milhões dos acusados de participarem do suposto esquema de “compra e venda” de votos para cassar o mandato do então prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), na Câmara Municipal. O juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, aceitou o pedido da força-tarefa do MPE para processar os políticos.

Mas, um a um os acusados foram excluídos da ação por falta de provas, porém o MPE recorreu e o STJ aceitou o recurso e os processos voltarão a ser julgados. “Em face do exposto, conheço do Agravo para dar provimento ao Recurso Especial, a fim de que a ação civil pública retome seu regular processamento perante o Juízo de primeiro grau”, declarou a ministra Assusete Magalhães.

 

 

Agencia Brasil