Dourados-MS,
 Camara municipal-principal

O Palmeiras provou mais uma vez que sabe ser brasileiro na noite deste domingo. No Estádio de São Januário, o time comandado pelo técnico Luiz Felipe Scolari contou com gol do centroavante Deyverson para ganhar do Vasco por 1 a 0 e garantiu o título nacional.

Com 77 pontos, o Palmeiras assegura o primeiro lugar do Campeonato Brasileiro ainda na 37ª rodada, já que, a uma do fim, não pode mais ser alcançado pelo Flamengo (72). O Vasco, no 13º lugar, fica com 42 pontos, quatro a mais do que o Sport, primeiro integrante da zona de rebaixamento.

Em êxtase, a torcida alviverde canta e vibra pelo decacampeonato, uma vez que o Palmeiras conquistou a Taça Brasil (1960 e 1967), o Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1967 e 1969) e Campeonato Brasileiro (1972, 1973, 1993, 1994, 2016 e 2018), todos unificados pela CBF.

Pela 38ª e última rodada do Campeonato Brasileiro, às 17 horas (de Brasília) de domingo, o Palmeiras volta a campo para enfrentar o Vitória, no Allianz Parque. No mesmo horário, o Vasco encerra sua participação contra o Ceará, no Estádio Castelão.

O Jogo – Com as arquibancadas de São Januário lotadas, o Vasco começou o jogo em alta e deu trabalho à defesa palmeirense durante o primeiro tempo. Após cobrança rápida de falta, Andrey arriscou de fora da área e obrigou o goleiro Weverton a ceder o escanteio.

Como de costume, o lateral esquerdo Diogo Barbosa demonstrou vulnerabilidade na marcação, deficiência explorada pelo Vasco. Em um chute cruzado disparado por Pikachu, o goleiro Weverton voltou a fazer uma defesa importante e Felipe Melo afastou o perigo.

O Palmeiras conseguiu manter a posse de bola, mas foi incapaz de criar boas oportunidades na etapa inicial. Na estocada mais incisiva do time visitante, Bruno Henrique dominou pela esquerda e chutou de fora da área, com perigo para o goleiro Fernando Miguel.

Após ouvir instruções de Felipão no vestiário, o Palmeiras voltou melhor para o segundo tempo. Logo no recomeço da partida, o lateral Mayke cruzou da direita e Dudu, livre, tentou completar de primeira, mas pegou errado e mandou a bola para fora.

Na tentativa de aumentar o poder fogo de sua equipe, Felipão trocou Borja por Deyverson e depois tirou Lucas Lima para colocar Gustavo Scarpa, deslocando Dudu para a meia. Aos 27 minutos, o camisa 7 deu belo passe na direita para Willian, que cruzou para Deyverson completar com sucesso.

Em vantagem no marcador, Felipão sacou Willian e posicionou Jean na ponta direita. O Vasco, dirigido por Alberto Valentim, procurou reagir e chegou a pressionar o Palmeiras no campo de defesa, mas o time visitante soube como se defender até o apito final para ganhar o Campeonato Brasileiro.

FICHA TÉCNICA
VASCO 0 X 1 PALMEIRAS

Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 25 de novembro de 2018, domingo
Horário: 17 horas (Brasília)
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Rafael Trombeta (PR)
Público: 21.066 pagantes
Renda: R$ 596.810,00
Cartões amarelos: Desábato, Castan e Andrey (VAS); Felipe Melo, Bruno Henrique, Gomez, Deyverson e Jean (PAL)
Cartão vermelho: Pikachu (VAS)
Gol:
PALMEIRAS: Deyverson, aos 26 minutos do 2º Tempo

VASCO: Fernando Miguel; Luiz Gustavo, Werley, Leandro Castan e Henrique (Willian Maranhão); Desábato (Raul), Andrey, Yago Pikachu e Thiago Galhardo; Kelvin (Marrony) e Maxi López
Técnico: Alberto Valentim

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gomez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique, Lucas Lima (Gustavo Scarpa); Willian (Jean); Dudu e Borja (Deyverson)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Foto - Divulgação

Neste domingo, às 17 horas, no estádio São Januário, o Palmeiras poderá comemorar o título do Campeonato Brasileiro da Série A. Para isso, o Verdão terá que derrotar o Vasco, em partida válida pela 37° rodada do torneio nacional, pois assim, não dependerá de nenhum outro resultado. A situação do time alviverde é tão boa que mesmo em caso de empate ou derrota diante do clube cruz maltino pode servir para conquistar o título, mas neste caso, o Flamengo não pode vencer o Cruzeiro, jogo que acontece no mesmo dia e horário.

