Dourados-MS,
Outubro_rosa

Jornal impresso mais antigo de MS, O Progresso circula pela última vez nesta sexta-feira

Dourados
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

O Jornal O Progresso, fundado em 1951 pelo ex-deputado federal Weimar Gonçalves Torres, vai fechar. Com sede em Dourados, a 233 km de Campo Grande, o jornal já foi um dos três mais influentes de Mato Grosso do Sul, mas circula pela última vez na sexta-feira (27).

O comunicado foi feito por uma das diretoras, Blanche Torres, filha da matriarca da família, Adiles Amaral Torres, à frente da empresa desde 1982. O marido dela, Weimar Torres, morreu em acidente aéreo, em 1969.

Blanche negou um encerramento tão "breve", mas a informação obtida pela reportagem indica a migração para on-line, caminho cada vez mais seguido pelos veículos que não querem "morrer".

Análise - O jornal impresso perdeu o encanto. Ficou para trás por não saber agregar o novo. É a análise do diretor-presidente do instituto de pesquisas Ibrape, Paulo Catanante. Para ele, as empresas dedicadas ao jornal de papel têm dificuldade de acompanhar os novos recursos trazidos pelas versões on-line, como texto às vezes mais enxuto e sempre atualizado, além de material audiovisual.

A barreira, aponta, é maior para meios do interior. Catanante fala do assunto com a experiência de quem está desenvolvendo pesquisa sobre mídias em Mato Grosso do Sul. Em Dourados, cita, jornais impressos são lidos apenas por 1 a cada 246 adultos. O diretor do instituto acredita que a consolidação da internet como meio de comunicação de massa, seja dos jornais on-line ou das redes sociais e aplicativos, é muito maior no interior.

“É um índice totalmente insignificante", diz, em relação ao número de leitores do modelo impresso em Dourados. "Na verdade, primeiro o jornal impresso foi substituído pelas informações nas mídias sociais e sites de notícias, e segundo que as matérias são atrasadas. A sabedoria do leitor já não busca informação no impresso porque já busca informação nas nuvens”, comenta.

O diretor também afirma que o leitor, hoje, quer ser estimulado. “O impresso já não é mais empolgante. Fizemos pesquisa em Dourados e uma das reclamações é que não tem mais notícia instantânea”, diz.

Credibilidade – Para o pesquisador, outra questão é a credibilidade. Paulo afirma que o impresso não consegue atualizar a informação. O levantamento em Mato Grosso do Sul mostrou ao diretor que os leitores desenvolveram a prática de checar na internet as informações que leem nos jornais impressos.

“Não tem atrativo, e, além disso, não tem a credibilidade que tem as notícias de sites, devido ao atraso. A tendência é os sites de notícia substituírem os jornais impressos. Quando alguém lê, vai confirmar a notícia que leu em jornais on-line. Os melhores textos, as melhores fotos, estão no online”, avalia.

Outro dado da nova pesquisa do instituto, afirma Catanante, é que apenas 10% do conteúdo dos jornais impressos são lidos. “As pessoas não conseguem ler 10% do conteúdo do jornal, não está tendo conteúdo inteligente para chamar atenção. Principalmente no interior”, analisa.

O diretor afirma que em Dourados, em dois anos, o acesso diário à internet aumentou de 38%, em 2017, para 68% em 2019.

O Progresso - O jornal circula em Dourados e outras cidades da região, com correspondente e assinantes em Campo Grande. No discurso que fez ontem aos funcionários, Blanche Torres atribuiu a desativação da versão impressa à crise financeira que atinge os jornais impressos do país e sinalizou com a possibilidade de retorno em 2020. Entretanto, funcionários presentes na reunião afirmam acreditar ser difícil o impresso voltar a circular. "Estamos arrasados", disse um deles ao Campo Grande News, pedindo anonimato.

Em 2018, o jornal lançou uma versão digital, com CNPJ independente e linha editorial própria. O comando foi entregue à estilista Louise Torres, filha de Blanche e neta de Adiles Amaral Torres. Entretanto, segundo fontes consultadas pelo Campo Grande News, a versão online “não decolou”.

História – De acordo com arquivos do jornal, O Progresso nasceu do sonho do advogado José dos Passos Rangel Torres, em 1920, em Ponta Porã, e renasceu pelas mãos do filho, o também advogado Weimar Torres, em 1951.

Foi o primeiro jornal diário de Mato Grosso do Sul e ao longo da história envolveu toda a família, Adiles do Amaral Torres (mais antiga colunista social de MS), o pai dela Wlademiro Müller do Amaral, filhas e netos.

Em 1969, após a morte de Weimar Torres em um acidente aéreo a empresa passou a ser dirigida por Vlademiro do Amaral, com o apoio da filha Adiles. No final de 1982, Adiles assumiu o comando da empresa e em 1985 passou a assinar como diretora-presidente.

Blanche Torres ocupa atualmente o cargo de diretora-superintendente do jornal. A outra filha de Adiles e Weimar, June Torres, atuou como diretora executiva por muitos anos, mas deixou o cargo para se dedicar à fisioterapia.

Foto: Adilson Domingues