Dourados-MS,
CMD-2

O Santos é o primeiro clube classificado às quartas de final do Campeonato Paulista. Na noite deste sábado, após sair em desvantagem diante do Oeste, o time dirigido pelo técnico Jorge Sampaoli venceu por 3 a 2 com um gol de Victor Ferraz nos acréscimos e assegurou a vaga.

Com 22 pontos e sete vitórias, o Santos permanece na primeira colocação do Grupo A e não pode mais ser alcançado pela Ponte Preta, que tem 10 pontos e duas vitórias. O Oeste, por sua vez, figura na liderança do Grupo D com 12 pontos e corre risco de ser ultrapassado pelo São Paulo (10), que ainda visita o Bragantino no domingo.

Pela 10ª rodada do Campeonato Paulista, o Oeste enfrenta o Red Bull às 19 horas (de Brasília) de sexta-feira, na Arena Barueri. Já o Santos pega o Corinthians às 16 horas de domingo, em Itaquera. Antes, às 21h30 de quinta, o time alvinegro duela com o América-RN, pela segunda fase da Copa do Brasil, no Pacaembu.

O Jogo – Atrapalhada pela chuva, a partida começou com 1h25min de atraso e, depois de tomar um susto em chute de Derlis Gonzalez, o Oeste saiu na frente. Aos 14 minutos do primeiro tempo, Bruno Lopes acertou belo chute de fora da área e encobriu Vanderlei.

O Santos tentou pressionar em busca do empate, mas teve dificuldades para criar boas chances de gol. O time praiano igualou o marcador apenas aos 41 minutos do primeiro tempo, quando Jean Mota levantou na área em cobrança de falta e Betinho desviou contra a própria meta.

Os santistas nem tiveram tempo de comemorar o empate, já que o Oeste retomou a vantagem no marcador no minuto seguinte. Roberto subiu com liberdade pela direita e cruzou para uma cabeçada certeira de Matheus Jesus diante de Vanderlei.

O técnico Jorge Sampaoli voltou para o segundo tempo com Carlos Sanchez e Rodrygo nas vagas de Yuri e Soteldo. Encorpado pelas alterações, o Santos chegou ao empate aos 16 minutos. Victor Ferraz recebeu de Jean Mota pela direita e cruzou para Derlis Gonzalez completar de primeira.

O Oeste quase marcou o terceiro logo depois. Após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo, Kanu cabeceou firme e Vanderlei fez boa defesa. No rebote, o próprio Kanu bateu por cima. O goleiro voltou a salvar o Santos ao sair diante de Jheimy e teve seu nome gritado pela torcida.

Empurrado pelos quase 10 mil torcedores que foram ao Pacaembu, o Santos buscou a virada de forma franca e conseguiu aos 50 minutos da etapa complementar. Após corte do goleiro Matheus, Rodrygo tocou para Victor Ferraz, que definiu a partida com um chute forte e cruzado.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 x 2 OESTE

Data: 2 de março de 2019 (sábado)
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Horário: 19h (de Brasília)
Arbitragem: Thiago Duarte Peixoto
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Gustavo Rodrigues de Oliveira
Público: 8.123 pagantes
Renda: R$ 249.544,00
Cartões amarelos: Aguilar e Rodrygo (SAN); Bruno Lopes, Matheus Jesus, Alyson e Lídio (OES)
Gols:
SANTOS: Betinho (contra), aos 41 minutos do 1º Tempo, Derlis Gonzalez, aos 16 minutos do 2º Tempo, e Victor Ferraz, aos 50 minutos do 2º Tempo
OESTE: Bruno Lopes, aos 14 minutos do 1º Tempo, Matheus Jesus, aos 42 minutos do 1º Tempo

 

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Yuri (Carlos Sanchez), Jean Lucas, Jean Mota e Cueva (Felipe Cardoso); Soteldo (Rodrygo) e Derlis González
Técnico: Jorge Sampaoli

OESTE: Matheus Cavichioli; Tony, Maracás, Kanu e Alyson; Matheus Jesus (Lídio), Betinho, Elvis, Mazinho (Jheimy) e Roberto; Bruno Lopes (Bruno Xavier)
Técnico: Renan Freitas

 

O Santos enfrenta o Oeste neste sábado, às 19h (de Brasília), no Pacaembu, em busca da classificação antecipada. Se conseguir os três pontos, o Peixe garante vaga nas quartas de final já na nona rodada.