Caso o Verdão consiga o título, a equipe chegará à marca expressiva de dez troféus do Campeonato Brasileiro e voltará a vencer um torneio desde o fim de 2016, quando conquistou também o principal torneio nacional. Além disso, será o sexto “caneco” que Luiz Felipe Scolari conseguirá no comando do clube, sendo a maior delas a Copa Libertadores de 1999.

O time alviverde não perde desde a “longínqua” 15° rodada, quando foi derrotado pelo Fluminense por 1 a 0, partida realizada no Rio de Janeiro. No entanto, naquela época, o técnico do Verdão era Roger Machado, que deixou o coando da equipe logo após aquele tropeço. 

Quem poderá atuar pelo Palmeiras é o meia Gustavo Scarpa, que estava suspenso e não atuou na goleada por 4 a 0 diante do América-MG. O meia passou por problemas jurídicos com o Fluminense e teve seu primeiro semestre bastante comprometido, porém a diretoria alviverde conseguiu entrar em um acordo com o time carioca e, desde então, o jogador vem ganhando espaço no grupo comandado por Luiz Felipe Scolari.

Já pelo lado do Vasco, o momento ainda é de preocupação, pois o clube ainda tem possibilidade de ser rebaixado para a Série B. No entanto, a vitória diante do São Paulo, por 2 a 0, na última quinta-feira, fez com que a equipe carioca se afastasse da zona de rebaixamento e “respirasse” um pouco mais nesta reta final de temporada.

O trunfo diante do tricolor paulista fez com que a equipe comandada por Alberto Valentim quebrasse um jejum de três jogos consecutivos sem vitória e desse moral para o jogo contra o Palmeiras. No entanto, a temporada do cruz-maltino é bem ruim e as últimas semanas foram bastante conturbadas por causa da falta de resultados positivos e do time brigar por títulos ao longo do ano.

Caso o time carioca consiga os três pontos diante do Verdão, a equipe afasta de vez qualquer possibilidade de rebaixamento e por isso a tendência é que São Januário esteja lotado para garantir a segunda vitória do Vasco no torneio nacional.

FICHA TÉCNICA
VASCO x PALMEIRAS

Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 25 de novembro de 2018, domingo
Horário: 17 horas (Brasília)
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Rafael Trombeta (PR)

VASCO: Fernando Miguel; Luiz Gustavo, Werley, Leandro Castan e Henrique; Desábato, Andrey, Yago Pikachu e Thiago Galhardo; Kelvin e Maxi López
Técnico: Alberto Valentim

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luís; Thiago Santos, Bruno Henrique, Lucas Lima; Willian; Dudu e Borja
Técnico: Luiz Felipe Scolari

 

 
Boca Juniors e River Plate encerram neste sábado, às 18h (de Brasília), no Monumental de Núñez, uma final que definirá gerações de jogadores, torcedores, dirigentes... Haverá o antes e o depois deste 24 de novembro de 2018 – e não adianta você achar que se trata um exagero. Nas ruas de Buenos Aires, o sentimento é de que o medo de perder para o arquirrival é maior até mesmo do que a vontade de ganhar a Taça Libertadores da América. Parece coisa de louco, não é? Talvez não seja para entendermos.

É fácil dizer que é a maior final envolvendo clubes argentinos na história. Mas há quem pense que estamos diante da maior final da história do futebol de clubes, levando em consideração que todas as demais concorrentes precisem ser analisadas previamente ao acontecimento, e não depois de algum fato épico ou uma virada heróica.

