Dourados-MS,
Câmara_audiência

Atlético decepciona na estreia e perde em casa para o Cerro

Atlético não conseguiu vencer o Cerro, em casa, na noite desta quarta-feira (Foto: Bruno Cantini / Atlético)

Futebol
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

A diretoria do Atlético acreditou e levou o jogo contra o Cerro Porteño, na noite desta quarta-feira, para o Mineirão. A torcida comprou a ideia e compareceu, mesmo com toda ressaca de carnaval e uma data não muito boa – considerando feriado prolongado e pagamento das empresas. Os jogadores, porém, não conseguiram unir tudo isso para seguir com a folia. Com um jogo fraco e previsível na maior parte do jogo, o Galo perdeu por 1 a 0, na estreia das equipes pela Copa Libertadores.

O Atlético fez 15 ótimos minutos, no primeiro tempo. Depois foi uma equipe previsível, que basicamente desenhava suas ações em campo, afunilando jogadas, dando pouca profundidade. O Cerro se fechou e saiu apenas quando deu. Ou seja, no ponto de vista de tática, o grupo paraguaio cumpriu o que se propôs. Ao Atlético, resta reconhecer seus erros, entender seus problemas e buscar uma sequência melhor de competição. Vale ressaltar que o gol do Cerro, marcado por Churín, estava impedido, mas não cabe isso para justificar o fracasso.

Pela competição, o Galo volta a campo na próxima terça-feira, contra o Nacional, às 21h30 (de Brasília), no Estádio Parque Central. O Cerro recebe o Zamora, na quarta-feira, às 19h15, no Paraguai.

Primeiro tempo

A partida já começou com uma grande polêmica. Logo aos oito minutos, o Atlético teve uma falta com Cazares. A bola passa por todo mundo e morre no fundo do gol. O bandeira percebeu que o gol foi legal e correu para o meio campo, mas o árbitro entrou no assunto e anulou o tento preto e branco. Após minutos de debate e nervosismo, o árbitro marcou o tiro livre para o arqueiro do Cerro.

O Atlético começou o jogo bastante pilhado. A equipe alvinegra atacava com vários jogadores e, com três volantes em campo, dava liberdade a Elias e Jair, portanto, conseguia ser agressiva e, ao mesmo tempo, rápida na recomposição.

Logo no lance seguinte ao gol anulado, Cazares chutou de fora da área e a bola parou na trave. O Galo pressionava muito o Cerro que tinha postura travada em campo, buscava o ataque em momentos isolados e, de fato, preocupava-se mais com a defesa do que com as saídas.

O Atlético, entretanto, passou a concentrar muito suas ações em dois jogadores principais: Cazares e Ricardo Oliveira. O camisa 10 sendo o centro das atenções para organização do time preto e branco. Já o centroavante era o jogador a ser servido. Portanto, ficou mais fácil marcar o ataque.

Após os 40 minutos, o Cerro passou a chegar mais ao ataque, mas a defesa atleticana teve excelente comportamento e não deixou qualquer problema acontecer.

Segundo tempo

Os primeiros minutos da etapa complementar mostraram que o Galo teria problemas. A equipe mineira tinha postura mais fraca em campo, com problemas de aproximação, erros infantis de passes. A intensidade do primeiro tempo, naturalmente diminuiu.

Aos 17 o Atlético chegou com grande perigo: Cazares recebeu no meio, driblou o zagueiro e chutou buscando o ângulo. A bola tirou tinta da trave.

A partir disso o Galo passou a buscar o ataque com mais intensidade. No lance seguinte a chegada, Patric recebeu a bola na linha de fundo e colocou na cabeça de Ricardo Oliveira. A bola passou ao lado da trave, mas arrancou o grito dos torcedores nas arquibancadas.

O Atlético passou a ter problemas graves após os 25. Além dos já citados acima, foi claro que a equipe não conseguia jogar pelos lados. Quase como um viciado, o time afunilou jogadas e, diante de uma defesa bem organizada, isso foi fatal.

Aos 32, o Cerro chegou ao gol. Com uma tranquilidade impar na esquerda, Ruiz cruza a bola e Churín aproveitou a indecisão de Rever e Victor para mandar para o fundo das redes. O lance estava impedido.

Bateu o desespero. O Galo partiu para o ataque, mas de nada adiantou. O máximo que conseguiu, com toda sua previsão em campo, foi uma bola na frente para Ricardo Oliveira, mas o bandeira anulou o lance de maneira correta.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO 0 X 1 CERRO PORTEÑO-PAR

Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: Quarta-feira, dia 06 de março de 2019
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Mario Vigliano-ARG
Assistentes: Hernan Maidana-ARG e Gabriel Chade-ARG

Cartões: Rever, Adilson (Atlético)
Gol: Churín, aos 32 do segundo tempo (Cerro)

 

ATLÉTICO: Victor; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Jair (Nathan), Adílson (Vinícius), Elias (Chará), Cazares e Luan; Ricardo Oliveira
Técnico: Levir Culpi

CERRO PORTEÑO-PAR: Carrizo; Candia, Escobar e Amorebieta; Arzamendia, Aguilar, Villasanti, Oscar Ruiz, Fede Carrizo (Espínola), Nelson Valdez (Churín), Larrivey (Novick)
Técnico: Fernando Jubero