Dourados-MS,
CMD-DROGAS

O Fluminense mostrou força nesta quarta-feira e venceu por 1 a 0 o Nacional-URU, em Montevidéu. Com o resultado, os tricolores conquistaram a classificação para a semifinal da Copa Sul-Americana para enfrentar o Atlético-PR, que eliminou o Bahia nos pênaltis.

Os cariocas tiveram boa atuação desde os primeiros minutos, mas só conseguiram, chegar ao gol no início do segundo tempo. Luciano aproveitou passe de Sornoza para marcar e dar a classificação para o Fluminense dentro do Parque Central.

O jogo – O Fluminense não ficou recuado nos primeiros minutos e buscou o ataque no início da partida. Os tricolores chegaram a assustar em bolas levantadas na área, mas nenhuma finalização foi em direção ao gol. O Nacional também não ficou atrás pela vantagem, só que parava na defesa brasileira.

 

Os cariocas eram melhores em campo e chegaram a balançar as redes aos 15 minutos, com Digão. No entanto, o gol foi anulado pela arbitragem, que marcou falta de Gum no lance. O susto foi sentido pelos uruguaios, que só avançavam com segurança.

O Nacional só voltou a levar perigo aos 33 minutos, quando Fucile cruzou, mas Gum se antecipou aos atacantes para impedir a abertura do placar. O Fluminense respondeu em dois lances. Primeiro, Everaldo cruzou rasteiro, mas Luciano escorregou e permitiu a recuperação da zaga. Depois, Ayrton Lucas foi lançado na área, chutou cruzado, só que viu a zaga salvar os donos da casa.

Nos minutos finais, o Fluminense esboçou uma pressão e quase marcou aos 46 minutos. Luciano aproveitou cruzamento pela direita e cabeceou no meio do gol. Conde estava atento para fazer a defesa e deixar o placar em branco no intervalo.

No segundo tempo, os cariocas voltaram com mais vontade e abriram o placar aos três minutos. O goleiro Conde saiu mal a bola e deu nos pés de Sornoza. O meia tocou para Luciano na área, que tirou do marcador e chutou para a rede.

O revés foi sentido pelo Nacional, que viu o Fluminense crescer na partida. Tanto que aos oito minutos, os tricolores quase chegaram ao segundo. Ibañez aproveitou escanteio, mas cabeceou pela linha de fundo.

Aos poucos, os uruguaios conseguiram equilibrar o confronto. No entanto, o Nacional pouco incomodava o goleiro Julio Cesar. O Fluminense avançava com qualidade, mas a zaga adversária parava as jogadas com falta.

Nos minutos finais, os donos da casa tentaram impor uma pressão, só que pararam na boa atuação da zaga tricolor. O Fluminense soube administrar e ainda desperdiçou chance cara com Matheus Alessandro já nos acréscimos. Para melhorar a situação dos visitantes, Espino foi expulso após fazer falta violenta em Sornoza. Assim, os cariocas puderam comemorar a classificação após o apito final.

FICHA TÉCNICA
NACIONAL-URU 0 x 1 FLUMINENSE-BRA

Local: Estádio Parque Central, em Montevidéu (Uruguai)
Data: 31 de outubro de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Roberto Tobar (Chile)
Assistentes: Christian Schiemann (Chile) e Claudio Rios (Chile)

Cartões amarelos: De Pena, Fernández, Castro e Rolín (Nacional); Digão e Gum (Fluminense)
Cartões vermelhos: Espino (Nacional)
GOL
FLUMINENSE: Luciano, aos 3min do segundo tempo

NACIONAL: Esteban Conde, Jorge Fucile (Tabaré Viudes), Rafael García, Alexis Rolín e Luis Espiño; Matías Zunino, Santiago Romero, Christian Oliva (Luis Aguiar) e Carlos De Peña (Sebastián Fernández); Gonzalo Castro e Gonzalo Bergessio
Técnico: Alexander Medina

FLUMINENSE: Júlio César, Gum, Digão e Ibañez; Jadson, Airton (Paulo Ricardo), Richard, Júnior Sornoza e Ayrton Lucas; Everaldo (Junior Dutra) e Luciano (Matheus Alessandro)
Técnico: Marcelo Oliveira

O Palmeiras chegou à sua primeira semifinal de Copa Libertadores desde 2001, mas parou por aí. Nesta quarta-feira, o Verdão precisava reverter derrota por 2 a 0 na Bombonera, saiu atrás no placar no Allianz Parque, virou, mas viu Benedetto definir o empate por 2 a 2, que classificou o Boca Juniors para enfrentar o River Plate na decisão do torneio sul-americano.

