Dourados-MS,
 Camara municipal-principal

O Palmeiras defendeu a liderança do Campeonato Brasileiro com sucesso na tarde deste domingo. A nove rodadas do fim do torneio nacional, o time alviverde contou com gols do atacante Deyverson para ganhar do Grêmio por 2 a 0, no Estádio do Pacaembu.

Deyverson abriu o placar após cruzamento de Dudu no primeiro tempo e ampliou na etapa complementar ao levar a melhor sobre Bressan. Invicto há 14 jogos seguidos no Brasileiro, o Palmeiras chega aos 59 pontos ganhos e permanece no topo da tabela. O Grêmio, com os mesmos 51 pontos, continua no quinto posto.

Pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Grêmio volta a campo para enfrentar o América-MG às 16 horas (de Brasília) do próximo sábado, no Estádio Independência. Já o líder Palmeiras encara o Ceará às 16 horas de domingo, novamente no Pacaembu. 

O Jogo – Empurrado por sua torcida, o Palmeiras conseguiu inaugurar o marcador logo aos sete minutos da etapa inicial. Dudu recebeu pela direita e cruzou. Marcado por Marcelo Oliveira na primeira trave, Deyverson desviou e matou o goleiro Paulo Victor.

Após tomar um susto em falta perigosa de Diogo Barbosa, defendida por Paulo Victor, o Grêmio teve sua única chance durante o primeiro tempo. Cícero levantou na área e Pepê completou de cabeça. Fernando Prass apenas acompanhou a saída da bola pela linha de fundo.

O Grêmio melhorou e passou a trocar passes no ataque, mas quase tomou o segundo ainda no primeiro tempo. Após tabelar com Deyverson, Dudu rolou para Bruno Henrique. Com Paulo Victor batido, o volante completou e Cícero salvou na linha do gol.

 

No segundo tempo, com Marinho no lugar de Pepê, o Grêmio procurou aumentar seu volume de jogo em busca do empate. O Palmeiras soube como proteger o gol de Fernando Prass e continuou atacando, porém sem conseguir construir grandes chances no começo.

Com dificuldades para penetrar na defesa palmeirense, o Grêmio assustou em cobrança de falta pela esquerda efetuada por Luan, que viu a bola passar perto do travessão de Prass. Pouco depois, Dudu recebeu de Willian em contra-ataque e disparou para boa defesa de Paulo Victor.

O Palmeiras ampliou sua vantagem aos 33 minutos do segundo tempo. Em um lance de persistência, o atacante Deyverson levou a melhor sobre o gremista Bressan após bola pelo alto, se atrapalhou um pouco e, de pé direito, finalizou diante de Paulo Victor. Nos minutos finais, a torcida alviverde gritou olé para festejar o líder do Campeonato Brasileiro.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 x 0 GRÊMIO

Data: 14 de outubro, domingo
Local: Estádio do Pacaembu
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (Fifa) e Sidmar dos Santos Meurer
Cartões amarelos: Thiago Santos, Gustavo Gomez e Luan (PAL); Bressan e Marcelo Oliveira (GRE)
Público: 32.015 pagantes
Renda: R$ 1.254.125,00
Gol:
PALMEIRAS: Deyverson, aos 7 minutos do 1º Tempo e aos 33 minutos do 2º Tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mayke, Antônio Carlos, Luan, Gustavo Gomez e Diogo Barbosa; Thiago Santos (Jean), Bruno Henrique e Moisés; Dudu (Hyoran), Willian (Lucas Lima) e Deyverson
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Grêmio: Paulo Victor; Leonardo Gomes, Geromel, Bressan e Marcelo Oliveira; Cícero, Maicon, Alisson, Luan (Thaciano) e Pepê (Marinho); Jael (André)
Técnico: Renato Gaúcho

O São Paulo se distanciou dos líderes do Campeonato Brasileiro na tarde deste domingo. Jogando no Beira-Rio, em um duelo entre dois times postulantes ao título, o Tricolor saiu na frente com um gol relâmpago de Liziero, substituto do lesionado Everton, mas recuou demasiadamente e sofreu a virada do Internacional, que venceu por 3 a 1.

