Dourados-MS,
Assembléia - Audiencia Publica

O Flamengo soube suportar a pressão do Atlético-MG e venceu por 1 a 0, neste sábado, no Independência. Com o resultado, os rubro-negros chegaram a 14 pontos e assumiram a liderança do Campeonato Brasileiro. Já os mineiros perderam a ponta e caíram pata terceiro.

O Atlético-MG dominou a partida e buscou o gol de forma mais intensa durante os 90 minutos. No entanto, quem saiu vencedor foi o Flamengo, com gol de Éverton Ribeiro no segundo tempo.

Na próxima rodada, o Atlético-MG vai até o Recife para enfrentar o Sport na quarta-feira. No dia seguinte, o Flamengo recebe o Bahia, no Maracanã.

O jogo – A partida começou movimentada, com as duas equipes voltadas para o ataque. O Flamengo não se intimidou com a torcida e buscava o gol, mas viu o Atlético-MG criar a primeira boa chance aos seis minutos. Após boa troca de passes, Gustavo Blanco finalizou de fora da área. A bola desviou na zaga, mas Diego Alves estava atento para salvar os rubro-negros.

Com o passar do tempo, os donos da casa assumiram o domínio do confronto. No entanto, o Atlético-MG só voltou a criar boa chance aos 26 minutos. Após cruzamento, a bola chegou em Alerrandro. O atacante finalizou, mas viu a bola desviar na zaga e ir pela linha de fundo. No minuto seguinte, foi a vez de Roger Guedes aproveitar cruzamento e cabecear no travessão.

O Flamengo demorou para conseguir sair da pressão mineira. Somente aos 34 minutos, os visitantes tivera oportunidade de marcar no Horto. Vinícius Júnior foi lançado e tentou encobrir Victor. No entanto, o atacante errou a finalização e colocou na mão do goleiro.

A partir dai, o jogo voltou a ficar equilibrado. O Atlético-MG tinha mais posse de bola, mas não conseguia chegar com perigo. Já o Flamengo tinha espaço para os contra-ataques, só que pecavam no último passe. Assim, o confronto seguiu empatado até o intervalo.

O segundo tempo começou semelhante ao primeiro, com o Atlético-MG um pouco melhor. Os mineiros criaram a primeira chance de gol aos cinco minutos. Cazares arriscou da entrada da área, mas a bola foi pela linha de fundo. Depois, o equatoriano novamente tentou de longe e não acertou o gol rubro-negro.

Os donos da casa permaneceram tendo mais posse de bola e voltou a assustar aos 16 minutos. Desta vez, Gustavo Blanco arriscou de fora da área e obrigou Diego Alves a fazer boa defesa.

A partir dai, o Atlético-MG passou a dominar o jogo. Os donos da casa tentaram de todas as formas o gol, mas viram o Flamengo abrir o placar aos 34 minutos. Em contra-ataque rápido, Vinícius Júnior roubou a bola de Emerson, entrou na área e tocou para Éverton Ribeiro apenas empurrar para a rede.

Após o revés, o Atlético-MG se lançou ao ataque, mas o nervosismo passou a atrapalhar os donos da casa. Os mineiros ainda assustaram já nos acréscimos, quando Gabriel acertou o travessão de Diego Alves. O Flamengo conseguiu manter a vantagem até o apito final para sair de campo na liderança do Campeonato Brasileiro.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 0 X 1 FLAMENGO-RJ

Local: Arena Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 26 de maio de 2018 (Sábado)
Horário: 21h(de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa-RS)
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno de Andrade Junior (RS)
Renda: R$ 561.325,00
Público: 15.797 presentes
Cartões amarelos: Luan (Atlético-MG); Rodinei, Thuler, Vinícius Júnior e Lucas Paquetá (Flamengo)
Gol:
FLAMENGO: Éverton Ribeiro, aos 34in do segundo tempo

ATLÉTICO-MG: Victor, Emerson, Bremer, Gabriel e Fábio Santos; Adilson, Gustavo Blanco (Otero) e Juan Cazares (Tomás Andrade); Luan, Roger Guedes e Alerrandro (Erik)
Técnico: Thiago Larghi

FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Thuler, Léo Duarte e Renê; Jonas, Lucas Paquetá, Everton Ribeiro (Romulo), Diego e Vinicius Júnior (Felipe Vizeu); Henrique Dourado (Jean Lucas)
Técnico: Maurício Barbieri

 

Gazeta Esportiva

 

O Fluminense derrotou por 3 a 1 a Chapecoense, neste sábado, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro. Além de assumir provisoriamente a liderança da Série A com 13 pontos, os tricolores acabaram com o jejum de nunca terem vencido o adversário. Os cariocas vão perder a ponta nesta noite, pois será ultrapassado por Atlético-MG ou Flamengo, que se enfrentam em Belo Horizonte. Os catarinenses, com seis, podem voltar a zona de rebaixamento.

Os donos da casa abriram vantagem no primeiro tempo, com gols de Pedro e Marcos Júnior. Na etapa final, a Chapecoense diminuiu com Arthur, mas o Fluminense garantiu a vitória com gol no fim, mais uma vez com Pedro.

Na próxima rodada, o Fluminense terá pela frente o Grêmio, na quarta-feira, em Porto Alegre. No mesmo dia, a Chapecoense recebe o Ceará, na Arena Condá.