Depois de ser eliminado da Sul-Americana para o River Plate-URU, o Alvinegro volta a contar com Jean Lucas (não inscrito a tempo) e Rodrygo e Cueva (suspensos) na competição continental.

O técnico Jorge Sampaoli fez diversos testes e deve contar com o reforço Felipe Jonatan já como titular. Alison, Diego Pituca, Carlos Sánchez e Rodrygo devem ficar no banco de reservas.

“Agora só pensamos no Campeonato Paulista. Precisamos vencer para nos classificarmos o quanto antes e depois pensar em ser primeiro para ter a vantagem de decidir em casa”, disse Soteldo, em entrevista coletiva.

Em boa fase, o Oeste lidera o Grupo D, com 12 pontos, um a mais que o Ituano e dois na frente do São Paulo. A equipe do interior espera pontuar em São Paulo para se manter na briga por um lugar nas quartas de final.

Matheus Jesus, ex-Santos, é um dos destaques do Oeste. O volante teve poucas oportunidades depois de vir por empréstimo da Ponte Preta.

FICHA TÉCNICA
SANTOS X OESTE

Data: 2 de março de 2019 (sábado)
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Horário: 19h (de Brasília)
Arbitragem: Thiago Duarte Peixoto
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Gustavo Rodrigues de Oliveira

 

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Yuri, Jean Lucas, Jean Mota e Cueva; Soteldo e Derlis González
Técnico: Jorge Sampaoli

OESTE: Matheus Cavichioli; Tony, Maracás, Kanu e Conrado; Matheus Jesus, Betinho, Elvis e Mazinho; Bruno Lopes e Jheimy
Técnico: Renan Freitas

O Flamengo não encontrou a menor dificuldade para alcançar a segunda vitória consecutiva na Taça Rio. Em partida disputada na noite desta quinta-feira, no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, o Rubro-negro da Gávea derrotou a Portuguesa por 3 a 1 e assumiu a primeira colocação no Grupo C com seis pontos ganhos. A Lusa, da Ilha do Governador, segue na última colocação do Grupo B, ainda sem pontuar. Os gols da equipe dirigida por Abel Braga foram marcados por Gabigol, dois, e Bruno Henrique. Patryck anotou para a Portuguesa.

No seu último teste antes da estreia na fase de grupos da Libertadores, o Flamengo não precisou correr muito para conseguir o resultado positivo. O time fez um bom primeiro tempo, caiu de produção na etapa final, mas nunca chegou a ser ameaçado pela Portuguesa que mostrou, mais uma vez, a limitação da sua equipe que faz uma péssima campanha no campeonato estadual. O gol da Lusa nasceu de uma falha de Arrascaeta que chegou a ser vaiado por parte da torcida, depois do lance.

Na próxima rodada, a Portuguesa vai receber o Boavista na Ilha do Governador, enquanto o Flamengo vai encarar o Vasco no Maracanã.

O jogo

Como era de esperar, o Flamengo partiu para o ataque assim que a partida começou. Aos três minutos, Bruno Henrique recebeu de Arrascaeta e bateu forte para boa defesa de Ruan que espalmou para escanteio. No minuto seguinte, após a cobrança do escanteio, o o Rubro-negro marcou o primeiro gol, quando Bruno Henrique aproveitou o lançamento na área.

