Dourados-MS,
BANNER 1 - Camra-15-09- (1000X90)

Roger Guedes foi o autor do gol da vitória (Foto: Divulgação)

Em jogo orquestrado por uma arbitragem muito ruim de Dewson Freitas, o Atlético-MG conseguiu uma vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians na tarde deste domingo, no estádio Independência, em Belo Horizonte. O único gol da partida saiu do peito de Roger Guedes, em lance no qual o Timão reclamou saída de bola e falta em Mantuan.

Com o resultado, o Alvinegro perde a liderança do Campeonato Brasileiro para o Flamengo, estacionando nos seis pontos conquistados e encerrando sua maratona de jogos como visitante no torneio. O Galo, por sua vez, conquistou o segundo triunfo consecutivo no torneio e agora divide posição com os paulistas.

Na próxima rodada, os comandados de Fábio Carille terão pela frente o Ceará, às 11h (de Brasília) do domingo, na Arena Corinthians. Antes, no entanto, os alvinegros dão uma pausa no Campeonato Brasileiro para disputar a quarta rodada da fase de grupos da Libertadores da América, contra o Independiente-ARG, também em Itaquera, mas na quarta-feira, às 21h45 (de Brasília). Larghi e sua trupe, por outro lado, visitam o São Paulo às 19h (de Brasília) do sábado, no Morumbi.

Arbitragem ruim atrapalha etapa inicial

O primeiro tempo começou com o Atlético-MG mostrando uma intensidade digna de final de campeonato, marcando o Corinthians no campo de ataque e dando muito pouco espaço para a criação alvinegra, relegada a uma ou outra subida de Maycon pelo meio. Enquanto isso, Otero comandou as ações ofensivas dos donos da casa, apoiados pelo embalo da torcida.

A primeira grande chance veio justamente no primeiro vacilo da arbitragem. Após ignorar forte entrada em Mantuan, Dewson Freitas deu amarelo para Gabriel em falta ainda na intermediária. Sem se preocupar com a distância, Otero bateu muito bem a infração e carimbou o travessão de Cássio.

Empolgado, o Galo não diminuiu o ritmo e chegou ao gol aos 37 minutos, quando Roger Guedes aproveitou sobra de bola na área e chutou para o gol de Cássio. Após um minuto, porém, o juiz voltou atrás e paontou toque de mão de Ricardo Oliveira, que realmente aconteceu, anulando o tento atleticano e causando revolta na torcida.

Pouco depois, Maycon invadiu a área e sofreu um puxão de Patric, ignorado pela arbitragem. O jogo seguiu em ritmo acelerado, com o Timão mais se defendendo do que ficando com a bola, mas mantendo o placar zerado até o intervalo da partida.

Galo segue pressão e consegue a vitória

O Galo voltou para o segundo tempo impressionantemente sem diminuir sua intensidade. Ainda que pecasse na criação, com jogadas sempre buscando mais uma bola alçada na área do que o toque de bola. Gustavo Blanco, em escapada pela direita, acertou o travessão de Cássio em tentativa de cruzamento.

Emerson Sheik, que entrou no intervalo, tentou dar mais movimentação ao ataque corintiano, que conseguiu produzir mais. O primeiro lance foi um chute de fora da área de Rodriguinho, que passou à direita de Victor. Pouco depois, Sheik chutou forte e Victor espalmou para o meio da área, contanto com Patric para afastar.

O Atlético passou a acionar bastante Ricardo Oliveira, que quase marcou em chute próximo à linha de fundo, parando em boa defesa de Cássio. Na resposta, Vital tentou encobrir Victor, que havia afastado mal uma bola, mas o arqueiro conseguiu se recuperar a tempo.