O jogo – A partida começou em ritmo lento, com as duas equipes se estudando. O Fluminense buscava abrir espaço na zaga da Chapecoense, que foi a campo com uma formação mais defensiva que dos últimos jogos. Tanto que a primeira boa chance de gol aconteceu somente aos 16 minutos. Marcos Júnior foi lançado e tentou encobrir Jandrei, mas colocou sobre o travessão.

Só que aos 21 minutos, o Fluminense abriu o placar no Maracanã. Marcos Júnior fez boa jogada pela esquerda e cruzou para a área. Gilberto tentou a finalização, mas pegou errado. Só que a bola caiu no pé de Pedro, que apenas tocou para a rede.

A Chapecoense tentou esboçar uma reação após o revés, mas viu o Fluminense ampliar o marcador aos 25 minutos. Após lançamento de Jadson, Douglas tenta o corte antes da chegada de Jandrei, mas erra e deixa a bola livreira Marcos Júnior apenas empurrar para o gol.

O novo revés obrigou a Chapecoense se lançar ao ataque. Aos 29 minutos, os catarinenses quase marcaram com Canteros. O argentino recebeu passe de Elicarlos e finalizou na trave tricolor. NO minuto seguinte, foi a vez de Arthur desperdiçar boa oportunidade.

Aos poucos, o Fluminense melhorou a marcação e equilibrou o confronto. Mesmo assim, nos minutos finais, a Chapecoense teve mais posse de bola, principalmente no setor ofensivo. No entanto, os catarinenses não criaram boas jogadas e viram os donos da casa irem com boa vantagem para o intervalo.

No segundo tempo, a Chapecoense veio determinar a reverter a desvantagem e conseguiu diminuir o placar aos quatro minutos. Arthur cobrou falta e contou com a ajuda da barreira para mandar para a rede, sem chance para Julio Cesar.

O revés fez o Fluminense acordar na partida. Tanto que os tricolores desperdiçaram duas ótimas chances. Aos 12 minutos, Sornoza recebeu passe de Marlon na área, mas finalizou na rede pelo lado de fora. No minuto seguinte, foi a vez de Robinho acertar a trave de Jandrei.

Após os sustos, os visitantes voltaram a atacar com qualidade e quase empataram aos 20 minutos. Canteros chutou de fora da área e viu Julio Cesar defender, mas dar rebote. Arthur ficou com a sobra e mandou em cima do goleiro tricolor. Só que Wellington Paulista ainda pegou o segundo rebote e finalizou em cima de Gilberto.

A Chapecoense voltou a assustar aos 26 minutos. Após cruzamento na área, a bola chegou empenado Pereira, mas o atacante não conseguiu empurrar para o gol e deu no pé de Renato Chaves, que tirou o perigo.

Na parte final, o Fluminense recuou e possibilitou a Chapecoense pressionar em busca do empate. No entanto, os tricolores aproveitaram os espaços dados pelos catarinenses para decretarem a vitória aos 41 minutos. Pedro recebeu passe na área, levou a melhor sobre a marcação e finalizou para a rede para dar números finais no Maracanã.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 3 X 1 CHAPECOENSE

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 26 de maio de 2018 (Sábado)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Rafael Traci (Paraná)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Rafael Trombeta (PR)
Renda: R$ 395.375,00
Público: 13.165 pagantes
Cartões amarelos: Marlon (Fluminense); Bruno Pacheco (Chapecoense)

GOLS
FLUMINENSE: Pedro, aos 21min do primeiro tempo e 41min do segundo tempo; Marcos Júnior, aos 25min do primeiro tempo
CHAPECOENSE: Arthur, aos 4min do segundo tempo

FLUMINENSE: Júlio César, Gum (Nathan), Renato Chaves e Luan Peres; Gilberto, Richard, Jadson, Junior Sornoza e Marlon; Marcos Júnior (Robinho) e Pedro (Airton)
Técnico: Abel Braga

CHAPECOENSE: Jandrei, Apodi, Rafael Thyere, Douglas e Bruno Pacheco; Amaral (Leandro Pereira), Márcio Araújo (Nadson), Elicarlos e Héctor Canteros; Arthur e Wellington Paulista (Bruno Silva)
Técnico: Gilson Kleina

 

 

Gazeta Esportiva

O Palmeiras, assim como fez contra o América-MG no meio de semana, decepcionou a sua torcida durante a noite deste sábado. Jogando diante de quase 26 mil espectadores no Allianz Parque, o time alviverde foi derrotado pelo Sport por 3 a 2, de virada, em duelo válido pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do Verdão foram anotados por Keno e Hyoran, enquanto Anselmo (2) e o ex-palmeirense Rafael Marques marcaram pela equipe pernambucana.

Com o resultado, além de frustrar a sua torcida, a equipe dirigida por Roger Machado desperdiçou a oportunidade de se posicionar entre os líderes da competição ao cair para o quinto lugar, com 11 pontos, seguida de perto pelo Sport, que saltou da 12ª para a sexta colocação, também com 11 pontos.

Na próxima rodada, Palmeiras e Sport enfrentarão duas equipes de Minas Gerais. Na quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), o Verdão buscará se reabilitar diante do Cruzeiro, no Mineirão. No mesmo dia, mas a partir das 19h30, o Leão tentará se manter em ascensão contra o Atlético-MG na Ilha do Retiro.

O Jogo – Com Willian poupado e sem centroavante, o Palmeiras começou jogando em um 4-2-4, com Dudu e Keno abertos pelas pontas e Lucas Lima e Guerra centralizados. A primeira finalização, contudo, saiu dos pés do volante Bruno Henrique, que mandou por cima do gol após arriscar de fora da área.