Com o resultado, o São Paulo chegou ao seu quinto jogo consecutivo sem vitória, permanecendo no quarto lugar com 52 pontos, agora sete a menos que o líder Palmeiras, que venceu o Grêmio no Pacaembu. O Inter, por sua vez, conseguiu recuperar a segunda colocação, com 56 pontos.

Pela 30ª rodada do Brasileirão, o time dirigido por Diego Aguirre tentará se reabilitar diante do Atlético-PR, no próximo sábado, às 19 horas (de Brasília), no Morumbi. Já os comandados de Odair Hellmann buscarão se manter firmes na briga pelo título em confronto com o Santos, no dia 22, às 20 horas, novamente em casa.


A etapa inicial foi quase toda do Inter, mas foi o São Paulo quem balançou as redes primeiro. Logo aos dois minutos, após erro de Edenílson na saída de bola, Reinaldo recebeu na esquerda e cruzou na medida para Liziero, que entrou na área e bateu de primeira, sem chances para Marcelo Lomba.Tricolor faz gol relâmpago, mas é castigado

Pouco depois, a arbitragem tomou uma decisão polêmica. Após boa troca de passes do Inter, Hudson interceptou dando um carrinho dentro da área. A bola sobrou para Nico López, que bateu firme e marcou o gol. A auxiliar Neuza Inês Back, contudo, não interpretou o desvio do são-paulino como uma nova jogada e assinalou impedimento, anulando o tento.

O São Paulo recuou exageradamente e passou ser muito pressionado pelo Inter. Aos 18, D’Alessandro cruzou da direita, Jean saiu mal do gol, e a bola sobrou para Patrick. Sem goleiro, o volante se atrapalhou e finalizou mal, dando tempo para Anderson Martins afastar. Aos 41, o meia argentino carimbou a trave esquerda de Jean em cobrança de falta.

Acuado pelo time da casa, o Tricolor não resistiu e cedeu o empate no fim do primeiro tempo. Aos 41 minutos, Nico López avançou pela direita, passou por Liziero na linha de fundo e cruzou para Leandro Damião, que subiu livre na área para testar firme e deixar tudo igual no Beira-Rio.

Colorado segue melhor e Damião resolve

Empurrado por mais de 45 mil pessoas, o Inter não diminuiu o seu ímpeto na volta do intervalo. E chegou ao gol da virada logo aos seis minutos, quando Victor Cuesta desviou lançamento de D’Alessandro para Damião completar com o pé para as redes.

Aí o São Paulo acordou e saiu para o jogo. Aos 14 minutos, Joao Rojas recebeu na direita e passou para Hudson. Próximo da marca do pênalti, o volante bateu de primeira e viu a bola tirar tinta da trave. Em busca do empate, Diego Aguirre colocou Gonzalo Carneiro e Tréllez nas vagas de Nenê e Liziero.

As alterações melhoraram o Tricolor. Aos 26 minutos, após chute da intermediária, a bola sobrou para Rojas, que levantou na pequena área. Diego Souza subiu com a marcação e conseguiu testar, mas ela saiu passando rente à trave.

