Dourados-MS,
CMD-DROGAS

Mandetta quer ser governador e "racha" DEM para apoio ao PSDB

Deputado federal Luiz Henrique Mandetta do DEM - Foto: Agência Câmara

Dourados
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Em reunião que ocorreu na manhã desta quarta-feira (25), na casa do ex-prefeito de Dourados e presidente regional do DEM, Murilo Zauith (DEM), para definirem aliança com o PSDB, dos cinco integrantes da sigla, quatro fecharam com os tucanos, porém o quinto integrante, deputado federal Luiz Henrique Mandetta não participou da reunião e, por telefone, informou que pretende se candidatar ao Governo pelo partido. “Vamos esperar o Mandetta chegar de Brasília para nos apresentar essa proposta. Ele está pensando nele, e os outros? Será que terão espaço?”, indagou Zauith.

O governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB) estava presente no encontro e reforçou espaço na majoritária, sendo o candidato a vice-governador ou uma vaga ao Senado. Zauith disse que os democratas iriam se reunir novamente apenas para definirem sobre quem seria o vice de Azambuja pelo DEM. “Ontem à noite Mandetta tinha aceitado. Agora vamos esperar, quando ele voltar ele passa essa proposta pro partido. Tem chapa? Dá pra formar chapa na proporcional? Federal e estadual? Ele tem que cuidar dos deputados e discutir isso”, reforçou Zauith.

O presidente regional da sigla já adiantou que está tranquilo porque ainda faltam dez dias para as convenções. “Vamos discutir isso mais pra frente”, disse, ao lembrar que o impasse dos integrantes era em relação ao medo que os deputados federais tinham de não terem espaço no ninho tucano. “Tereza Cristina [deputada federal do DEM] aceitou e se sentiu segura e ontem à noite o Mandetta tinha aceitado [aliança com PSDB]”, declarou Zauith.

O deputado federal Mandetta está em Brasília para reunião com o presidente nacional do DEM, ACM Neto. A deputada federal Tereza Cristina também vai participar da reunião e, de acordo com Zauith, ela saiu mais cedo do encontro para poder chegar a tempo em Brasília.

 

Correio do Estado