Dourados-MS,
Câmara_audiência

O Águia Negra venceu o Sete de Setembro na tarde desta quarta-feira (3/4) no estádio Chavinha, em Itaporã, e ficou muito próximo de garantir a vaga na decisão do Campeonato Sul-mato-grossense de Futebol. 

Com o placar de 3 a 1, o time de Rio Brilhante pode até perder por dois gols de diferença que mesmo assim estará na final.  

Já o time de Dourados precisa vencer por vantagem de três de diferença. 

Os gols da partida ocorreram todos na segunda etapa. Careca aos dois e Salomão aos 31 minutos anotaram para o Águia Negra, enquanto Gugu descontou aos 38, após cobrança de falta. 

O Sete se jogou ao ataque na tentativa do empate e deixou espaço para o adversário, que ampliou novamente com Careca, aos 48. 

O próximo compromisso entre as duas equipes ocorre no domingo (7/4), no Ninho da Águia, em Rio Brilhante, às 17h. 

Outra semifinal

Já em Aquidauana, no estádio Noroeste, o Aquidauanense empatou sem gols com o Comercial. O jogo de volta acontece também no domingo, em Campo Grande, às 15h.

Novo empate garante o Colorado da Capital na decisão. 

Foto - Divulgação

A Federação Paulista de Futebol divulgou nesta quinta-feira pela manhã as datas e os horários das partidas das semifinais do Campeonato Paulista.

Os confrontos são São Paulo x Palmeiras e Corinthians x Santos.

Veja abaixo os duelos:
 

Jogos de ida:

  • São Paulo x Palmeiras: sábado, às 18h, no Morumbi (Premiere)
  • Corinthians x Santos: domingo, às 16h, na Arena Corinthians (TV Globo e Premiere)

Jogos de volta:

  • Palmeiras x São Paulo: domingo (07/04), às 16h, na arena do Palmeiras (TV Globo e Premiere)
  • Santos x Corinthians: segunda-feira (08/04), às 20h, no Pacaembu (Premiere) 
Jogos das semifinais do Campeonato Paulista — Foto: Reprodução / FPF

Jogos das semifinais do Campeonato Paulista — Foto: Reprodução / FPF

Assim como ocorreu nas quartas de finais, as semifinais também terão a utilização o VAR (árbitro-assistente de vídeo).

Palmeiras (29 pontos) e Santos (27) têm as duas melhores campanhas até o momento. O Corinthians (23) é o terceiro colocado, enquanto o São Paulo (21) é o quarto.

Foto - Divulgação

O primeiro tempo

Insosso. Assim foi o jogo entre Corinthians x Ferroviária nos 15 primeiros minutos. A equipe do interior tomou as rédeas da partida e liderou os números de posse de bola e passes trocados, mas foi pouco efetiva. 

O primeiro lance de perigo saiu com Gustavo, principal jogador do Corinthians na temporada, quando recebeu cruzamento do lado direito e cabeceou com perigo. A bola tirou tinta da trave e assustou Tadeu, vendido no lance.

Poucos minutos depois o centroavante corintiano apareceu mais uma vez. Após cobrança de falta na área, o camisa 19 completou, impedido, para o gol. O auxiliar levantou a bandeira e o árbitro anulou aquele que seria o primeiro gol do Corinthians.

Foi então que Carille adiantou as linhas e pressionou a saída da Ferroviária, que pouco assustou. A partir daí, Clayson e Vagner Love passaram a dominar as jogadas pelas pontas. O camisa 9 dominou duas bolas pelo lado direito e arriscou cruzamentos.

Aos 33 minutos, o gol do Corinthians finalmente saiu. Clayson fez jogada pelo lado esquerdo, passou pela defesa, chegou ao fundo e tocou para trás. Junior Urso se apresentou na área e tocou para o fundo das redes.

 

Etapa final

O segundo tempo começou como terminou o primeiro. Corinthians com linhas avançadas e domínio da partida. Clayson como principal válvula da equipe e Gustavo eficiente nas bolas aéreas.

A Ferroviária voltou a trocar passes a partir dos 10 minutos e empurrou os donos da casa para a linha defensiva. A primeira chance de perigo da equipe de Araraquara veio após cruzamento de Diogo Mateus, que quase surpreendeu Cássio.

