Dourados-MS,
Semestre- Camara

Fetems ameaça parar 90% das escolas e alunos ficam sem aula amanhã

Federação calcula cerca de 800 escolas estaduais e municipais sem aula amanhã - Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado

Mato Grosso do Sul
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Com a presença de 74 sindicatos, a Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) prevê que cerca de 90% das escolas estaduais e municipais do Estado vão parar nessa sexta-feira (10), marcado pelo “Dia do Basta!” em que os profissionais da educação protestarão contra retirada de direitos do setor.

De acordo com a presidente da Fetems, Sueli Veiga, quase 800 escolas municipais e estaduais confirmaram presença na manifestação em Campo Grande e algumas farão reivindicações e paralisações em seus próprios municípios.

“É um dia nacional de todas as centrais de movimentos. Vamos dizer basta aos desmontes das políticas públicas e pelo atual governo. Vamos para a rua contra Emenda 95 que congela os recursos da educação. Vamos pra rua contra a reforma do ensino médio porque o governo está querendo acabar com o formato. Não queremos o tipo de reforma, retirada de recursos das universidades. Estão “estrangulando as universidades”, escola sem partido entre outras. Vamos para a rua sobre a Reforma Trabalhista e da Previdência também”, detalhou a sindicalista.

Ainda conforme Sueli, apenas três municípios confirmaram que as aulas não devem parar no Estado. “Iguatemi, Camapuã e Corumbá não devem parar. Vão fazer um esquema dos professores para ter aulas, mas mandarão representantes para manifestação geral. São aproximadamente 365 escolas do Estado e umas 400 municipais que devem parar. Calculamos uma média de 800 e vários municípios terão manifestos locais, como Dourados”, completou.

Em Campo Grande, o ato reunirá trabalhadores da Capital e do interior. A concentração será às 9h, na Praça do Rádio Clube e em seguida sairão em passeata pelo Centro, com retorno e fechamento na praça.

A decisão dos educadores de Campo Grande foi tomada por unanimidade, durante Assembleia Geral no Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação (ACP). Na sequência, em assembleia na Fetems, todos os delegados de Mato Grosso do Sul também aprovaram, de forma unânime, a participação no dia de protesto.

 

Correio do Estado