Desde o primeiro minuto, o árbitro Wilmar Roldán mostrou seu estilo de jogo ao deixar de apitar faltas pedidas pelas duas equipes. A impressão era de que o colombiano queria aparecer o menos possível na semifinal, mas já no primeiro tempo, sua participação foi inevitável.

Aos 10 minutos, Deyverson recebeu longo lançamento de Lucas Lima, dominou bem e esperou a passagem de Dudu pela direita. O camisa 7 recebeu na linha de fundo e cruzou rasteiro para Bruno Henrique mandar para as redes.

O gol no início parecia o roteiro perfeito para o Verdão e a festa foi tanta nas arquibancadas que parte dos torcedores nem perceberam a demora para o recomeço do jogo, enquanto Wilmar Roldán recebeia a informação do VAR de que Deyverson estava impedido no início da jogada. Resultado: tento anulado e placar inalterado no Allianz Parque. Mas por pouco tempo.

Depois do VAR, cochilo da zaga joga novo balde de água fria no Verdão

No ataque seguinte, os argentinos pediram nova intervenção do Vídeo, desta vez para marcar um gol, reclamando que Weverton teria defendido chute de Ábila dentro da meta – o que não ocorreu. Com 17 jogados, porém, o Boca chegou de novo ao ataque e, desta vez, abriu o marcador.

Lucas Lima perdeu bola no meio-campo e ficou reclamando de falta. Jara acionou Villa na direita e Gustavo Gómez foi para a marcação, cobrindo o avanço de Diogo Barbosa. Na zaga, Felipe Melo fez a função do paraguaio. Até aí, tudo perfeito, mas quando a bola foi cruzada na área, Luan cochilou, foi antecipado por Ábila e viu o argentino mandar para o gol.

Com a vantagem no marcador, o Boca ficou confortável em campo e administrou o jogo até o final da etapa inicial. O Alviverde, já sem o entusiasmo dos mais de 40 mil presentes, chegou a quase 60% de posse de bola, e teve duas oportunidades para empatar, mas Mayke pecou na finalização e Rossi impediu um gol contra xeneize.

Wilmar Roldán assinalou apenas três minutos de acréscimo, apesar das diversas paralisações, o que causou a maior manifestação da torcida desde a metade do primeiro tempo. O pensamento de atletas e torcedores já parecia mais no clássico de sábado, contra o Santos, pelo Campeonato Brasileiro, do que em marcar os quatro gols necessários para ir à final.

Mesmo assim, Felipão sacou Bruno Henrique e colocou Moisés em campo. A alteração, mantendo Felipe Melo e tirando o camisa 19 melhorou o rendimento do Verdão, mas viria a cobrar seu preço no futuro.

Palmeiras volta para o jogo, pressiona, mas sofre novo castigo

Aos dois minutos, Dudu cruzou e Lucas Lima bateu firme, mas Rossi defendeu. Aos sete, após falta cruzada pelo camisa 20, a zaga do Boca afastou, Deyverson desviou, Felipe Melo ajeitou para a área e Luan, sozinho na direita, encheu o pé para empatar pelo meio das pernas do goleiro argentino.

Mesmo o primeiro dos quatro gols que o Maior Campeão do Brasil precisava marcar não animou o time. A torcida comemorou de forma contida e os atletas apenas correram em direção ao meio-campo. Mas o clima mudou com 13 jogados, quando Dudu sofreu pênalti de Isquierdoz e Gustavo Gómez converteu.

O Allianz Parque voltou a explodir em festa e apoio. Até mesmo o amplificador de sons, iniciativa inédita que na primeira etapa captou gritos de “Vai, Mayke”, “Pra cima, Dudu”, entre outros, voltou a reproduzir as músicas cantadas pelos torcedores.