Aos 33 minutos, o São Paulo teve um gol anulado. Após Reinaldo cobrar falta em direção à área, Bruno Alves dividiu por cima com Lomba. A bola sobrou para Carneiro, que empurrou para a rede. A auxiliar, porém, assinalou o milimétrico impedimento do zagueiro. Nos acréscimos, Nico López converteu pênalti sofrido por Damião e deu números finais à partida.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL 3 X 1 SÃO PAULO

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Data: 14 de outubro, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC) e Neuza Inês Back (SC)
Público: 45.263 torcedores
Cartão Amarelo: Bruno Peres, Anderson Martins, Jucilei e Bruno Alves (São Paulo)
Cartão Vermelho: Anderson Martins (São Paulo)
Gols:

INTER: Leandro Damião, aos 45 do 1º tempo, e aos 6 minutos do 2º tempo; Nico López, aos 49 minutos do 2º tempo SÃO PAULO: Liziero, aos 2 minutos do 1º tempo

INTERNACIONAL: Marcelo Lomba; Fabiano, Emerson Santos (Klaus), Victor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Edenílson, Patrick e D´Alessandro (Wellington Silva); Nico López e William Pottker (Leandro Damião)
Técnico:
 Odair Hellmann

SÃO PAULO: Jean; Bruno Peres, Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo; Jucilei, Hudson, Liziero (Tréllez) e Nenê (Gonzalo Carneiro); Joao Rojas e Diego Souza
Técnico: Diego Aguirre

 

 

Fique por dentro do mundo do esporte!

Receba alertas no seu computador das principais notícias do site

ATIVAR ALERTAS
 

 

Damião exalta atuação do Inter e diz ter pensado nos gols

 

Veja fotos de Internacional x São Paulo no Brasileirão

 

Reinaldo lamenta derrota e pede para o São Paulo “levantar a cabeça”



 
 
 
 
×

Em um dos jogos mais importantes desta 29ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, o Vitória dominou a Chapecoense em confronto direto na Arena Condá e conquistou o triunfo pelo placar de 1 a 0. Em Chapecó (SC), os visitantes tiveram ótima atuação na primeira metade da partida, abriram o placar com Lucas Fernandes e seguraram o resultado que, praticamente, os garantiu fora da zona do rebaixamento neste final de semana.

Com a derrota, os comandados de Guto Ferreira, por outro lado, entram no Z4 da competição. Com 31 pontos ganhos, os catarinenses ocupam, ainda que provisoriamente, a 17ª colocação da classificação. Já os baianos foram a 32 pontos conquistados, subindo para a 14ª posição.

Na próxima rodada, marcada para acontecer no próximo final de semana, a Chape vai a Belo Horizonte (MG), onde enfrenta o Cruzeiro, no Independência, a partir das 18h (no horário de Brasília) de domingo. Um pouco antes, às 16h, o Leão volta a jogar diante de sua torcida, recebendo o Corinthians no Barradão.

Domínio baiano

O duelo começou equilibrado, mas quem deu o primeiro susto foi o time visitante. Em jogada de contra-ataque aos sete minutos, Walter Bou acionou Lucas Fernandes em profundidade. O atacante ficou no mano a mano com Rafael Thyere, invadiu a área, balançou para cima do zagueiro, limpou para perna direita e bateu rasteiro. O chute saiu fraco, mas passou muito perto da trave direita.

O Vitória continuou levando mais perigo. Aos 18, Alan Ruschel afastou mal um cruzamento da esquerda e a bola sobrou limpa para Lucas Fernandes dentro da área. O camisa 19 soltou a bomba com o pé direito e Jandrei fez ótima defesa. No rebote, Walter Bou tentou de bicicleta e acabou mandando por cima do gol da Chape.

Lucas Fernandes continuou sendo o jogador mais eficiente do ataque rubro-negro, levando grande vantagem pelo lado direito do campo. Com 31 rodados, o atacante fez boa jogada individual, passou pela marcação de Douglas, invadiu a área e bateu cruzado. A bola lambeu o pé da trave esquerda e saiu em tiro de meta.

De tanto martelar, o Leão, enfim, chegou ao gol. E não poderia ser de outro jogador senão Lucas Fernandes. Em jogada pela esquerda aos 37, Erick conseguiu espaço e cruzou na segunda trave. O camisa 19 apareceu livre para colocar a cabeça e mandar para a rede, sem chances para Jandrei. Resultado justo no primeiro tempo.

