Dourados-MS,
 Camara municipal-principal

Deputados "inventam férias" para disputarem eleição

Painel apontando nove abstenções na sessão plenária desta terça-feira (25) - Foto: Luciana Nassar/AL-MS

Campo Grande
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Pedido de cancelamento de sessões feito por deputados não foi apreciado nesta terça-feira (25), conforme foi previsto na semana passada. O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi (MDB), mesmo tendo declarado ser a favor da proposta, nem sequer mencionou a questão de ordem. “Entendo que essa maneira de concentrarmos esforços para não prejudicar as atividades é um sentimento que todos os deputados comungam. Então terça-feira (25) vou consultar as lideranças”, declarou Mochi, na última quinta-feira (20).

De acordo com alguns parlamentares, o pedido deve ser adiado para a próxima sessão que ocorre amanhã (26). A ideia é de que deputados estaduais acompanhem a decisão do Congresso Nacional, em que Senado Federal e Câmara dos Deputados pararam as atividades legislativas os 15 dias que antecedem às eleições. No site do Senado, o calendário de sessões plenárias registra o retorno das atividades a partir do dia 09 de outubro, dois dias depois das eleições.

A ideia de seguir os passos do Congresso Nacional partiu do deputado Paulo Corrêa (PSDB), o parlamentar manifestou insatisfação devido a grande abstenção de deputados que tem sido registrado desde o início da campanha eleitoral de 2018. “Acordei cedo, fiz a barba, tinha viagem para Corumbá, mas tive que vir pra cá (Assembleia Legislativa) e olha aí?”, reclamou o deputado Paulo Corrêa (PSDB), autor da proposta de cancelamento das sessões próximas ao pleito. A reclamação de Corrêa era referente a falta de quórum para apreciação de matérias.

Além de Corrêa, outro deputado que também criticou a falta dos colegas em sessões foi o parlamentar Paulo Siufi (MDB). “Se cancelar as sessões da última semana (antes das eleições) eu vou me sentir mais confortável, porque não adianta vir aqui e encontrar meia dúzia de deputados e sem quórum não fazemos nada aqui e nem lá fora. Ficamos preso. Aí não dá. Melhor seria os 24 aqui, mas já que nem todos vem, então acho justo cancelar as sessões (que antecedem às eleições)”, reforçou Siufi. 

Apesar da maioria dos deputados serem a favor do cancelamento das sessões, tem aqueles que não concordam. O petista Cabo Almi já antecipou que não é a favor. “Isso não vai alterar em nada (nas atividades de campanha) acho que temos que continuar (as atividades legislativas) normalmente”, rebateu Almi. 

O presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), deputado José Carlos Barbosa, o Barbosinha (DEM) também é a favor da proposta e já declarou que esforços vão ser concentrados para que os pareceres da comissão sejam apreciados nesta semana.

Porém, na sessão de hoje, apenas dois projetos foram apreciados e as atividades terminaram antes das 12h. Na última sessão, dos 24 parlamentares, apenas doze deputados compareceram, não teve quórum nem ordem do dia, parlamentares utilizaram da tribuna para debater assuntos diversos. A sessão começou, aproximadamente, às 9h30 e terminou antes das 12h.

Os 22 deputados, que estão candidatos, querem ter mais liberdade para poderem fazer campanha, principalmente os que precisam viajar o interior do Estado. Se a proposta de Corrêa for aprovada pelos líderes dos partidos na Casa, nos dias 2,3 e 4 de outubro não terão sessões legislativas. As eleições estão marcadas para o dia 07 de outubro.

 

Correio do Estado