Dourados-MS,
BANNER 1 - Camra-15-09- (1000X90)

O Botafogo conquistou sua primeira vitória no Campeonato Brasileiro ao derrotar por 2 a 1 o Grêmio, neste sábado, no Nilton Santos. Com o resultado, os alvinegros chegaram a cinco pontos e vão dormir na vice-liderança da Série A. Já os gaúchos seguem com quatro.

Em um primeiro tempo movimentado, o Botafogo foi superior e abriu o placar com Brenner, mas viu o Grêmio empatar em seguida, com Michel. Na etapa final, os visitantes foram mais perigosos, mas viram os cariocas chegarem a vitoria nos acréscimos, em belo gol de Gilson.

Na próxima rodada, o Botafogo vai até Belo Horizonte para encarar o Cruzeiro, no domingo. No mesmo dia, o Grêmio recebe o Santos, em Porto Alegre.

O jogo – O Botafogo iniciou a partida pressionando o Grêmio em seu campo de defesa e criou a primeira boa chance logo com um minuto. Brenner tocou para Matheus Fernandes na área. O volante foi travado pela zaga na primeira tentativa, mas pegou o rebote e chutou colocado, na trave direita de Paulo Victor.

O susto fez o Grêmio melhorar a marcação e segurar mais a posse de bola. Os gaúchos assustaram aos 11 minutos. Jadson foi lançado, mas dominou errado a bola, que ficou com Alisson. Sö que o meia finalizou a direita do gol de Jefferson.

O lance foi o único de perigo só visitantes, que viam o Botafogo seguir melhor em campo. Os alvinegros buscavam o ataque com intensidade e quase abriram o placar aos 19 minutos. Após cobrança de escanteio, Igor Rabello cabeceou, mas viu Paulo Victor fazer grande defesa para salvar o Grêmio.

O Botafogo pressionava o Grêmio, mas tinha dificuldade em passar pela marcação gaúcha. Os alvinegros voltaram a criar boa chance somente aos 34 minutos. Após cruzamento de Leo Valencia, Jailson cortou mal e a bola sobrou para Brenner. O atacante chutou para mais uma grande defesa de Paulo Victor.

De tanto insistir, os donos da casa chegaram ao gol aos 35 minutos. Brenner foi lançado no bico da área, tirou seu marcador e chutou no canto. A bola ainda bateu na trave antes de ir para a rede.

Quanto parecia que o Botafogo teria tranquilidade, o Grêmio não deixou os alvinegros comemorarem muito e empatou a partida aos 37 minutos. Michel aproveitou cobrança de escanteio e cabeceou com força para o gol. Jefferson ainda tentou a defesa, mas viu a bola ir para a rede.

O revés fez o Botafogo voltar a buscar o ataque. Tanto que aos 41 minutos, Marcinho fez boa jogada individual e finalizou com perigo. O Grêmio se animou com o gol e equilibrou o jogo nos minutos finais. Só que nenhuma das equipes passou pela zaga adversária e o placar seguiu igual até o intervalo.

No segundo tempo, a partida começou equilibrada. O Botafogo buscava os avanços, mas parava na boa marcação gaúcha. O Grêmio aproveitava os espaços nos contra-ataques e tiveram a primeira boa chance, aos cinco minutos. Luan lançou Maicosuel pela esquerda e viu o meia chutar em cima de Jefferson.

Diferente da etapa inicial, a segunda parte do jogo permanecia equilibrada, sem muita emoção. O Grêmio voltou a criar boa chance aos 23 minutos, quando Jadson cruzou rasteiro para o meio da área e achou Luan livre. No entanto, o atacante gremista finalizou sobre o travessão. A resposta do Botafogo veio dois minutos depois. Gilson cruzou pela esquerda para Ezequiel na pequena área, mas o atacante colocou pela linha linha de fundo.