Em meio ao otimismo, Willian sentiu um problema muscular, fruto do desgaste, e precisou ser substituído por Borja, mas foi do outro lado que, mais uma vez, uma substituição mudou o jogo. Ábila saiu para a entrada de Benedetto, que marcou os dois gols argentinos na Bombonera e, mais uma vez, calou o Verdão.

Foram oito minutos em campo, aos 24, quando os donos da casa pressionavam pelo terceiro gol, que o centroavante foi decisivo. O Boca puxou contra-ataque e Felipe Melo, mantido por Felipão apesar do cartão amarelo, não pôde fazer a falta para evitar uma expulsão. Após troca de passes no ataque, em que Lucas Lima demorou na recomposição, Benedetto recebeu na entrada da área e acertou um chutaço parecido ao que definiu o placar na Bombonera e, nesta quarta, fechou o caixão no Allianz Parque.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 x 2 BOCA JUNIORS

Data: 31 de outubro de 2018, quarta-feira
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldan (Colômbia)
Assistentes: Alexander Guzman (Colômbia) e John Alexander Leon (Colômbia)
VAR: Julio Bascuñan (Chile)
Público: 40.299 pagantes
Renda: R$ 3.829.551,24
Cartões amarelos: Luan, Felipe Melo, Deyverson, Gomez (PAL); Ábila, Perez (BOC)
Gols:
PALMEIRAS: Luan, aos 7 minutos do 2º Tempo, Gomez, aos 15 minutos do 2º Tempo
BOCA JUNIORS: Ábila, aos 17 minutos do 1º Tempo, Benedetto, aos 24 minutos do 2º Tempo

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gomez e Diogo Barbosa; Felipe Melo (Gustavo Scarpa), Bruno Henrique e Lucas Lima (Moisés); Dudu, Willian (Borja) e Deyverson
Técnico: Felipão

BOCA JUNIORS: Rossi; Jara, Izquierdoz, Magallán e Olaza; Nandez, Barrios e Pablo Perez (Gago); Pavon (Zarate), Villa e Abila (Benedetto)
Técnico: Guillermo Schelotto

O Grêmio tinha a vantagem por ter vencido na Argentina por 1 a 0, mas perdeu nessa terça-feira para o River Plate por 2 a 1, na Arena, em Porto Alegre, pelo jogo de volta da semifinal da Copa Libertadores da América. Depois de um primeiro tempo que os argentinos criaram as melhores chances, o Tricolor Gaúcho abriu o placar com Leonardo Gomes. O cenário da partida indicava, até os 35 minutos do segundo tempo, a passagem gremista à final, mas o tento de Borré fez os visitantes crescerem. Mais uma vez, o VAR entrou em ação e desta vez beneficiou o River numa penalidade cometida por Bressan. Pitty Martinez executou bem a cobrança, sem chance para Grohe.

Classificado para a final, o River Plate espera o vencedor do confronto entre Palmeiras e Boca Juniors, que se enfrentam nesta quarta, às 21h45 (de Brasília), no Allianz Parque, depois da vitória xeneize por 2 a 0 em Buenos Aires. As datas das finais estão marcadas para os dias 7 e 28 de novembro.

Pelo Brasileirão, o Tricolor Gaúcho visita o Atlético-MG no sábado, às 17h (de Brasília), no Independência.

O Jogo
Os argentinos começam pressionando os gaúchos na Arena. Um personagem ilustre se encontra no estádio gremista o técnico da Seleção Brasileira, Tite.

Postado defensivamente, o Tricolor Gaúcho espera o River que tem mais posse de bola e mais iniciativa. Aos nove, Ponzio recebeu na intermediária e arriscou, mas Grohe espalmou. Melhor no jogo, os visitantes chutam de longe e quase surpreenderam o arqueiro gremista. Aos 12, Palácios recebeu em frente à área e arriscou. A bola bateu na rede, mas pelo lado de fora.

Adotando uma postura mais agressiva, os comandados de Gallardo são mais incisivos ofensivamente. Por sua vez, os donos da casa ficam com as linhas mais recuadas e apostam em jogadas de contra-ataque. Com dores na coxa direita, Ponzio é substituído por Enzo Pérez. Quase o River não abriu o placar, aos 27, após troca de passes envolvente, Pratto acionou Palácios, que buscou o ângulo de Grohe, mas a bola saiu.