A Portuguesa nem tinha se arrumado no gramado quando sofreu o segundo gol aos seis minutos. Bruno Henrique fez bom passe para Gabigol que entrou na área e bateu forte para ampliar a vantagem. O atacante rubro-negro estava em posição de impedimento, mas o árbitro validou o gol.

A pressão continuou e, aos sete minutos, o aniversariante Diego cruzou para Willian Arão completar de cabeça, mas mandou para fora.

Perdendo por dois gols de diferença, a Portuguesa não teve alternativa e foi obrigado a partir para o ataque. A equipe da Ilha do Governador adiantou a marcação para tentar pressionar a saída de bola do adversário.
Durante a parada técnica, um dos assistentes pediu auxílio médico por estar sentindo dores na perna, mas se recuperou e voltou ao seu setor.

Aos 22 minutos, Arrascaeta tentou a conclusão, mas a bola desviou na zaga. Dois minutos depois, a Portuguesa chegou com Romarinho que desarmou Willian Arão, mas a zaga rubro-negra conseguiu evitar a conclusão do atacante. A torcida do Flamengo passou a mostrar irritação com Arão que estava cometendo muitos erros e recebendo vaias.

Aos 29 minutos, Diguinho recebeu na entrada da área e bateu, mas a bola passou longe do gol defendido por Diego Alves. Três minutos depois, o Flamengo teve a chance de ampliar a vantagem quando Arrascaeta fez cruzamento perfeito para Gabigol que cabeceou para fora, quando estava livre na área.

Aos 36 minutos, Bruno Henrique tabelou com Renê e bateu forte, mas Ruan fez grande defesa e evitou o terceiro gol.
A Lusa ainda tentou ameaçar aos 46 em cobrança de falta, mas o chute de Diguinho foi facilmente defendido por Diego Alves.

A Portuguesa começou o segundo tempo dando trabalho para Diego Alves que precisou sair de soco para afastar da área um cruzamento de Romarinho. Aos cinco minutos, Diego recebeu na entrada da área e soltou a bomba. A bola desviou em Gabigol e encobriu o travessão defendido por Ruan. O técnico Ailton Ferraz tentou dar um pouco mais de agressividade ao seu time e trocou o volante Muniz pelo atacante Douglas Eskilo.

Apesar de imprimir um ritmo mais lento ao jogo, o Flamengo continuava controlando as ações. Aos 11 minutos, o lateral Pará fez bom lançamento para Bruno Henrique, mas o atacante bateu por cima e desperdiçou a oportunidade.Dois minutos depois, Willian Arão recebeu ótimo passe de Diego, mas concluiu mal, recebendo vaias da torcida.

Mesmo sem repetir a atuação do primeiro tempo, o Flamengo conseguiu marcar o terceiro gol aos 23 minutos, novamente com Gabigol. O artilheiro recebeu cruzamento de Renê e concluiu com categoria, sem chances para Ruan.

Com a partida decidida, Abel Braga decidiu poupar alguns jogadores, já pensando no compromisso da próxima semana, quando o Flamengo fará sua estreia na Libertadores. Diego e Bruno Henrique saíram para a entrada de Berrio e Vitinho. Aos 30 minutos, Gabigol recebeu lançamento de Pará e chutou forte, mas a bola bateu na trave.

A Portuguesa marcou seu gol aos 36 minutos. Arrascaeta perdeu a bola na intermediária e Eskilo lançou Patryck que tocou na saída de Diego Alves e colocou nas redes. O meia uruguaio chegou a ser vaiado por parte da torcida rubro-negra que lembrou o erro do jogador nas semifinais da Taça Guanabara, no lance que causou a vitória do Fluminense.
Animada, a Portuguesa tentou a marcação do segundo gol e Diego Alves fez boa defesa, aos 41 minutos, em cobrança de falta executada por Emerson, na última jogada importante da partida.

