Dourados-MS,
Câmara_novo

O MPF (Ministério Público Federal) cobrou agilidade da Justiça Federal para resolver o impasse jurídico envolvendo a listra tríplice para reitor da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). Em manifestação à 1ª Vara Federal de Dourados, o procurador Eduardo Gonçalves pediu a designação da audiência de instrução e julgamento “o mais breve possível”, para ainda este mês.

A lista tríplice, elaborada pela UFGD após a eleição interna feita em março, foi questionada pelo próprio MPF, que apontou irregularidade pelo fato de apenas o primeiro colocado na eleição – Etienne Biasoto – ter sido incluído na lista.

Os outros dois nomes – Jones Dari Goettert e Antônio Dari Ramos – não participaram do pleito, mas se candidataram para compor a lista a ser enviada ao Ministério da Educação. A norma interna da UFGD permite esse tipo de procedimento.

A Justiça Federal em Dourados chegou a suspender a lista tríplice, mas depois reconheceu a autonomia da universidade e manteve os nomes indicados ao MEC. Entretanto, o MPF recorreu ao TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região e conseguiu liminar para manter a suspensão.

Em meio ao impasse, no dia 10 de junho o ministro da Educação Abraham Weintraub nomeou como reitora temporária a professora da pedagogia Mirlene Ferreira Macedo Damázio. Há 50 dias no cargo, ela vem sendo alvo de protestos de estudantes e servidores, que consideram a nomeação intervenção do MEC na autonomia da UFGD.

Licença-paternidade – O procurador Eduardo Gonçalves pede que o juiz da 1ª Vara Federal em Dourados, “afim de dar uma resposta definitiva para esse caso”, marque a audiência de julgamento para antes do dia 16 de agosto, data em que sai de licença-paternidade.

Eduardo Gonçalves justifica: “caso a audiência seja posterior, poderá haver novamente o problema de manifestações contraditórias entre membros do MPF (inclusive manifestação em sentido oposta a já manifestada pelo MPF em segunda instância), o que tumultuará ainda mais o procedimento”.

O procurador também afirma à Justiça Federal que a suposta nulidade no processo apontada pelo MPF “em nada interferiu no procedimento feito pela UFGD”. Segundo ele, o resultado seria o mesmo (vitória de Etienne Biasoto) ainda que fosse observada a proporção de 70% do peso de votos de docentes.

“Observados os critérios levantados pela União, a vencedora da consulta ainda sim seria a chapa 01, que seria a única e integrar a lista da mesma forma”, afirmou Eduardo.

No mesmo documento, ele requereu o depoimento pessoal de Etienne Biasotto, da ex-reitora Liane Maria Calarge e de Joelson Gonçalves Pereira (terceiro colocado na eleição interna). O objetivo é apurar o contexto em que foi assinado o termo de não candidatura perante o colégio eleitoral dos candidatos derrotados na consulta à comunidade acadêmica.

Também pediu depoimento de Jones Dari Goettert e Antonio Dari Ramos para apurar em que contexto tiveram os nomes inseridos na lista tríplice, assim como o depoimento dos professores Reginaldo Ribeiro de Souza e Walter Roberto Hernandez Vergara.

Em áudio incluído no agravo de instrumento, Reginaldo e Walter falam expressamente em um “acordo” para evitar a escolha de candidato que não fosse o mais votado na consulta prévia.

No TRF – Outra movimentação envolvendo o assunto ocorreu no TRF em São Paulo. A advogada da União Amália Carmen San Martin se manifestou contra a suspensão da lista tríplice e realização de nova eleição interna, como quer o MPF.

“Existe o perigo da demora inverso, posto que a suspensão do procedimento para a eleição do reitor da Universidade acarreta o dano administrativo consistente em ficar sem preenchimento um cargo essencial para o funcionamento da instituição”, afirma Amália Martin.

Acontecerá nos dias 02 e 03 de agosto, a partir das 18h, em frente a Unidade 1 (rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso), a décima segunda edição do Arraiá Universitário da UFGD aberto a toda comunidade com muita comida e bebida. Este ano, a festa tem parceria das Ligas das Atléticas Acadêmicas de Dourados e a atração musical ficará a cargo da dupla Vilela e Osmar Medina.