Na primeira vez que chegou no ataque o Grêmio foi letal. Aos 35, após cruzamento da direita, a bola desviou em Casco e sobrou para Leonardo Gomes, que chutou no canto de Armani e morreu no fundo da rede. Apesar de ter levado o gol, o River não desistiu e seguiu atacando. Aos 42, Borré recebeu de Pratto e chutou, mas a bola saiu. Na sequência, Grohe se chocou contra o gol e desabou.

Dois minutos depois, Quintero recebeu na pequena área e chutou. A bola passou por Marcelo Grohe, mas Paulo Miranda, mais uma vez salvou a defesa gremista. O sistema defensivo está garantindo o triunfo dos anfitriões.

Nessa etapa inicial o River iniciou tomando a iniciativa e buscando o gol. Os argentinos desperdiçaram boas chances de pular na frente do placar. Enquanto o Grêmio foi objetivo na oportunidade que teve e fez o tento.

Suspenso, Gallardo descumpriu a determinação da Conmebol e foi no vestiário do River. As imagens TV flagraram a presença do treinador e acabou sendo notada pelo delegado da partida.

O panorama segue o mesmo, os argentinos ficam mais tempo com a bola, porém não consegue penetrar no ferrolho gremista. Pelo lado do Tricolor Gaúcho apostou nas jogadas de velocidade.

Em jogada de contra-ataque, aos 16, Everton recebeu fora da área e chutou cruzado. Armani se atirou e evitou o segundo gol. Que chance para matar o jogo desperdiçou a equipe gremista. Aos 21, Everton recebeu lançamento de Jael e, sozinho, arrancou em velocidade. Cara a cara com Armani, chuta, mas o goleiro evitou mais um tento.

A insistência do River acabou sendo premiada, aos 36, Pity cobrou falta na cabeça de Borré, que aproveitou a desatenção de Jael e superou Grohe. Na reta final de partida, os argentinos levantam bola aérea na defesa do Grêmio.

Que mudança de cenário na Arena, após chamar o VAR, Andrés Cunha vê o toque de mão de Bressan no chute de Scocco e marcou penalidade. O árbitro expulsou o defensor e apitou a penalidade em favor do River. A partida ficou mais de dez minutos parado. Aos 49, Pity Martínez chutou no canto esquerdo de Grohe, que saltou para a direita.

Numa virada sensacional, o River segurou o resultado, fez cera e conseguiu manter o resultado. Já o Tricolor Gaúcho vacilou depois 35 minutos, permitiu um revés improvável e os jogadores gremistas perderam a cabeça. Em uma última tentativa, o Grêmio fez força, mas não teve êxito no objetivo.

Ficha Técnica
Grêmio 1 x 2 River Plate

Local: Estádio da Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Data:  30 de Outubro de 2018, terça-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Andrés Cunha (URU)
Assistentes: Nicolas Taran (URU) e Richard Trinidad (URU)
VAR: Leodan González (principal), auxiliado por Estebean Ostojich e Richard Trinidad (todos do Uruguai)
Renda: R$ 4.477.119,50
Público Total: 53.571
Cartão amarelo: Paulo Miranda, Cortez, Bressan, Cícero (Grêmio)Enzo Pérez, Pinola (River Plate).
Cartão vermelho: Bressan (Grêmio).

GOL:
Grêmio: Leonardo Gomes, aos 35 minutos do primeiro tempo.
River Plate: Borré, aos 36 minutos, e Pity Martinez, aos 49 minutos do segundo tempo.

Grêmio: Grohe; Leonardo Gomes, Geromel, Paulo Miranda (Bressan) e Cortez; Michel, Maicon(Everton), Cícero, Ramiro e Alisson; Jael (Thaciano).
Técnico: Renato Portaluppi

River Plate: Armani, G. Montiel, Maidana, Pinola e Casco, Ponzio (Enzo Pérez),  Palacios, Fernández (Pity Martínez), Quintero (Scocco), L. Pratto e Borré.
Técnico: Marcelo Gallardo

O Santos colou no G6 do Campeonato Brasileiro na tarde deste sábado. Jogando na Vila Belmiro, em duelo direto entre duas equipes que almejam uma vaga na Copa Libertadores, o Peixe não fez um bom primeiro tempo, mas acordou na etapa final e venceu o time alternativo do Fluminense por 3 a 0, com gols de Gabriel, Victor Ferraz e Carlos Sánchez, todos anotados nos últimos minutos da partida.