Aos 18 minutos, após bom passe de Guerra, Dudu ganhou do zagueiro na dividida e finalizou da entrada da área. O chute, contudo, saiu fraco, pela linha de fundo. O Sport respondeu em seguida. Em cobrança de falta ensaiada, Marlone rolou para Cláudio Winck, que pegou mal na bola e a isolou por cima.

A primeira chegada de real perigo do Verdão ocorreu aos 25 minutos. Após Marcos Rocha cobrar falta pela direita, Antônio Carlos subiu e testou firme. Mas Magrão, bem colocado, fez grande defesa, evitando o primeiro gol alviverde. Com dificuldade para entrar na área adversária, Dudu e Keno inverteram de lados.

E a medida deu certo. Aos 32 minutos, o Palmeiras abriu o placar graças à boa trama do ataque pela esquerda. Depois de tabelar com Dudu, Diogo Barbosa cruzou rasteiro na pequena área. Keno, vindo de trás, bateu no contrapé de Magrão, levando a equipe mandante para o intervalo em vantagem.

O segundo tempo começou da pior maneira possível para o Palmeiras. Aos quatro minutos, Dudu recebeu livre na esquerda e bateu cruzado em vez de tocar para quem estava desmarcado. A defesa rubro-negra afastou e, em seguida, o Sport empatou. Após escanteio cobrado pela direita, Anselmo cabeceou no travessão. No rebote, o próprio volante chutou para deixar tudo igual no Allianz.

Diante da queda de produção de seus comandados, Roger Machado fez duas alterações simultâneas: entraram Papagaio e Hyoran nos lugares dos apagados Guerra e Lucas Lima. Em sua primeira ação na partida, um chute de fora da área, Hyoran assustou Magrão, que viu a bola passar rente à trave.

No entanto, foi o Sport quem assumiu a liderança no placar. Aos 27 minutos, após tabelar com Marlone e ganhar de Keno na dividida, Anselmo invadiu a área e chutou cruzado no canto esquerdo, sem chances para Jailson.

Apesar da impaciência da torcida, Hyoran não sentiu o peso do clima e marcou um golaço para empatar o duelo. Aos 36 minutos, o jovem meia-atacante recebeu na intermediária e bateu colocado. Magrão chegou a tocar na bola, mas ela entrou no ângulo.  A noite, porém, não era do time da casa.

Pouco depois, aos 41 minutos, o ex-palmeirense Rafael Marques, terceiro maior artilheiro da arena, com 13 gols, subiu mais alto que a defesa alviverde após cobrança de escanteio e testou para o gol. Aos 49, Dudu sofreu falta de Raul Prata dentro da área. Na cobrança do pênalti, Keno bateu nas mãos de Magrão, que garantiu a vitória pernambucana em pleno Allianz Parque.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 X 3 SPORT

Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Data: 26 de maio de 2018, sábado
Horário: 19h (de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva – Fifa (PA)
Assistentes: Helcio Araujo Neves (PA) e Heronildo S Freitas da Silva (PA)
Público: 25. 947 torcedores
Renda: 
R$ 1.506. 726,18
Cartão Amarelo:  
Felipe Melo, Diogo Barbosa e Marcos Rocha (Palmeiras); Anselmo e Ernando (Sport)
Cartão Vermelho: 
Raul Prata (Sport)
Gol:
PALMEIRAS: Keno, aos 32 minutos do primeiro tempo, e Hyoran, aos 36 minutos do segundo tempo
SPORT: Anselmo, aos cinco, e aos minutos do segundo tempo; Rafael Marques, aos 41 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Jailson; Marcos Rocha, Edu Dracena, Antônio Carlos e Diogo Barbosa; Felipe Melo (Deyverson), Bruno Henrique, Guerra (Papagaio) e Lucas Lima (Hyoran); Dudu e Keno
Técnico: Roger Machado

SPORT: Magrão; Cláudio Winck (Raul Prata), Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Anselmo, Neto Moura (Rogério), Fellipe Bastos, Gabriel (Carlos Henrique) e Marlone; Rafael Marques
Técnico: Claudinei Oliveira

 

Gazeta Esportiva

 

Mogi forçou o jogo 4 com a vitória (Foto: LBF/Divulgação)

Basquete

Nesta quinta-feira, no segundo jogo da final do Novo Basquete Brasil. o Mogi devolveu a derrota que sofreu em casa em casa . A equipe de Guerrinha superou o Paulistano por 84 a 70, no Ginásio Wlamir Marques, e deixou a série empatada em 1 a 1.

Os principais pontuadores das Jaguatiricas foram Jimy e Tyrone com 18 pontos cada. Além disso, o americano fez seis assistências e pegou seis rebotes. Larry Taylor fez 12 pontos e pegou nove rebotes. Pelo Tigre, Hubner teve 18 pontos e dez rebotes. Deryk anotou 12 pontos.

Depois de um início de partida com poucos pontos, o Mogi começou a acertar as cestas na segunda metade do primeiro quarto e conseguiu criar uma vantagem de 11 pontos nos primeiros dez minutos (21 a 10). O segundo período foi mais equilibrado, os dois times alternaram cestas e o jogo foi para o intervalo em 38 a 27 depois do empate em 17 a 17 no quarto.