Em busca da vitória, Larghi fez uma substituição tripla e mandou o time todo para o ataque, sendo recompensado em outro lance polêmico. Após esticada para Patric, o lateral cruzou na área uma bola que quase saía pela linha de fundo e Roger Guedes, após dar uma trombada nas costas de Mantuan, empurrou para a rede.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 1 X 0 CORINTHIANS

Local: Estádio Independência, Belo Horizonte (MG)
Data: 29 de abril de 2018 (Domingo)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Assistentes: Helcio Araujo Neves (PA) e Heronildo Freitas da Silva (PA)
Cartões amarelos: Roger Guedes, Adilson, Ricardo Oliveira, Elias (Atlético-MG); Gabriel, Romero, Maycon (Corinthians)
Gols:
ATLÉTICO-MG: Roger Guedes, aos 41 minutos do segundo tempo

ATLÉTICO-MG: Victor; Patric, Bremer (Mateus Galdezani), Gabriel e Fábio Santos; Adilson, Gustavo Blanco (Elias), Otero, Luan (Alerrandro) e Roger Guedes; Ricardo Oliveira
Técnico: Thiago Larghi

CORINTHIANS: Cássio; Fagner (Mantuan), Balbuena, Henrique e Sidcley; Gabriel e Maycon; Romero, Mateus Vital, Rodriguinho (Marquinhos Gabriel) e Clayson (Emerson Sheik)
Técnico: Fábio Carille

 

 

Gazeta Esportiva

Tricolor tem começo de competição muito complicado (Divulgação/PRC)

O Paraná Clube segue sem vencer após seu retorno à Série A do Campeonato Brasileiro e desta vez, novamente jogando em casa, perdeu para do Sport, por 2 a 1, na Vila Capanema. Com o resultado, o Tricolor segue na lanterna, sem nenhum ponto marcado. O Leão é o 11º colocado, com quatro pontos.

O time rubro-negro precisou de sete minutos para abrir a contagem, com Rogério, aproveitando cruzamento para desviar para a rede. Na segunda etapa, Marlone, de falta, marcou um belo gol, aos três minutos. Aos 44 minutos, Jhonny Lucas descontou.

Na próxima rodada, o Paraná Clube enfrenta a Chapecoense, na segunda-feir,a dia 07 de maio, na Arena Condá, em Chapecó. Já o Sport terá pela frente o Bahia, domingo, na Ilha do Retiro, no Recife.

O jogo – O Tricolor entrou em campo com o goleiro David como principal novidada. E o reforço paranista já teve que trabalhar logo aos três minutos, parando uma bomba de Fellipe Bastos. No rebote, Andrigo isolou. A resposta veio aos seis minutos, com Raphael Alemão aproveitando a saída errada de Neto Moura para invadir a área e chutar fraco, recuando para Maílson. Mas, aos sete minutos, levantamento para Rogério desviar e abrir o placar para a equipe pernambucana.

O gol fez o Paraná acordou e saiu mais para o jogo. Aos 17 minutos, Jhonny Lucas arriscou de fora da área e a bola passou raspando o ângulo. Dois minutos depois, Caio Henrique chegou pelo lado do campo e cruzou pra Mailson afastar. Rayan pegou a sobra, mas arrematou em cima da defesa. Neto Moura arriscou de fora da área, aos 22 minutos e a bola passou com perigo.

Mais Tricolor no ataque, com Raphael Alemão, aos 25 minutos, entrando no meio da defesa e batendo em cima do goleiro. Aos 26 minutos, foi a vez de Carlos pegar a bola de frente para o gol e chutar em cima de Maílson. Lançamento para Carlos, aos 38 minutos, o atacante tocou na saída do goleiro, que se recuperou e com habilidade pegou a bola com uma mão.

Depois do intervalo, o Tricolor voltou com Matheus Pereira e Báez nos lugares de Wesley Dias e Rayan. Mas, aos três minutos, Marlone cobrou falta com muita categoria, no ângulo, e ampliou a vantagem no placar. Aos seis minutos, Raphael Alemão recebeu na área, ajeitou e soltou o pé para mais uma boa defesa de Maílson.

Os dois treinadores mexeram bastante nas equipes, inclusive com as estreias de Luan Viana pelo lado do Tricolor e Carlo Henrique no Leão. O Sport estava bem fechado em sua defesa, esperando para sair no contra-ataque, mas o Paraná tinha muita dificuldade em seu ataque para criar algo. Aos 26 minutos, levantamento para Cléber Reis, que subiu para testar para fora, com perigo.