Mas foi aos 15 minutos que os visitantes chegaram ao empate. O mesmo Diogo Mateus dominou pelo meio, arriscou de fora da área, a bola encontrou os pés do atacante Thiago Santos e foi para o gol: 1 a 1.

O Corinthians melhorou, voltou a assusta em bolas aéreas, mas pareceu “temer” a bola em algumas oportunidades. As entradas de Pedrinho e Sornoza deram outro ritmo à equipe, mas todos os jogadores pareciam irregulares em campo.

Henrique teve duas boas chances em bolas aéreas. Em uma delas obrigou o goleiro Tadeu a fazer importante defesa, quase dentro do gol.

No fim, nervosismo do Corinthians e centroavantes juntos em campo. Gustavo e Boselli quase encontraram o gol aos 42 minutos, quando o camisa 19 escorou e deixou o argentino na cara do gol, mas o reserva isolou. A partida se encaminhou para os pênaltis.

Por lá, Cássio decidiu uma, Tony isolou outra. Apenas Avelar perdeu para a equipe da capital, e o Corinthians se classificou para as semifinais ao vencer por 4 a 3.

Corinthians: Cássio; Michel Macedo, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf (Pedrinho), Junior Urso; Vagner Love (Boselli), Jadson (Sornoza) e Clayson; Gustavo. Técnico: Fabio Carille

Ferroviária: Tadeu; Diogo Mateus (Alisson), Rayan, Rodrigão e Arthur Henrique; Anderson Uchoa, Tony e Felipe Ferreira (Uilliam); Léo Artur (Higor Meritão), Diego e Thiago Santos. Técnico: Vinícius Munhoz

Corinthians x Ferroviária

Fase: Quartas de final do Paulistão

Estádio: Arena Corinthians, São Paulo (SP)

Foto - Divulgação

Estão definidas as semifinais do Campeonato Paulista. Após São Paulo e Corinthians assegurarem a classificação na noite de quarta-feira, resta apenas saber o horário e local dos duelos que darão vaga à grande decisão do torneio, o que irá acontecer nesta quinta-feira, às 11h (de Brasília), no Conselho Técnico da Federação Paulista de Futebol.

Dono da pior campanha entre os remanescentes, o São Paulo enfrentará o Palmeiras na semifinal. O Verdão terá a vantagem de decidir a vaga em casa, uma vez que, dos quatro grandes, é quem detém o melhor desempenho.

A primeira das duas partidas entre São Paulo e Palmeiras deve acontecer já neste sábado, uma vez que na próxima terça-feira o Verdão enfrenta o San Lorenzo pela Copa Libertadores. 

Já do outro lado, Corinthians e Santos deverão disputar o jogo de ida das semifinais no domingo, em Itaquera. O Peixe, assim como o Palmeiras, tem a vantagem de decidir a vaga em casa por ter a segunda melhor campanha do torneio – o Timão ficou com o terceiro melhor desempenho entre os quatro clubes.

 

Gazeta Esportiva

 

 

Com um gol marcado por Éverton Ribeiro, nos acréscimos, o Flamengo derrotou o Fluminense por 2 a 1, em partida disputada na noite de quarta-feira, no Maracanã. O resultado classificou a equipe rubro-negra para a decisão da Taça Rio. O time dirigido por Abel Braga vai enfrentar o vencedor do duelo desta quinta-feira entre Vasco e Bangu, válido pela outra semifinal da competição. Os gols que decidiram o clássico foram marcados por Renê, no primeiro tempo, e Éverton Ribeiro, no segundo para o Flamengo, enquanto Yony González anotou o do Tricolor das Laranjeiras.

Mesmo ficando com dez jogadores antes do intervalo, por causa da expulsão de Bruno Henrique, o Flamengo foi sempre mais objetivo do que o adversário e mereceu a vitória em uma partida muito nervosa. O árbitro mostrou dois cartões vermelhos e 11 cartões amarelos para tentar controlar os ânimos sempre exaltados dos jogadores dos dois times. O Fluminense começou bem, mas se perdeu com reclamações com a arbitragem e nem soube aproveitar a vantagem numérica durante quase todo o segundo tempo para segurar o empate que lhe daria a vaga.

