Dourados-MS,
Anuncie_aqui

O São Paulo enfrentou o Bahia pela quarta vez na temporada e mais uma vez não conseguiu balançar as redes do adversário. Nesta quarta-feira, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, o time paulista ficou no 0 a 0 com o rival, na Arena Fonte Nova, em Salvador, e mostrou que o técnico Fernando Diniz terá de trabalhar muito para fazer o ataque da equipe funcionar.

Para piorar, o treinador perdeu ainda no primeiro tempo o centroavante Pablo, que conviveu com lesões na temporada e se machucou novamente, desta vez no músculo adutor da coxa direita. Sem sua referência na frente e com Pato ainda sem ritmo de jogo por estar retornando após longa ausência no time, a missão do São Paulo se tornou mais complicada.

No primeiro turno, a partida entre os dois times terminou com um empate sem gols pelo Brasileirão. Os dois clubes também se enfrentaram pela Copa do Brasil, na fase de oitavas de final, e o Bahia venceu ambas as partidas por 1 a 0, eliminando os paulistas da competição e chegando a três partidas sem ser vazado no confronto.

Diniz até projetou sua equipe para ser ofensiva. Deixou Pablo na frente e colocou três atletas para fazerem a função de meias: Tchê Tchê pela direita, Hernanes mais centralizado e Pato pela esquerda. Ainda no meio, como volantes, ele colocou Luan, que ficou mais recuado, e Liziero, que conseguia ir um pouco mais para frente.

Mas a marcação do Bahia era impiedosa e quase não dava espaços. A do São Paulo também funcionava bem. Até por isso, os goleiros pouco trabalharam no primeiro tempo. A melhor chance do time do Morumbi foi em um cruzamento de Reinaldo da esquerda que Pablo não conseguiu alcançar. Aos 38, o atacante se machucou e deixou o campo.

Na etapa final, o Bahia voltou um pouco pior e o São Paulo tentou aproveitar. Logo aos 7 minutos, Pato recebeu em boas condições e chutou forte, cruzado, mas o goleiro Douglas espalmou. A resposta do Bahia veio com Arthur Caíke, numa cabeçada que Tiago Volpi defendeu. No final do duelo os donos da casa até melhoraram, mas o confronto terminou empatado sem gols

O resultado deixou o São Paulo com 40 pontos, na cola do G4 da tabela. O time baiano soma 38 e segue tentando se aproximar dos seis primeiros colocados, que garantem vaga na próxima Copa Libertadores.

FICHA TÉCNICA:

BAHIA 0 x 0 SÃO PAULO

BAHIA – Douglas; Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho e Moisés (Giovanni); Flávio, Gregore e Ronaldo (Rogério); Artur, Fernandão e Élber (Arthur Caíke). Técnico: Roger Machado.

SÃO PAULO – Tiago Volpi; Juanfran (Igor Vinícius), Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo; Luan, Liziero (Vitor Bueno), Tchê Tchê, Hernanes e Pato; Pablo (Igor Gomes). Técnico: Fernando Diniz.

ÁRBITRO – Braulio da Silva Machado (SC).

CARTÕES AMARELOS – Lucas Fonseca, Artur e Tchê Tchê.

RENDA – R$ 619.845,00.

PÚBLICO – 31.726 pagantes.

LOCAL – Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

O Grêmio venceu o Ceará por 2 a 1, na noite desta quarta-feira (09), no Estádio Centenário, em Caxias do Sul, e colou no G-6 do Campeonato Brasileiro de futebol.

O primeiro gol da partida saiu dos pés de Pedro Geromel aos 34 minutos de jogo, depois que David Braz cobrou escanteio para o jogador subir e abriu o placar com gol de cabeça. Logo em seguida aos 41 minutos foi a vez de Maicon em cobrança de pênalti.

Mas logo em seguida Fabinho do Ceará, cabeceou no canto esquerdo de Paulo Victor, diminuindo a desvantagem para o time. Com o resultado, o Grêmio chegou a 38 pontos, mesmo número do rival Inter, mas em sexto lugar na tabela. Já o Ceará ficou com 23 pontos em 17ª colocação.

O técnico Tite levou, além de Cleber Xavier, mais antigo auxiliar da comissão técnica, Cesar Sampaio, o pontual e candidato a permanecer como membro fixo, para a primeira entrevista coletiva em Singapura. Na quinta-feira, às 20h locais - 9h de Brasília -, o Brasil enfrenta Senegal no primeiro de dois amistosos no país asiático.