Desespero catarinense

Na volta do intervalo, Guto Ferreira fez mudanças no time da casa, que partiu para cima, mas continuou tendo dificuldades para se aproximar do gol defendido por Ronaldo. A primeira boa chance da etapa final, assim, foi novamente do Vitória. Aos 15 minutos, Erick cobrou falta da intermediária e, com muito capricho, carimbou o travessão de Jandrei e por muito pouco não ampliou a contagem.

Aos 19, a Chape reagiu, com Bruno Silva chegando à linha de fundo pela direita e cruzando rasteiro. A bola sobrou para Doffo, que chegou batendo de primeira na marca do pênalti, mas acabou pegando mal na bola e desperdiçando grande chance de empatar a partida.

A partir de então, foi na base do desespero, e do chuveirinho, que os catarinenses tentaram buscar o resultado. No entanto, as limitações ficaram claras e o time pouco conseguiu fazer para furar o bloqueio rubro-negro e reagir em campo.

Mesmo abdicando de atacar em grande parte do segundo tempo, o Vitória mereceu o triunfo por tudo o que fez nos primeiros 45 minutos. E só não fez o segundo gol, nos acréscimos, porque Neilton chutou mais uma bola no travessão de Jandrei. O atacante ficou no mano a mano com Thyere, limpou para a canhota, mas teve azar na finalização.

FICHA TÉCNICA
CHAPECOENSE X VITÓRIA

Local: Arena Condá, em Chapecó (SC)
Data: 14 de setembro de 2018, domingo
Horário: 11h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi (RS) e Rafael da Silva Alves (RS)

Gols: Lucas Fernandes, aos 37 do 1T (Vitória)

Cartões Amarelos: Osman, Amaral e Alan Ruschel (Chapecoense); Léo Gomes e Ramon (Vitória)

CHAPECOENSE: Jandrei; Marcos Vinícius, Rafael Thyere, Douglas e Alan Ruschel; Amaral, Barreto (Osmán) e Yann Rolim (Diego Torres); Doffo, Leandro Pereira e Vinícius (Bruno Silva).
Técnico: Guto Ferreira.

VITÓRIA: Ronaldo; Jeferson, Aderllan, Ramon e Fabiano; Willian Farias, Léo Gomes e Rodrigo Andrade (Arouca); Lucas Fernandes (Neilton), Erick e Walter Bou (André Lima).
Técnico: Paulo César Carpegiani

Palmeiras e Grêmio estão entre os principais candidatos ao título do Campeonato Brasileiro. Às 16 horas (de Brasília) deste domingo, com uma série de desfalques, os times dirigidos por Luiz Felipe Scolari e Renato Gaúcho duelam pela 29ª rodada, no Estádio do Pacaembu.

O lateral esquerdo Victor Luis e o volante Felipe Melo estão suspensos. O zagueiro paraguaio Gustavo Gomez e o centroavante colombiano Miguel Borja foram convocados por suas respectivas seleções – o defensor ainda tem chance de ser relacionado. O lateral direito Marcos Rocha, por sua vez, se recupera de lesão.

Por outro lado, os laterais Mayke e Diogo Barbosa, suspensos por dois jogos pelo STJD, poderão atuar normalmente contra o Grêmio, já que o Palmeiras conseguiu efeito suspenso para ambos. O ala canhoto deve ficar à disposição após se recuperar de pancada no tornozelo.

“É um jogo diferente, sim. Mas vamos encarar como estamos encarando todas as partidas: mais uma decisão. É um concorrente que também está brigando lá em cima, tem um grupo qualificado e muita história. Vamos buscar a vitória para nos distanciarmos do Grêmio, mas sabemos que vai ser complicado”, disse o atacante Hyoran.

O Grêmio, também desfalcado, quer o triunfo diante do Palmeiras para permanecer na briga pelo título do Brasileirão. O Tricolor Gaúcho nas últimas quatro partidas conseguiu três vitórias e um empate.