Logo no primeiro minuto, um lance polêmico. Após cobrança de falta, Léo Santos mandou para as redes, mas o assistente marcou irregularidade na jogada. O árbitro Marcelo de Lima Henriques solicitou o auxilio do VAR e depois de alguns minutos de paralisação com muitos protestos de jogadores e comissão técnica das duas equipes, o lance foi realmente anulado por falta em Rodrigo Caio.

Aos sete minutos, a defesa tricolor saiu jogando errado e a bola ficou com Uribe que desperdiçou a chance, chutando fraco nas mãos de Rodolfo. O jogo ficou tenso com os jogadores abusando de entradas duras e gerando desentendimentos frequentes. Aos 11 minutos, Renê cruzou da esquerda e Bruno Henrique subiu para desviar de cabeça, mas mandou para fora. A partida seguia truncada pelo excesso de faltas, forçando o árbitro a intervir seguidamente para controlar os ânimos dentro de campo.

O Fluminense só voltou a incomodar aos 19 minutos quando Ganso cruzou para Yony González, mas Rodrigo Caio conseguiu aliviar o perigo. O time dirigido por Fernando Diniz atacava muito pelo lado esquerdo, setor onde Everaldo levava vantagem sobre Pará, mas não conseguia dar criar situações de perigo para o gol defendido por Diego Alves.

Escalado sem o meia Diego e o atacante Gabigol, o Flamengo encontrava grande dificuldade para se articular ofensivamente e os atacantes Bruno Henrique e Uribe eram pouco acionados. Mesmo sem fazer uma boa partida, o time dirigido por Abel Braga marcou o primeiro gol, aos 29 minutos. Vitinho bateu forte, Rodolfo deu rebote e Bruno Henrique ajeitou para a conclusão de Renê.

A partida continuou truncada com muita reclamação contra a arbitragem, principalmente por parte dos tricolores que não se conformavam com as marcações de Marcelo de Lima Henriques. Aos 37 minutos, Ronaldo derrubou Yony González nas proximidades da área. Ganso bateu e Diego Alves rebateu de soco. A bola voltou para Ganso que teve o seu chute bloqueado pela zaga rubro-negra.

Três minutos depois, o Flamengo teve a chance de ampliar quando Vitinho cruzou e Bruno Henrique cabeceou para grande defesa de Rodolfo. Aos 42, Gilberto recuou mal para Rodolfo, Uribe chegou antes do goleiro, mas concluiu para fora. Aos 46 minutos, Luciano recebeu bom passe de Everaldo e arriscou, mas a bola não levou perigo para Diego Souza.

Nos acréscimos, o volante Airton sentiu um problema muscular e pediu para sair. E antes que o árbitro encerrasse o primeiro tempo, Bruno Henrique atingiu Gilberto de forma desleal e recebeu cartão vermelho direto, deixando o Flamengo com dez jogadores.

O segundo tempo começou com o mesmo panorama do primeiro. Muitas jogadas ríspidas por parte das duas equipes e muitas reclamações contra a arbitragem, inclusive por parte das comissões técnicas das duas equipes. Com vantagem numérica, o Tricolor das Laranjeiras tentava sufocar o adversário para buscar o empate. Aos nove minutos, Everaldo fez boa jogada e tocou para Ganso que se livrou da marcação e chutou, mas Léo Duarte desviou para escanteio.

Aos 15 minutos, o Fluminense empatou depois de outra intervenção do VAR.  Tudo começou quando Everaldo foi derrubado na área por Léo Duarte e o árbitro mandou o jogo seguir, mas foi avisado pelo árbitro de vídeo e ao consultar as imagens, marcou pênalti que Yony González converteu com categoria. Muito nervoso desde o primeiro tempo, o técnico Abel Braga foi advertido pelo árbitro para que parasse com as reclamações a cada marcação. E o Flamengo parecia o reflexo do seu treinador. Um time nervoso e com problemas na organização do jogo.