Com o resultado, a equipe dirigida por Cuca chegou aos 46 pontos, empatando com o sexto colocado Atlético-MG, que está à frente por ter uma vitória a mais. O Fluminense, por sua vez, ficou no nono lugar, com 40 pontos, mas pode perder posições até o final do dia.

Pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, ambos os times disputarão um clássico estadual. O Santos encara o Palmeiras no próximo sábado, às 19 horas (de Brasília), no Allianz Parque, enquanto o Fluminense enfrenta o Vasco, às 17 horas do mesmo dia, no Maracanã.

 

O Jogo – O primeiro tempo foi disputado em ritmo lento, com ambos os times criando poucas chances de gol. O Santos, porém, começou pressionando nos minutos iniciais explorando as jogadas de linha de fundo. A zaga carioca, bem postada, suportou os ataques alvinegros.

Aos oito minutos, o Fluminense assustou. Após cobrança de escanteio, Fernando Neto pegou o rebote e arriscou de fora da área, exigindo grande defesa de Vanderlei. O lance, contudo, já havia sido paralisado por impedimento.

Apesar de ter o domínio da posse de bola, o Santos errava muitos passes e tinha dificuldades de entrar na defesa tricolor. O Fluminense, por sua vez, conseguiu chegar com algum perigo por meio da bola aérea, mas também pouco ameaçou a meta de Vanderlei na primeira parte do jogo.

Para tornar o Peixe mais criativo, Cuca voltou com Derlis González no lugar do apagado Bruno Henrique. Com o paraguaio, o time da casa precisou de pouco tempo para mostrar outra postura. Aos três minutos, Lucas Veríssimo cabeceou no canto, fazendo o goleiro do Fluminense trabalhar.

Pouco depois, Rodrygo subiu livre e testou com força, mas Rodolfo conseguiu espalmar a bola para o travessão. Aos 11 minutos, Gabigol perdeu chance incrível de abrir o placar. Em grande jogada individual pela esquerda, Rodrygo foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro. A bola desviou e sobrou limpa para o camisa 10, que isolou por cima.

O Santos teimava em fazer o goleiro do Fluminense trabalhar. Aos 17 minutos, após mais um levantamento na área, Rodrygo bateu de primeira, mas Rodolfo evitou o gol da equipe mandante. Aos 28, Victor Ferraz cruzou na medida para Carlos Sánchez, que testou na direção do gol. Frazan, contudo, salvou quase em cima da linha.

De tanto insistir, o Santos finalmente abriu o placar na Vila Bemiro. Aos 36 minutos, Gabriel foi derrubado por Alex na área. Na cobrança do pênalti, o artilheiro do Brasileirão bateu forte, no alto, desta vez sem chances de defesa para Rodolfo. O gol abriu a defesa carioca, que ainda seria vazada mais duas vezes: primeiro por Victor Ferraz, depois por Carlos Sánchez.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 X 0 FLUMINENSE

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 27 de outubro de 2018 (Sábado)
Horário: 16h30 (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Assistentes: Henrique Neu Ribeiro (SC) e Eder Alexandre (SC)
Público:  8.680 pagantes
Renda: R$ 165.563,50
Cartão Amarelo: Robson Bambu e Gabigol (Santos); Airton, Fernando Neto e Marlon (Fluminense)
Cartão Vermelho: –
Gols: SANTOS: Gabriel, aos 38, Victor Ferraz, aos 42, e Carlos Sánchez, aos 43 minutos do 2º tempo

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Robson Bambu e Dodô; Alison (Bryan Ruíz), Carlos Sánchez e Diego Pituca; Rodrygo (Copete), Gabigol e Bruno Henrique (Derlis González)
Técnico: Cuca

FLUMINENSE: Rodolfo; Igor Julião, Frazan (Alex), Paulo Ricardo e Marlon; Aírton (Mateus Norton), Dodi, Fernando Neto e Daniel (Cabezas); Marcos Júnior e Júnior Dutra
Técnico: Marcelo Oliveira

O Palmeiras busca classificar para sua primeira final de Copa Libertadores neste século. Nesta quarta-feira, o Verdão encara o Boca Juniors às 21h45 (de Brasília), no Allianz Parque, pela partida de volta da semifinal do torneio sul-americano.