Enquanto o Botafogo errava muito no setor ofensivo, o Grêmio era mais perigoso. Nos minutos finais, os gremistas quase marcaram o segundo com Alisson, mas o meia chutou fraco e facilitou a defesa de Jefferson. Só que nos acréscimos, os donos da casa chegaram a vitória. Gilson aproveitou rebote e acertou belo chute de fora da área, sem chance para Paulo Victor, para dar números finais no Nilton Santos.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 2 X 1 GRÊMIO

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 28 de abril de 2018 (Sábado)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo (SP)
Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)
Renda: R$ 248.845,00
Público: 8.498 pagantes
Cartões amarelos: Joel Carli (Botafogo); Marcelo Oliveira (Grêmio)

GOLS
BOTAFOGO: Brenner, aos 35min do primeiro tempo; Gilson, aos 46min do segundo tempo
GRÊMIO: Michel, aos 37min do primeiro tempo

BOTAFOGO: Jéfferson, Marcinho, Joel Carli, Igor Rabello e Gilson; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Renatinho e Leonardo Valencia (Marcos Vinícius); Rodrigo Pimpão (Ezequiel) e Brenner (Kieza)
Técnico: Alberto Valentim

GRÊMIO: Paulo Victor, Madson, Paulo Miranda, Bressan e Marcelo Oliveira; Michel (Cícero), Jailson, Maicosuel (Lima), Alisson e Luan (Pepê); André
Técnico: Renato Gaúcho

 

 

 

 

Gazeta Esportiva

No duelo entre o campeão carioca e o campeão gaúcho, o Botafogo recebe o Grêmio neste sábado, no Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ), às 16h (de Brasília), no choque de abertura da terceira rodada do Campeonato Brasileiro. O Alvinegro busca a primeira vitória, mas ainda não perdeu. Soma dois pontos e vem de empates por 1 a 1 com Palmeiras e Sport. O Tricolor gaúcho, que no meio de semana fez 2 a 0 no Goiás e encaminhou vaga nas quartas de final da Copa do Brasil, tem quatro pontos e quer o G-6, a zona de classificação para a Copa Libertadores. No fim de semana os gremistas empataram em casa sem gols com o Atlético-PR.

Alberto Valentim, comandante do Botafogo, quer ver o time com intensidade.

“Temos que procurar controlar a partida e jogar com intensidade, buscando os gols, mas com responsabilidade. O time vem conseguindo progredir e isso é muito importante. O Grêmio tem um time qualificado e com certeza vai exigir demais de nós”, disse Valentim.

Ser exigido, porém, não é algo que incomode o Botafogo, que vem jogando no limite nos últimos jogos, inclusive buscando gols na reta final dos jogos. Foi assim nos empates com Palmeiras e Sport, no triunfo de 2 a 1 sobre o Audax Italiano, no Chile, na estreia dos times na Copa Sul-Americana, e até mesmo no 1 a 0 diante do Vasco, na decisão do Campeonato Carioca. Os jogadores acreditam que este espírito guerreiro precisa seguir ao longo de todo o torneio.

“A vontade tem sido uma tônica deste time do Botafogo, que não desiste do resultado. Mostramos isso, por exemplo, na final do Campeonato Carioca, quando conseguimos o gol nos acréscimos do segundo tempo e depois conseguimos a taça. O Botafogo vai ter esta entrega ao longo de toda a temporada, pois é a característica do nosso time. Temos que melhorar muitas coisas e por isso estamos sempre dispostos a trabalharmos”, disse Rodrigo Lindoso.

O Grêmio, por sua vez, talvez não consiga colocar esta intensidade toda em campo, já que terça-feira tem jogo decisivo com o Cerro Porteño pela Copa Libertadores. Assim, o técnico Renato Gaúcho vai preservar alguns titulares.

“Sempre avisei que em alguns momentos vamos precisar dar uma segurada. Porém, conto com um elenco qualificado, que nos permite não priorizar competições”, disse Renato.

De fato o elenco gaúcho é qualificado. Mesmo preservando titulares, o Grêmio tem à disposição reservas que seriam titulares em muitos clubes, como o zagueiro Bressan, os meias Alisson, Cícero e Maicosuel e o atacante André.

