Dourados-MS,
Assembléia - Vem participar

Foto - Divulgação

Dourados

Iniciou uma série de reparos no Ceper do II Plano, após receber a informação de que uma reforma que o local receberia por parte do Governo do Estado não vai mais acontecer. Serão recuperadas as estruturas das calçadas, instalações elétricas, telas, portões, banheiros e feita a pintura de alguns locais, além da já recorrente limpeza geral, com roçada e recuperação de jardinagem. 

 

Segundo o secretário Joaquim Soares, depois de 2 anos e meio de espera, os moradores retomaram as cobranças e a Semsur procurou saber em que pé estariam os trâmites para a reforma, mas recebeu a informação de que a verba foi perdida. “Mais que depressa procedemos com a inserção do Ceper no nosso cronograma e iniciamos nesta quinta-feira os serviços por lá. Garantimos à comunidade que vamos fazer um bom trabalho neste espaço tão valioso para a comunidade local”, disse.

O secretário Joaquim ressaltou que o local, mesmo aguardando a reforma, recebe um grupo de idosos e muitos moradores que usufruem do espaço. “É um local de grande valia para aquele bairro. É lamentável que depois de tanta propaganda feita em cima da reforma, tenhamos recebido esta notícia”, disse.

Joaquim ressaltou que, nesta semana, algumas pessoas ‘usaram o Ceper’ para atacar a Prefeitura de Dourados e enviaram cobranças por melhorias e projetos; no entanto, o Executivo sabe bem quem são os representantes da comunidade que realmente sempre tiveram esta reivindicação na pauta. “Pelo menos dois vereadores sempre nos procuram para pedir esta melhoria. Idenor Machado e Pedro Pepa sempre foram apoiadores daquela comunidade. Recentemente, com a notícia de que haveria uma reforma, estas reivindicações ficaram no stand by, e agora, de repente, aparece um monte de gente cobrando”, explicou Joaquim.

Em março do ano passado, reuniões foram feitas entre parlamentares, representantes do Governo do Estado e moradores para ouvir as sugestões da comunidade com relação à completa revitalização Ceper.

Ao todo a obra custaria R$ 800 mil, sendo metade (R$ 400 mil) viabilizada por meio de emenda parlamentar e o restante através de contrapartida do Governo do Estado. Os investimentos foram empenhados em maio de 2016 e a elaboração do projeto e a execução das obras seriam feitas pelo Estado. Um ano depois, a informação é que a obra não vai mais ocorrer.

Força-tarefa visita casas na região onde foi constatado aumento dos casos da doença

Dourados

A Prefeitura de Dourados, por meio do Núcleo de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, alerta a população do município para uma incidência de casos de febre chikungunya com aumento de ocorrências. Segundo dados da Sems, são 94 casos notificados e 62 positivos para o vírus que tem encontrado pouca resistência imunológica nos cidadãos. Com efetivas medidas de controle, a Prefeitura solicita que os cidadãos contribuam no combate ao mosquito transmissor, o Aedes aegypti.

Segundo Edivan Marcelo Morais Marques, do setor de imunização, foi identificada uma série de ocorrências em uma região específica da cidade, entre o Jardim Tropical e Jardim Clímax, onde foram encontrados canteiros de obras e terrenos com possíveis criadouros.

Diante disso, foi orquestrada uma força-tarefa para rastrear as ocorrências da doença. Assim, com uma busca ativa casa a casa por estes bairros, foi feita a coleta de sangue para exame com índice de positividade, o que elevou os números. “O que ocorreu é que estes casos são fruto já de uma ação ostensiva da Secretaria para fins de controle da doença. Poucos casos foram registrados depois que as pessoas foram aos postos de saúde. A maioria vem destas coletas já da força-tarefa”, explicou.

O trabalho agressivo contra a doença, segundo Edivan, resultou em elogios da Secretaria de Estado de Saúde, que manteve reunião esta semana em Dourados, traçando metas para controle da doença.

Segundo o enfermeiro, o fato de haver aumento para casos de chikungunya e queda nos casos de zika vírus e dengue se dá por conta da ‘novidade do vírus’. “A comunidade douradense está bem resistente aos vírus da dengue e do zika porque já ocorreu esta doença em meio à população. O vírus da febre é ‘relativamente novo’ para imunidade das pessoas e daí vem a necessidade de todo um cuidado”, disse.