No primeiro duelo, na Bombonera, o Palmeiras não correu grandes riscos até a entrada do inspirado atacante Dario Benedetto, autor dos dois gols argentinos. Para avançar sem decisão por pênaltis, o time alviverde precisa ganhar por três tentos de diferença em sua casa nesta quarta-feira.

A tarefa está longe de ser simples. Em 17 confrontos da fase mata-mata da Libertadores contra equipes brasileiras, os xeneizes foram derrotados apenas em três oportunidades: 1963 (Santos), 2008 (Fluminense) e 2012 (Corinthians). Em todos os outros duelos, incluindo encontros com Palmeiras na final de 2000, deu Boca Juniors.

“Com calma e tranquilidade, a gente pode conseguir os dois gols ou, quem sabe, até fazer o terceiro. Mas sabemos que vai ser muito difícil. Com a confiança e os jogadores que temos, esperamos passar por essa dificuldade e classificar”, disse o atacante Dudu.

O Palmeiras deve ter como única novidade em relação ao time que foi derrotado em Buenos Aires o meia Lucas Lima. Moisés, que não teve boa atuação na Bombonera, atuou no segundo tempo contra o Flamengo, quando disse ter entrado em campo no sacrifício. O descanso de Lucas Lima diante do Rubro-Negro, portanto, deve garantir sua titularidade.

No Boca Juniors, a única baixa será seu treinador. A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) suspendeu Guillermo Barros Schelotto por ser reincidente em atrasos da equipe para retornar do vestiário após o intervalo em jogos da Libertadores.

Com 15 pontos ganhos, oito a menos do que o líder Racing, o Boca Juniors aposta todas as suas fichas na Copa Libertadores, sendo o atual nono colocado do Campeonato Argentino. Na última rodada do torneio nacional, com alguns atletas poupados para o duelo com o Palmeiras, o time de Schelotto perdeu do Gimnasia por 2 a 1.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS X BOCA JUNIORS

Data: 31 de outubro de 2018, quarta-feira
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldan (Colômbia)
Assistentes: Alexander Guzman (Colômbia) e John Alexander Leon (Colômbia)
VAR: Julio Bascuñan (Chile)

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Moisés); Dudu, Willian e Borja
Técnico: Felipão

BOCA JUNIORS: Rossi; Jara, Izquierdoz, Magallán e Olaza; Nández, Barrios e Pablo Pérez; Pavón, Villa e Ábila
Técnico: Guillermo Schelotto

O Palmeiras conseguiu defender sua vantagem na liderança do Campeonato Brasileiro na noite deste sábado. Desfalcado, o time alviverde saiu na frente com Dudu no Maracanã, mas o Flamengo conseguiu o empate por 1 a 1 graças a Marlos Moreno.

A sete rodadas do fim do torneio nacional, o Palmeiras contabiliza 63 pontos ganhos. O Flamengo, por sua vez, chega aos 59, um a mais do que o Internacional, que na noite de sexta-feira apenas empatou com o Vasco. O São Paulo, com 56 pontos, completa o grupo dos quatro primeiros.

Às 21h45 (de Brasília) desta quarta-feira, o Palmeiras entra em campo para enfrentar o Boca Juniors pela semifinal da Copa Libertadores, no Allianz Parque. Pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, o time alviverde recebe o Santos às 19 horas de sábado. Já o Flamengo pega o São Paulo às 17 horas de domingo, no Morumbi.

 

O Jogo – No primeiro tempo do confronto disputado no Estádio do Maracanã, os goleiros César e Weverton não tiveram muito trabalho. O Flamengo procurou explorar o lado direito da defesa do Palmeiras, armada por Felipão com o zagueiro Luan improvisado na lateral.

Na melhor chegada flamenguista ao ataque durante o primeiro tempo, o insinuante Vitinho passou por Antônio Carlos na esquerda e cruzou em busca de Uribe. Edu Dracena desviou e Thiago Santos chegou antes de Willian Arão para afastar o perigo com um bico.

No final da etapa inicial, estendida por conta de um problema nos refletores, Guerra recebeu belo passe de Dudu e, na cara de César, chutou em cima do goleiro adversário. O árbitro Rafael Traci marcou impedimento do meia venezuelano de maneira equivocada.