Os dois times protagonizaram um terceiro quarto muito intenso na volta para a segunda metade do jogo e o time visitante conseguiu ampliar um pouco a sua vantagem ao ganhar os dez minutos por 34 a 28. Apesar do Paulistano ter vencido o último período, o jogo terminou em 84 a 70 para o Mogi.

As duas equipes voltam a se enfrentar no sábado, às 12h35 (de Brasília), no Ginásio Wlamir Marques.

Esta será a segunda participação do Flamengo na pré-temporada da NBA (Foto: Divulgação/Flamengo)Em preparação para a próxima temporada do NBB, que tem início em outubro, o Flamengo viajará até os Estados Unidos para enfrentar o Orlando Magic no dia 5 do mesmo mês, em partida também válida pela pré-temporada 2018/19 da liga norte-americana. O confronto foi anunciado nesta segunda-feira pela NBA.

Este será o terceiro embate entre o rubro-negro e a franquia da Flórida. No primeiro deles, em 15 de outubro de 2014, os cariocas foram até a casa rival para ver o placar em 106 a 88 para os adversários. Na ocasião, eles também jogaram contra o Memphis Grizzlies (112 a 72) e contra o Phoenix Suns (100 a 880). Esta foi a primeira participação da equipe brasileira na pré-temporada da Liga.

No ano seguinte, foi a vez do time norte-americano visitar o Rio de Janeiro para o embate, que também terminou com placar favorável os gringos, donos de 90 pontos contra 73 dos brasileiros.

Na temporada 2017/18, o Orlando Magic não mostrou seu melhor basquete e amargou um penúltimo lugar na Conferência Leste – somando 25 vitórias e 57 derrotas. O Flamengo, por sua vez, caiu apenas na semifinal do NBB, quando perdeu para o Mogi das Cruzes.

James Harden foi o cestinha do jogo da casa dos Warriors (Foto: Noah Graham/AFP)

Basquete

Os astros do Golden State Warriors falharam no momento decisivo e a torcida mandante teve de assistir o Houston Rockets virar e vencer, sob o destaque do “barbudo” James Harden, o quarto duelo da série final da Conferência Oeste da NBA, liga norte-americana de basquete. Em um confronto maluco, de altos e baixos das duas equipes, os Rockets conseguiram sobressair nos últimos lances para triunfarem por 95 a 92. Agora, está tudo igual novamente. Empatada em 2 a 2, a série segue na quinta-feira, às 22h (de Brasília), mas dessa vez em Houston.

James Harden terminou como cestinha do jogo, com 28 pontos, três a mais que Stephen Curry. Green pegou 12 rebotes para os donos da casa, um a mais que Capela, para os Rockets. Nas assistências, Green, com oito, também liderou a estatística. Harden distribuiu quatro para o seu time.

James Harden foi o cestinha do jogo da casa dos Warriors (Foto: Noah Graham/AFP)

No primeiro quarto, o Golden State dominou todas as ações do jogo e praticamente não deixou o adversário jogar. A equipe conseguiu fazer 12 pontos no inicio do jogo, antes do Rockets pontuar pela primeira vez. Este período terminou com a equipe da casa na frente: 28 a 19.

Apesar de começar o segundo quaro muito bem, a equipe do Warriors caiu muito de produção e sofreram a virada. Com James Harden e Chris Paul inspirados, os visitantes conseguiram reverter o placar e chegaram a abrir 10 pontos de vantagem. Os Rockets terminaram com sete pontos de vantagem: 53 a 46.

A instabilidade era a marca dos dois times na partida. Ninguém conseguia se manter e a prova disso foi um terceiro quarto totalmente diferente, de novo com o Golden State avassalador e com os Rockets apáticos. Conclusão, vitória parcial de 34 a 17 para os donos da casa.

Dessa forma, o último quarto do jogo chegou para definir tudo. Era a hora da verdade e ninguém conseguia abrir uma vantagem confortável. Restando pouco mais de cinco minutos para o fim, o placar marcava o empate em 85 a 85. E justamente no momento defensivo o Golden State viu seus astros, falharem.

Jordan Bell errou lance livre, Stephen Curry não acertou da linha dos três pontos e Kevin Durant também não colocou a bola na cesta de longe. James Harden, por outro lado, de bandeja, fez os Rockets líderes de novo.

A pressão e o drama foram até o final, ponto a ponto, mas os visitantes conseguiram controlar a vantagem mínima e levaram o jogo por 95 a 92, com 25 a 12 no último período.

Roger Federer é o atual campeão de Wimbledon (Foto: John Thys/AFP)

Tênis

A lista de participantes de Wimbledon foi divulgada nesta quarta-feira e os dois principais nomes entre os inscritos são o atual campeão Roger Federer, súíço vice-líder do ranking da ATP, e o espanhol Rafael Nadal, que é o número 1 do mundo.

Enquanto Bia Haddad representará o Brasil na chave principal de simples feminino, nenhum tenista brasileiro entre na chave principal do masculino. Thiago Monteiro, Rogério Dutra Silva e Guilherme Clezar terão que enfrentar o quali para buscar uma vaga na competição britânica. Thomaz Bellucci, que é o número 269 do mundo, corre risco de não entrar no classificatório de forma direta.

Andy Murray, que venceu a competição na grama sagrada em 2013, apareceu na lista. Ele não jogava Wimbledon desde 2017 e deve voltar ao circuito na temporada de grama. Todos os campeões desde 2003 estão inscritos, incluindo o sérvio Novak Djokovic.