A Secretaria de Saúde já procedeu com as visitas domiciliares, fazendo ações de controle de focos do mosquito Aedes, que transmite as três doenças, tanto de forma mecânica, com a remoção de possíveis criadouros, como química, aplicando o ‘fumacê’.

Edivan ressalta que é possível a um mosquito do Aedes conter os vírus da dengue e chikungunya juntos, o que eleva a necessidade de haver um combate sério deste vetor. “É fundamental a participação e consciência da população. Tivemos um período sem chuva bem importante, com pouco calor, e agora chega o frio. Do ponto de vista do clima estamos bem servidos e queremos manter a queda nos índices para que nossa cidade tenha cada vez menos casos”, disse.

O enfermeiro lembrou que a febre chikungunya é capaz de incapacitar um indivíduo para suas atividades diárias, uma vez que os sintomas, embora parecidos, são mais fortes e duradouros em relação à dengue e zika.

 MS

Dourados é a cidade que mais preocupa em todo o Estado. Em Campo Grande, eram 27 casos confirmados até quarta-feira (9). Nos municípios de Iguatemi, Porto Murtinho, Corumbá, Camapuã, Rio Verde de Mato Grosso e Sonora, um caso foi registrado.

 

Foto - Divulgação

Dourados

A gasolina em Dourados ficou mais barata desde a semana passada. De acordo com levantamento da ANP (Agência Nacional de Petróleo), o preço médio do combustível sofreu queda de 2,31%, mudando de R$ 4,32 para R$ 4,22. 

Entre 10 postos pesquisados na cidade, o valor mínimo encontrado foi de R$ 3,89 e o custo máximo em R$ 4,42 ao bolso do consumidor. 

O relatório aponta que entre os dias 15 e 21 de abril, o valor médio da gasolina atingiu R$ 4,27, subindo para R$ 4,32 em uma semana. Após mais sete dias o valor se manteve sem alteração, porém, entre 06 e 12 de maio sofreu queda nas bombas para R$ 4,22.

COMPARATIVO

Comparada às seis demais cidades pesquisadas, Dourados possui o terceiro menor valor médio, perdendo apenas para Campo Grande com R$ 4,04 e Ponta Porã com R$ 4,08.

Os valores médios registrados nos outros municípios foram:

- Corumbá: R$ 4,51

- Três Lagoas: R$ 4,36

- Coxim: R$ 4,29

- Nova Andradina: R$ 4,28

 

 

Dourados News

O encontro realizado na Associação Cultural Nipo Brasileira, na Capital, reuniu 3 mil pessoas - Foto: Bruno Henrique/Correio do Estado

Campo Grande

O ex-ministro Henrique Meirelles, que participou do evento do MDB na manhã de sábado (19) em Campo Grande, confirmou que é o pré-candidato do partido para disputar a vaga de presidente da República nas eleições deste ano. “Sou pré-candidato e tenho certeza que vamos ganhar essa eleição”, disse ele ao ser questionado pela reportagem do Portal Correio do Estado sobre a pré-candidatura ao cargo.

O Ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, explicou que o presidente Michel Temer quer se dedicar ao governo Federal e fim do mandato assumido no dia 31 de agosto de 2016, após o impeachment da titular Dilma Rousseff (PT). “O presidente Temer quer terminar os meses no governo e vai priorizar isso. Agora é o Meirelles o pré-candidato, ele é capaz. Em dois meses colocou o Brasil nos eixos, baixou os juros”, afirmou Marun.

O encontro realizado na Associação Cultural Nipo Brasileira, na Capital, reuniu 3 mil pessoas de acordo com os organizadores. Também estavam presentes o ex-governador e pré-candidato ao governo do Estado, André Puccinelli, os senadores Waldemir Moka e Simone Tebet, além da bancada de deputados estaduais que pertecem ao partido.

“Eu sinto a vitória extraordinária em Mato Grosso do Sul. Vamos eleger deputados estaduais e o André Puccinelli. Vamos mostrar como se governa um Estado. Saio daqui entusiasmado. Vamos ganhar a eleição, aumentar os empregos e lançar obras”, afirmou Meirelles.