O Palmeiras voltou atento para o segundo tempo e conseguiu inaugurar o marcador logo aos quatro minutos. Antônio Carlos percebeu e subida de Dudu e descolou um lançamento preciso. O camisa 7 dominou do lado esquerdo, limpou a marcação de Pará ao carregar para o meio e acertou o canto de César.

O Flamengo tratou de responder rápido no Maracanã e enfim deu trabalho a Weverton. Em uma falha do sistema defensivo palmeirense, Lucas Paquetá recebeu livre de Éverton Ribeiro dentro da área e finalizou para uma grande defesa do goleiro adversário.

O Flamengo aumentou a pressão e chegou a seu objetivo aos 35 minutos do segundo tempo. Marlos Moreno recebeu nas costas de Gustavo Gomez pela esquerda, passou facilmente por Antônio Carlos e fuzilou Weverton em seu primeiro gol desde 2016. Pouco depois, Moreno deixou Paquetá na cara do gol, mas viu o companheiro desperdiçar.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 1 x 1 PALMEIRAS

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 27 de outubro de 2018 (sábado)
Horário: 19h (de Brasília)
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Rafael Trombeta (PR)
Cartões amarelos: Renê e Marlos Moreno (FLA); Thiago Santos, Weverton, Moisés e Victor Luis (PAL)
Gols:
FLAMENGO: Marlos Moreno, aos 35 minutos do 2º Tempo
PALMEIRAS: Dudu, aos 4 minutos do 2º Tempo

FLAMENGO: César; Pará, Léo Duarte, Réver e Renê; Cuellar, Willian Arão (Diego) e Lucas Paquetá; Everton Ribeiro, Vitinho (Moreno) e Fernando Uribe (Geuvânio)
Técnico: Dorival Júnior

PALMEIRAS: Weverton; Luan (Gomez), Antônio Carlos, Edu Dracena e Víctor Luis; Felipe Melo (Moisés), Thiago Santos e Guerra (Willian); Hyoran, Dudu e Miguel Borja
Técnico: Luiz Felipe Scolari

O Grêmio foi derrotado neste sábado para o Sportpor 4 a 3 na Arena pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. Usando reservas e priorizando a Libertadores, os mandantes foram surpreendidos pelo Leão que se mostrou mais determinado e tirou proveito das falhas na bola aérea gremista. Os gols foram marcados por Jair duas vezes, Gabriel e Matheus Gonçalves, enquanto Matheus Henrique, Juninho Capixaba e Thonny Anderson.

Com o resultado, o Grêmio segue em quinto lugar com 52 pontos. E o Sport pulou para o 17º lugar com 33 pontos. Além disso o time pernambucano acabou com jejum de dez jogos que não pontuava fora de casa.

Agora o Grêmio dará uma pausa na competição nacional e volta as suas atenções para o jogo de terça contra o River Plate, às 21h45(de Brasília), na Arena. O Tricolor Gaúcho joga por um empate para chegar a mais uma final.

Na próxima rodada o Grêmio visita o Atlético-MG no dia 03 de novembro, sábado, às 17h (de Brasília), no Independência. Já o Sport recebe no dia 05, segunda, o Ceará, às 20h(de Brasília), na Ilha do Retiro.

O Jogo:

Precisando vencer, o Leão se soltou para frente diante dos reservas do Tricolor Gaúcho. Os pernambucanos arriscaram chutes de fora da área. Já os mandantes ainda tentam se encontrar no jogo. Aos 06, após bola alçada na área por Michel Bastos, Jair completou de cabeça e tocou para o fundo da rede.

Bem postado em campo, os visitantes são pouco ameaçados na sua defesa. A chegada mais perigosa do Grêmio ocorreu, aos 10, uma bola perigosa metida por Juninho Capixaba, porém Maílson se antecipou a Thaciano. Aos 21, Douglas cobrou escanteio da esquerda, Thonny Anderson cabeceou no primeiro pau e quase empatou. A bola passou raspando a trave esquerda de Maílson.