O último tenista a entrar de forma direta foi o britânico Cameron Noire, que é o 102º do ranking da ATP. O japonês Yoshihito Nishioka e o taiwanês Yen-Hsun Lu garantiram sua presença utilizando o ranking protegido.

Bia Haddad perderá posições no ranking mundial (Foto: Divulgação/ AGIF)

Tênis

A tenista Bia Haddad abriu mão de participar de um dos principais torneios da modalidade no saibro francês. Depois de sentir lesão nas costas, a brasileira não atuará em Roland Garros e veio para São Paulo, onde na tarde desta terça-feira, espera pela avaliação médica. A informação foi confirmada pela Gazeta Esportiva com a assessoria da atleta.

Essa não é a primeira vez que as dores nas costas tiram a jogadora de uma disputa. Na última semana, ela deixou de participar na chave qualifying do WTA Premier de Roma. Antes, ainda, também não esteve no WTA de Estrasburgo.

A desistência custará a Bia a saída do top 100. Com 50 pontos a defender por ter chegado a primeira rodada do Grand Slam em 2017, a paulista deve sair da 89ª posição na lista mundial.

Atual número um do Brasil, Haddad perdeu quase toda última temporada devido a lesões. Ainda no primeiro torneio no piso, nos Estados Unidos, a atleta abandonou a estreia com dores no punho esquerdo.

 

Rogerinho estreou com vitória na fase qualificatória de Roland Garros (Foto: Reprodução/Instagram)

Tênis

Rogério Dutra Silva deu o primeiro passo em busca de uma vaga na chave principal de Roland Garros. Na manhã desta terça-feira, o brasileiro entrou em quadra contra Christian Garin (173 do ranking mundial), do Chile, e venceu por 2 sets a 0, com parciais de 7/6(6) e 6/4. Agora, precisa vencer mais duas partidas para se classificar para o Grand Slam de Paris.

Rogerinho saiu atrás no marcador, tendo seu serviço quebrado logo no primeiro game e vendo o chileno abrir 2 games a 0 de vantagem. No entanto, conseguiu se recuperar e, com a colaboração dos erros não forçados do adversário (foram 33 ao longo do jogo, que durou pouco mais de 1h30), levou o primeiro set para o tie-break. Garin voltou a largar na frente, abriu 3 a 0, chegou a 6 a 4, mas perdeu dois set points e permitiu a virada verde e amarela, com quatro pontos consecutivos do brasileiro.

No segundo set, Rogerinho quebrou o serviço logo no começo, errou menos e manteve o ritmo para fechar a parcial em 6 a 4, se garantindo na sequência da fase qualificatória. O próximo adversário será Andrej Martin (164 do ranking), da Sérvia, que superou o norte-americano Kevin King em seu primeiro duelo. Será o terceiro confronto entre os dois, com duas vitórias do sérvio na conta.

Finalizando a segunda semana de compromissos pela Liga das Nações, em Ancara, na Turquia, a Seleção Brasileira feminina de vôlei teve ótimo desempenho nesta quinta-feira e chegou à quinta vitória consecutiva no torneio. O adversário da vez foi a República Dominicana, que, sofrendo com a consistência e a variação de jogadas do time dirigido por Zé Roberto Guimarães, perdeu por 3 sets a 0, com parciais de 25/20, 25/10 e 25/13.

As dominicanas chegaram a equilibrar em alguns momentos, mas não conseguiram frear o volume de jogo das brasileiras, que cometeram pouquíssimos erros e tiveram amplo domínio da partida. Individualmente, o destaque ficou por conta de Adenízia, que teve uma grande atuação no meio de rede e nos bloqueios dos ataques das rivais.

Com o triunfo, o Brasil chega a 15 pontos ganhos na competição e permanece na vice-liderança, com um ponto a menos que os Estados Unidos, que venceram a Bélgica também nesta quinta-feira. A Seleção volta a atuar na próxima terça-feira (29), já em Apeldoorn, na Holanda, onde enfrenta a Coreia do Sul. A República Dominicana, com apenas cinco pontos ganhos, cai para 13ª posição da tabela.

Brasil acumula cinco vitórias e apenas uma derrota na Liga das Nações (Foto: William Lucas/CBV)
O Jogo

As dominicanas começaram bem no jogo e, logo de cara, abriram três pontos de frente. O Brasil não se abalou, empatou, virou e chegou a dois pontos de vantagem. Errando pouco e muito menos que as adversárias, as comandadas de Zé Roberto Guimarães conseguiram uma folga no placar pouco antes da reta final do primeiro set. Mantiveram o ritmo e fecharam a parcial em 25 a 20.

Principal arma ofensiva do Brasil, Tandara foi bem marcada no primeiro período. Porém, a equipe verde e amarela mostrou um repertório de ataque mais extenso que a República Dominicana, que, por sua vez, se mostrou dependente das ações de Martínez e Peña para colocar a bola no chão. Pelo meio de rede, Adenízia começou a se destacar, se tornando a maior pontuadora do Brasil na partida.

O segundo set começou bem equilibrado, com as dominicanas errando menos que no primeiro. No entanto, uma série de bloqueios de Adenízia colocou a Seleção Brasileira com ótima vantagem no marcador. Tandara também passou a aparecer bem e, na parada obrigatória, o placar marcava 16 a 6 para as brasucas. O ritmo seguiu intenso e a parcial foi fechada em 25 a 10.