Para este compromisso o Botafogo não poderá contar com o goleiro paraguaio Gatito Fernández, vetado por conta de uma lesão no punho direito. Jéfferson será o substituto. O atacante uruguaio Rodrigo Aguirre, que está com a documentação regularizada, pode estrear. A tendência é que ele, a principal contratação do clube para o Brasileirão, fique como opção no banco de reservas.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO-RJ X GRÊMIO-RS

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 28 de abril de 2018 (Sábado)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo (SP)
Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)

BOTAFOGO: Jéfferson, Marcinho, Joel Carli, Igor Rabello e Gilson; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Gustavo Bochecha e Leonardo Valencia; Rodrigo Pimpão e Brenner
Técnico: Alberto Valentim

GRÊMIO: Paulo Victor, Leonardo Moura, Paulo Miranda, Bressan e Marcelo Oliveira; Michel, Jailson, Cícero, Alisson e Maicosuel; André
Técnico: Renato Gaúcho

 

 

Gazeta Esportiva

O Flamengo se manteve na liderança do grupo 4 da Libertadores ao empatar por 0 a 0 com o Independiente Santa Fe-COL, nesta quarta-feira, em Bogotá. Com o resultado, os rubro-negros chegaram a seis pontos, mas podem ser ultrapassados pelo River Plate-ARG, que tem cinco. Os colombianos somam quatro e o Emelec-EQU, na lanterna, com apenas um.

O Flamengo não mostrou um bom futebol nesta noite, em Bogotá, contudo, conseguiu balançar as redes no último lance da partida. Geuvânio desarmou um dos defensores do Santa Fe, porém, antes de o atacante rubro-negro seguir com o caminho livre em direção ao gol e, posteriormente, marcar, o árbitro Daniel Fedorczuk, optou por terminar a partida, fato grande indignação por parte do time brasileiro.

Na próxima rodada, o Flamengo vai receber o Emelec, no Maracanã, no primeiro jogo com presença da torcida nesta Libertadores. O Santa Fe volta a atuar em casa, desta vez contra o River Plate.

O jogo – A partida começou movimentada, com as duas equipes voltadas para o ataque. O Independiente Santa Fe tinha mais posse de bola, mas também via o Flamengo avançar, principalmente pelos lados. Os donos da casa criaram a primeira boa chance aos oito minutos. Gordillo arriscou de longe, só que Diego Alves fez defesa segura.

O Santa Fe aumentou a pressão após o lance e chegou com perigo novamente aos 11 minutos. Após cobrança de escanteio, López subiu sozinho, mas cabeceou sobre o travessão. Os sustos fizeram os rubro-negros melhorarem na marcação. Assim, os cariocas passaram a impedir as boas jogadas dos colombianos.

O Flamengo começou a aproveitar o nervosismo do Santa Fe para conseguir espaços para avançar. Tanto que aos 26 minutos, Lucas Paquetá lançou Vinícius Júnior na área, mas o atacante foi travado pela zaga no momento da finalização. A resposta dos donos da casa veio aos 33, quando Pavoy cobrou falta na área e Morelo não conseguiu cabecear para a rede.

Mais uma vez, o Santa Fe se tornou mais perigoso e quase abriu o placar aos 34 minutos. Após blitz na área rubro-negra, Pavoy chutou em direção ao gol e viu Henrique Dourado colocar o braço na bola. Para sorte dos flamenguistas, o árbitro não marcou o pênalti.

Nos minutos finais, o Flamengo conseguiu parar os ataques do Santa Fe e ainda tiveram a última chance da etapa inicial, aos 45 minutos. Rodinei recebeu passe de Lucas Paquetá e arriscou o chute de fora da área. A bola passou próximo do gol. Assim, o confronto seguiu com o placar inalterado no intervalo.

O segundo tempo começou parecido com o primeiro, com o Flamengo buscando equilibrar o confronto. No entanto, o Santa Fe dominou o jogo logo nos primeiros minutos e levar perigo aos rubro-negros. Na melhor delas, aos 11 minutos, Arboleda cruzou rasteiro para Morelo. A bola passou por Diego Alves, mas Rodinei apareceu para salvar os cariocas.

Com o tempo, o Flamengo melhorou a marcação e teve espaço para ir ao ataque, mas sofria para criar boas chances. Tanto que aos 28 minutos, Renê cruzou para a área, Tesillo tentou o corte e quase fez contra. O lance animou os cariocas, que chegaram com perigo aos 32. Em contra-ataque rápido, Vinícius Júnior tocou para Diego, que chutou de fora da área para boa defesa de Zapata.