View image on Twitter
 
 

Donos de uma das maiores rivalidades do mundo, Boca e River somam cerca de 70% de toda a torcida da Argentina e há todo o simbolismo de esta ser a última decisão da Libertadores com partidas de ida e volta e a primeira com clubes da Argentina em 58 edições. A partir de 2019, as finais serão em jogo único: a primeira acontecerá em Santiago, no Chile. Quanta diferença...

View image on Twitter
 
 O primeiro jogo terminou 2 a 2, na Bombonera, no dia 11. O que significa que novo empate, seja por qualquer placar, levará a decisão para a prorrogação – e, consequentemente, pênaltis. Quem vencer será o campeão. O SporTV transmite ao vivo a partir das 16h30 (de Brasília).
Embedded video
 
Em sua 11ª final, o Boca almeja o sétimo troféu (1977, 1978, 2000, 2001, 2003 e 2007), que o deixaria empatado com o Independiente na liderança histórica; enquanto o River busca o quarto (1986, 1996 e 2015) em sua sexta decisão. Certo mesmo é que a Argentina vai ampliar sua vantagem na lista de títulos por países para 25 a 18, do Brasil. O Uruguai é o terceiro, com oito canecos.

Outras curiosidades: 

  • O Boca ganhou três de suas seis Libertadores como visitante, incluindo os títulos sobre Santos, em 2003, e Grêmio, em 2007.
  • O River ganhou os cinco jogos que fez em casa nas finais e acabou campeão nas últimas três vezes
  • O Boca não perde no Monumental desde maio de 2015 (três vitórias e um empate)
  • O título garante o River na Libertadores de 2019, enquanto o Boca já está classificado como atual campeão argentino 

O River faz o segundo jogo em casa por ter tido melhor campanha na fase de grupos – a quarta entre os primeiros colocados. No mata-mata, eliminou em sequência Racing, Independiente e Grêmio. O Boca, por sua vez, passou na bacia das almas, com a sexta campanha dentre os vices das chaves, mas engrenou e passou por Libertad, Cruzeiro e Palmeiras.

 

Desfalques e mistério

Guillermo Barros Schelotto e Marcelo Gallardo, que não poderá ficar na área técnica por conta da suspensão da Conmebol, chegaram a este sábado com problemas para escalar suas equipes.

No Boca, Pavón deixou o jogo de ida aos 30 minutos com uma lesão muscular e não terá condições de sequer ir ao banco, enquanto o colombiano Borré, do River, foi suspenso pelo acúmulo de cartões amarelos. 

Durante a semana, Gallardo também perdeu outro atacante, Scocco, talvez preparado para ser o substituto ao lado de Pratto. O mais provável no momento é a entrada de mais um meio-campista, adiantando Pity Martínez. 

tevez com torcedor no treino aberto do boca juniors na bombonera — Foto: EFE/ Juan Ignacio Roncoroni

tevez com torcedor no treino aberto do boca juniors na bombonera — Foto: EFE/ Juan Ignacio Roncoroni

Por outro lado, o River poderá contar com a volta do volante Ponzio, capitão e um dos pilares do time, ausente na Bombonera por problemas musculares.

O Boca também tem o retorno do goleiro Andrada, recuperado de uma delicada lesão na mandíbula que sofreu nas quartas de final contra o Cruzeiro. Rossi, dono de grande partida há duas semanas, sairia da equipe.

Na frente, as opções para substituir Pavón são Tevez, Benedetto, Zárate e até o jovem meio-campista Almendra. Ábila e Villa devem começar jogando num Boca renovado após o treino aberto de quinta-feira na Bombonera.

Confira as prováveis escalações:

River Plate: Armani, Montiel, Maidana, Pinola e Casco; Ponzio; Nacho Fernández, Enzo Pérez, Palacios e Pity Martínez; Pratto. Técnico: Matías Biscay (Marcelo Gallardo está suspenso).

Boca Juniors: Andrada, Jara, Izquierdoz, Magallán e Olaza; Barrios, Nández e Pablo Pérez; Villa, Ábila e Tevez (Zárate). Técnico: Guillermo Barros Schelotto.