O Brasil continuou não dando chance à República Dominicana no terceiro set. Com muita segurança e com as adversárias já mostrando certo desânimo, o time verde e amarelo abriu 16 a 7 na parada obrigatória. Mesmo com algumas substituições e a entrada de jogadoras que ainda não tinha atuado na partida, não sofreu riscos e fechou a última parcial em 25 a 13.

Nesta quarta-feira, em Ancara, na Turquia, a Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou sua quarta vitória consecutiva pela Liga das Nações. O triunfo veio em grande estilo, já que as comandadas de Zé Roberto Guimarães não tomaram conhecimento da seleção da Argentina e atropelaram as rivais por 3 sets a 0. O domínio foi completo desde o primeiro ponto do jogo, que foi definido com parciais de 25/9, 25/21 e 25/14.

Com a vitória, as brasileiras chegaram a 12 pontos na classificação geral e ficam na segunda colocação, com a mesma pontuação da vice-líder Sérvia. Os Estados Unidos lideram com 13 pontos ganhos. Elas voltam à quadra nesta quinta-feira, quando enfrentam a República Dominicana a partir das 8h (no horário de Brasília). A Argentina, por sua vez, na lanterna e com pontuação zerada, pega a Turquia às 11h.

Brasil acumula quatro vitórias e apenas uma derrota pela Liga das Nações (Foto: Divulgação/CBV)
O Jogo

Sempre à frente no placar, o Brasil não precisou de muitos esforços para garantir o resultado positivo. Mesmo aumentando a rotação do time, mostrou grande superioridade em relação às argentinas, tanto taticamente, como ofensiva e defensivamente. Ainda contou com diversos erros e lambanças das adversárias, que facilitaram ainda mais a partida.

Após serem massacradas no primeiro set, as celestes equilibraram as ações no segundo. Porém, não foi suficiente para superarem a equipe verde e amarela, que cresceu na reta final e ampliou a contagem. O terceiro set voltou a contar com o controle absoluto das brasucas, que voltaram a colocar uma diferença significativa no marcador.

Os destaques brasileiros ficaram por conta de Bia, com ótima presença de rede e com um bloqueio extremamente eficiente, Amanda e Monique, com boas atuações ofensivas. Tandara, grande trunfo do time nas últimas partidas, foi poupada nesta quarta-feira e ficou apenas no banco.

Brasil chegou a três vitórias e uma derrota na Liga das Nações (Foto: Divulgação/CBV)

Vôlei

Nesta terça-feira, a Seleção Brasileira feminina de vôlei mostrou já ter superado, de fato, a derrota para a Alemanha na estreia da Liga das Nações. Com bom desempenho tático e bom volume de jogo, as comandadas de Zé Roberto Guimarães dominaram a até então invicta seleção da Turquia, venceram por 3 sets a 1 e chegaram à terceira vitória seguida na competição. Em meio ao bom trabalho coletivo, destaque para a atuação da oposta Tandara, que, com 22 pontos, comandou as ações de ataque enquanto esteve em quadra.

Em Ancara, capital da Turquia, o Brasil dominou as donas da casa no primeiro set e venceu com alguma facilidade: 25 a 17. Com ótima atuação defensiva, suportou as investidas turcas no segundo set e, crescendo na reta final, ampliou a contagem, com parcial de 25 a 19. O terceiro set foi o mais disputado e quem levou a melhor foram as turcas, vencendo por 25 a 23. O quarto, e último, set também começou disputado, mas o Brasil voltou a controlar as ações e confirmou o triunfo com 25 a 21 no placar.

Com a vitória, as brasileiras chegaram a nove pontos na classificação geral e encostaram nas seleções que lideram. Nesta quarta, enfrentam a Argentina, novamente em Ancara, em partida com início previsto para as 8h (no horário de Brasília). A Turquia, por sua vez, com oito pontos, mede forças com a República Dominicana, a partir das 11h.

Brasil chegou a três vitórias e uma derrota na Liga das Nações (Foto: Divulgação/CBV)
O Jogo

Fora a desatenção no primeiro ponto, o Brasil começou bem a partida, explorando, sobretudo, os ataques de Adenízia e Tandara, que ajudaram a abrir 10 a 6 de frente no placar e forçaram o técnico adversário a pedir o primeiro tempo do jogo. As turcas tentaram equilibrar as ações, mas tiveram dificuldades para recepcionar saques e pararam no bloqueio verde e amarelo mais de uma vez.

Taticamente, o time comandado por Zé Roberto foi superior em relação às donas da casa durante o primeiro set. Se atrapalhando para devolver as bolas, a Turquia não conseguiu recuperar a desvantagem, que foi aumentando até as brasileiras fecharem em 25 a 17 e abrirem 1 a 0 na contagem. Pela direita, Tandara continuou sendo o pesadelo das anfitriãs.

O segundo set começou mais parelho, mas não demorou muito para que as brasileiras voltassem a envolver as turcas, construindo nova vantagem no marcador. Tandara seguiu implacável. E foi com o saque da camisa 16, somados a mais erros das adversárias, que a seleção disparou na frente, 10 a 4.

Porém, uma série de erros colocou a Turquia de volta no jogo. A seleção da casa aproveitou as brechas e igualou o marcador em 17 a 17. Com a melhora das rivais, Suelen também começou a se destacar. Com defesas importantes, a líbero ajudou o Brasil a se manter na frente, mesmo com o placar apertado. O time cresceu na reta final e fechou o segundo set em 25 a 19.