Depois dos 20 minutos, a equipe gremista melhorou um pouco e começou a assustar a meta do arqueiro do Leão. Entretanto o Sport se aproveitou de um erro no meio campo gremista e ampliou o placar. Aos 29, Mateus Gonçalves ganhou bola no campo de ataque, arrancou para frente, faz tabela com Brocador, driblou Kannemann e bateu na saída de Paulo Victor. A bola ainda desviou no goleiro, mas entrou.

Após tanto insistir os donos da casa conseguem descontar. Aos 37, Matheus Henrique pegou rebote na entrada da área, limpou a marcação e bateu no canto esquerdo de Maílson. Os jogadores do Sport reclamam que a bola teria tocado na mão do meio gremista. Depois de fazer o tento, os jogadores do Grêmio se mostram mais animados e buscam o gol de empate. Aos 43, Douglas cruzou duas vezes. Na primeira, Cláudio Winck afastou. No rebote, o meia dominou e levantou de perna direita. Kaio apareceu sozinho no segundo pau e cabeceou mal.

Na etapa inicial os reservas do Grêmio foram surpreendidos pelo Sport que abriu dois gols de vantagem. Os mandantes cresceram no jogo após os 20 minutos e teve forças para descontar. A equipe pernambucana se mostrou determinada e soube tirar proveito das falhas e do desentrosamento da defesa gremista.

O segundo tempo iniciou com o Tricolor Gaúcho em cima e logo em seguida chegou ao gol de empate. Aos 05, Matheus Gonçalves derrubou Madson dentro da área e o árbitro apitou pênalti. Aos 06, Juninho Capixaba bateu com categoria no lado esquerdo, Maílson vai no direito. Não demorou muito para o Leão pular na frente do placar. Aos 07, Sander recebeu de Jair e levantou. Gabriel, de cabeça, não perdoou.

Uma partida cheia de alternativas, o Grêmio não desistiu e mais uma vez igualou o marcador. Aos 13, Thonny Anderson recebeu de Madson e só completou para o gol. A defesa gremista mais uma vez bobeou e permitiu que o Sport chegasse ao quarto tento. Aos 18, Jair de novo recebeu de Michel Bastos, tentou a finalização na primeira e completou de cabeça na segunda.

Que jogo sensacional com sete gols e os dois times buscando a todo momento o ataque. Para segurar o resultado, os comandados de Milton Mendes recuam as suas linhas e especulam jogadas de contra-ataque. Por sua vez, os gremistas se esforçam para tentar empatar a partida.

Mesmo com toda a pressão do Tricolor Gaúcho, os pernambucanos souberam segurar o ímpeto gremista. Além disso, os atletas do Sport fizeram cera e atingiram triunfo que ajuda na tentativa de escapar da zona do rebaixamento.

Houve um último esforço do Grêmio para tentar o empate. Aos 46, Madson tentou chute da direita, bola desviou na defesa e sobrou para Pepê. Dentro da área, atacante bateu com perigo.

Ficha Técnica
Grêmio 3 x 4 Sport

Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Data: 27 de Outubro (Sábado)
Horário: 16h30(de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (Fifa-PA)
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis (Fifa-SP) e Heronildo S Freitas da Silva (PA)

Renda: R$ 329.685,00
Público Total: 13.842
Cartão amarelo: Bressan, Marinho (Grêmio), Jair, Cláudio Winck (Sport)

Gol: Jair(Sport), aos 06 minutos, Matheus Gonçalves (Sport), aos 29 minutos, Matheus Henrique (Grêmio), aos 37 minutos do primeiro tempo, Juninho Capixaba (Grêmio), aos 05 minutos, Gabriel (Sport), aos 07 minutos, Thonny Anderson (Grêmio), aos 13 minutos e Jair (Sport), aos 18 minutos do segundo tempo.

Grêmio: Paulo Victor, Madson, Bressan, Kannemann e Marcelo Oliveira (Marinho), Thaciano (Jean Pyerre), Matheus Henrique, Douglas, Kaio (Pepê) e Juninho Capixaba, Thonny Anderson.
Técnico: Renato Portaluppi

Sport: Mailson; Cláudio Winck, Adryelson, Ernando e Sander; Marcão, Jair (Nonoca) e Michel Bastos; Gabriel, Mateus Gonçalves (Rogério) e Hernane (Fellipe Bastos).
Técnico: Milton Mendes

Mais Artigos...