A senadora Simone Tebet aproveitou para criticar o atual governo, de Reinaldo Azambuja (PSDB). “Começamos com o pé direito a campanha da vitória. Mato Grosso do Sul está com saudades das obras esparramadas pelos 79 municípios. Precisamos retomar isso, melhorar as escolas, resgatar o desenvolvimento. O André Puccinelli é fundamental para fazer isso”.

Marun também fez elogios ao ex-governador, que foi preso no dia 14 de novembro do ano passado durante a quinta fase da operação Lama Asfáltica - a Papiros de Lama - da Polícia Federal.

“Puccinelli foi o melhor governador que Mato Grosso do Sul teve. Ele colocou o nome a disposição como candidato e será melhor ainda. Temos o dever de vencer as eleições em outubro e fazer a maior bancada de deputados estaduais que a Assembleia Legislativa já viu”, afirmou o Ministro.

Puccinelli confirmou apoio de alguns partidos - PHS, PTC, PEN, PRTB, PMB, PSDC, PMN, PR- a candidatura dele pelo MDB. “Estamos namorando o PROS e o DEM”, disse o pré-candidato. “Nenhum candidato que não for ficha limpa não terá candidatura regitrada. E eu vou me candidar dia 5 de agosto. Nosso governo será de realização para o futuro da juventude vamos falar para o futuro que quer Mato Grosso do Sul maior e melhor. É o Brasil voltando a creser e acelerar . Dizem que toco duro, que sou coronel e autoritário só que os meus secretários não são incopetentes. Vou renovar a equipe secretários. Os que eu tinha antes não serão os mesmos, apenas um ou outro”, concluiu.

 

 

Correio do Estado

 

 

 

 

Foto - Divulgação

Campo Grande

Em busca de novos aliados e tentando reunir a esquerda, o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (PDT) e pré-candidato ao governo de Mato Grosso do Sul disse que a sigla está empenhada para trazer o Partido dos Trabalhadores (PT) para o seu arco de alianças. Questionado sobre os políticos ficha-suja que possam estar no PT, Odilon se esquivou, dizendo que está apenas fazendo pré-campanha, mesmo ao destacar, em vários momentos, que não quer aliados com processos na Justiça. 

“Minha tarefa é percorrer os municípios do Estado levando nossas propostas, o João Leite Schimidt que está cuidando de alianças”, explicou o pré-candidato, que pretende ter, além do pecuarista Chico Maia, do Podemos, o deputado federal Zeca do PT disputando o Senado na chapa do PDT.

Mesmo com os petistas tendo um nome para a disputa do Executivo estadual, o PDT não se vê impedido de tentar uma aproximação. O nome do ex-prefeito de Mundo Novo Humberto Amaducci (PT) até agora não decolou. Segundo o Instituto de Pesquisas de Mato Grosso do Sul (Ipems), Amaducci tem apenas 2,38% da intenção de votos, conforme divulgado pelo Correio do Estado, na edição de 23 de abril.

 

 

Correio do Estado

Fila começou desde as 20h de ontem - Foto: Bruno Henrique/Correio do Estado

Campo Grande

A fila para abastecer em posto de combustível começou desde ás 20h de ontem(18) e quase 200 veículos aguardam abastecimento na manhã deste sábado (19) em Campo Grande. O motivo da gasolina com valor reduzido, é devido a campanha realizada pela Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje) que está protestando contra a alta nos impostos tanto na gasolina quanto em outros produtos comercializados.

O primeiro da fila foi o motorista Odinei Valejo, 35, morador do Bairro Nova Campo Grande que chegou no posto de combustível, na Avenida Duque de Caxias, ás 20h de ontem. De acordo com ele, a espera valeu a pena, já que se ele fosse abastecer no valor normal iria gastar R$ 80 e com esse valor, conseguiu economizar R$ 30.

Para o soldador Everton Marques, 31, que chegou hoje por volta das 7h, é necessário ter paciência, já que a fila anda e para. Porém, mesmo com a demora e a quantidade de pessoas que já estavam na fila, a espera ainda compensa para garantir os 20 litros de gasolina com o valor reduzido.