Ns minutos finais, o Santa Fe esboçou uma pressão, mas só assustou em um chute de Plata por cima do travessão. O Flamengo ainda terminou na bronca com a arbitragem, pois no último lance do jogo, Geuvânio roubou a bola do defensor, entrou na área e chutou para a rede. No entanto, o árbitro uruguaio Daniel Fedorczuk apitou o fim do jogo antes da finalização.

FICHA TÉCNICA
INDEPENDIENTE SANTA FE-COL 0 X 0 FLAMENGO-BRA

Local: Estádio Nemesio Camacho, o El Campín, em Bototá (Colômbia)
Data: 25 de abril de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 21h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Daniel Fedorczuk (Uruguai)
Assistentes: Richard Trinidad (Uruguai) e Miguel Nievas (Uruguai)
Cartões amarelos: Gordillo e Arboleda (Santa Fe); Henrique Dourado, Diego e Diego Alves (Flamengo)

INDEPENDIENTE SANTA FE: Robínson Zapata; Carlos Arboleda, Javier López, William Tesillo e Nicolás Gil; Yeison Gordillo, Baldomero Perlaza e Camilo Vargas; Anderson Plata, Wilson Morelo e John Pajoy (Juan Roa)
Técnico: Agustín Julio

FLAMENGO: Diego Alves; Rodinei, Réver, Juan e Renê; Gustavo Cuéllar, Willian Arão, Diego (Jonas), Lucas Paquetá e Vinicius Júnior (Marlos Moreno); Henrique Dourado (Geuvânio)
Técnico: Maurício Barbieri

O Corinthians está escalado para enfrentar o Vitória na noite de quarta-feira, a partir das 19h30 (de Brasília), em Salvador, pela Copa do Brasil. Nesta tarde, véspera da partida, no último treino da equipe no CT Joaquim Grava, o técnico Fábio Carille confirmou a sua equipe com os retornos de Ralf, Maycon e Clayson, titulares há uma semana contra o Independiente, mas que ficaram no banco de reservas frente ao Paraná.

A confirmação se deu quando o treinador separou os seus titulares para um trabalho de bolas paradas após o rachão realizado com o restante dos atletas, levando para a movimentação os dez atletas de linha e o goleiro Cássio. A expectativa até aquele momento era para saber se o comandante daria descanso a algum dos seus jogadores em meio à maratona de jogos que tem pela frente até a disputa da Copa do Mundo.

Sem deixar ninguém em São Paulo para o confronto, Carille sinaliza que deve manter a equipe para os próximos três duelos do time, vistos como fundamentais neste início de ano. Depois dos baianos, o Timão fecha uma série de quatro embates como visitante diante do Atlético-MG, em Belo Horizonte, ficando com uma partida frente ao Independiente-ARG, no dia 2 de maio, pela Libertadores, no retorno à sua Arena.

O retorno do trio também indica que Carille considera essa equipe mais adequada para uma disputa eliminatória, com um segundo volante mais rápido (Maycon) e um primeiro volante mais alto (Ralf), ficando a cargo da proteção da área. No ataque, Clayson também é uma opção de velocidade mais rápida do que Mateus Vital, meia que deve ficar como opção para o comandante no banco de reservas.

 

 

 

Não é a primeira vez que o Mineirão recebe um grande jogo com sete gols para uma só equipe. Durante a Copa do Mundo de 2014, o Brasil foi goleado para a Alemanha por 7 a 1. O Cruzeiro fez mais na noite desta quarta-feira: marcou a mesma quantidade que os europeus, mas não sofreu tentos, triunfando com uma larga goleada por 7 a 0, pela Copa Libertadores.

Nem o mais otimista dos cruzeirenses acreditava em um placar tão largo. O Cruzeiro entrou no Mineirão para o duelo contra o Universidad de Chile, pela Copa Libertadores, com muita pressão nos ombros. Afinal, os últimos jogos da equipe, tanto pelo Brasileirão quanto pelo torneio continental, foram muito abaixo da média. Mas a intensidade foi de encontro a tensão da partida e a Raposa chegou a maior goleada da edição 2018 da competição.