Além de confirmar a equipe com Ederson, Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva, Alex Sandro; Casemiro, Arthur; Coutinho, Gabriel Jesus, Neymar e Firmino, ele comentou o jogo 100 de Neymar pela Seleção e a relação com o craque. O técnico reagiu às críticas sobre o tratamento dado ao camisa 10 dentro da Seleção. E disse, sem ser explícito, que trata diretamente com o craque o que acha certo ou errado.

Brasil e Senegal se enfrentam no estádio Nacional de Singapura, às 20h de quinta-feira pelo horário local - 9h de Brasília. É o primeiro amistoso dos dois desta data Fifa de outubro - no próximo domingo, no mesmo horário e local, a adversária será a seleção da Nigéria. O time brasileiro faz mais um treino antes da partida, às 17h30 local, nesta quarta - 6h30 horário de Brasília.


Tite lembrou até que sentiu pré-julgamento no episódio da acusação de estupro contra Neymar - o inquérito da Polícia de São Paulo terminou sem indiciar o jogador - e que, na ocasião, dizia que o tempo mostraria a verdade.

- As informações que vocês têm não são a realidade que nos temos. Não vou falar publicamente algumas coisas, não tenho esse direito. Temos relação de dizer o que é certo, o que é errado. Respeito quem fala, mas não tem a devida avaliação. Vou fazer o quê? A minha verdade e a minha consciência são maiores. Tenho muita paz comigo mesmo. Não pago preço para ficar bajulando jogador nenhum.

Quando confidenciou que tratou com Gabriel Jesus da expulsão na final da Copa América, Tite fez referência ao caso Neymar:

- Não passamos a mão na cabeça de ninguém. Ninguém se engana. Isso não faço. Faço o que tenho que fazer com Neymar, com Marquinhos, com Gabriel Jesus... não tenho isso.

Tite ainda falou de novo sistema de jogo da Seleção, abriu a palavra para Cesar Sampaio e Cleber Xavier comentarem sobre o time de Senegal e abordou outros temas.

Escalação e Everton no banco

A fase que nos encontramos é de oportunidades. Em termos táticos estamos agora num 4-4-2, com Firmino e Neymar na frente, Gabriel, um atacante de lado e um meia-atacante do outro, que é Coutinho, além de dois meio-campistas centrais. É o modelo de jogo que busca para dar dinâmica, como foi no segundo tempo contra a Colômbia (amistoso de setembro). Foi nosso melhor momento nos últimos jogos. Quero reproduzir essa forma de jogo. E sim, fico chateado por tirar o Everton, mas mostra que tenho outros jogadores prontos para ir bem se precisar.

Novo modelo tático

Não posso ficar enraizado numa ideia. Houve algumas etapas importantes. Nas eliminatórias tínhamos 4-3-3 com Coutinho flutuando, com um no meio e dois agudos. Tinha o Neymar do Barcelona e o Gabriel Jesus como central. Depois Renato machucou na Copa, entrei com Willian, mas ele fazendo mais a banda, jogador de lado, um agudo. Eventualmente fazia flutuação, mas ficava mais um 4-3-3. Nesse meio tempo Neymar ficou mais central, jogando com Cavani e Mbappé na frente. Na Copa América, trouxemos dois jogadores de lado e Coutinho jogando como no Bayern, com Firmino vindo rodar fora, mas Coutinho atrás do Firmino. Agora Neymar fica no centro, numa fase defensiva não vai para o lado demais para que seja sempre o penúltimo ou último adianado. Com Coutinho sendo antepenúltimo. Neymar fica mais próximo do gol, mais centralizado. A transição defensiva o Coutinho vai fazer mais.

Cleber, Tite e Cesar na coletiva: treinador criticou novamente empresa organizadora de jogos — Foto: Pedro Martins / MowaPressCleber, Tite e Cesar na coletiva: treinador criticou novamente empresa organizadora de jogos — Foto: Pedro Martins / MowaPress
Cleber, Tite e Cesar na coletiva: treinador criticou novamente empresa organizadora de jogos — Foto: Pedro Martins / MowaPress

Estrutura em Singapura

O que mais me deixou chateado foi a falta de respeito da Pitch (organizadora) com a seleção brasileira e a de Senegal por não treinarmos no campo de jogo. Isso me deixou descontente. Atletas de alto nível merecem respeito maior e dar oportunidade de treinar no campo de jogo. O campo que treinamos dá condições, a infra (Tite interrompe a fala...), mas basicamente queremos campo. Não é o ideal, mas nos atende.