Árbitro: Andrés Cunha (Uruguai)
Auxiliares: Nicolas Taran e Mauricio Espinosa (Uruguai)
Árbitro de vídeo: Leodán Gonzalez (Uruguai)
Auxiliares do árbitro de vídeo: Esteban Ostojich, Richard Trinidad e Martni Vazquez (Uruguai)

 

Globo Esporte

São Paulo coloca bom momento à prova contra o Vasco em São Januário 

FICHA TÉCNICA
VASCO X SÃO PAULO

Local: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data: Quinta-feira, 22 de novembro de 2018
Horário: 20h (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa/SP)
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Cleriston Clay Barreto Rios (SE)

VASCO: Fernando Miguel; Luiz Gustavo, Oswaldo Henríquez, Leandro Castan e Henrique; Leandro Desábato, Andrey, Thiago Galhardo, Yago Pikachu e Kelvin; Maxi López

Técnico: Alberto Valentim

SÃO PAULO: Jean; Bruno Peres, Arboleda, Rodrigo Caio (Anderson Martins) e Reinaldo; Jucilei, Hudson, Nenê; Everton, Helinho e Tréllez

Técnico: André Jardine

 

 

Chapecoense e Sport fazem confronto direto para fugir do rebaixamento

FICHA TÉCNICA
CHAPECOENSE x SPORT

Local: Arena Condá, em Chapecó (SC)
Data: 22 de novembro de 2018, quinta-feira
Horário: 21h (Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Jorge Eduardo Bernardi (RS)

CHAPECOENSE: Jandrei; Eduardo, Douglas, Fabrício Bruno e Nery Bareiro; Marcio Araujo, Elicarlos e Canteros; Welligton Paulist, Doffo e Leandro Pereira
Técnico: Claudinei Oliveira

SPORT: Mailson; Claudio Winck, Ronaldo Alves, Adryelson e Ernando; Felipe Bastos, Jair, Michel Bastos e Gabriel; Mateus Gonçalves e Hernane
Técnico: Milton Mendes

 

Fluminense busca tranquilidade em visita ao Bahia

FICHA TÉCNICA
BAHIA X FLUMINENSE

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Data: 22 de novembro de 2018 (Quinta-feira)
Horário: 21h (de Brasília)
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP)
Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (Fifa-SP)

BAHIA: Douglas Friedrich, Bruno, Douglas Grolli, Lucas Fonseca e Paulinho; Gregore, Elton, Ramires, Élber e Zé Rafael; Edigar Junio (Gilberto)
Técnico: Enderson Moreira

FLUMINENSE: Júlio César, Igor Julião (Léo), Gum, Digão e Ayrton Lucas; Jadson, Dodi e Junior Sornoza; Bryan Cabezas, Luciano e Everaldo
Técnico: Marcelo Oliveira

 

Ceará enfrenta o Paraná para dar mais um passo para a permanência

FICHA TÉCNICA
CEARÁ X PARANÁ CLUBE

Local: Arena Castelão, em Fortaleza (CE)
Data: 22 de novembro de 2018, quinta-feira
Horário: 21 horas (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (Fifa-SP)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP)

CEARÁ: Everson, Samuel Xavier, Tiago Alves, Luiz Otávio e Felipe Jonatan; Juninho, Richardson e Calyson; Leandro Carvalho, Felipe Azevedo e Ricardo Bueno
Técnico: Lisca

PARANÁ: Richard; Wesley Dias, Jesiel, René Santos e Igor; Leandro Vilela, Alex Santana e Alesson; Juninho (Silvinho), Andrey e Rafael Grampola.
Técnico: Dado Cavalcanti

O Santos garantiu uma vaga na Copa Sul-Americana de 2019 durante a noite de sábado. Jogando em uma esvaziada Vila Belmiro, o Peixe voltou a mostrar um futebol ofensivo e derrotou o Atlético-MG por 3 a 2, com gols de Carlos Sánchez, Felippe Cardoso e Gabriel – Ricardo Oliveira (2) descontou para a equipe visitante.

Com o resultado, além de encerrar uma série de cinco partidas sem vitória, o Santos assumiu o nono lugar do Campeonato Brasileiro, com 50 pontos, não podendo mais ser ultrapassado pelo Fluminense (42), último clube dentro da zona de classificação à próxima Sul-Americana. Já o Galo segue na sexta colocação, com 56 pontos, mas pode deixar o G6 neste domingo em caso de vitória do Atlético-PR sobre o Ceará, em Curitiba.