Já estão confirmadas as barracas de maçã do amor e bolos, arroz carreteiro, churrasquinho vegano, espetinho, tapioca e crepe, pastel e batata frita, derivados do milho, bobó de galinha, pão de queijo, sopa paraguaia e chipa, bebidas quentes e batidas, cachorro quente e mini pizza, doces diversos, salgados, puchero, caldos, lanches, comidas típicas latino-americanas e cadeia/correio elegante.

O Concurso de Barracas tem por objetivo incentivar os "barraqueiros" a trabalharem com criatividade na decoração dos espaços, dando, desta forma, um caráter mais dinâmico e festivo ao Arraiá Universitário. A barraca melhor avaliada nos quesitos animação, ornamentação, atendimento e melhor prato vencerá o concurso. Além do troféu, o grupo levará como prêmio o valor de R$ 300,00.

As inscrições para o Concurso de Quadrilhas estão abertas até o dia 26 de julho e poderão ser feitas na PROEX, localizada na Unidade 1. As quadrilhas devem ser formadas por, no mínimo, oito pares e por, pelo menos, 50% de acadêmicos, técnicos administrativos e professores da comunidade universitária da UFGD.

O Arraiá Universitário da UFGD é um projeto de extensão realizado anualmente pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PROEX), com objetivo principal de integrar a comunidade interna e externa, preservando a tradição das festas juninas com barracas de comidas e bebidas típicas, além das tradicionais quadrilhas.

As informações sobre o Concurso de Quadrilhas constam no Edital, que pode ser acessado pelo link:

http://files.ufgd.edu.br/arquivos/editais/78/PROEX/Edital%20071_Regulamento%20de%20Dan%C3%A7a%20de%20Quadrilha%20do%20XII%20Arrai%C3%A1%20Universit%C3%A1rio%20da%20UFGD.pdf

Mais informações sobre o Arraiá Universitário da UFGD na PROEX, pelo telefone: 67-3410-2878.

“O carro é meu, comprei e paguei com meu dinheiro, agora não posso colocar um adesivo?!”. Essa foi uma das reações, via aplicativos do WhatsApp do Douranews, de um condutor de veículo que atende pelos serviços de aplicativos, a chamada “carona remunerada” instituído, também, em função da redução de opções e até por conta de preços cobrados pelos carros de táxis no Município.

No Diário Oficial de Dourados, edição desta quinta-feira (25), a prefeita Délia Razuk assina o decreto P 233, juntamente com o procurador geral do Município, Sergio Henrique Martins de Araújo, estabelecendo a proibição do uso de adesivos nesses veículos, e ainda determinando que guardas municipais e agentes de trânsito estão autorizados a retirar essa adesivagem, se encontrada em carros a serviços de aplicativos.

Para o procurador Sérgio Henrique, a medida foi necessária em função de que motoristas de aplicativos estavam se portando como motoristas de táxi “e isso não pode”. A sinalização por adesivos permitiria, no entendimento do Município, comparar os motoristas de aplicativos aos taxistas, “e até serem parados na rua”.

O gestor de um dos programas de aplicativo na cidade, Ademir Almeida, que também é servidor público do Município, disse que a medida da prefeita “é totalmente inconstitucional”. Segundo ele, o serviço deveria primeiramente ser regulamentado. “Em São Paulo, foi regulamentado e já se permite o uso de adesivos”, lembrou. Almeida disse que a identificação facilita inclusive a prevenir ocorrências policiais, de furto, assaltos, tentativas de sequestro, ou a roubo de veículos, por exemplo.