Marcelo Grohe, Léo Moura, Bruno Cortez, Everton e Ramiro, que estão lesionados, ficam fora do confronto do final de semana. Convocado para defender a seleção da Argentina, o zagueiro Kannemann é mais uma baixa gremista.

Assim, o técnico Renato Gaúcho terá que mexer em todos os setores. Na lateral esquerda, Juninho Capixaba e Marcelo Oliveira disputam a titularidade. No ataque, existe a dúvida entre Pepê ou Marinho. Por último, nas outras vagas entram Paulo Victor, Leonardo Gomes, Bressan e Jael.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS X GRÊMIO

Data: 14 de outubro, domingo
Local: Estádio do Pacaembu
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (Fifa) e Sidmar dos Santos Meurer

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena (Gustavo Gomez) e Diogo Barbosa; Thiago Santos (Lucas Lima), Bruno Henrique e Moisés; Dudu, Willian e Deyverson
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Grêmio: Paulo Victor; Leonardo Gomes, Geromel, Bressan e Marcelo Oliveira (Juninho Capixaba); Cícero, Maicon, Alisson, Luan e Pepê (Marinho); Jael
Técnico: Renato Gaúcho

O Vasco da Gama recebeu o Cruzeiro na tarde deste domingo pela 29ª rodada do Brasileirão e fez o dever de casa em São Januário. De olho na final da Copa do Brasil, a equipe Mineira atuou com uma formação reserva, e com gols de Yago Pikachu e Máxi López, a equipe carioca venceu por 2 a 0.

Com a vitória, o Vasco respirou na tabela e, com 34 pontos, abriu três da Chapecoense, a primeira equipe dentro da zona do rebaixamento. Já o Cruzeiro estacionou nos 37 pontos, e vê cada vez mais distante a possibilidade de conseguir uma vaga na Libertadores 2019 com a classificação no Brasileiro.

Na próxima rodada, o Vasco visita o Sport no sábado em confronto direto contra o rebaixamento. O Cruzeiro, por sua vez, jogará em casa contra a Chapecoense, no domingo. Antes, porém, os comandados de Mano Menezes decidem o título da Copa do Brasil contra o Corinthians na quarta-feira, em São Paulo.

 

O Jogo

Vasco e Cruzeiro fizeram um primeiro tempo morno em São Januário e com muitos erros. Se o Vasco, jogando em casa e em busca de tranquilidade contra o rebaixamento, buscava a iniciativa do confronto e teve maior posse de bola, o Cruzeiro esperava o erro do adversário para tentar o contra-ataque.

O Vasco começou dando um susto na zaga Celeste. Pouco depois de a bola rolar, Luiz Gustavo recebeu na direita e, da intermediária, levantou na área. De frente para o gol, Maxi López subiu com a zaga e por pouco não conseguiu tocar na bola.

O Cruzeiro teve sua melhor oportunidade aos nove. David fez boa jogada pela esquerda e soltou uma bomba da entrada da área. Werley desviou levemente e quase traiu o goleiro Fernando Miguel, mas a bola bateu no braço do goleiro e saiu em escanteio.

As duas equipes criaram poucos lances de perigo e o Vasco foi bastante vaiado pela torcida, que não poupou o técnico Alberto Valentim dos costumeiros adjetivos.

As duas equipes retornaram para o segundo tempo sem alterações, mas desta vez o Vasco foi mais eficiente. Aos três minutos, o criticado Fabrício conseguiu ir à linha de fundo pela esquerda e cruzou rasteiro para trás. Maxi López fez o corta luz no primeiro pau e Yago Pikachu tocou para o fundo da rede para fazer 1 a 0.

Com a desvantagem no placar, Mano Menezes fez duas alterações de uma vez. Buscando mais agressividade no ataque, o treinador colocou Sassá na vaga de Bruno Silva. Fred, com visível falta de ritmo, foi sacado para a entrada de Raniel.