Para além da vaga, o triunfo fez Renato encerrar sua carreira de jogador com chave de ouro. O volante, acionado no segundo tempo, fez sua 424ª partida pelo Santos. Em 2019, ele exercerá exclusivamente o cargo de diretor-executivo de futebol do Peixe. O duelo também marcou a despedida de Cuca da Vila Belmiro, uma vez que o treinador deixará o comando da equipe ao final desta temporada por problemas de saúde.

Pela 38ª e última rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos enfrentará o Sport na Ilha do Retiro, no próximo domingo (2), às 17 horas (de Brasília). No mesmo dia e horário, o Galo tentará se garantir na Libertadores de 2019 contra o Botafogo, no Independência.

O Jogo – Em um lance de extrema categoria, o Santos abriu o placar assim que o relógio marcou um minuto de bola rolando. Cobrando falta frontal, Carlos Sánchez bateu por cima da barreira, sem chances para Victor.

O Galo não demorou a responder e se valeu da lei do ex para empatar. Aos 16 minutos, após puxar contra-ataque, Chará tabelou com Luan e acionou Ricardo Oliveira, que chutou da entrada da área, no canto. Vanderlei ainda deu um toque na bola, mas ela balançou as redes.

O gol fez o Peixe acordar e pular novamente à frente no placar aos 33 minutos, quando Felippe Cardoso tabelou com Diego Pituca, driblou o zagueiro dentro da área e bateu forte, deslocando Victor.

Pouco depois, o Santos voltaria a se aproveitar da desatenção da defesa mineira para ampliar a vantagem. Aos 36, Gabigol recebeu passe de Dodô na esquerda e, livre de marcação, tocou na saída de Victor antes de comemorar com a torcida no alambrado. No fim do primeiro tempo, Sánchez ainda desperdiçaria grande chance, após rápido contra-ataque.

Em uma falha de Vanderlei, o Atlético-MG diminuiu o prejuízo no começo da etapa complementar. Aos sete minutos, o goleiro saiu mal após cobrança de escanteio e viu a bola bater em Ricardo Oliveira e desviar em Alison antes de entrar no gol.

Com dificuldades na marcação, o Santos passou a apelar para as faltas, o que fez Dodô, Alison e Diego Pituca ficarem pendurados com cartão amarelo. A situação ficaria ainda mais difícil quando Sánchez parou contra-ataque promissor do Galo com falta dura em Elias, sendo expulso com o vermelho direto.

Para fechar o Santos de vez, Cuca colocou Renato e Copete nas vagas de Gabigol e Derlis. As alterações surtiram efeito, já que os donos da casa conseguiram segurar mais a bola e se defenderam melhor para assegurar o triunfo no último jogo disputado na Vila em 2018.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 X 2 ATLÉTICO-MG

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 24 de novembro de 2018 (sábado)
Horário: 20h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Rafael da Silva Alves e Jorge Eduardo Bernardi
Cartão Amarelo: Gabriel, Dodô, Alison e Diego Pituca  (Santos); Cazares
Cartão Vermelho: Carlos Sanchéz (Santos)
Gols: 

SANTOS: Carlos Sánchez, a 1 minuto, Felippe Cardoso, aos 33, e Gabriel, aos 36 do 1º tempo
ATLÉTICO-MG: Ricardo Oliveira, aos 16 minutos do 1º tempo, e aos 7 minutos do 2º tempo

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez; Gabigol (Renato), Derlis González (Jonathan Copete) e Felippe Cardoso (Rodrygo)
Técnico: Cuca

ATLÉTICO-MG: Victor; Emerson, Léo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Galdezani (Alerrandro), Elias e Cazares; Luan (Lucas Cândido), Chará (Terans) e Ricardo Oliveira
Técnico: Levir Culp

O São Paulo desperdiçou a chance de voltar ao G4 do Campeonato Brasileiro durante a noite desta quinta-feira. Jogando em São Januário, o time tricolor sentiu a ausência de Diego Souza e se mostrou praticamente inofensivo diante de um Vasco mais ligado, que venceu por 2 a 0 e ganhou fôlego na briga contra a degola.