O pedido de demissão de oito médicos no Hospital da Vida preocupou vereadores de Dourados, que na tarde de ontem, estiveram reunidos com o diretor clinico da unidade, o médico Raul Espinoza. Na oportunidade os parlamentares foram informados sobre a crise que toma conta da unidade. De acordo com a carta de demissão apresentada, os profissionais se queixam de salários atrasados, falta de estrutura e segurança para atender os pacientes, tendo em vista relatos inclusive de profissionais que foram agredidos durante o exercício da profissão, além de mudanças contratuais nos últimos meses. Existe a informação, apurada por vereadores de que os profissionais recebiam um mês e outros dois ficavam em atraso. No domingo passado a vereadora Lia Nogueira chegou a gravar uma transmissão ao vivo relatando que não havia plantonista, ocasião em que uma vítima de acidente de trânsito foi a óbito.

Debandada

De novembro até agora 15 médicos saíram do hospital e o quadro de profissionais passou de 21 para 14 até ontem. Com o anúncio de pedido de demissão de mais 8 médicos, o hospital passaria a contar com apenas seis, o que inviabilizaria o atendimento no Pronto Socorro. Os profissionais que vão deixar a unidaede são em maiora contratados pela Fundação de Saúde de Dourados (Funsaud), órgão que administra a unidade.

Deficit

De acordo com a direção clínica, o hospital acumula R$ 40 milhões em déficit, cerca de 1,5 milhão mensal. Segundo o diretor clínico Raul Espinoza,se a unidade contasse com esse aporte financeiro a realidade seria outra. Ele também disse que a unidade precisa de ajuda e não críticas.

Câmara Municipal

Presidente da Câmara de Vereadores, Alan Guedes disse que a macrorregião de Dourados e seus investimentos da tripartite precisam ser revistos. Ele também pontou que o objetivo da Câmara de Vereadores é unir forças para buscar uma saída que não prejudique o atendimento dos pacientes. "Vamos continuar acompanhando, muito de perto, os problemas apontados pelos servidores. Nossa Comissão de Saúde e a Mesa Diretora decidiram verificar in loco, ouvimos o diretor sobre problemas de ordem clínica, dificuldades de atendimento e esperamos chegar a uma solução dessa questão", pontuou.

O presidente da Comissão de Saúde Elias Ishy ouviu pacientes e a direção clinica e disse que levará o assunto para ser discutido na Câmara. A vice-presidente Daniela Hall, disse que fará relatórios e encaminhará para todos os órgãos de fiscalização e controle, além de buscar apoio da bancada federal para ajudar na questão de falta de recursos. Ela e a vereadora Lia Nogueira estudam inclusive a possibilidade de uma CPI na Saúde Pública. "A população está cansada de ver tanta gente morrendo na porta do hospital e o descaso que é tratada a saúde de nossa cidade. Vamos atrás de respostas", disse Lia.

Participaram da reunião os vereadores Alan Guedes, Sergio Nogueira (PSDB), a comissão integrada pelos membros da comissão de Saúde e Higiene da Câmara [presentes o presidente, Elias Ishy, do PT e Daniela Hall, do PSD e ainda as vereadoras Lia Nogueira (PL) e Marinisa Mizogushi (PSB).

Assembleia

Nesta semana, o diretor convocou assembleia geral agendada para hoje, às 18h30, no salão da igreja Presbiteriana com a equipe médica para discutir as dificuldades e buscar soluções para que o Hospital da Vida mantenha o ritmo de atendimento aos pacientes de Dourados e da macrorregião. Considerado ‘porta de entrada’ do SUS (Sistema Único de Saúde) e responsável pelo atendimento de pacientes de cerca de 33 cidades, e da região de fronteira, incluindo o Paraguai, o Hospital da Vida registrou o pedido de afastamento declarado de, pelo menos, oito profissionais e a Prefeitura, confirmou, através da Secretaria municipal de Saúde, redução no atendimento a partir de agosto, quando o hospital vai priorizar apenas casos de trauma e urgência.

Secretaria de Saúde

A secretária de Saúde de Dourados, Berenice de Oliveira Machado, explicou ao O PROGRESSO que a Prefeitura está fazendo a contratação de pelo menos 20 médicos e acredita que até esse final de semana o atendimento na Saúde receba uma melhoria significativa com esse reforço. Ela também anunciou uma reorganização do fluxo de pacientes que serão atendidos em outras unidades de saúde para que o hospital possa atender apenas urgência e emergência.

Mais Artigos...