Dourados-MS,
CMD-2

Foto - Divulgação

PROCON de Dourados efetuou na data de 05 e 06 de JULHO, a pesquisa de preços do combustível. Foram pesquisados 36 (trinta e seis) estabelecimentos na cidade de Dourados e Distritos. Foram pesquisados etanol, diesel comum e S10 e gasolina comum e aditivada. 

O menor preço encontrado na gasolina comum foi de R$ 4,250; no diesel comum foi de R$ 3,390; e Diesel S10 R$ 3, 490; e no Etanol o menor preço praticado é de R$ 2,990. 

A diferença entre o menor preço encontrado na gasolina comum (R$ 4,250) e o maior preço (R$ 4,600 ) é de 8,3%. No etanol a diferença entre o menor e maior preço é de  20,5%; no Diesel comum é de 10,0% e no Diesel S 10 é de 8,8 %. 

O preço médio da gasolina em Dourados é de R$ 4,479 e em JUNHO de 2018 o preço médio da gasolina nos postos em Dourados era de R$ 4,580,  queda de 2,2%. O preço médio do etanol nos postos em Dourados é de R$ 3,434. 

O menor preço encontrado na gasolina em Dourados (R$ 4,250 ) é 0,22 centavos mais barato que o preço médio praticado (R$ 4,479) nos postos  em Dourados. 

O preço médio da gasolina segundo a ANP em Campo Grande é de R$ 4,303  e o Etanol é de R$ 3,271. 

O PROCON informa que os consumidores poderão exigir a análise do combustível para descobrir o teor de álcool presente na gasolina, teste esse que será feito pelo próprio funcionário do posto de combustível na frente do consumidor. 

Clique e veja os 36 estabelecimentos pesquisados.

Qualquer dúvida ou reclamação ligue 151 ou 3411-7754.

Foto - Vinicios Araujo

O Sindicato dos Bancários de Dourados reuniu outras categorias para manifesto em frente ao Banco do Brasil da Avenida Joaquim Teixeira Alves durante a manhã desta quinta-feira (5) para o Dia de Luta em Defesa das Empresas Pública. 

A ação contou com o apoio do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios de Mato Grosso do Sul no início da manhã e segundo Ronaldo Ferreira, presidente do Sindicato dos Bancários, foram convocadas outras estatais como Embrapa, UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) e UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul). 

O objetivo do manifesto é contraria a proposta de privatizações dessas empresas, que segundo Ronaldo são fundamentais para o momento de crise que o País enfrenta. 

 “Não podemos concordar com privatizações, por exemplo, da Petrobras, que é uma empresa que poderia beneficiar setores como saúde e educação decorrente ao seu aporte de recursos. Num momento de crise essas empresas são estratégicas para nós”, afirmou. 

A mobilização não impediu o funcionamento da agência, que logo às 10h já estava aberta para atendimento do público. 

A data faz parte do calendário de lutas do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, com representantes da Caixa, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Embrapa, eletricitários, petroleiros e metroviários, além de representantes de quatro centrais sindicais: CUT, CTB, Intersindical e UGT e de entidades como Contraf-CUT, Fenae, Anabb, Afbnb, Fenag e Aneac.

 

 

Dourados News

Reinaldo Azambuja espera conseguir aliança com DEM e PSD para reeleição - Foto: Chico Ribeiro

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou na sexta-feira (29) em Dourados durante inauguração da Escola Estadual vereadora Moacir Djalma Barros que a “acidez dos eleitores com a atividade política” pode ser o fator complicador nas eleições deste ano.

Ao mesmo tempo Azambuja mandou um recado para os seus possíveis adversários nas urnas ao falar que não existem mais salvadores da pátria. 

“Milagres não existem quando se trata de administrar um estado com as complexidades de Mato Grosso do Sul”, afirmou o governador lembrando que há espaço apenas para o trabalho com foto na solução dos problemas do estado.

“Não se governa para partidos”, explicou Azambuja ao citar que em três anos e meio no comando do Estado já investiu cerca de R$ 560 milhões em obras públicas e serviços para atender a comunidade douradense. Na opinião de Reinaldo o destino do estado está acima de partidos e de políticos.

 

 

Correio do Estado

Foto - Dourados News

Cumprindo agenda em Dourados na sexta-feira (29/6), o pré-candidato à presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, defende investimento maior em infraestrutura por parte do governo federal a Mato Grosso do Sul para que o Estado possa ser mais competitivo economicamente. 

Ao desembarcar no Aeroporto Francisco de Matos Pereira nessa tarde, ele atendeu jornalistas logo depois de ser recepcionado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e autoridades políticas. 

“Precisamos de emprego e renda. O Mato Grosso do Sul é um Estado produtor, precisa de infraestrutura  para estimular as empresas que virão para cá. É ferrovia e rodovia”, disse o tucano referindo-se a logística estadual.

Alckmin ainda comentou sobre o recente encontro que participou ao lado de Azambuja e Beto Richa – então governador do Paraná - ainda como chefe do Executivo de São Paulo, no final do ano passado. 

Na ocasião, foi realizado o lançamento da proposta de construção do ramal da Ferroeste entre Dourados e o Porto de Paranaguá (PR), passando pelo Oeste paranaense. 

“Estive em São Paulo (SP) quando o Reinaldo [Azambuja] e o [Beto] Richa lançaram o programa da Ferroeste, ligando Dourados ao Paraná e ontem, coincidentemente estive em Cascavel (PR) e lá estão todos empolgados com essa possibilidade”, finalizou. 

Ferrovia

O projeto da ferrovia que fará a ligação entre o MS e o Porto de Paranaguá (PR) está em fase de estudo de engenharia. Até o momento, quatro consórcios estão elaborando o projeto. 

De acordo com o governo do Paraná, a intenção da nova ferrovia reduzirá custos logísticos e agilizará o transporte da lavoura até o porto. 

Atualmente, apenas 20% da mercadoria que chega ao Porto de Paranaguá é transportada por via-férrea. 

Cronograma

Na primeira fase, as empresas autorizadas vão elaborar os estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental da ferrovia. A partir da conclusão destes trabalhos, com prazo estimado em 270 dias, o governo abrirá processo licitatório para construção e concessão da linha.

A obra está dividida em dois trechos. O primeiro tem 400 quilômetros e liga o Litoral do Paraná a Guarapuava (PR). O segundo, com aproximadamente 600 quilômetros, vai de Guarapuava até Dourados, passando por Guaíra (PR), e conta com a implantação de 350 quilômetros de linha nova, além da reabilitação do trecho já existente entre Guarapuava e Cascavel (PR).

O Procedimento de Manifestação de Interesse para a execução do projeto foi lançado no final de novembro, num evento em São Paulo. 

Dezoito empresas compostas em seis consórcios nacionais e internacionais mostraram interesse na elaboração do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental. O valor aproximado do estudo é de R$ 25 milhões e o custo estimado de construção da ferrovia é de R$ 10 bilhões.

 

Dourados News

Mais Artigos...