Dourados-MS,
Assembléia - Audiencia Publica

Foto - Divulgação

Com uma cobertura geral de apenas 5,76% depois de duas semanas de deflagrada a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza 2018, a Prefeitura de Dourados, através do Núcleo de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde, convoca a população pertencente aos grupos de risco escalonados para a primeira etapa de aplicação a procurarem as unidades de saúde durante a semana e se vacinar.

Até o dia 11 de maio, a vacinação está sendo feita em crianças de 6 meses a menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (até 45 pós-parto), trabalhadores da saúde e professores, que juntos somam pouco mais de 28 mil pessoas. No entanto, apenas 3.508 doses haviam sido aplicadas até ontem, dia 03 de maio. No total, ao final da campanha, estima-se que de 70 a 80 mil pessoas sejam vacinadas.

Dentre os grupos, o de crianças com até 5 anos é o que mais tem integrantes, cerca de 14,8 mil, segundo o setor de imunização, e apenas 1.321 foram levados para receber a dose. Dos trabalhadores em saúde, que somam 7.545 pessoas, apenas 1.107 procuraram a vacinação.

Além destes, o grupo das gestantes, que somam 2.918 pessoas, teve procura de 391. Puérperas, com 480, teve 60 vacinadas. Professores, com 2.788 integrantes é o que, proporcionalmente mais procurou as unidades, tendo sido vacinados 533 – algo em torno de 19%.

Segundo Edvam Marcelo Morais Marques, gerente do Núcleo, todas as Unidades Básicas de Saúde do município disponibilizam doses da vacina para a população, conforme cronograma estabelecido pelo Ministério da Saúde em relação aos grupos de risco, de maneira escalonada, e é importante que as pessoas pertencentes a estes grupos procurem as unidades.

“A partir de 12 de maio os idosos serão incluídos ao escalonamento e, a partir de 21 de maio, os presidiários e funcionários do sistema prisional e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras condições clínicas especiais, independente da idade. É importante que as pessoas que estão nesta primeira etapa compareçam para tomar a vacina”, disse. A campanha termina em 1° de junho.

Edvam ressalta que o fato de Dourados não ter casos confirmados de gripe H1N1 ou de H3N2, conforme boletim mais recente de 2 de maio, pode causar na população certa tranquilidade acerca da doença, no entanto, o período de temperaturas mais baixas do clima está chegando e é importante que as pessoas integrantes dos grupos de risco tomem as vacinas.

Em Mato Grosso do Sul foram registradas 4 mortes por Influenza do tipo H3N2, sendo duas em Campo Grande e nas cidades de Aquidauana e Naviraí, uma em cada.

Datas e horários

De 7 a 11 de maio, continua a vacinação nas unidades de saúde no horário normal, das 7 às 11 e das 13 às 17 horas. A partir de 12 de maio, quando ocorre a Mobilização Nacional, até 18 de maio, a vacinação incluirá os idosos aos demais grupos, com atendimento nos mesmos horários já estabelecidos.

De 21 de maio a 1 de junho, data prevista para o término da campanha de vacinação, serão vacinados ainda os indígenas, portadores de doenças crônicas, presos e funcionários do sistema prisional, com os mesmos horários nos postos de saúde.

A vacinação será com uma dose de vacina trivalente, com antígenos para os tipos Influenza A H1N1 e H3N2 e Influenza tipo B, e será feita exclusivamente nos postos de saúde.

Blitz educativa no prolongamento da Marcelino Pires foi coordenada pela Agetran e teve participação de vários parceiros – A.Frota

Uma blitz educativa no prolongamento da Avenida Marcelino Pires, nesta sexta-feira (4), marcou o início das ações coordenadas pela Agência Municipal de Transporte e Trânsito de Dourados no contexto da campanha Maio Amarelo, que em 2018 tem o tema ‘Nós Somos o Trânsito’.

Com a Agetran à frente, a ação teve a participação do Detran/MS (Departamento Estadual de Trânsito), Sest/Senat, CCR MS Via, Guarda Municipal e Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e centro de formação de condutores Grand Prix.

Foram entregues aos condutores que trafegavam no sentido Dourados-Campo Grande materiais impressos com informações sobre planejamento de viagem, conscientização para vagas destinadas a deficientes (Resolução 304/2008), e orientações a motociclistas, ciclistas, pedestres e motoristas.