O Paraná até tinha volume de jogo, mais posse de bola e tentava criar, mas sem sucesso. Aos 37 minutos, Fellipe Bastos cobrou falta da intermediária, direto, com força, mas pela linha de fundo. Aos 44 minutos, Jhonny Lucas aproveitou rebote do goleiro, para parou cabeçada de Carlos, para empurrar para a rede e descontar.

PARANÁ 1 X 2 SPORT

Local: Estádio Durival Britto e Silva, em Curitiba (PR)
Data: 29 de abril de 2018, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Daniel Nobre Bins (RS)
Assistentes: Lucio Beiersdorf Flor (RS) e Mauricio Coelho Silva Penna (RS)
Cartões amarelos: Jesiel, Ferreira (Sport)

Gols
PARANÁ: Jhonny Lucas, aos 44 minutos do segundo tempo
SPORT : Rogério, aos 07 minutos do primeiro tempo e Marlone, aos 03 minutos do segundo tempo

PARANÁ: David; Alemão, Jesiel, Cleber Reis e Rayan (Báez); Wesley Dias (Matheus Pereira), Jhonny Lucas e Caio Henrique; Carlos, Raphael Alemão (Luan Viana) e Silvinho.
Técnico: Rogério Micale

SPORT : Mailson; Raul Prata, Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Anselmo, Fellipe Bastos, Neto Moura (Ferreira), Andrigo (Cláudio Winck) e Marlone; Rogério (Carlos Henrique).
Técnico:Claudinei Oliveira

 

 

Gazeta Esportiva

São Paulo vacilou e cedeu o empate para os cariocas no fim do segundo tempo (Foto: Mailson Santana/Fluminense)

O São Paulo desperdiçou, na tarde deste domingo, grande oportunidade de conquistar a sua primeira vitória como visitante no Campeonato Brasileiro de 2018. Jogando no Maracanã, contra o Fluminense, o Tricolor paulista abriu o placar no primeiro tempo, com gol chorado de Éder Militão, mas cedeu o empate aos 43 minutos da etapa final, quando Pedro deixou tudo igual, em duelo válido pela terceira rodada da competição.

Com o empate por 1 a 1, o time dirigido por Diego Aguirre segue parte intermediária da tabela, no sexto lugar, com cinco pontos ganhos, dois a menos que o líder Flamengo. Já os comandados por Abel Braga, com quatro pontos, ficaram na nona posição.

Na próxima rodada, o São Paulo voltará ao Morumbi para enfrentar o Atlético-MG, no sábado (5), às 19 horas (de Brasília). Um dia depois, às 16 horas, o Tricolor carioca buscará a reabilitação frente ao Vitória, em Salvador.

O Jogo – O Fluminense começou tentando propor as ações ofensivas, mas não conseguiu pressionar os visitantes, que apostavam nos contra-ataques. Em um deles, aos 17 minutos, após boa trama pela esquerda, Nenê recebeu de Liziero no meio e chutou cruzado. A bola, porém, saiu sem força pela linha de fundo.

Aos poucos, com trocas de passes rápidos, os paulistas foram impondo seu ritmo e abriram o placar aos 23 minutos. Após cobrança de escanteio pela esquerda, Militão acertou a trave. No rebote, Diego Souza bateu de chapa e viu o goleiro Júlio César espalmar para o travessão. Na nova sobra, o zagueiro não perdoou e testou para a rede.

O gol fez os cariocas partirem para o ataque e exercerem certa pressão nos minutos finais do primeiro tempo. Aos 41, por exemplo, Léo cruzou pela direita e achou Marcos Júnior. Na tentativa do arremate, o atacante tirou a chance de Sornoza igualar o marcador.

Em busca do empate, o técnico Abel Braga voltou do intervalo com o atacante Matheus Alessandro no lugar do zagueiro Frazan. Diferentemente do primeiro tempo, a etapa complementar começou tensa e com muitas faltas, sendo Nenê, Liziero e Sornoza advertidos com cartão amarelo.

Liziero e Régis, cansados, foram substituídos por Edimar e Marcos Guilherme, respectivamente. Aos 26 minutos, o Fluminense reclamou muito de um suposto pênalti cometido por Arboleda, que tocou com o braço na bola ao dar um carrinho dentro da área. O árbitro Rodolpho Toski Marques, contudo, não atendeu aos pedidos dos mandantes.