A equipe dirigida por André Jardine, que poderia assumir o quarto lugar em função da derrota do Grêmio na rodada, permanece na quinta colocação, com os mesmos 62 pontos do time gaúcho, mas com uma vitória a menos. Já o Cruz-Maltino assume a 14ª posição, com 42 pontos, cinco a mais que o América-MG, primeiro clube dentro da zona de rebaixamento.

Pela 37ª e penúltima rodada do Campeonato Brasileiro, o São Paulo tentará se reabilitar diante do Sport, na próxima segunda-feira, às 20 horas (de Brasília), no Morumbi. Um dia antes, às 17 horas, o Vasco buscará adiar o título do Palmeiras e finalmente se livrar do risco de descenso.

O Jogo – Em uma falha infantil na saída de bola do São Paulo, o Vasco abriu o placar aos 17 minutos do primeiro tempo. Após passe errado de Jucilei para Hudson, Andrey aproveitou e bateu colocado na entrada da área. O chute não saiu forte, mas a bola quicou, e Jean não conseguiu alcançar para evitar o primeiro dos cariocas.

O Tricolor, então, se lançou ao ataque após o gol sofrido, mas não conseguia se infiltrar nas linhas defensivas do rival. O Vasco, mais ligado na partida, passou a apostar nos contra-ataques e levou perigo em alguns deles, porém não acertava o último passe.

Nos minutos finais da primeira etapa, os paulistas se mostraram nervosos em campo. Hudson, Rodrigo Caio e Bruno Peres, por exemplo, foram advertidos com cartão amarelo por faltas duras. Apelando para os cruzamentos, o São Paulo não conseguiu levar a bola até Tréllez, e Fernando Miguel praticamente não foi ameaçado antes do intervalo.

Aos três minutos do segundo tempo, o Tricolor teve sua melhor chance de gol até então na partida. Após cobrança de escanteio pela direita, Reinaldo pegou o rebote na entrada da área e bateu forte de esquerda. Fernando Miguel ficou parado e só olhou a bola tirar tinta da trave.

Com o Vasco recuado em seu campo de defesa, André Jardine colocou Shaylon no lugar de Hudson para deixar o São Paulo mais ofensivo. Pouco efetivo com a bola rolando, o Tricolor quase chegou ao empate com ela parada. Aos 23, Nenê cobrou falta com veneno e balançou a rede, mas pelo lado de fora.

Vendo seu time recuar demasiadamente, a torcida vascaína gritou em uníssono para a equipe “jogar”, o que não foi obedecido naquela altura. Aos 43 minutos, os cariocas por pouco não foram castigados. Após cobrança de falta pela esquerda, Rodrigo Caio subiu mais alto que todo mundo e testou firme, exigindo grande defesa de Fernando Miguel.

Nos acréscimos, porém, o Vasco ainda ampliaria. Aos 49 minutos, após cochilo de Shaylon no meio-campo, Yago Pikachu tabelou com Maxi López, invadiu a área e tocou na saída de Jean, enfim garantindo a vitória do time cruz-maltino, que conquistou o almejado alívio na luta contra o rebaixamento.

FICHA TÉCNICA
VASCO 2 X 0 SÃO PAULO

Local: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data: Quinta-feira, 22 de novembro de 2018
Horário: 20h (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa/SP)
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Cleriston Clay Barreto Rios (SE)
Público: 14.917 torcedores
Renda: R$ 354.345,00
Cartão Amarelo: Leandro Desábato e Luiz Gustavo (Vasco); Hudson, Rodrigo Caio, Bruno Peres e Antony (São Paulo)
Cartão Vermelho: –
Gols: 

VASCO: Andrey, aos 17 minutos do 1º tempo, e Yago Pikachu, aos 49 minutos do 2º tempo

VASCO: Fernando Miguel; Luiz Gustavo, Werley (Oswaldo Henríquez), Leandro Castan e Henrique; Leandro Desábato (Willian Maranhão), Andrey, Thiago Galhardo, Yago Pikachu e Kelvin (Caio Monteiro); Maxi López
Técnico: Alberto Valentim