Segundo Cristian Lelis, coordenador da equipe de Educação no Trânsito, a principal meta da campanha este ano é a conscientização da população quanto à importância de respeitar as regras e os integrantes do trânsito. “Desrespeito à sinalização e imprudência é a principal causa de acidentes em todo o país. Em Dourados, não é diferente. E não é por falta de campanhas, mas de o integrante do trânsito decidir pela aplicação da educação”, disse.

O agente destaca que 90% dos acidentes de trânsito no mundo tem relação com falha humana, o que reforça a importância do tema de 2018. “A ênfase dada à educação faz parte de toda a nossa programação este ano. Estaremos com várias ações em escolas e empresas, e contando até mesmo com colaboração de concessionárias de veículos, para que sejam levados ensinamentos importantes”, disse.

 PROGRAMAÇÃO

Blitz educativa no prolongamento da Marcelino Pires foi coordenada pela Agetran e teve participação de vários parceiros – A.Frota

Segundo a programação do Maio Amarelo 2018 em Dourados, nesta primeira semana foram feitas as decorações referentes à campanha em pontos de visibilidade com a instalação do laço amarelo nos principais pontos da cidade, além da blitz na Marcelino.

Na próxima semana, de 7 a 11 de maio, haverá diversas atividades e palestras com concessionárias, centros de formação de condutores e empresas. No dia 8, terça-feira, haverá palestra na associação dos despachantes e blitz educativa em frente à agência do Detran em Dourados.

No dia seguinte, quarta-feira (9), haverá atividade com a Guarda Mirim em frente ao Estádio Douradão, a partir de 15h.

Na terceira semana, de 14 a 18 de maio, mais palestras ocorrem nas escolas e universidades com as instituições parceiras, entre elas o Sest/Senat, Bombeiros, Polícia Militar, Detran, Guarda Municipal e Samu.

No dia 15, terça-feira, mais uma blitz educativa acontece em Dourados. Será na rua Hayel Bon Faker com a rua Adroaldo Pizzini, a partir de 9h.

Na quarta-feira (16), haverá atividade de educação de trânsito no Parque de Exposições e atividade com a Guarda Mirim. A partir das 15h haverá blitz educativa em frente ao restaurante Quêrencia (trevo da Bandeira).

Na quarta semana, de 21 a 25 de maio, haverá trabalho de divulgação do Maio Amarelo com a parceria do comércio de Dourados, através da Associação Comercial e Empresarial de Dourados (Aced).

No dia 23 de maio acontecerão palestras nas escolas municipais com a Guarda Mirim. No dia 25, blitz educativa a partir das 9h no posto da Polícia Rodoviária Federal, saída para Campo Grande.

Na quinta semana, de 28 a 31 de maio, haverá blitz educativa com abordagem de motociclistas no posto da PRF (dia 28), a primeira Expotrânsito, com exposição de cenários que retratam o tema trânsito na praça Antônio João (dia 30) e encerramento solene do Maio Amarelo com revoada de balões, a partir de 15h.

O comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar em Dourados, Tenente Coronel Carlos Silva, realizou uma palestra para os 93 alunos do curso de formação profissional da Guarda Municipal de Dourados. Os alunos estão sendo formados sob coordenação da Diretoria de Formação e Ensino da própria Guarda, e terão aula até  Setembro.

Durante sua fala Carlos Silva destacou a importância da Guarda Municipal para a segurança pública. E que embora o município de Dourados estatisticamente seja uma das cidades sul-mato-grossense com baixo índice de criminalidade, comparada a outros municípios com população menor, as ações dos organismos policiais da cidade vão intensificar-se, e para isso ele conta com a participação de toda a Guarda Municipal, bem como da comunidade. O objetivo é sempre priorizar uma intervenção mais rápida para quem precise dos serviços policiais.

Carlos Silva destacou ainda que as ações em conjunto têm obtido melhores resultados em prol da sociedade douradense. O Coronel afirma que as ações integradas são essenciais para a manutenção da ordem.

O comandante disse que o serviço da Polícia Militar é salvar vidas, e que atualmente a sociedade vê o trabalho policial com bons olhos, e o policial para atuar, tem que ter dom, pois ele coloca sua vida em risco, para defender os ideais de uma sociedade mais justa.

No final de sua palestra o comandante foi aplaudido de pé pelos presentes, que reconheceram seus esforços em prol de todos os douradenses.

 

 

 

 

Ações de combate ao Aedes em Dourados tem sido intensas e a diminuição de casos de zika e dengue é fruto disso – Assecom

O Núcleo de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Dourados divulgou nota informativa com esclarecimentos e números sobre casos de dengue, zika vírus e febre chikungunya no município, pontuando as ações de combate que têm sido empregadas e solicitando à população que mantenha a contribuição na luta contra o mosquito transmissor destas doenças, para que as conquistas até aqui se mantenham.