Na parte final do duelo, uma sucessão de bolas na trave. Aos 32 minutos, Léo pegou rebote após cobrança de escanteio e arriscou de longe, acertando o poste direito de Sidão. Pouco depois, Marcos Guilherme cruzou pela direita, Everton esticou a perna e acertou o travessão. Logo em seguida, Robinho recebeu livre na direita, chutou cruzado e acertou a trave esquerda de Sidão.

O recuo dos paulistas custou caro. Aos 43 minutos, aproveitando cruzamento vindo da direita, o atacante Pedro venceu Arboleda por cima e, de cabeça, deixou tudo igual no Maracanã. O jogo ficou ainda mais aberto, mas nenhuma das equipes conseguiu desempatar a partida.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 1 X 1 SÃO PAULO

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 29 de abril de 2018, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR-FIFA)
Assistentes: Bruno Boschilia (PR-FIFA) e Victor Hugo Imazu dos Santos (PR)
Público: 19.235 pagantes
Renda: R$ 565.405,00
Cartão Amarelo: Sornoza, Léo e Jadson (Fluminense); Nenê e Liziero (São Paulo)
Cartão Vermelho: –
Gol:
SÃO PAULO: Éder Militão, aos 23 minutos do primeiro tempo
FLUMINENSE: Pedro, aos 43 minutos do segundo tempo

FLUMINENSE: Júlio César; Renato Chaves, Gum e Frazan (Matheus Alessandro); Léo, Richard, Jadson (Pablo Dyego), Junior Sornoza e Ayrton Lucas; Marcos Junior (Robinho) e Pedro
Técnico: Abel Braga

SÃO PAULO: Sidão; Éder Militão, Arboleda e Bruno Alves; Régis (Marcos Guilherme), Jucilei, Petros e Liziero (Edimar); Nenê, Everton e Diego Souza (Tréllez)
Técnico: Diego Aguirre

 

 

Gazeta Esportiva

Tricolor ainda busca se acertar neste início de Campeonato Brasileiro (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

O São Paulo visita o Fluminense neste domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã, em busca de sua primeira vitória fora de casa na atual edição do Campeonato Brasileiro. Sem poder contar com Reinaldo e Rodrigo Caio, que ainda se recuperam de seus respectivos problemas físicos, a grande novidade do elenco que viajou ao Rio de Janeiro é Diego Souza, que voltou a ser relacionado após ficar de fora do empate em 0 a 0 com o Ceará.

Rodrigo Caio sofreu ume entorse no pé esquerdo e permanecerá na capital paulista realizando trabalho de transição. Havia a suspeita de que o zagueiro tivesse sofrido uma fratura, fato que forçou o departamento médico a sair do Castelão rumo à uma clínica para a realização de exames de imagem. Sem qualquer lesão mais grave, ele deverá voltar a ficar à disposição na próxima semana.

O caso de Reinaldo é parecido. O lateral-esquerdo sofreu uma contratura na coxa esquerda no duelo com o Rosario Central, pela Copa Sul-Americana, e está muito próximo de estar 100% recuperado de seu problema físico. Ainda assim, Diego Aguirre ouviu as recomendações do departamento médico e decidiu deixá-lo em São Paulo.

Everton e Militão, que não haviam treinado na reapresentação da equipe, na última quarta-feira, não possuem qualquer limitação e devem ir a campo contra o Fluminense. Diego Souza pode ser uma opção para o setor ofensivo no decorrer da partida.

Com a possibilidade de o Fluminense jogar com três zagueiros, a tendência é que Aguirre também vá a campo com uma linha defensiva composta por três jogadores. Sem Rodrigo Caio, o Tricolor deve contar com Arboleda, Militão e Bruno Alves. Jucilei, poupado contra o Ceará, e Nenê, que iniciou o duelo em Fortaleza no banco de reservas, devem voltar ao time titular.

Fluminense quer evitar segunda derrota para paulistas no Brasileirão (Foto: Lucas Merçon/Fluminense F.C.)

Pelo lado do Fluminense, o técnico Abel Braga não esconde o desejo de vitória. Tentando aproveitar o momento de instabilidade do São Paulo, os donos da casa esperam fazer valer o mando de campo e somar sua segunda vitória consecutiva na competição, já que depois de estrear com derrota para o Corinthians, em Itaquera, se recuperaram batendo o Cruzeiro por 1 a 0.