FICHA TÉCNICA
PORTUGUESA 1 X 3 FLAMENGO

Local: Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ)
Data: 28 de fevereiro de 2019 (Quinta-feira)
Horário: 21h(de Brasília)
Público: 5.496 pagantes
Árbitro: Philip Georg Bennett (RJ)
Assistentes: Rodrigo Henrique Corrêa (RJ) e Andréa Maffra Marcelino de Sá (RJ)
Cartão Amarelo: Emerson, Marcão, Romarinho(Port); Willian Arão, Berrio(Fla)
Gols:
FLAMENGO: Bruno Henrique aos quatro minutos, Gabigol aos seis minutos do primeiro tempo e 23 minutos do segundo tempo
PORTUGUESA: Patryck, aos 34 minutos do segundo tempo

 

PORTUGUESA: Ruan, Filippe Formiga,Marcão, André(Patryck) e Zeca; Emerson , Muniz(Douglas Eskilo), Chacal e Diguinho; Romarinho e Tiago Amaral(Fabinho)
Técnico: Aílton Ferraz

FLAMENGO: Diego Alves, Pará, Léo Duarte, Rodrigo Caio e Renê; Cuéllar, Willian Arão, Diego(Berrio) e De Arrascaeta; Bruno Henrique(Vitinho) e Gabigol(Uribe)
Técnico: Abel Braga

Ricardo Goulart deu show pelo Palmeiras nesta quarta-feira. Com dois gols e uma assistência do camisa 11, que estreou como titular, o Verdão venceu o Ituano por 3 a 2, em partida válida pela nona rodada do Campeonato Paulista.

Antes de a bola rolar já estava claro que não se tratava de um jogo qualquer. As homenagens ao falecido Roberto Avallone embalaram os torcedores, apesar do pequeno público presente no Allianz Parque na noite chuvosa. Durante o minuto de silêncio em homenagem ao jornalista, o atacante Ricardo Goulart se juntou à massa alviverde entre os aplausos. Mas se estivesse em plano terrestre, certamente o palestrino fanático é quem bateria palmas para o camisa 11 do Verdão.

Ricardo Goulart fez sua estreia como titular pelo Maior Campeão do Brasil, mas parecia que o meia-atacante conhecia todos os caminhos da casa alviverde. Depois de um susto na defesa, em cabeceio de Ramon, na única chegada do Ituano no jogo, o camisa 11 começou a brilhar.

No minuto estampado em sua camisa, após escanteio da direita, Borja desviou, Pegorari fez a defesa, mas Ricardo Goulart mostrou oportunismo para marcar no rebote e abrir o placar. O atleta, que no anúncio da escalação da equipe quase recebeu mais aplausos que o ídolo Dudu, justificou a confiança e fez a torcida vibrar novamente.

Ao contrário dos últimos duelos, em que o Palmeiras teve a semana livre para treinos, o calendário cheio pareceu ter feito bem aos mandantes. Diferente do jogo contra o Santos, por exemplo, o time de Luiz Felipe Scolari se impôs com bola no chão, sem abusar de lançamentos longos ou chutões da defesa. A exceção foi Bruno Henrique, que na terceira virada espetacular para Mayke, deu origem ao segundo gol do Palestra.

Mayke mostrou intimidade com a bola, dominou fácil e cruzou na área. O lance não parecia tão promissor, mas Goulart mostrou uma impulsão impressionante para ganhar do zagueiro de cabeça e mandar no canto de Pegorari, sem chances para o goleiro.

Com boa vantagem, o Verdão passou a controlar a partida, com destaque para Dudu, Mayke e a dupla de volantes, mas todos ofuscados por Ricardo Goulart. O camisa 11, como legítimo ponta de lança, atuou de forma bastante distinta em relação a concorrente Lucas Lima. Sem buscar a bola entre os volantes, os toques rápidos para tabelar com os companheiros e o posicionamento quebrando a linha de meio-campo adversária, além da presença de área, mostraram ser algumas de suas principais virtudes.