Depois da parada técnica, o Rubro-negro da Gávea tentou colocar os nervos no lugar para tentar o empate. Aos 27 minutos, Éverton Ribeiro foi derrubado por Ganso nas proximidades da área, mas a cobrança não resultou em nada de positivo. Aos 30 minutos, o técnico Abel Braga decidiu tornar sua equipe mais ofensiva e trocou o volante Ronaldo pelo atacante Arrascaeta.

Com a vantagem do empate, o Fluminense não mostrava tanto ímpeto para buscar o gol e apenas Everaldo seguia dando trabalho aos zagueiros rubro-negros com suas investidas pelo lado esquerdo. Aos 36 minutos, o time dirigido por Fernando Diniz teve ótima chance para ampliar. Gilberto fez boa jogada pela direita e cruzou para a cabeçada forte de Yony González, mas a bola se chocou com o travessão.

Para tentar mais fôlego ao time, o treinador tricolor trocou Bruno Silva por Dodi. O Fluminense adotou uma postura mais defensiva, enquanto o Flamengo partiu para tentar o segundo gol que lhe daria a classificação. Aos 43 minutos, Lucas Silva chutou e a bola bateu em Caio Henrique dentro da área. Os rubro-negros pediram a marcação de pênalti, mas o árbitro nada viu de irregular na jogada.

Os jogadores seguiam envolvidos em confusão a cada lance polêmico, a cada entrada mais dura.  O goleiro Diego Alves passou a ir tentar cabeçada na área tricolor a cada bola parada a favor da sua equipe. Aos 47 minutos, Renê evitou o segundo gol do Fluminense ao desarmar Everaldo que recebeu de Luciano e se preparava para concluir na área. Um minuto depois,o Flamengo desempatou. Lucas Silva foi derrubado por Léo Santos na área e o árbitro marcou pênalti que Éverton Ribeiro bateu com categoria para garantir a vitória rubro-negra.

Logo depois, Ganso recebeu o cartão vermelho por reclamação. E no final da partida, jogadores das duas equipes ainda se envolveram em nova confusão.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 1 X 2 FLAMENGO

 

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 27 de março de 2019 (Quarta-feira)
Horário: 21h30 (de Brasília)
Público: 21.973 pagantes
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Thiago Corrêa Farinha (RJ)
Cartão Amarelo: Luciano, Matheus Ferraz, Airton, Dodi, Everaldo (Flu); Bruno Henrique, Ronaldo, Éverton Ribeiro, Willian Arão, Diego Alves, Pará (Fla)
Cartão Vermelho: Paulo Henrique Ganso (Flu) e Bruno Henrique (Fla)
Gols:
FLUMINENSE: Yony González, aos 15 minutos do segundo tempo
FLAMENGO: Renê, aos 29 minutos do primeiro tempo e Éverton Ribeiro, aos 48 minutos do segundo tempo

FLUMINENSE: Rodolfo; Gilberto, Léo Santos, Matheus Ferraz e Caio Henrique; Aírton (Allan), Bruno Silva (Dodi) e Paulo Henrique Ganso; Luciano, Everaldo e Yony González
Técnico: Fernando Diniz
FLAMENGO: Diego Alves; Pará, Léo Duarte, Rodrigo Caio e Renê; Ronaldo (Arrascaeta), Willian Arão, Vitinho( Lucas Silva) e Everton Ribeiro: Bruno Henrique e Uribe (Vitor Gabriel)
Técnico: Abel Braga

São Paulo venceu e avançou às semifinais do Paulistão (Foto: Erik Teixeira/Raw Image)

A base resolveu, e o São Paulo conseguiu a classificação para as semifinais do Campeonato Paulista, nesta quarta-feira, em Itu. Comandado pelo garoto Antony, o Tricolor venceu por 1 a 0, no Novelli Júnior, com gol de Liziero, outro talento revelado no clube, aos 26 minutos do segundo tempo.

 

Com o resultado, o time de Vagner Mancini vai enfrentar o Palmeiras nas semifinais do Paulistão.

Começo truncado

O jogo começou muito truncado no Novelli Júnior,. O São Paulo administrava a vantagem do empate e corria poucos riscos, enquanto o Ituano se fechava na defesa e tentava avançar na base dos lançamentos longos. A bola ficava trocando de pés pelo meio e as melhores chances de ambas as equipes vieram pelos lados. Os donos da casa investiram no talento do habilidoso e veloz Martinelli pela esquerda, marcado de perto por Anderson Martins. Já o Tricolor alternava entre Hudson e Reinaldo, que paravam na retranca adversária.