“Na competição o fator campo é realmente muito importante e por isso mesmo vamos com o pensamento de somar o segundo triunfo seguido no Maracanã. Esse será um fator de equilíbrio importante, como sempre é no Campeonato Brasileiro”, afirmou Abel.

Em termos de escalação, o Fluminense não terá o lateral-direito Gilberto, suspenso por ter sido expulso contra o Cruzeiro. Leo assume o posto. O zagueiro Ibañez, se recuperando de lesão na coxa esquerda, fez esta semana a transição do departamento médico para a preparação física. Porém, ele não será utilizado.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE X SÃO PAULO

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 29 de abril de 2018, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR-FIFA)
Assistentes: Bruno Boschilia (PR-FIFA) e Victor Hugo Imazu dos Santos (PR)

FLUMINENSE: Júlio César, Renato Chaves, Gum e Frazan; Leo, Richard, Jadson, Junior Sornoza e Ayrton Lucas; Marcos Júnior e Pedro
Técnico: Abel Braga

SÃO PAULO: Sidão; Militão, Arboleda e Bruno Alves; Régis, Petros, Jucilei e Edimar; Nenê, Everton e Tréllez.
Técnico: Diego Aguirre

 

 

Gazeta Esportiva

Bahia finalizou mais do que o Atlético-PR (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Bahia e Atlético-PR protagonizaram um confronto de estilos neste domingo. Enquanto o Tricolor buscava jogar de forma mais direta e criou mais chances, o Furacão tinha mais a posse de bola, só que encontrou dificuldades para finalizar. O resultado do confronto da terceira rodada do Campeonato Brasileiro foi um empate por 0 a 0 na Arena Fonte Nova.

Com o resultado, o Esquadrão de Aço chega a quatro pontos e fica no meio da tabela do Brasileirão. Já o time de Fernando Diniz vai a cinco tentos e continua entre os primeiros colocados.

Na próxima rodada, o Atlético-PR irá receber o Palmeiras no domingo, dia 6 de maio, às 16 horas (de Brasília), na Arena da Baixada. Por sua vez, o Bahia irá visitar o Sport, no mesmo dia, só que às 19 horas. Antes disso, o time de Guto Ferreira irá enfrentar o Botafogo-PB no meio da semana pela Copa do Nordeste.

O jogo

O Bahia começou melhor a partida e quase abriu o placar aos quatro. Após a defesa do Atlético-PR desviar o cruzamento, Vinícius bateu colocado de fora da área, mas ela foi para o lado direito do gol.

Aos sete minutos, Paulo André fez desarme, mas errou na saída de bola, entregando ela para Nino Paraíba, que fez o arremate de fora da área. A bola passou por cima da meta de Santos.

Os mandantes voltaram ao ataque aos 16. Vinícius abriu o jogo pela direta com Élber, que avançou até a entrada da área e mandou uma bomba. No entanto, Santos fez uma boa defesa em dois tempos.

Como resposta, aos 18, Guilherme arriscou de longe e Douglas Friedrich agarrou a bola na primeira chance criada pelo Furacão.

O Esquadrão de Aço voltou ao ataque aos 29 minutos. Zé Rafael ganhou de Matheus Rossetto no meio de campo e finalizou de esquerda. A bola desviou e explodiu na trave antes de sair para escanteio.

O Tricolor voltou bem para a segunda etapa assustando o time de Fernando Diniz. Em jogada de velocidade, Élber finalizou no canto e Santos fez uma defesa muito difícil. Como resposta, aos seis, Guilherme recebeu cruzamento rasteiro e bateu. Zé Rafael apareceu para tirar a bola em cima da linha.

Santos fez duas grandes defesas aos dez minutos, Primeiro Zé Rafael chegou pela direita, cruzou e Edigar Junio finalizou. Em seguida, Élber tentou e o goleiro do Atlético-PR salvou. O Bahia voltou ao ataque aos 14. Élber cruzou e Zé Rafael cabeceou para fora.

Os mandantes quase marcaram seu gol na primeira chance de Júnior Brumado, que tocou de primeira para Léo. Este saiu cara a cara com o goleiro e bateu mal.