 

Como o Aedes Aegypti é o vetor para as três doenças, a Secretaria Municipal de Saúde tem empenhado ações no combate ao mosquito através do Centro de Controle de Vetores, com efetivação de bloqueio mecânico/químico em regiões prioritárias, com visitação domiciliar e eliminação de focos, aplicação de larvicidas e até a notificação de proprietários.

 

“São muitas ações ao longo do último ano e neste, o que tem gerado dados positivos. É claro que queremos manter estes índices e diminuí-los, contando com o apoio da população que é fundamental neste processo”, disse o secretário de Saúde, Renato Vidigal. Todo o trabalho necessário está sendo realizado para que não ocorra elevação de casos no próximo verão e outras ações estratégicas poderão ser aplicadas conforme a necessidade. No entanto, a colaboração da população é ressaltada pela secretaria como fundamental para “vencer a guerra contra o mosquito”.

 

Segundo gráficos com a série histórica de casos das três doenças nos últimos anos (as três ocorrem concomitantemente), as ocorrências de dengue e zika vírus estão controladas. Segundo os dados, são 59 casos notificados e 12 casos confirmados de dengue este ano. A título de comparação, há dois anos, em 2016, eram 5351 casos notificados e 3815 confirmados. Já em 2017, uma diminuição considerável foi possível, com 176 casos notificados e 21 confirmados.

 

“A dengue já é uma doença conhecida da nossa população, mas agora temos a incidência de mais duas doenças. Em relação à dengue, presenciamos uma diminuição drástica dos casos devido aos trabalhos de combate ao mosquito e precisamos da ajuda de todos para manter este declínio”, avalia Vidigal.

 

Em relação ao zika vírus, nenhum caso foi considerado positivo para a ocorrência. Para se ter ideia, em 2016 eram 18 ocorrências da doença na cidade, número que caiu para 2 no ano passado e agora, nenhum. “Isto é muito importante porque o zika, embora não seja uma doença que traga muitos sintomas, pode acarretar microcefalia em crianças quando acomete gestantes. Então é uma vitória”, reforça o secretário.

 

A atenção mais redobrada, segundo a Secretaria de Saúde, é em relação às ocorrências de febre chikungunya. Segundo o boletim da semana 17, são 61 notificações para 42 casos confirmados da doença em 2018, um aumento significativo, já que no ano passado eram 38 casos notificados, com 3 confirmados. “A secretaria estuda como pode ter havido um crescimento nos casos desta doença se as outras diminuíram, sendo o mesmo mosquito transmissor. Em todo caso, todas as ações são intensas”, disse o secretário.

 

“Em face disso, orientamos a população para a manutenção dos cuidados nos imóveis sob sua responsabilidade, principalmente locais de construção, onde sabidamente podem conter objetos que sirvam para acumulo de água e concomitantemente se tornem criadouros do Aedes Aegypti”, sugere nota do Departamento de Vigilância em Saúde.

 

Doenças e sintomas

A Secretaria de Saúde ressalta que, apesar de ter semelhanças entre si, alguns sintomas se destacam mais do que os outros em cada uma das doenças. No caso da dengue, o paciente, na maioria das vezes apresenta febre alta, dor retroocular, mialgia (dor no corpo), dor de cabeça, plaquetopenia, exantema (manchas no corpo) tardio, náuseas, vômitos, podendo evoluir para uma situação grave onde há a necessidade de internação pelo risco da febre hemorrágica da dengue, que ocorre logo após a remissão dos picos febris.

Já a zika se caracteriza por febre baixa e o exantema precoce, logo nos primeiros dois dias, podendo desaparecer em seguida. A zika na maioria das vezes tem curso rápido e grande parte dos pacientes nem apresenta sintomas, sendo a maior preocupação quando acomete gestante, principalmente nos primeiros meses de gravidez, pelo risco da ocorrência da microcefalia no feto.

 

No entanto, a chikungunya, apresenta quadro parecido com o da dengue, sendo a febre alta e demais sintomas, destacando-se as dores intensas nas articulações que podem durar meses ou mais de ano (Quadro 01). Essa última é preocupante, pois sabe-se que, uma vez o paciente evoluindo para a fase crônica, ele não conseguirá trabalhar, demandará por mais recursos de assistência à saúde e é sabido que pacientes como idosos e com doenças crônicas são mais suscetíveis a evoluírem para óbito.

Mais Artigos...