A equipe mineira ganhou sangue novo e passou a pressionar em busca do empate. O Vasco, por sua vez, recuou perigosamente e deu espaço para o adversário, que chegou perto do gol. Aos 12, Mancuello e David tabelaram e o argentino cruzou para trás. De frente para o gol, Sóbis tentou a conclusão mas foi travado por Werley na hora do chute.

Aos 19, escanteio que Sóbis levantou na área. Murilo acertou o cabeceio, mas errou o alvo e a bola foi para fora.

Quando o Cruzeiro estava melhor na partida, brilhou a estrela do argentino Máxi López. Giovanni Augusto, que havia entrado no lugar de Fabrício, dominou pela direita e levantou na área. A defesa cortou e Lucas Silva tentou dominar na área. López veio por trás, roubou a bola, girou e bateu colocado no outro canto, sem chance para Rafael.

Dois minutos depois, o volante Mancuello deu uma entrada por trás em Andrey quando este escapava em contra-ataque, e foi expulso. Com dez em campo, Mano sacou David para recompor a defesa com Rafael Santos.

Com a superioridade numérica e no placar, o Vasco passou a valorizar a posse de bola, e foi a vez do goleiro Cruzeirense aparecer no jogo. Aos 40, Luiz Gustavo levantou da direita e Giovanni Augusto, no segundo pau, mandou de cabeça, mas Rafael fez grande defesa.

Três minutos depois, Andrey escapa após recuperar a bola, tabela com Henrique, recebe na frente e manda para o gol, mas Rafael novamente salvou a Raposa.

FICHA TÉCNICA
VASCO 2 X 0 CRUZEIRO

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 14 de outubro de 2018 (Domingo)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (SP)
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)
Renda: R$ 249.945,00
Público: 11.376 presentes (10.841 pagantes)
Cartões amarelos: Andrey, Leandro Castan, Jordi, Maxi López, Luiz Gustavo, Werley (Vasco); Bruno Silva, Rafael Sobis, Sassá (Cruzeiro)
Cartão Vermelho: Mancuello (Cruzeiro)
Gols:
VASCO: Yago Pikachu, aos 3, Máxi López, aos 24 min do 2º tempo

VASCO: Fernando Miguel, Luiz Gustavo, Werley, Leandro Castán (Oswaldo Henríquez) e Ramon; Bruno Cosendey, Andrey, Fabrício (Giovanni Augusto) e Yago Pikachu; Bruno Ritter e Maxi López
Técnico: Alberto Valentim

CRUZEIRO: Rafael; Ezequiel, Cacá, Murilo e Patrick Brey; Bruno Silva (Sassá), Lucas Silva, Mancuello e David (Rafael Santos); Rafael Sobis e Fred (Raniel)
Técnico: Mano Menezes

Foto - Divulgação

Eliminados dos torneios de mata-mata, Internacional e São Paulo eram cotados como grandes favoritos ao título do Campeonato Brasileiro. Porém, com tropeços nas últimas rodadas, os dois viram o Palmeiras assumir a liderança e entrar forte na briga pelo caneco. Portanto, a luta, agora, é para se manter vivo na disputa, o que aumenta ainda mais o caráter decisivo do confronto deste domingo, pela 28ª rodada da competição. No Beira-Rio, em Porto Alegre (RS), a bola rola a partir das 16h (no horário de Brasília).

O time da casa segue na vice-liderança, com 53 pontos ganhos, apenas um a mais que o adversário deste final de semana, que ocupa a quarta posição da tabela. Também com 52, está o Flamengo, terceiro colocado. O Palmeiras lidera com 56 e, dependendo dos resultados desta rodada, pode abrir uma vantagem importante para a reta final do Brasileirão.