Aos 38 minutos o Atlético-PR conseguiu falta na entrada da área. Carleto ameaçou mandar uma bomba, só que bateu no jeito e acertou o travessão.

Logo em seguida, Brumado recebeu a bola na intermediária, sai da marcação e fez uma bela finalização, fazendo alguns torcedores a gritarem gol.

FICHA TÉCNICA
BAHIA 0 X 0 ATLÉTICO – PR

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Data: 29 de abril de 2018, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG) e Sidmar dos Santos Meurer (MG)
Cartões amarelos: Zé Rafael e Élber (Bahia) Paulo André (Atlético-PR)
Cartão vermelho: não teve
Público:16.235
Renda: R$ 312.815,00

BAHIA: Douglas; Nino Paraíba, Rodrigo Becão (Everson), Lucas Fonseca e Léo; Gregore e Elton; Élber, Vinícius (Régis) e Zé Rafael; Edigar Junio (Júnior Brumado)
Técnico: Guto Ferreira

ATLÉTICO-PR: Santos; Pavez, Paulo André e Thiago Heleno; Jonathan, Matheus Rossetto, Lucho González (Jonathan) e Carleto; Nikão, Guilherme (Raphael Veiga) e Pablo (Ribamar)
Técnico: Fernando Diniz

 

 

Gazeta Esportiva

Neste domingo, o Palmeiras entra em campo pelo Campeonato Brasileiro, mas a situação do clube na Copa Libertadores certamente irá influenciar positivamente a atmosfera no Allianz Parque. Garantido nas oitavas de final do torneio sul-americano com duas rodadas de antecedência, o Verdão volta suas atenções à Chapecoense, em duelo às 16h (de Brasília), deste domingo, no Allianz Parque.

“A classificação faz com que consiga transferir essa motivação e entusiasmo para o Brasileiro. Facilita muito porque o ambiente fica mais leve, você consegue trabalhar com mais calma”, disse o treinador. “Parte do projeto foi alcançado, mas a cobrança a partir desse momento vai ser para que se seja o primeiro do grupo e da classificação geral. A exigência vai continuar”.

O clima na Academia de Futebol ficou de fato mais leve com o triunfo sobre o Boca Juniors. O capitão Dudu, por exemplo, xingado antes do encontro com os argentinos, foi ovacionado após o duelo. Até mesmo Roger Machado, já tinha o trabalho questionado no clube, mas nada que o fizesse perder a tranquilidade.

“Sempre tive tranquilidade interna para trabalhar. Nosso ambiente interno não esteve tumultuado, é muito importante a gente conseguir discernir o que está acontecendo. A perda do título (Paulista), que tinha uma expectativa alta em função do tempo sem vencer, por ter sido clássico, gerou frustração grande na torcida. De uma certa forma, gerou pressão do lado externo. Mas, internamente, sempre tivemos tranquilidade para trabalhar”, completou.

Para o duelo contra a Chape, a escalação palestrina é um mistério. Na única entrevista coletiva antes do duelo, Roger Machado descartou escalar uma formação toda reservas, mas disse que mudanças poderiam ocorrer pela parte física dos atletas.

Até aqui, o Palmeiras soma quatro pontos (empate com Botafogo e vitória sobre o Internacional). Além da Chape, no caminho alviverde até a parada para a Copa do Mundo ainda estão, Atlético-PR (em Curitiba, dia 6), Corinthians (em Itaquera, dia 13), Bahia (no Allianz, dia 19), Sport (no Allianz, dia 26), Cruzeiro (no Mineirão, dia 30), São Paulo (no Allianz, dia 2 de junho), Grêmio (em Porto Alegre, dia 6), Ceará (em Fortaleza, dia 10) e Flamengo (no Allianz, dia 13).

Chape quer vencer a primeira no Brasileiro (Foto: Sirli Freitas/CFC)

Do outro lado, o clima é diferente. A Chapecoense perdeu a final do Campeonato Catarinense, foi goleada na estreia do Brasileirão (Atlético-PR, por 5 a 1) e ainda não venceu na competição.