Campanha

De acordo com o Coordenador Estadual do Feirão do Imposto do MS Rodney Junior, o objetivo da campanha é mostrar ao consumidor, de modo prático, a realidade sobre o quanto a população paga em impostos e o quanto disso é destinado e bem empregado em ações para benefício público. Além disso, o coordenador friza que não é uma promoção, mas um protesto contra o abuso nos impostos.

Tumulto

Durante a formação das filas no posto de gasolina, alguns moradores reclamaram do tumulto que os veículos estavam realizando no trânsito e atrapalhando o tráfego de ônibus. Outros motoristas reclamaram da demora do posto em realizar os abastecimentos.

 

 

Correio do Esatado

Justiça determinou a desapropriação - Foto: Divulgação

Outras Cidades

Com novas empresas interessadas em reabrir o antigo frigorífico do JBS em Cassilândia, a prefeitura do município conseguiu na Justiça a desapropriação do prédio onde a empresa atuava. A unidade gerava pelo menos 700 empregos diretos e foi fechada há pouco mais de um mês. De acordo com o procurador jurídico da Prefeitura Donizete Cadete, a decisão, publicada na terça-feira, foi tomada pela administração municipal após tentativas de diálogo com a direção da JBS para reabrir a unidade e não ser atendida. 

“Ficava aquele ‘jogo de empurra’ e então decidimos não esperar e tomar uma atitude extrema, pedindo a retomada do prédio para que outro frigorífico possa ser instalado lá” afirma. Cadete alega ainda que existem grupos interessados no frigorífico. 

O JBS afirmou que  o processo judicial em questão não foi ajuizado contra a companhia. A planta de Cassilândia operava por intermédio de um contrato de arrendamento que já se encontra finalizado. O encerramento das operações da JBS nessa unidade se deu em decorrência da determinação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O próximo passo é abrir um processo de licitação com permissão de uso para a escolha de outras empresas interessadas em instalar uma unidade no prédio. 

Segundo o procurador a ideia é oferecer outra fonte de trabalho para os ex-funcionários, já que a unidade era o segundo maior empregador da cidade, atrás apenas da própria prefeitura: “A população se sente derrotada ao ver esse local fechado”, finaliza.

De acordo com a prefeitura, desde que o frigorífico paralisou atividades, os pecuaristas precisavam levar o gado para abater em Campo Grande, ou outras unidades, prejudicando a atividade na região.

NORMALIDADE

Segundo o governador do Estado, Reinaldo Azambuja,as demais unidades do JBS no Estado operam normalmente. “Eles aderiram ao Refis (renegociação de débitos). Parcelaram e pagaram à vista as primeiras parcelas”, alegou Azambuja.

O governador reiterou que o grupo vem cumprindo rigorosamente com o Estado os débitos que tinham.
Com relação a Cassilândia, o governador destacou que a planta era arrendada e a unidade foi proibida pelo Cade de manter as atividades. “Hoje as atividades nas outras plantas acontecem normalmente. A Seara em Dourados está dobrando de tamanho de 3 mil para 6 mil suínos abatidos por dia. Esperamos que continuem as atividades econômicas para continuar gerando emprego em MS”, concluiu.

 

 

Correio do Estado

Pedro Lima, presidente da federação e Diretores do SEC PP.

Outras Cidades

Empregados no comércio de Ponta Porã devem lotar o plenário da sessão da Câmara de Vereadores nesta terça-feira (15) a partir das 14 horas para tentar barrar a tramitação de um Projeto de Lei do Executivo Municipal que cria o horário livre do comércio local, inclusive nos domingos e feriados. "Isso é um absurdo! Um desrespeito às famílias dos mais de 2.300 empregados no comércio da cidade, uma vez que a cidade não comporta essa liberdade de horário", reclamou Divino José Martins, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Ponta Porã.

A Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Mato Grosso do Sul – Fetracom/MS também reagiu contrária a essa decisão do Executivo que encaminhou o projeto "na calada da noite" e que foi aprovado na primeira instância. Agora, os comerciários vão tentar barrar sua tramitação na casa, informa Pedro Lima, presidente da federação.