Goulart continua show, mas Palmeiras vacila duas vezes e permite reações

Na etapa final, mais uma vez foi o Ituano quem teve a primeira oportunidade, mas dessa vez os visitantes conseguiram balançar as redes. Morato arriscou chute de fora da área, a bola desviou e Serrato apareceu livre para desviar de Weverton e diminuir.

A preocupação, porém, durou pouco. Bruno Henrique cruzou na área, Goulart deu assistência com o peito e Borja apareceu debaixo das traves para empurrar para o gol. O colombiano, que já havia perdido outra de suas chances incríveis, foi muito celebrado pelos companheiros. No minuto seguinte, o camisa 9 deixou o campo para a entrada de Thiago Santos e Ricardo Goulart assumiu o posto de centroavante.

Do lado do Ituano, o técnico Vinicius Bergantin abriu mão de um volante e reforçou o setor de criação com a entrada do jovem Bassani. Os visitantes se tornaram mais ofensivos, mas o efeito da troca só apareceu aos 29 minutos. Morato recebeu bom passe de Correa dentro da área e, na saída de Weverton, tocou por cobertura para anotar um golaço.

Ricardo Goulart, estrela da noite, diminuiu seu brilho com a queda na parte física, e o Palmeiras sofreu vendo seu 11 virar 9. No teste temporário de Felipão para ter o homem do jogo como centroavante, a entrada de Lucas Lima como meia não permitiu uma análise coerente. O meia, que ainda tenta ser armador, irritou a torcida em quase todos os toques na bola, se destacou apenas pelos passes errados e atrasou o jogo palestrino.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 3 x 2 ITUANO

Data: 27 de fevereiro de 2019, quarta-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Local: Allianz Parque, em São Paulo-SP
Árbitro: Lucas Canetto Bellote
Assistentes: Daniel Luis Marques e Fabricio Porfirio de Moura
Cartões amarelos: Borja, Thiago Santos, Diogo Barbosa e Felipe Melo (PAL); Baralhas (ITU)
Renda: R$ 1.016.331.95
Público: 20.660 pagantes

Gols:
PALMEIRAS: Ricardo Goulart, aos 11 e aos 22 minutos do 1º Tempo, e Borja, aos 12 minutos do 2º Tempo
ITUANO: Serrato, aos 9 minutos do 2º Tempo, e Morato, aos 29 minutos do 2º Tempo

 

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique (Lucas Lima) e Ricardo Goulart; Carlos Eduardo (Felipe Pires), Dudu e Borja (Thiago Santos)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ITUANO: Pegorari; Jonas, Léo Santos, Ricardo Silva e Peri; Corrêa (Marcelinho), Baralhas (Bassani) e Marcos Serrato; Martinelli, Morato e Ramon (Gui Mendes)
Técnico: Vinícius Bergantin

Foto - Divulgação

Após fechar o agitado mês de fevereiro vivo na Copa do Brasil e na Copa Sul-Americana, o Corinthiansbusca manter a liderança do Grupo C do Campeonato Paulista neste sábado, às 16h30 (de Brasília), quando visita o lanterna São Bento, no Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba.

Fábio Carille indicou que mandará a campo uma equipe mista, com novidades em todos os setores. A zaga será formada por Marllon e Pedro Henrique, enquanto Vagner Love e Boselli farão dupla de ataque. No meio-campo, Richard e Júnior Urso ganham nova chance. Assim, Henrique, Manoel, Ralf, Ramiro, Pedrinho e Gustagol, titulares contra o Racing, ficam como opção no banco de reservas.

Diante do São Bento, o time alvinegro buscar dar continuidade ao ótimo momento vivido. Nas últimas cinco partidas, são três vitórias e dois empates, resultados que renderam as classificações na Copa do Brasil e Sul-Americana, além da liderança de sua chave no Campeonato Paulista, onde busca o terceiro triunfo consecutivo.