As turcas voltaram melhores para o terceiro set. Zé Roberto foi obrigado a pedir tempo logo no começo, quando o placar já se encontrava 6 a 2 para as europeias, que ampliaram para 8 a 3 na sequência. No entanto, as brasileiras reagiram e encostaram no placar, trazendo a diferença para um ponto até empatarem em 10 a 10. A virada não tardou a acontecer, 12 a 11.

O equilíbrio tomou conta do confronto e a disputa passou a ser ponto a ponto. A Turquia virou para 19 a 17. Tandara voltou para a quadra e manteve o Brasil no jogo, 21 a 21. As donas da casa, porém, abriram boa vantagem e chegaram ao triplo macth point, com 24 a 21 no placar. As brasileiras não desistiram e diminuíram para 24 a 23. Porém, pecaram na hora de empatar e perderam o terceiro set: 25 a 23.

O quarto set continuou na mesma pegada do terceiro: ponto a ponto. Porém, o time de Zé Roberto Guimarães voltou a dominar as adversárias e conseguiu abrir boa vantagem, que chegou a ser de 18 a 12. As turcas voltaram a encostar no placar, mas não conseguiram empatar, perdendo por 25 a 21 e confirmando a vitória verde e amarela nesta terça-feira, por 3 sets a 1.

 

Gazeta Esportiva

Depois de ter confirmada a luta principal do UFC Liverpool, Darren Till se desculpou por não bater o peso para o confronto contra Stephen Thompson. O inglês, que ficou 1,7kg acima do limite do peso-meio-médio, foi multado em 30% de sua bolsa e terá que pesar 85,3kg neste domingo, às 9h (de Brasília), antes de ir para o ginásio. Na encarada, o lutador, conhecido por ser polêmico, evitou provocações.

- Só quero pedir minhas sinceras desculpas, não tenho dúvida de que ainda posso fazer uma grande luta. Respeito muito meu adversário, mas sou muito inteligente, posso vencer e quero dar este presente para vocês - disse Till.

Dana White teve trabalho na encarada entre Makwan Amirkhani e Jason Knight. Os dois trocaram diversas provocações e tentavam se aproximar um do outro. O americano chegou a mostrar o dedo médio para o rival, que rebateu na mesma moeda.

Após quase quatro anos sem lutar, Claudio Hannibal retorna ao octógono neste domingo. Na encarada com Nordine Taleb, o respeito prevaleceu. Os lutadores se cumprimentaram, mantiveram expressões sérias, mas sem qualquer sinal de animosidade.

O Combate transmite ao vivo e com exclusividade o UFC Liverpool no domingo, a partir de 11h25 (horário de Brasília). Você pode assistir a este evento pelo Combate na TV ou no Combate Play via internet e aplicativo. Acesse assinecombate.globo.com e saiba mais. O Combate.com acompanha o torneio em Tempo Real e exibe as duas primeiras lutas do card preliminar em vídeo ao vivo.

Confira os pesos de todos os atletas:

CARD PRINCIPAL
Peso-meio-médio (até 77,6kg): Darren Till (79,3kg)* x Stephen Thompson (77,6kg)
Peso-meio-médio (até 77,6kg): Neil Magny (77,6kg) x Craig White (77,6kg)
Peso-pena (até 66,2kg): Arnold Allen (66,2kg) x Mads Burnell (66,2kg)
Peso-pena (até 66,2kg): Jason Knight (66,2kg) x Makwan Amirkhani (66,2kg)
Peso-meio-médio (até 77,6kg): Cláudio Hannibal (77,1kg) x Nordine Taleb (77,6kg)
Peso-médio (até 84,4kg): Eric Spicely (84,4kg) x Darren Stewart (84,4kg)
CARD PRELIMINAR
Peso-médio (até 84,4kg): Daniel Kelly (84,4kg) x Tom Breese (84,4kg)
Peso-galo (até 61,7kg): Gina Mazany (61,2kg) x Lina Lansberg (61,2kg)
Peso-meio-médio (até 77,6kg): Brad Scott (77,6kg) x Carlo Pedersoli (77,1kg)
Peso-mosca (até 57,2kg): Molly McCann (57,6kg)* x Gillian Robertson (56,7kg)
Peso-médio (até 84,4kg): Elias Theodorou (84,4kg) x Trevor Smith (84,4kg)

* Lutadores não bateram os limites de peso de suas categorias e foram multados em 30% de suas bolsas, cujos valores foram revertidos para seus adversários

 Todos os lutadores tiveram direito à tolerância de uma libra (0,454kg) em seus pesos, por não haver disputas de cinturão no evento.
 
 
sportv

Carbon survive package counter helping walter tilghman milk juniors. Societies julia president's supplied colored transformed. Maris volunteers substitute secrets veteran fought

Stairs seeds eliminate city's piano peas expense ladies refer reporters. Keeps publications composer via approaching. Wives recommended author tendency cream. Shaking breaking cape

Após as condições incertas desta manhã e da chuva prevista, as condições meteorológicas mantiveram-se estáveis em todos os treinos da Moto2, garantindo duas sessões secas. Isso permitiu com que os representantes da Forward Racing  melhorassem seus tempos pessoais durante os dois treinos do dia.

Eric Granado teve problemas de tráfego na pista, o  que determinou uma colocação mais baixa do que o esperado. Eric Granado parte da 24ª posição do grid, circuito onde não competia há três anos. As melhorias estão evoluindo, considerando a recuperação de mais de dois segundos entre ontem e hoje, em relação ao grupo de ponta. Há ainda uma grande margem de melhoria. A largada será amanhã (21) às 14:20 (hora de Brasília) com as 18 voltas no circuito texano e será transmitida ao vivo pelo Sportv2.