O duelo foi válido pela 4ª rodada do grupo cinco da competição. O Cruzeiro entrou em campo apenas com dois pontos anotados e sem vencer. Era necessário o triunfo para a equipe seguir sonhando com algo dentro da competição, afinal, os adversários já estavam com pontuações melhores e não somar tentos neste momento dificultaria bastante as coisas.

O Cruzeiro atendeu. O time entrou muito pilhado em campo. No inicio do jogo, antes dos 20 primeiros minutos, o placar já era 2 a 0. Até o fim da etapa inicial o terceiro saiu. Com duas expulsões, a Raposa conseguiu marcar gols e melhorar sua condição dentro da Libertadores.

Após a vitória, o time de Mano Menezes deixou a terceira colocação para assumir a vice-liderança do grupo 5, com cinco pontos, empatado com a La U – separados pelos critérios de desempate. O Racing é o líder, com sete tentos, e o Vasco está na última colocação, com apenas um tento.

O Cruzeiro volta a campo pela Copa Libertadores na próxima quarta-feira, contra o Vasco, às 21h45 (de Brasília), no São Januário.

Primeiro tempo

O técnico Mano Menezes sabia da grande necessidade de vitória e por isso escalou seu time bastante ofensivo. Thiago Neves centralizado, Rafinha na direita, Arrascaeta na esquerda e Sassá como homem de área. No meio campo, Lucas Silva foi mantido na vaga de Ariel Cabral.

O Cruzeiro começou o jogo com muita intensidade. A Raposa buscava o ataque de todas as maneiras e o gol não demorou a sair. Logo aos 9 minutos, Thiago Neves foi parado com falta, na entrada da área. Ele mesmo na cobrança, colocou a bola para dentro.

A intensidade seguiu após o primeiro gol. A equipe celeste marcava a saída de bola da Universidad de Chile e complicava a vida dos defensores. Isso, inclusive, foi fundamental para o segundo gol azul.

Aos 17, Thiago Neves ganhou a bola no meio e lançou para Sassá. O atacante mandou por cima do goleiro e Rafinha completou. O lançamento do meia para o atacante parecia ser impedimento, mas a jogada foi rápida e somente com o replay a dúvida foi solucionada.

Quando o primeiro tempo passou da metade, a La U passou a gostar da partida. O time chileno trocava mais passes e criavam mais. Na maioria das vezes pelo lado esquerdo.

Quando a La U começou a gostar do jogo, o Cruzeiro fez mais um. Em lançamento na frente, Arrascaeta tenta driblar o goleiro e leva o pênalti. Na cobrança, Sassá afunda as redes.

Segundo tempo

Com um jogador sobrando, o Cruzeiro voltou mais relaxado para o segundo tempo. A tranquilidade celeste foi ampliada quando Echeverría também foi expulso.

Com dois de sobra em campo, o Cruzeiro ampliou o placar. Em cruzamento da direita, Arrascaeta afundou as redes marcando o quarto gol celeste.

A grande pressão do Cruzeiro seguiu. Minutos depois, em cruzamento na área, Sassá apareceu em velocidade e mandou a bola para o fundo das redes ampliando o placar.

O Cruzeiro teve oportunidades de fazer mais gols. Mas muitos lances foram desperdiçados na finalização.

Não perca a conta: já são seis!

Aos 29, mais um. Thiago Neves recebeu na área e marcou o sexto gol da Raposa.

O sétimo gol cruzeirense ocorreu aos 35. Em cruzamento da esquerda, feito por Egídio, Rafael Sóbis que tinha acabado de entrar fez mais um.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 7 X 0 UNIVERSIDAD DE CHILE

Local: Estádio Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 26 de abril de 2018 (Quinta-feira)
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Roddy Zambrano Olmedo (Equador)

Gols:

Thiago Neves – aos 9 do primeiro tempo e aos 29 do segundo tempo
Rafinha – aos 17 do primeiro tempo
Sassá – aos 43 do primeiro tempo e aos 16 do segundo tempo
Arrascaeta – aos 7 do segundo tempo
Rafael Sóbis – aos 35 do segundo tempo