“Sabemos que o clima vai ser de pressão. Nossa atitude também tem que ter esse clima e termos nosso nível de concentração elevado. Temos que aliar isso à nossa ambição de conquistar nossa primeira vitória no Campeonato”, afirmou o técnico Gilson Kleina.

Para encerrar a má-fase, o time catarinense aposta na semana livre para treinos. O triunfo do ano passado, com gols de Túlio de Melo e Fabrício Bruno em pleno Allianz Parque podem servir de inspiração para o Verdão.

“Acho que quando menos o torcedor espera, nossa equipe pode surpreender. Temos de trabalhar forte, temos nos doado ao máximo, treinando, mas o resultado não tem vindo. Vamos procurar contra o Palmeiras fazer um bom jogo e somar pontos”, afirmou o volante Elicarlos.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS X CHAPECOENSE

Data: 29 de abril de 2018, domingo
Local: Allianz Parque
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique
Assistentes: Michael Correia e Silbert Faria Sisquim

PALMEIRAS: Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo e Bruno Henrique; Keno Lucas Lima e Dudu; Borja
Técnico: Roger Machado

CHAPECOENSE: Jandrei; Apodi, Douglas Silva, Rafael Thyere, e Vinícius Freitas; Amaral e Elicarlos; Arthur Caike, Canteros e Luiz Antonio; Wellington Paulista
Técnico: Gilson Kleina

 

 

 

 

Gazeta Esportiva

O Atlético quer mais uma vitória dentro da competição. Já o Corinthians precisa manter sua invencibilidade dentro do Campeonato Brasileiro. Desta forma, as equipes duelam na tarde deste domingo, às 16h (de Brasília), no Independência.

O Atlético leva o jogo em ritmo de decisão. O técnico Thiago Larghi sabe das dificuldades que vai encontrar pela frente e quer todos os treinos fechados desde quarta-feira até o dia do jogo. Nada foi visto. Mas a equipe deve sofrer alterações em relação aos jogos anteriores.

Isso porque o meia Cazares e o zagueiro Leonardo Silva estão de volta após um período no departamento médico. Com os retornos, o meio campo deve entrar Cazares e sair Roger Guedes da equipe. Na defesa, Gabriel e Bremer disputam a vaga.

Timão 100%

Atual campeão brasileiro, o Corinthians chega a Belo Horizonte disposto a manter o 100% de aproveitamento construído até agora na competição. Única equipe a vencer suas duas partidas pelo torneio, o Timão fechará diante do Galo uma sequência de quatro jogos consecutivos como visitante na temporada.

Mesmo com a dificuldade de atuar tantas vezes seguidas longe do seu estádio, o Alvinegro registrou duas importantes vitórias e um empate na série, podendo fechar em grande estilo frente aos mineiros. Para que isso aconteça, porém, os corintianos sabem que precisarão de um desempenho melhor do que o apresentado diante do Vitória, na Bahia.

“A equipe do Vitória ficou muito lá atrás, mesmo jogando diante da torcida deles, esperando o nosso erro para jogar no contra-ataque. Acredito que lá em Minas o time do Atlético não vai atuar assim”, comentou o lateral esquerdo Sidcley, à espera de mais espaços para o Timão construir as suas jogadas no meio-campo.

A novidade da equipe, que deve manter a força máxima, fica para o banco de reservas. O centroavante Roger, contratado recentemente em troca envolvendo a ida de Lucca para o Internacional, será relacionado e ficará como opção para o segundo tempo. Ralf, machucado, dá lugar a Gabriel na proteção da zaga, na provável única mudança entre os titulares.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO X CORINTHIANS

Local: Estádio Independência, Belo Horizonte (MG)
Data: 29 de abril de 2018 (Domingo)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Helcio Araujo Neves (PA) e Heronildo Freitas da Silva (PA)

ATLÉTICO – Victor, Patric, Leonardo Silva, Bremer (Gabriel), Fábio Santos, Adilson, Gustavo Blanco, Cazares, Otero, Luan e Ricardo Oliveira.
Técnico: Thiago Larghi.

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Henrique e Sidcley; Gabriel e Maycon; Romero, Jadson, Rodriguinho e Clayson
Técnico: Fábio Carille

 

 

 

Gazeta Esportiva

Mais Artigos...