São Paulo não vence há quatro jogos no Brasileirão (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

No Tricolor paulista, há a consciência de que escolher resultado deixou de ser uma possibilidade. Só a vitória interessa, ainda mais após quatro partidas consecutivas sem triunfar, incluindo amarga derrota para o Palmeiras, na última rodada, em pleno Morumbi. Quem garantiu o fato foi o volante Hudson, em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva na última quinta-feira.

 

“A gente não joga por empate mais. Um empate lá não vai resolver nada. A gente precisa ter uma postura para vencer. Claro, com inteligência, sem se expor muito, porque o time do Inter vai ser empurrado por sua torcida, vai querer vir para cima. O São Paulo já demonstrou que sabe jogar muito bem fora de casa. Já conseguiu vitorias. É importante que a gente consiga achar esse ponto que já tivemos no campeonato, para que possamos fazer um bom jogo lá. Com esses maus resultados, esse jogo se tornou essencial, um jogo-chave em pontuação e em confiança para a equipe. E todo mundo está ciente disso”, declarou.

Com a ausência de Arboleda, a serviço da seleção equatoriana, Anderson Martins e Bruno Alves formarão a dupla de zaga titular. O principal problema para o técnico Diego Aguirre, porém, continua sendo no meio de campo. Com estiramento na coxa esquerda, Everton volta a ser desfalque, e o treinador uruguaio mantém o suspense para escalar a equipe titular. Uma provável formação conta com Reinaldo sendo adiantado e Edimar entrando na lateral esquerda, ainda que novidades possam vir a acontecer. Everton Felipe, Liziero, Shaylon e Bruno Peres também são opções para suprir a ausência do camisa 22.

Suspenso contra o Sport, Edenílson volta a ser opção para Odair Hellmann (Foto: Ricardo Duarte/SCI)

No Colorado, o técnico Odair Hellmann terá os retornos do zagueiro Victor Cuesta e do volante Edenílson, que cumpriram suspensão automática no último final de semana. Recuperado de uma lesão no pé direito, o meio-campista Rodrigo Dourado está confirmado para iniciar o jogo. Já o defensor Rodrigo Moledo segue no período de retreinamento e ainda não fica a disposição para a partida diante dos paulistas.

Contudo, o comandante faz mistério na escalação e admite a possibilidade de alterar o time taticamente. Uendel e D´Alessandro são cotados a estarem entre os titulares. Por último, o centroavante Leandro Damião, que não pôde atuar na derrota para o Sport, se recuperou de lesão e estará à disposição.

“O conceito é o mesmo, a ideia é a mesma, independente do sistema. Mais importante para mim é a consolidação dos conceitos. Temos que estar abertos a essas possibilidades. Em determinado momento em que você consegue uma maneira de jogar, os adversários conseguem te observar mais. Aproveitamos esses dois dias para buscar essa situação porque o que a gente tem está consolidado. Vamos tentar buscar algo diferente e tentar sair dessa situação nos jogos que dão mais dificuldade”, afirmou o treinador, em coletiva de imprensa.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL X SÃO PAULO

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre-RS
Data: 14 de outubro, domingo
Horário: 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC) e Neuza Inês Back (SC)

INTERNACIONAL: Marcelo Lomba, Fabiano, Emerson Santos, Victor Cuesta e Iago (Uendel), Rodrigo Dourado, Edenílson, Patrick, D´Alessandro, Nico López e Pottker
Técnico:
 Odair Hellmann

SÃO PAULO: Sidão; Bruno Peres, Bruno Alves, Anderson Martins e Edimar; Jucilei, Hudson e Nenê; Joao Rojas, Diego Souza e Reinaldo.
Técnico: Diego Aguirre

Em duelo de dois times ameaçados pela zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, com o Estádio Pituaçu lotado, em Salvador, o Bahia venceu o Paraná Clube por 2 a 0 e respirou aliviado. Com o resultado, o time da casa chegou aos 34 pontos, na 12ª colocação. Já a equipe paranista segue na lanterna, em situação crítica, com 17 pontos.