Oportunidades a novatos

Futebol é o que se vê e o que se sente. Às vezes tem fora do jogo, o convívio, o treino, mesmo que seja período mais enxuto dessa vez. Mas é a realidade minha e das outras seleções também. Pode entrar um pouco, às vezes dois jogos, ter grau de competitividade. O Everton, por exemplo, iniciou a Copa América como reserva, oscilando, ora jogando ele ora o David Neres.

Posicionamento de Coutinho

Coutinho já jogou nessa função, num 4-4-2, com Neymar e Firmino, que pode ser Neymar e Gabriel Barbosa também ou Everton. Tenho possibilidades dos dois centrais. Na linha de 4 ele fica como externo. Com liberdade com a bola dele fazer movimentos ofensivos, tanto para fora quanto para dentro. De buscar entendimento com Neymar. Na Alemanha ele está jogando atrás de Lewandoski, tem versatilidade de jogar nessas funções. A engrenagem vai ser montada dessa forma.

Por que Neymar não entra mais na lista dos melhores do mundo?

Neymar é top 3 em condições normais, sem lesão, com treinamentos, regularidade em campo, participação normal. A maturidade, o fim das lesões, seguir com saúde, a retomada daquele nível, ele vai estar de novo entre os melhores.

Caso Neymar antes da Copa América

Não pago preço para ficar bajulando jogador nenhum. Isso é a minha educação, não como técnico. Como ser humano. Falei à época da Copa América que a verdade vem à tona, com o tempo. O tempo pode proporcionar (avaliações). Recebi 30 perguntas sobre o que aconteceu com ele, disse para terem calma antes de julgar. Tive que responder com pré-julgamento a respeito dele. Foi horrível de tratar. Deixo o tempo, não julgo ninguém. Mas me incomoda sim (essas críticas), principalmente fazerem julgamento sem informações, sem saber a conduta.

A chegada no Recife não poderia ter sido melhor. Nem o tardar das horas afastou a torcida do Náutico de receber os jogadores campeões brasileiros da Série C 2019, no final da noite desta segunda-feira. De crianças a idosos, para curtir a festa não teve idade certa. Munidos de faixas, bandeiras, batuques e o bom e velho poder da voz, os torcedores alvirrubros aguardavam ansiosamente a chegada do “time de guerreiros”.

Faltando mais de uma hora para a chegada do elenco, o aeroporto já começou a ser dominado por apenas por duas cores: vermelho e branco. Entre gritos de “é campeão”, o tradicional “N-A-U-T-I-C-O”, e a provocação aos adversários, os minutos passaram rápido às centenas de torcedores que esperavam o time. Como uma boa festa no Recife, não poderia deixar de ter uma orquestra que tocasse as músicas do time em ritmo de frevo. A espera, que inicialmente parecia longa, foi pouca para tanta alegria.

Faltando cerca de 15 minutos para a chegada da delegação, um convidado ilustre chegou à festa: o Timbu Invocado. Aparentemente só faltava ele, pouco tempo depois, a hora tão esperada hora chegou e os campeões aterrissaram no Recife.

O primeiro a aparecer foi o comandante, o técnico Gilmar Dal Pozzo. Logo depois os atletas começaram a surgir, causando euforia aos torcedores, que invadiram a área de desembarque do aeroporto. Os atletas começaram a ir ao encontro dos torcedores, que tiravam fotos, parabenizavam e confraternizavam com os torcedores.

"A felicidade é muito grande. Uma sensação indescritível. Estou muito feliz. Agora vou aproveitar com minha família - afirmou o goleiro Jefferson."
Outro que caiu nos braços da galera foi o lateral-direito Hereda. Cria da base do Timbu, o jovem parecia extasiado com a presença de tantos alvirrubros para recebê-los.

- É uma sensação inexplicável. Passei por um ano muito difícil no ano passado. E agora vivendo isso. Estou feliz demais.

Do aeroporto, os jogadores seguiram aos Aflitos divididos em um trio elétrico e um carro do Corpo de Bombeiros. A torcida seguiu os comboios numa carreata que entrou madrugada a dentro. A festa seguiu para a sede do clube, celebrando o primeiro título nacional da história do Náutico.

