Dourados-MS,
Agosto_lilás

Demissão de médicos do Hospital da Vida prejudica Pronto Socorro

Dourados
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

O pedido de demissão de oito médicos no Hospital da Vida preocupou vereadores de Dourados, que na tarde de ontem, estiveram reunidos com o diretor clinico da unidade, o médico Raul Espinoza. Na oportunidade os parlamentares foram informados sobre a crise que toma conta da unidade. De acordo com a carta de demissão apresentada, os profissionais se queixam de salários atrasados, falta de estrutura e segurança para atender os pacientes, tendo em vista relatos inclusive de profissionais que foram agredidos durante o exercício da profissão, além de mudanças contratuais nos últimos meses. Existe a informação, apurada por vereadores de que os profissionais recebiam um mês e outros dois ficavam em atraso. No domingo passado a vereadora Lia Nogueira chegou a gravar uma transmissão ao vivo relatando que não havia plantonista, ocasião em que uma vítima de acidente de trânsito foi a óbito.

Debandada

De novembro até agora 15 médicos saíram do hospital e o quadro de profissionais passou de 21 para 14 até ontem. Com o anúncio de pedido de demissão de mais 8 médicos, o hospital passaria a contar com apenas seis, o que inviabilizaria o atendimento no Pronto Socorro. Os profissionais que vão deixar a unidaede são em maiora contratados pela Fundação de Saúde de Dourados (Funsaud), órgão que administra a unidade.

Deficit

De acordo com a direção clínica, o hospital acumula R$ 40 milhões em déficit, cerca de 1,5 milhão mensal. Segundo o diretor clínico Raul Espinoza,se a unidade contasse com esse aporte financeiro a realidade seria outra. Ele também disse que a unidade precisa de ajuda e não críticas.

Câmara Municipal

Presidente da Câmara de Vereadores, Alan Guedes disse que a macrorregião de Dourados e seus investimentos da tripartite precisam ser revistos. Ele também pontou que o objetivo da Câmara de Vereadores é unir forças para buscar uma saída que não prejudique o atendimento dos pacientes. "Vamos continuar acompanhando, muito de perto, os problemas apontados pelos servidores. Nossa Comissão de Saúde e a Mesa Diretora decidiram verificar in loco, ouvimos o diretor sobre problemas de ordem clínica, dificuldades de atendimento e esperamos chegar a uma solução dessa questão", pontuou.

O presidente da Comissão de Saúde Elias Ishy ouviu pacientes e a direção clinica e disse que levará o assunto para ser discutido na Câmara. A vice-presidente Daniela Hall, disse que fará relatórios e encaminhará para todos os órgãos de fiscalização e controle, além de buscar apoio da bancada federal para ajudar na questão de falta de recursos. Ela e a vereadora Lia Nogueira estudam inclusive a possibilidade de uma CPI na Saúde Pública. "A população está cansada de ver tanta gente morrendo na porta do hospital e o descaso que é tratada a saúde de nossa cidade. Vamos atrás de respostas", disse Lia.

Participaram da reunião os vereadores Alan Guedes, Sergio Nogueira (PSDB), a comissão integrada pelos membros da comissão de Saúde e Higiene da Câmara [presentes o presidente, Elias Ishy, do PT e Daniela Hall, do PSD e ainda as vereadoras Lia Nogueira (PL) e Marinisa Mizogushi (PSB).

Assembleia

Nesta semana, o diretor convocou assembleia geral agendada para hoje, às 18h30, no salão da igreja Presbiteriana com a equipe médica para discutir as dificuldades e buscar soluções para que o Hospital da Vida mantenha o ritmo de atendimento aos pacientes de Dourados e da macrorregião. Considerado ‘porta de entrada’ do SUS (Sistema Único de Saúde) e responsável pelo atendimento de pacientes de cerca de 33 cidades, e da região de fronteira, incluindo o Paraguai, o Hospital da Vida registrou o pedido de afastamento declarado de, pelo menos, oito profissionais e a Prefeitura, confirmou, através da Secretaria municipal de Saúde, redução no atendimento a partir de agosto, quando o hospital vai priorizar apenas casos de trauma e urgência.

Secretaria de Saúde

A secretária de Saúde de Dourados, Berenice de Oliveira Machado, explicou ao O PROGRESSO que a Prefeitura está fazendo a contratação de pelo menos 20 médicos e acredita que até esse final de semana o atendimento na Saúde receba uma melhoria significativa com esse reforço. Ela também anunciou uma reorganização do fluxo de pacientes que serão atendidos em outras unidades de saúde para que o hospital possa atender apenas urgência e emergência.