Apesar da sequência positiva, o Corinthians tem oscilado na competição e, para o goleiro Cássio, a equipe precisa manter uma regularidade. “Acho que não temos mais margem para ficar oscilando em alguns momentos e começar devagar o jogo. O que aconteceu serve de exemplo para a gente não repetir, para evoluirmos. A gente tem conversado sobre isso, de manter uma regularidade e não oscilar. Então, é isso, trabalho e concentração”, disse o arqueiro.

“Não teve tanto tempo de recuperação, foi uma viagem um pouco cansativa por conta da sequência de jogos, mas temos tudo para fazer um grande jogo. Amanhã é ter mais um bom desempenho, conseguir os três pontos e conseguir a classificação”, completou.

Com apenas três pontos somados, em oito rodadas, o São Bento está na lanterna do Grupo B e da classificação geral da competição. Assim, o time de Silas precisa reagir imediatamente para não amargar o rebaixamento à Série A2 e, por isso, o treinador já mandará o lateral/meia Régis a campo. Após ser dispensado pelo CSA por indisciplina, o jogador acertou sua volta ao time de Sorocaba na quarta-feira.

Em oito jogos de Campeonato Paulista, o São Bento tem apenas três pontos em oito partidas (três empates e cinco derrotas). Contra o Corinthians, a equipe de Sorocaba busca a primeira vitória na competição.

FICHA TÉCNICA
SÃO BENTO X CORINTHIANS

Local: Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba (SP)
Data: 2 de março de 2019, sábado
Horário: 16h30 (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (ambos SP)

 

SÃO BENTO: Henal; Everton Silva, Ewerton Páscoa, Luizão e Marcelo Cordeiro; Fábio Bahia, Paulinho, Alex Maranhão e Régis; Éder Luis e Alecsandro
Técnico: Silas

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Marllon, Pedro Henrique e Danilo Avelar; Richard, Júnior Urso, Sornoza e Clayson; Love e Boselli
Técnico: Fábio Carille

O Atlético resolveu a parada no primeiro jogo, na última semana, no Uruguai, ao vencer por 2 a 0. Nesta quarta-feira, em Belo Horizonte, no Independência, a equipe mineira só administrou a igualdade sem gols, podendo perder, inclusive, por um gol de diferença, e garantiu acesso a fase de grupos da Copa Libertadores.

Para chegar ao Grupo E, o Atlético, neste jogo, fez um primeiro tempo exemplar, sendo intenso e tendo mais qualidade. Na etapa complementar, a equipe mineira deixou o ritmo cair e viu o Defensor crescer em campo. Apesar disso, o grupo uruguaio não chegou com grande perigo contra a meta atleticana.

O Galo agora terá uma semana de folga. No fim de semana o Campeonato Mineiro terá a pausa para o carnaval. Na quarta-feira (6) o grupo preto e branco entra em campo contra o Cerro Porteño, no Independência, às 19h15 (de Brasília).

Primeiro tempo

O Atlético encontrou em campo com uma importante alteração em seu time titular: Chará deixou a equipe titular para a entrada de José Welison. Com isso, Levir Culpi optou por uma formação com três volantes, deixando Elias mais solto.

Os primeiros minutos mostraram aquele Galo que o torcedor atleticano tem saudades: intensidade, time para cima, querendo jogo, ao melhor estilo Galo Doido. Aos 15 segundos a equipe mineira já tinha chutado contra a meta do Defensor.

Logo no quinto minuto de jogo, Cazares recebeu a bola na esquerda, driblou o zagueiro adversário e chutou, tirando do goleiro, e mandando a bola na trave. O lance demostrou a intensidade atleticana em campo, o time uruguaio não tinha qualquer oportunidade e não levava perigo contra a área atleticana.

Algo facilmente visto durante o primeiro tempo foi o Atlético fazendo variações de jogo. Em alguns momentos, a equipe trocava passes lentos, na defesa esperando o adversário. Em outros, tinha intensidade, chegava com perigo. A linha defensiva era parecida: em momentos alta, em outros atrasada.