Vento a favor

Sem conseguir infiltrar a bem postada defesa do Ituano e com um forte vento soprando a favor do lado que o São Paulo atacava, Vagner Mancini mandou os jogadores arriscarem chutes de fora da área. Igor Gomes, Antony e Pablo cumpriram a determinação do técnico. O camisa 12 chegou a arriscar do meio-campo, em uma tentativa de surpreender Pegorari adiantado, sem sucesso. Precisando da vitória, o Rubro-Negro era desorganizado ao atacar. A melhor chance do time de Itu foi no final da primeira etapa, quando Morato cruzou da direita na medida para Ricardo Silva e Pablo apareceu para mandar para escanteio.

Vento contra Com a troca de lados após o intervalo, o Tricolor passou a jogar contra o vento.

E o Ituano começou a segunda etapa mais agressivo, arriscando chutes, com Martinelli e Ramon e colocando pressão nos 15 minutos iniciais para empolgar a torcida local.

No talento de Antony

O São Paulo melhorou na partida a partir dos 20 minutos e respondeu com o talento de Antony, que criava as melhores oportunidades para os visitantes em lances individuais de habilidade, com dribles e velocidade. E foi em uma arrancada pela direita do garoto da base que o Tricolor abriu o placar, aos 26. O camisa 39 cruzou para Pablo, que chutou em cima da marcação. Lizieiro apareceu bem no rebote e finalizou. Daí até o apito final, o São Paulo jogou com tranquilidade e só administrou o resultado, que garantiu a vaga nas semifinais do Paulistão, ao lado de Palmeiras e Santos. 

FICHA TÉCNICA

ITAUNO 0 X 0 SÃO PAULO

Data/Hora: 27/03/2019, às 19h15 (de Brasília)

Local: Novelli Júnior, em Itu (SP)

Público/Renda: 9.028 pessoas/ Renda: R$ 353.630,00

Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP) Nota L!:6,0: Controlou bem a partida sem lances polêmicos

Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)

VAR: Raphael Klaus (SP)

Cartões amarelos: Morato, Gui Mendes (ITU); Everton Felipe, Pablo, Antony (SAO)

Cartão vermelho: Não houve

Gol: Liziero (0-1, 26’/2ºT)

ITUANO: Pegorari; Jonas, Ricardo Silva, Léo Santos e Peri; Baralhas, Corrêa (Marcelinho, 37’/2ºT) e Bassani (Gui Mendes, 21’/2ºT); Morato, Ramon (Guilherme, 31’/2ºT) e Martinelli. Técnico: Vinicius Bergantin.

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Hudson, Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo (Léo, 40’/2ºT); Luan, Liziero (Jucilei, 37’/2ºT) e Igor Gomes; Antony, Pablo e Everton Felipe (Helinho, 35’/2ºT). Técnico: Vagner Mancini.

 

 

O Palmeiras está na semifinal do Campeonato Paulista. Nesta terça-feira, o Verdão não teve grandes dificuldades para golear o Novorizontino por 5 a 0 no Pacaembu, com gols de Felipe Melo, Ricardo Goulart, Gustavo Scarpa, duas vezes, e Dudu. Na ida, no interior paulista, o duelo havia terminado em empate por 1 a 1.

Mais do que o resultado, o palmeirense pôde celebrar novamente uma boa atuação de sua equipe, o que não acontecia há quatro jogos – desde o triunfo por 3 a 0 sobre o Melgar, na Libertadores. Sem sofrer sustos, o Verdão não teve destaques negativos, mostrou muitas alternativas de ataque e teve poucos momentos de relaxamento em campo.

Entre as 14 boas atuações do Alviverde em campo, Felipe Melo, Diogo Barbosa, Deyverson e Gustavo Scarpa foram os melhores. O último, inclusive, marcou um de seus dois gols de pênalti, graças à marcação do VAR, polêmico no duelo de ida e que fez esquentar o clima entre clube e Federação Paulista. Outro destaque ficou pela entrada de Arthur Cabral no lugar de Deyverson na etapa final, dando mostras de que o camisa 39 pode ter passado na frente de Borja entre os preferidos de Felipão.