Cartões amarelos: Vilches (2), Echeverría (2) (La U); Henrique (Cruzeiro)
Cartões Vermelhos: Vilches, Echeverría (La U)

CRUZEIRO: Fábio; Edílson (Lucas Romero), Dedé, Léo e Egídio; Henrique (Ariel Cabral), Lucas Silva, Rafinha e Thiago Neves; Arrascaeta e Sassá (Rafael Sóbis).
Técnico: Mano Menezes

UNIVERSIDAD DE CHILE – Herrera; Jara, Vilches, Echeverría, Matías Rodriguez, Reyes, Pizarro (Contreras), Beausejour, Araos, Soteldo (Rafael Caroca), Pinilia (Guerra)
Técnico: Guilhermo Hoyos

 

Gazeta Esportiva

O Grêmio estreou de maneira contundente na Copa do Brasil nesta quarta-feira. Visitando o Goiás no estádio Serra Dourada, pelo jogo de ida das oitavas de final da competição, o Tricolor gaúcho teve dificuldades no primeiro tempo, contudo, voltou mais ligado para a etapa complementar e conseguiu sair de campo com o importante triunfo por 2 a 0, gols de Everton e Luan.

Com o resultado, o Grêmio adquiriu boa vantagem para o jogo de volta, que ainda não tem hora nem horário definido. Campeão da Copa do Brasil em 2016, o Tricolor gaúcho tem de conciliar suas campanhas na Libertadores e Brasileirão, que são prioridade, com o torneio, que neste ano renderá nada mais, nada menos que R$ 50 milhões.

O jogo – O Grêmio dominou o primeiro tempo no Serra Dourada. Contando com Luan e Arthur como principais peças de articulação, o time comandado pelo técnico Renato Gaúcho não deu muitas brechas para os donos da casa, entretanto, mesmo marcando forte presença no setor ofensivo, falhava no último terço do campo, onde não consegui finalizar com muita precisão e vencer o bloqueio da defesa.

A primeira grande oportunidade da partida só foi surgir aos dez minutos, em chute de fora da área. Everton recebeu próximo à meia-lua e soltou o pé, exigindo boa defesa de Marcelo Rangel. No rebote, o Grêmio ainda tentou trocar passes para voltar a agredir os rivais, porém, não conseguiu encontrar espaços para sair na cara do gol.

Logo em seguida, aos 12, o Tricolor gaúcho teve outra oportunidade de abrir o placar, desta vez com Jael. O atacante recebeu na entrada da área, de costas, não conseguiu fazer o giro e acabou abrindo para Madson na direita. O jogador devolveu para Jael, através de cruzamento, mas o camisa 9 cabeceou por cima do gol. Daí em diante os comandados de Renato Gaúcho tiveram ainda mais dificuldades para encontrar o caminho do gol e só voltaram a ameaçar aos 35 minutos, quando Everton saiu cara a cara com o goleiro e viu Marcelo Rangel bloquear seu arremate.

Já no segundo tempo quem assustou o adversário primeiro foi o Goiás. Logo no primeiro minuto, Giovanni arriscou de longe e surpreendeu Marcelo Grohe, que teve de se esticar todo para fazer a defesa e mandar para escanteio. Como resposta, no minuto seguinte, o Grêmio, enfim, abriu o placar com Everton. O atacante recebeu de Jael, invadiu a área com um drible da vaca no marcador de chaleira, passou por mais um e bateu na saída do goleiro, marcando um golaço no Serra Dourada.

A situação ficou ainda pior para o Goiás aos 24 minutos do segundo tempo. Luan aproveitou a confusão da zaga esmeraldina para ficar com a bola dentro da área, porém, foi derrubado por David Duarte, e o árbitro não teve dúvidas ao marcar pênalti. O próprio Luan foi para a cobrança, apesar de Jael ter pedido para bater, e chutou bem, no canto oposto do goleiro, para ampliar para o Tricolor gaúcho. Pouco depois, o camisa 7 ainda provocou a expulsão de Madison, que teve de derrubá-lo para evitar que saísse na cara do gol e fizesse o terceiro.