O atacante Ricardo Oliveira passou por um primeiro tempo isolado, com poucas oportunidades, mas a forma de jogo do Galo, sem falar a marcação no camisa 9, atrapalhava seus planos.

Aos 40, Luan deu belo passe para Fábio Santos, dentro da área e, por pouco, o lateral não abre o marcador.

Segundo tempo

O Galo, assim como no primeiro jogo, não voltou bem para a etapa complementar. O Defensor teve uns cinco minutos de pressão, algo que resultou na expulsão de José Welison. O volante usou força excessiva e, como já tinha amarelo, deixou o gramado mais cedo.

O Atlético tinha dificuldades para criar jogadas no segundo tempo. Além de ter um jogador a menos em campo, o Galo estava com suas linhas distantes, algo que dificultava a vida alvinegra.

O Atlético seguia sofrendo pressão. O Defensor passou a chegar com mais qualidade e dando poucos espaços para a equipe alvinegra.

Com a classificação garantida, é momento do Atlético corrigir os erros, pegar o DVD do jogo e estudar, ter mais aproximação, triangulação e mais concentração na etapa final do jogo.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 0 X 0 DEFENSOR

Local: Estádio Independência, Belo Horizonte (MG)
Data: 27 de fevereiro de 2019 (quarta-feira)
Horário: 21h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Néstor Pitana.
Assistentes: Juan Pablo Belatti, Pablo Gonzalez

Cartões amarelos: Adilson, Jair José Welison (2) (Atlético); Nicolás Correa, Villoldo (Defensor)
Cartão vermelho: José Welison (Atlético)

ATLÉTICO-MG: Victor, Patric, Réver, Igor Rabello, Fábio Santos, Adilson, José Welison, Elias, Cazares, Luan (Jair), Ricardo Oliveira (Chará).
Técnico: Levir Culpi

 

DEFENSORURU: Rodriguez, Correa, Rabunal, Napoli, Gonzalez, Beltran, A. Gonzalez, Lopez, Ergaz, Perg, Villoldo.

Técnico: Jorge da Silva

O goleiro Cássio já estaria na história do Corinthians de qualquer jeito, mas escreveu mais uma página importante na noite desta quarta-feira, contra o Racing-ARG, no Cilindro. Depois do empate por 1 a 1 no tempo normal, o Gigante, que igualou a marca de Gylmar dos Santos Neves como segundo goleiro que mais defendeu o Timão, defendeu as batidas de Fernández e Solari, viu Cristaldo isolar e assegurou a vaga na segunda fase da Copa Sul-Americana.

No tempo normal, os argentinos abriram o placar e boa cabeçada de Cristaldo, ainda no primeiro tempo, mas Vagner Love, no começo da etapa final, deixou tudo igual para levar a decisão às penalidades. Na marca da cal, Cássio pegou dois pênaltis e o Alvinegro, na sétima cobrança, assegurou a vaga. O adversário da próxima fase será definido por meio de sorteio quando essa eliminatória terminar, apenas em abril.

Racing domina e sai na frente

O Corinthians entrou em campo com a clara proposta de ocupar espaços e tentar roubar uma bola do Racing para sair pelos lados, com Clayson e Pedrinho. Mesmo com um time quase todo reserva, porém, os donos da casa conseguiram impor mais bem a sua proposta de jogo, rodaram bastante a bola no ataque e conseguiram criar perigo para a zaga alvinegra.

Sofrendo para cortar as linhas de passe, a não ser quando os argentinos tentavam passar por baixo e encontravam Ralf pela frente, o Timão viu a zaga correr de um lado para o outro em várias oportunidades. Na principal delas, porém, Cristaldo ficou livre na marca do pênalti e chutou muito mal com a perna esquerda, mandando longe do gol defendido por Cássio.