Eric Granado – P24 (2:12 ‘ 278)
“Estou muito feliz com o trabalho feito junto a minha equipe, fizemos bons progressos em relação ao FP3, e também baixei meu tempo em relação ao o pelotão de líderes. As mudanças feitas foram muito úteis. No início, o asfalto estava muito sujo e que me fez perder tempo. Minha primeira sessão não foi tão boa, mas trabalhei com minha equipe nos acertos da moto e quando voltei para pista reduzi meu tempo em 1 segundo e 6 décimo. Fazem três anos que não corro em Austin e eu tive que me acostumar com as trajetórias do circuito. Esta pista é muito técnica, longa e cheia de curvas. Agora só quero me concentrar o melhor possível para amanhã, e vou continuar a estudar o circuito e onde eu ainda posso melhorar.”.

Giovanni Cuzari – CEO Forward Racing
“Com certeza foi um dia desafiador aqui em Austin. O circuito é bem longo e cansativo. Eric melhorou a partir do FP3 e isso é um sinal de que o trabalho está indo no caminho certo. Estamos confiantes e muito concentrados no dia de amanhã que eu tenho certeza que vai dar aos nossos pilotos a possibilidade de recuperar espaço e melhorar cada vez mais.”.

Neste sábado, aconteceu a sessão classificatória que definiu a ordem de largada da abertura da rodada dupla da terceira etapa da atual temporada da Stock Car. Com mais um ótimo desempenho, Cacá Bueno largará na pole e é um dos favoritos para vencer a prova que acontecerá neste domingo. Já Rubens Barrichelo, o “Rubinho”, largará neste domingo na 10° posição na prova que acontecerá neste domingo no circuito Velopark em Nova Santa Rita (RS).

A segunda parte do treino atrasou cerca de 2 horas, devido a chuva que não diminuia e a pista que encontrava-se molhada o tempo todo. Mesmo assim, Barrichello concluiu esta etapa do treino, conseguindo manter a 10ª posição no grid de largada. “O saldo do dia não foi como esperávamos, isso posso dizer. Mas foi satisfatório diante de todos os imprevistos que aconteceram hoje. Fomos para a pista com um acerto, e com toda a chuva o carro muda muito, enfim, vamos pensar nas corridas de amanhã e nas estratégias que iremos escolher”.

Quem também se destacou foi Julio Campo, que largará na 6° colocação. O piloto do estado do Paraná e da Equipe Prati-Donaduzzi vem sendo um dos destaques do fim de semana na pista em que conquistou a pole em 2014 e foi duas vezes em terceiro na etapa de 2015. Por isso, a possibilidade de retornar ao pódio é real.

“Acho que temos tudo para chegar longe. Era um final de semana em que esperávamos partir entre os cinco primeiros, mas infelizmente a chuva atrapalhou bastante porque deixamos o carro acertado para o seco para o Q2, esperando que o tempo melhorasse em algum momento. Com isso, fiz o Q2 com as regulagens totalmente para a pista seca. Mesmo assim, conseguimos ter uma colocação muito boa para amanhã”, afirmou Campo após a sessão classificatória.

A primeira prova deste domingo está marcada para começar às 12h25, seguida da segunda corrida da rodada dupla da etapa gaúcha que tem bandeira verde marcada para às 13h35.

Confira os 10 primeiros do grid de largada:

1. 0 Cacá Bueno (Cimed Racing) – 1:02.888

2. 18 Allam Khodair (Blau Motorsport) – 1:03.386

3. 12 Lucas Foresti (Cimed Racing Team) – 1:03.405

4. 10 Ricardo Zonta (Shell V-Power) – 1:03.998

5. 51 Átila Abreu (Shell V-Power) – 1:04.155

6. 4 Julio Campos (Prati-Donaduzzi Racing) – 1:05.211

7. 110 Felipe Lapenna (Cavaleiro Contuflex) – 1:05.259

8. 5 Denis Navarro (Cavaleiro Sports) – 1:05.366

9. 55 Sergio Jimenez (Squadra G Force) – 1:05.563

10. 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) – 1:05.578

A Red Bull vem tendo bom desempenho na temporada da Fórmula 1, conseguindo uma vitória na última corrida, com Daniel Ricciardo e em terceiro no ranking de construtoras após três etapas. Mas para o próximo GP, disputado no Arzeibajão, dia 29, o motor Renault do carro preocupa Max Verstappen. Segundo o piloto, o déficit de potência nessa pista pode prejudicar a equipe.

“É um bom circuito, embora não seja ideal para o nosso carro. A reta é muito longa, o que significa que perderemos algum tempo valioso lá”, disse o alemão, que teme que as concorrentes Ferrari e Mercedes levem vantagem no GP.

“No ano passado, acho que conseguimos contornar nossos problemas muito bem e, portanto, fomos competitivos no dia da corrida. Mas ano passado foi um fim de semana muito infeliz para mim”, seguiu Verstappen, que teve que abandonar a corrida em 2017, estando na quarta colocação.

“Foi uma pena, porque o carro estava muito bom, mas encontrei muitos problemas que acabaram significando que perdi um pódio em potencial, talvez até uma vitória. Espero que neste ano eu possa compensar essa oportunidade perdida.”

Advertisement