Apesar da boa vantagem, o técnico Renato Gaúcho não se acomodou, muito pelo contrário. Tentando construir um placar ainda mais elástico para deixar a classificação às quartas de final bem encaminhada, o comandante gremista ainda acionou o atacante André no lugar do zagueiro Kannemann e pressionou os rivais até o último minuto, entretanto, não conseguiu fazer o terceiro.

FICHA TÉCNICA
GOIÁS 0 x 2 GRÊMIO

Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Data: 25 de abril de 2018, quarta-feira
Horário: 19h30 (Brasília)
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP)
Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (SP)

Cartões amarelos: David Duarte e Eduardo Brock (Goiás); Jael (Grêmio)
Cartão vermelho: Madison
Gols: Everton, aos dois minutos do 2ºT, e Luan, aos 24 minutos do 2ºT (Grêmio)

Goiás: Marcelo Rangel; Caíque Sá (Alex Silva), David Duarte, Eduardo Brock e Breno; Madison, Pedro Bambu e Giovanni; Rafinha, Maranhão (Michael) e Carlos Eduardo (Robson)
Técnico: Hélio dos Anjos

Grêmio: Marcelo Grohe; Madson (Alisson), Pedro Geromel, Kannemann (André) e Bruno Cortêz ; Maicon, Arthur, Ramiro, Luan e Everton; Jael (Thonny Anderson)
Técnico: Renato Gaúcho

 

 

Gazeta Esportiva

Para encaminhar a vaga nas oitavas de final da Libertadores da América, o Santos enfrentará o Estudiantes-ARG nesta terça-feira, às 21h30 (de Brasília), na Vila Belmiro, pela quarta rodada da fase de grupos da competição continental.

O Peixe lidera o Grupo 6 da Libertadores, com seis pontos. O Estudiantes é o vice-líder, com quatro. Se vencer, o alvinegro abre cinco pontos dos argentinos e fica bem perto de pelo menos ficar com a segunda vaga. O Real Garcilaso-PER tem quatro pontos. O Nacional-URU, dois.

Para derrotar o Estudiantes, o técnico Jair Ventura deve repetir a formação dos dois últimos jogos – vitória contra Ceará e derrota para o Bahia no Campeonato Brasileiro. Jean Mota será mais uma vez o armador da equipe.

Bruno Henrique, suspenso na Libertadores e com lesão muscular na coxa esquerda, é ausência confirmada. Gabigol, sem marcar há dois meses, seguirá como centroavante do time.

“Temos que igualar na vontade. Sabemos que argentinos e uruguaios são raçudos. A nossa qualidade sobressai, porém se igualarmos na vontade, temos grande chances de sair com a vitória em casa. Tive a oportunidade de jogar ano passado na Vila. É diferente o clima. É emocionante aquele corredor de fogo. O adversário sente bastante. A Vila é a nossa casa e a pressão é maior. Desfavorece muito o adversário”, disse Jean, nesta segunda-feira.

Estudiantes treinou no CT do Corinthians nesta segunda-feira (Divulgação)

Depois de perder em casa para o Peixe, o Estudiantes vem ao Brasil para recuperar os pontos perdidos e ainda brigar pela classificação. O zagueiro Fabián Noguera, emprestado pelo alvinegro, será desfalque, assim como o atacante Mariano Pavone.

O time de La Plata, diferentemente do Santos em Salvador, poupou a maioria dos titulares na última sexta-feira, em revés por 1 a 0 para o Belgrano, em casa. Os argentinos vêm de três derrotas nos últimos quatro jogos no Campeonato Argentino.

FICHA TÉCNICA
SANTOS x Estudiantes

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 24 de abril de 2018
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Eber Aquino (PAR)
Assistentes: Dario Gaona e Rodney Aquino (PAR)

SANTOS: Vanderlei, Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison, Léo Cittadini e Jean Mota; Eduardo Sasha, Rodrygo e Gabigol
Técnico: Jair Ventura

ESTUDIANTES: Andújar, Sánchez, Desábato, Schunke e Campi; Braña, Zuqui (Gíménez), Rodríguez e Lattanzio; Melano e Otero
Técnico: Lucas Bernardi

 

 

Gazeta Esportiva

 

Mais Artigos...