Depois de meia hora praticamente só se defendendo, o Alvinegro conseguiu que as seguidas bolas quebradas na cabeça de Gustagol servissem para o ataque ter oportunidades. Em dois lances, o atacante acabou levando vantagem sobre a zaga, construindo boa chance para Ramiro em cruzamento de Clayson e sofrendo falta frontal que Sornoza cruzou, mas acabou na mão do goleiro.

Com paciência, o Racing manteve sua proposta de jogo e conseguiu chegar ao 1 a 0 quando Cardozo recebeu de Solari, teve espaço para cruzar e mandou na cabeça de Cristaldo. O ex-palmeirense ganhou de Fagner no alto e mandou no canto de Cássio para abrir o placar. Sornoza, em cobrança de falta, quase empatou antes do intervalo, mas Arias praticou linda defesa.

Love entra e muda o jogo

Insatisfeito com a produção da sua equipe, Carille mandou a campo Vagner Love na vaga de Clayson. E não demorou muito para a alteração dar resultado. Depois de uma rara sequência corintiana no ataque, com dois escanteios seguidos, Love apareceu livre na pequena área, na sequência de um desvio da zaga, e pegou de primeira, com a perna esquerda, marcando um lindo gol.

O jogo ficou à feição para um rápido contra-ataque que surgiu ainda antes dos 15 minutos de bola rolando, quando Pedrinho lançou bola para Gustagol nas costas da zaga e o centroavante serviu Love, também livre na área. Dessa vez, o atacante chutou um pouco mascado, no contrapé do goleiro Arias, que fez linda defesa. Depois do escanteio, Love ainda ficou livre frente a frente com o arqueiro, mas o juiz marcou impedimento erradamente.

A pressão alvinegra arrefeceu na sequência, com Coudet mandando a campo Fernández e Cvitanich, dois titulares que haviam sido poupados. Pedrinho, que fazia grande partida, aparentou sentir uma lesão no tornozelo do pé direito. Carille, mesmo com opções ofensivas na reserva (Mateus Vital, Díaz e Boselli), adotou um caminho conservador e fez ingressar o volante Richard.

O marcador até entrou com boas ações ofensivas, mas o Timão seguiu em ritmo mais para segurar o empate do que para buscar a vitória. O Racing mandou Zaracho a campo como a sua última cartada e quase viu o jovem decretar a classificação em bola mal afastada por Henrique. O jovem, porém, acabou mandando por cima do gol de Cássio e deixou a decisão para os pênaltis.

Nas penalidades, Gustagol, Mateus Vital, Vagner Love, Richard e Fagner marcaram para o Corinthians, que perdeu com Sornoza, por cima, e Avelar, na trave. Cvitanich, Pol Fernández, Pillud e Soto fizeram para o Racing, mas Domínguez, Cristaldo e Solari decretaram a eliminação.

FICHA TÉCNICA
RACING 1 (4) X (5) 1 CORINTHIANS

Local: Cilindro, em Avellaneda (Argentina)
Data: 27 de fevereiro de 2019, quarta-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia)
Assistentes: Alexander Guzman e Dionisio Ruiz (ambos da Colômbia)
Cartões amarelos: Schlegel (Racing); Henrique, Pedrinho (Corinthians)
Gols:
RACING: Cristaldo, aos 42 minutos do primeiro tempo
CORINTHIANS: Vagner, aos seis minutos do segundo tempo
Pênaltis:
RACING: Cvitanich, Pol Fernández, Pillud, Soto
CORINTHIANS: Gustagol, Mateus Vital, Vagner Love, Richard, Fagner

 

RACING: Arias; Pillud, Domínguez, Schlegel e Soto; Julián López, Solari, Cardozo (Zaracho) e Ojeda (Pol Fernández); Ríos (Cvitanich) e Cristaldo
Técnico: Eduardo Coudet

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Ramiro (Mateus Vital); Pedrinho (Richard), Sornoza e Clayson (Vagner Love); Gustagol
Técnico: Fábio Carille

Mais Artigos...