O Santos saiu de campo ostentando um placar de 2 a 0 sobre o Palmeiras, na noite desta quarta-feira (09) na Vila Belmiro. O bom resultado também levou o time a vice-liderança do Campeonato Brasileiro de futebol.

O primeiro gol saiu ainda aos 12 minutos do primeiro tempo. Carlos Sánchez cobrou falta do lado direito da arena, direto para Gustavo Henrique que cabeceou para o fundo da rede. Logo em seguida aos 17 minutos foi a vez de Marinho ampliar o placar para o peixe.

Com o resultado o Santos chegou aos 47 pontos, mesmo número do Palmeiras, mas com vantagem no número de vitórias (14 a 13). Os times ocupam 2º e 3º lugar na tabela do Brasileirão, respectivamente.

A 24ª rodada do Campeonato Brasileiro começa nesta quarta-feira (8) com sete partidas, destaque para o clássico paulista entre Santos x Palmeiras, na Vila Belmiro, a partir das 20h30 (de MS). 

Os dois times estão no topo da tabela e brigam para se aproximar do líder Flamengo, que tem 52 pontos. O Verdão, visitante da noite, tem 47, enquanto o Peixe é o 3º colocado, com 44 pontos.

Além de mirar a vice-liderança, o time alvinegro também defende a posição, que pode ser tomada pelo Corinthians neste meio de semana em caso de derrota no clássico e vitória do rival da capital amanhã.

O Peixe, do técnico Jorge Sampaoli, não poderá contar com Soteldo, Derlis González, Felipe Jonatan, Kaio Jorge, Cueva e Evandro. Uma provável escalação é a seguinte: Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo Gustavo Henrique e Jorge (ou Luan Peres); Diego Pituca, Alison (ou Jorge) e Carlos Sánchez; Marinho, Eduardo Sasha e Tailson.

Do outro lado, o Palmeiras defende a 2ª posição e tenta não deixar o Flamengo abrir maior distância na frente do campeonato. Mano Menezes precisará substituir Deyverson, Weverton e Gustavo Gómez. A provável formação tem Fernando Prass (Jailson); Marcos Rocha, Luan, Vitor Hugo e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Gustavo Scarpa); Dudu, Willian e Luiz Adriano.

A rodada começará às 18h15 com Botafogo x Goiás, no Rio de Janeiro, e CSA x Internacional, em Maceió. Às 19h30, tem Fortaleza x Chapecoense, na capital cearense. Às 20h, o Grêmio recebe o Ceará, em Caxias do Sul (RS), e o São Paulo enfrenta o Bahia, em Salvador. Às 20h30, Cruzeiro e Fluminense fazem duelo direto contra o rebaixamento.

Confira abaixo a classificação do Brasileiro depois de 23 rodadas

1º Flamengo – 52 pontos
2º Palmeiras – 47
3º Santos – 44
4º Corinthians – 42
5º São Paulo – 39
6º Internacional – 38
7º Bahia – 37
8º Grêmio – 35
9º Athletico Paranaense – 34
10º Goiás – 33
11º Atlético Mineiro – 31
12º Botafogo – 27
13º Vasco – 27
14º Fortaleza – 25
15º Fluminense – 25
16º Ceará – 23
17º CSA – 22
18º Cruzeiro – 20
19º Avaí – 16
20º Chapecoense – 15

CSA mostrou melhor desempenho dentro de campo e venceu o Avaí por 3 a 1, na noite deste domingo (6), pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro de Futebol. O jogo aconteceu no estádio Rei Pelé, em Alagoas. . Ricardo Bueno, Jonatan Gómez e Apodi foram os nomes que garantiram a vitória que permite o CSA respirar na competição.

Lutando contra a segunda divisão, o CSA abriu o placar aos 13 minutos da partida, com Ricardo Bueno. Apesar de boas oportunidades, a primeira etapa do jogo terminou 1 a 0.

Foi aos dois minutos do segundo tempo que Jonathan deixou igual e trouxe esperança para os torcedores do Avaí. Mas, aos vinte e cinco minutos, Jonatan Gomez voltou a deixar o CSA à frente.

Perto do fim do jogo, foi a vez de Apodi marcar e ampliar o placar. A rede balançou aos 49 minutos. Com o resultado, a equipe vencedora soma mais três pontos, chegando aos 22. O Avaí segue com 16 pontos, ocupando a vice-lanterna do campeonato.

Mais Artigos...