Dourados-MS,
 Camara municipal-principal

Eleição 2018 - Pesquisa mostra que MS pode ter governador no 1º turno

Foto: IPEMS

Mato Grosso do Sul
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Na reta final da campanha (faltando 5 dias para o pleito), pesquisa estimulada do Ipems/Correio do Estado aponta a tendência de as eleições acabarem no primeiro turno em Mato Grosso do Sul, com a reeleição do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). A virtual vitória do governador no dia 7 deste mês é indicada tanto nos votos nominais quanto nos votos válidos (em que são excluídos os brancos, nulos, indecisos ou nenhum dos candidatos), em pesquisa realizada no período de 22 a 27 de setembro, com 1.500 eleitores espalhados em 40 municípios do Estado.

De acordo com os indicativos do Ipems, se as eleições fossem hoje, Azambuja sairia vitorioso, com 45,82% das intenções de votos nominais. Ele estaria hoje à frente na soma total das intenções de voto de todos os adversários. Nesse quesito da pesquisa estimulada (nominais), em que se incluem indecisos, brancos, nulos e ou nenhum dos candidatos, os rivais do governador teriam juntos 43,87%. A vantagem de Azambuja de 1,95 ponto está dentro da margem de erro de 2,53 pontos porcentuais, para mais ou para menos, sobre o total do resultado do levantamento. O nível de acerto é de 95%. Mas se o governador mantiver a tendência de crescimento, as eleições poderiam acabar no domingo, sem a realização de segundo turno.

Em uma semana, comparando com a pesquisa anterior do Ipems, Azambuja ampliou a sua vantagem numérica de 13,59 para 15,58 pontos porcentuais.

Nessa rodada de pesquisa, Azambuja passou de 42,94% para 45,82%, crescimento de 2,88 pontos porcentuais. Já o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira oscilou de 29,35% para 30,24%, que dá 0,89 ponto.

Os demais candidatos praticamente mantiveram o mesmo índice da pesquisa anterior. O deputado estadual Junior Mochi (MDB) oscilou de 7,77% para 7,17%, Humberto Amaducci (PT) caiu de 4,76% para 4,20%, Marcelo Bluma (PV) é outro que teve variação negativa, de 2,62% para 1,44% e João Alfredo (PSOL) passou de 0,72% para 0,82%.
Nessa pesquisa (votos nominais), votos branco/nulo/nenhum/não respondeu ou não sabe, somam 10,31%.

VOTOS VÁLIDOS
Tendo por base numérica os votos válidos, o governador Reinaldo Azambuja ganharia a eleição no primeiro turno por 51,08%. Mas ainda não dá para cravar a vitória do governador no próximo domingo porque é preciso considerar a margem de erro de 2,53 pontos porcentuais. 

Na eventualidade da margem de erro for para baixo, o governador não levaria no primeiro com esse índice de 51,08%, porque o total dos votos válidos dos adversários soma 48,92 pontos porcentuais. Mas se for para cima, Azambuja sairá vitorioso das urnas, porque fecharia o resultado com 53,61%.

O juiz Odilon teria, de votos válidos nessa pesquisa, 33,71%, podendo receber no resultado final da apuração 36,24% ou 31,18%, aplicando a margem de erro de 2,53 pontos para mais ou para menos.

Junior Mochi ficaria com 8%, Humberto Amaducci com 4,69, Marcelo Bluma com 1,61% e João Alfredo com 0,91%.

A pesquisa do Ipems foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS) sob o número MS 03337/2018 como dispõe a Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 23.549/2017/Eleições 2018.

 

 

Correio do Estado