Pedro Lima explica que além de ser um desrespeito às famílias dos comerciários, o livre comércio de Ponta Porã não possui nenhuma infraestrutura para se alicerçar. Como exemplo ele citou a falta de creches à noite e em finais de semana e feriados para os filhos dos comerciários; a falta de segurança pública na cidade para os funcionários que saírem altas horas da noite do trabalho e a falta também de transporte coletivo. "Isso é um retrocesso. Nâo tem como prevalecer uma lei dessa, pois a cidade não comporta esse horário livre. Isso é um desrespeito muito grande para com as famílias de quase 2.500 trabalhadores", criticou Lima.

Divino José Martins disse que o vereador Miudinho é quem "encampou" esse projeto e está tentando aprova-lo junto aos demais vereadores da Casa de Leis. "Estamos fazendo uma panfletagem por todo comércio nesta segunda-feira para pedir o comparecimento maciço dos nossos trabalhadores na Câmara nesta terça-feira a partir das 14 horas para barrarmos esse projeto", explica Divino. Ele vai apresentar um projeto substitutivo fazendo voltar ao que era antes, ou seja, a abertura do comércio das 8h às 18h e o trabalho nos domingos e feriados somente mediante acordo entre as duas classes (patrões e empregados).

 

 

 

Dourados Agora

Municípios impactados por hidrelétricas receberão a compensação - Foto - Divulgação

Outras Cidades

Com a publicação ontem no Diário Oficial da União da Lei 13.661/18, fica assegurado, a partir julho deste ano, R$ 14,9 milhões a mais pela Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos (CFURH) e dos Royalties de Itaipu a 13 municípios de Mato Grosso do Sul com sedes de usinas ou áreas alagadas. Estava previsto para estas localidades R$ 33,670 milhões/ano, valor que vai para R$ 48,635 milhões/ano.

O incremento ocorre porque a lei aumenta de 45% para 65% a fatia da Compensação destinada aos 729 municípios sedes de usinas e alagados.

De acordo com estudos da Associação Nacional dos Municípios Sedes de Usinas Hidroelétricas e Alagados (AMUSUH),  vão ser beneficiados os municípios de Água Clara, que vai receber R$ 259,4 mil a mais; Anaurilândia, R$ 1,472 milhão; Aparecida do Taboado, R$ 2,482 milhões; Bataguassu, R$ 1,420 milhão; Bataiporã, R$ 1.914,00.

Também serão beneficiadas as cidades de Brasilândia, com R$ 925,6 mil; Mundo Novo, com R$ 1,936 milhão; Paranaíba, com R$ 857 mil; Ribas do Rio Pardo, com R$ 388 mil; Santa Rita do Pardo, R$ 544 mil; Serviria, R$ 1,346 milhão; Sonora, R$ 630 mil; e Três Lagoas R$ 2,699 milhões.

De acordo com a  senadora Simone Tebet (MDB/MS) - defensora da alteração do índice no Congresso Nacional e que atuou em favor de sua aprovação - a medida beneficia 13 municípios de Mato Grosso do Sul e que este montante a mais é justo, pois é o município sede de hidrelétricas que mais sofre com os impactos ambientais e sociais. Como exemplo Simone Tebet citou o Complexo de Urubunpungá, formado pelas usinas de Jupiá, Ilha Solteira e Três Irmãos, que afetam vários municípios no Estado.

O presidente da AMUSUH e prefeito de Abdon Batista (SC), Lucimar Salmória destacou a importância deste incremento para as prefeituras. “Nossa Associação não poupou esforços ao longo desta década para aprovar esse projeto que fará justiça aos 729 municípios. Nossas prefeituras terão aportes determinantes para melhorarem o caixa e as ações em prol da população”, afirmou Salmória.

O PLC 315/2009 que deu origem à lei 13.661 foi aprovado em todas as instâncias na Câmara e depois seguiu para o Senado. No último dia 11 de abril, todos os senadores presentes na sessão extraordinária votaram a favor da proposta. A matéria seguiu para sanção presidencial, que foi publicada ontem no Diário Oficial.

 

 

 

Correio do Estado

Advertisement