Com o ferrolho armado pelo Tricolor da Vila, o jogo foi tecnicamente fraco e o placar só saiu do zero aos 39 minutos do segundo tempo, em cobrança de falta perfeita de Vinícius. Aos 44 minutos, Vinícius fez mais um para fechar a contagem.

Na próxima rodada, o Bahia vai ao Rio de Janeiro, onde encara o Botafogo, sábado, no Estádio Nilton Santos. Já o Paraná Clube encara o Flamengo, domingo, na Vila Capanema, em Curitiba.

 

O jogo – O time da casa começou a partida com maior posse de bola e, empurrada pelo torcedor, tentando pressionar. Aos três minutos, lançamento para Zé Rafael, que recebeu com liberdade, mas em impedimento. Contra-ataque paranista, aos nove minutos, Mas Alex Santana errou o último passe. Aos 15 minutos, troca de passes da equipe visitante, até que Alex Santana arrematou em cima de Douglas.

O Tricolor de Aço seguia com maior posse, mas não conseguia penetração na defesa paranista. Aos 16 minutos, Zé Rafael chutou de longe, direto pela linha de fundo. Aos 22 minutos, Léo fez o cruzamento e Ramires apareceu para testar raspando o travessão. Ramires cruzou mais uma, aos 25 minutos, e Richard tirou de soco para aliviar. Com a casa cheia, os jogadores do Bahia pareciam ansiosos.

Élber invadiu a área, aos 35 minutos, e chutou cruzado, pela linha de fundo. O arremate de longe era a principal arma baiana. Aos 35 minutos, foi a vez de Gilberto tentar o tiro, que passou com algum perigo por Richard. Boa jogada de Ramires, aos 43 minutos, cruzando para Zé Rafael pegar de primeira, para fora.

Para a etapa final, os times voltam sem novidades. Aos dois minutos, Bruno cruzou e Zé Rafael cabeceou para ótima defesa de Richard. O Tricolor da Vila armou um verdadeiro ferrolho, estava fechado na defesa. Gregore pegou rebote, aos nove minutos, e chutou de primeira, direto pela linha de fundo.

Outro chute de muito longe, com Flávio, aos 18 minutos, consagrando o goleiro Richard. Cobrança de falta de Gilberto, aos 22 minutos, rasteira, nas mãos do goleiro paranista. Aos 27 minutos, Vinícius cobrou falta na cabeça de Grolli, que não pego de jeito e viu a bola passar por cima da meta. O torcedor baiano estava impaciente na arquibancada e chiava com o time. Mas, aos 39 minutos, Vinícius cobrou falta com perfeição para estufar a rede. Aos 44 minutos, Vinícius, que entrou no segundo tempo, fez mais um para garantir os três pontos.

BAHIA 2 x 0 PARANÁ

Local: Estádio Pituaçu, em Salvador (BA)
Data: 13 de outubro de 2018, sábado
Horário: 21 horas (de Brasília)
Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Assistentes: Leirson Peng Martins (RS) e Lucio Beiersdorf Flor (RS)
Cartões amarelos : Zé Rafael (Bahia); Juninho, Andrey e Jhony (Paraná)

Gols
BAHIA: Vinícius, aos 39 minutos e aos 44 minutos do segundo tempo

BAHIA: Douglas; Bruno (Vinícius), Lucas Fonseca, Grolli e Léo; Gregore, Flávio, Ramires e Zé Rafael (Edigar Junio); Élber e Gilberto
Técnico: Enderson Moreira

PARANÁ: Richard; Júnior (Jhony), René Santos, Rayan e Igor; Alex Santana, Leandro Vilela, Deivid (Andrey), Silvinho (Nadson) e Juninho; Rafael Grampola.
Técnico: Claudinei Oliveira

Mais Artigos...