Agora o Maior Campeão do Brasil, com a liderança geral garantida, aguarda os demais confrontos das quartas de final do Estadual para conhecer seu próximo adversário. O São Paulo enfrenta o Ituano e o Corinthians pega a Ferroviária. Se os dois rivais da capital vencerem, o Palmeiras irá enfrentar o time alvinegro na semifinal.

Independentemente do chaveamento, a tendência é que o jogo do Alviverde aconteça no sábado. Na terça-feira, a equipe terá pela frente o San Lorenzo, na Argentina, pela terceira rodada da Copa Libertadores da América.

Assim como em Novo Horizonte, o Palmeiras começou o jogo com uma postura agressiva e tentando pressionar o adversário. O grande diferencial em relação ao duelo de ida foi o último homem da linha palestrina. Deyverson, que segundo previsão do departamento médico do clube deveria voltar aos trabalhos apenas em cerca de duas semanas, foi titular na vaga de Borja. Assim, as duas oportunidades desperdiçadas pelo colombiano no último sábado, logo no início dos 90 minutos, foram convertidas nesta noite.

Aos seis minutos, Dudu cobrou escanteio na área e Felipe Melo nem precisou subir muito para testar para as redes. Foi o sétimo gol do volante em 101 partidas pelo clube. O tento demonstrou a deficiência dos visitantes no jogo aéreo, e o time de Luiz Felipe Scolari sobre explorá-la.

Com 11 jogados, Dudu bateu novo escanteio, Deyverson desviou no primeiro poste e Ricardo Goulart apareceu sozinho na segunda trave para mandar para o gol. Curiosamente, a jogada já havia sido feita no primeiro jogo entre as equipes, mas na ocasião, Borja perdeu clara oportunidade após o desvio de Antônio Carlos, que ficou na bronca.

Com a vantagem de dois gols no marcador, os mandantes se acomodaram, mas não sofreram defensivamente. Fernando Prass teve trabalho em apenas um cabeceio rival, enquanto Ricardo Goulart e Deyverson desperdiçaram oportunidades claras pelo lado verde. Do quarteto de ataque, apenas Gustavo Scarpa esteve apagado na primeira etapa. Mas no segundo tempo, foi justamente dele o terceiro gol alviverde.

O VAR, que na primeira partida foi motivo de polêmica entre Palmeiras e Federação Paulista, desta vez agiu a favor dos palmeirenses quando o árbitro Vinicius Gonçalves revisou jogada no monitor e apontou pênalti, convertido pelo camisa 14 do Palestra ainda aos seis minutos.

Em novo pênalti, este sofrido por Deyverson e sem colaboração do VAR, o Palmeiras fez seu quarto gol. Dudu pediu para bater, foi para a bola e converteu. Por fim, já aos 33 minutos, o camisa 7 cobrou lateral longo para a área, Arthur Cabral ajeitou para trás, Bruno Henrique rolou e Gustavo Scarpa fechou o marcador.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 5 X 0 NOVORIZONTINO

Data: 26 de março de 2019, terça-feira
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo
Horário: 21 horas (de Brasília)
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Evandro de Melo Lima
Público: 26.706 pessoas
Renda: R$ 717.272,50

Cartões amarelos: Cléo Silva e Dudu Vieira (Novorizontino)

GOLS
PALMEIRAS: Felipe Melo (6/1T), Ricardo Goulart (11/1T), Gustavo Scarpa (6/2T e 33/2T) e Dudu (17/2T)

 

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo (Thiago Santos), Bruno Henrique e Ricardo Goulart (Lucas Lima); Gustavo Scarpa, Dudu e Deyverson (Arthur Cabral)
Técnico: Felipão

NOVORIZONTINO: Oliveira; Lucas Ramon, Everton Sena, Edson Silva e Paulinho; Jean Patrick (Dudu Vieira), Adilson Goiano, Danielzinho (Carlinhos) e Murilo Henrique; Felipe Marques (Paulinho Moccelin) e Cléo Silva
Técnico: Roberto Fonseca

 

Mais Artigos...