SÃO PAULO: Jean; Bruno Peres, Arboleda, Rodrigo Caio e Reinaldo; Jucilei, Hudson (Shaylon) e Nenê; Helinho (Antony), Everton e Tréllez (Pedro Bortoluzo)
Técnico: André Jardine

O Palmeiras precisa de apenas mais dois pontos para conquistar o Campeonato Brasileiro. Na noite desta quarta-feira, com uma atuação brilhante de Dudu, o time comandado pelo técnico Luiz Felipe Scolari goleou o América-MG por 4 a 0 e deu um passo decisivo rumo ao título.

Com 74 pontos, o Palmeiras mantém a liderança e, a duas rodadas do fim, pode ser alcançado apenas pelo Flamengo (69), já que o Internacional (65) saiu da briga definitivamente. O América-MG, com 37 pontos, fica no 17º lugar, dentro da zona de rebaixamento.

Pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro, às 17 horas (de Brasília) deste domingo, o Palmeiras garante o título antecipado com um triunfo sobre o ameaçado Vasco, em São Januário. O América-MG, por sua vez, pega o Bahia às 19 horas do mesmo dia, no Estádio Independência.

O Jogo – O Palmeiras tomou a iniciativa e levou perigo logo no começo da partida, quando Dudu arrancou pela direita e cruzou, mas Willian não conseguiu completar. O camisa 7 se movimentou bastante e também assustou pela esquerda ao chutar para defesa no susto de João Ricardo.

Empurrado pela torcida, o time mandante teve espaço para jogar no primeiro tempo e não correu grandes riscos na defesa. No único lance em que foi exigido durante a etapa inicial, o goleiro Weverton saiu da área pela direita e conseguiu desarmar Ademir.

O Palmeiras desperdiçou uma grande oportunidade de abrir o marcador dois minutos antes do fim do primeiro tempo. Dudu recebeu de Borja pela esquerda, limpou a marcação e devolveu para o colombiano na cara do gol, mas o centroavante conseguiu chutar por cima.

O Palmeiras enfim saiu na frente aos 13 minutos do segundo tempo. Lucas Lima recebeu pela esquerda e cruzou. Na tentativa de afastar, Messias cortou, mas a bola bateu em Luan e terminou no gol. O América-MG reclamou de impedimento, inexistente.

Willian chegou a perder uma boa chance diante de João Ricardo, mas não falhou na segunda oportunidade. Aos 30 minutos do segundo tempo, Dudu pegou a sobra dentro da área após cruzamento de Mayke pela direita e tocou para finalização precisa do camisa 29.

Em êxtase, a torcida passou a saudar o provável título aos gritos de “o Deca vem aí!”. Aos 32 minutos, Bruno Henrique tocou da esquerda para Dudu, que dominou na entrada da área e chutou no alto para ampliar. A festa aumentou quatro minutos depois, quando Mayke cruzou da direita e Deyverson fechou o placar com cabeçada certeira.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 4 X 0 AMÉRICA-MG

Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Data: Quarta-feira, dia 21 de novembro de 2018
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Assistentes: Luciano Roggenbaum (PR) e Luiz H Souza Santos Renesto (PR)
Público: 39.429 torcedores
Renda: R$ 2.615.582,46
Cartões amarelos: Ademir, Ricardo Silva, Norberto, Christian, Matheus Ferraz e Leandro Donizete (América-MG)
Gols:
PALMEIRAS: Luan, aos 13, Willian, aos 30, Dudu, aos 32, e Deyverson, aos 36 minutos do 2º tempo

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Victor Luis; Thiago Santos (Moisés), Bruno Henrique e Lucas Lima; Willian, Dudu (Felipe Melo) e Miguel Borja (Deyverson)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

AMÉRICA-MG: João Ricardo; Norberto, Messias, Matheus Ferraz e Carlinhos; Christian, Juninho (Gerson Magrão), e Matheusinho (Robinho); Ademir (Leandro Donizete), Luan e Rafael Moura
Técnico: Givanildo Oliveira

 

Mais Artigos...